Ah… Dinorah, Dinorah!

Eu a vejo partir aos poucos, diante de meus olhos, e me pergunto: por que? Talvez eu sofra muito mais do que ela… e assim como quando meu pai também partiu, um enorme pedaço de meu coração se romperá e se perderá para sempre. Minha mãezinha… o ser mais querido que tenho, e nada posso fazer… lembro-me quando, ainda jovem, muitos anos passados, eu meditava, imaginando ser capaz de estancar a seiva da vida a se esvair, e impedir a morte de meus entes queridos… hoje sei que nem mesmo posso fazê-los felizes… cada um tem o seu destino, e quando pensamos estar no controle do leme da nau de nossa existência, algo muito mais poderoso… um vendaval… uma forte corrente… um sopro divino ou maligno nos arrasta para longe, muito longe… nem sextantes, nem estrelas, nem bússolas podem nos dizer para onde somos levados, e só nos resta nos conformar com a sorte… estranha palavra esta: SORTE! Acaso, destino, bons augúrios… para mim, sempre foi Acaso!

Ah… Dinorah, Dinorah!

Minha primeira professora, mãe querida, colo aconchegante que me protegia das tormentas… agora, quase sem ela, já sem meu pai há tantos anos, não há como evitar as procelas… talvez até as busque, quase como uma auto-punição…

Dinorah! Ah… Dinorah…

Mãe que abriu mão de sua própria vida para cuidar de seus filhos… talvez nunca a tenhamos verdadeiramente conhecido; mulher forte e decidida, capaz, porém, de se entregar às lides de uma simples casa, aos cuidados com seu esposo e filhos, em lugar de seguir o seu destino, sua própria vida… professora criativa e inteligente, que soube inovar quando todos os demais preferiam seguir no seu “Caminho Suave”… nossos caminhos nunca foram suaves; pensamos demais, discutimos demais, lutamos mais do que deveríamos ter feito… no entanto, e mesmo por isso, tornamos tudo tão difícil, desgastante, dolorido… sofremos e fizemos sofrer àqueles a quem tanto amamos; estranha manifestação de afeto!

Ah… Dinorah…

Quisera tê-la abraçado mais, beijado mais, declarado incontáveis vezes o meu carinho incondicional por você! No entanto, foram tão poucas as vezes que conversamos sem a tensão opressora de uma estranha e incompreensível solidão… Nunca foi desamor, mas nos manteve distantes, como polos opostos de um poderoso ímã cujas metades jamais se separam… e mesmo que uma poderosa força o rompa, suas novas metades continuarão se opondo com a mesma tensão e energia, sugando-se uma à outra em um movimento estático e infinito… curiosa é a vida, não é mesmo? Sentimos o que não queremos, dizemos o que não devíamos, e nos ofendemos, às vezes, mesmo pensando em não nos magoar.

Ah… minha querida Dinorah!

Poderia até pensar que faria tudo diferente se a vida assim nos permitisse… mas não é verdade. Tornamos a vida cruel, não porque tenhamos ódio, mas pelo mais puro e sincero amor! Que paradoxo, que desencontro… por isso, seguirei minha vida, me penitenciando sempre, punindo-me pelo que não soube ser, flagelando-me em busca de um perdão que não poderá jamais existir.

Ah… Dinorah…

Acredito que nunca mais a verei… assim foi com Ulysses: um dia, um pequeno cochilo, um descuido, uma saída, e Ulysses se foi para sempre, modesto, humilde e discreto… agora é você, Dinorah, mãe querida… mas sou eu quem te deixa para tão distante e, ainda que quisesse, jamais te encontraria novamente… talvez seja melhor assim; minha limitada compreensão das razões do existir só me fizeram sofrer e, comigo, àqueles a quem tanto amo. Digo para mim que é minha missão… busco razões que não existem… afinal, somos como a poeira na réstia de luz que passa na fresta da janela de nossas vidas… efêmeras vidas… tão curtas, tão insignificantes que nem o maior dos seres humanos poderia mudar o curso das estrelas ou afetar o destino do mundo. Haveremos que nos conformar com essa insignificância e buscar, em cada amanhecer, a motivação para viver apenas por mais um ínfimo dia.

Não te direi adeus, Dinorah… talvez um “até breve” que nunca se realizará… pois ambos pereceremos nas brumas do passado. Nem as lápides, nem os livros, nem as inscrições em pedras e nos anais da História permanecerão. No entanto, um dia, em algum lugar do passado, um filho amou profundamente sua mãe e lhe dedicou esse epitáfio:

“Ah, Dinorah… que falta me fizeste no resto de meus dias…”