Passing the Herd

An analysis from the perspective of Sustainability

João Carlos Figueiredo

Abstract

The article addresses the three axes of Sustainability: Environmental, Social and Economic, evaluated under the impacts of the devastation caused by the expansion of agricultural frontiers, and its consequences on the climate balance of the southern hemisphere, insofar as it affects the populations of tropical forests and the American savanna, as well as the components of these ecosystems, deeply impacted by the drastic reduction of aquifers (underground) and water sources (surface). It also discusses the Brazilian option of offering tax subsidies to agribusiness, to the detriment of the industrial and service sectors, and of socio-environmental projects.

Key words

sustainability, agribusiness, economy, environment

The author

Environmentalist, Indigenist, Information Technology Specialist, academic degree in Humanities from the University of São Paulo, Barão de Mauá University Center and Cruzeiro do Sul Colleges. 35 years of professional experience in Informatics, 10 years of adventure sports experience, 9 years of experience in Indigenism. Currently works at the National Indian Foundation, where participated in operations to evacuate indigenous lands invaded by ranchers, land grabbers, prospectors and loggers; also participated in the development of knowledge building projects with vulnerable indigenous populations, due to large undertakings in the Amazon. He has dedicated efforts to clarify the environmental impacts of the devastation caused by agribusiness in the Savannah and South American Amazon biomes.

Introduction

The occupation, by agribusiness, of the areas still preserved in the country, combined with the advance of devastation caused by logging companies, by illegal mining, by land grabbers supported by gunmen, by large hydroelectric plants and real estate projects, by the unplanned construction of roads and crossings in the the jungle, by the INCRA settlements in the Amazon and the connivance of a State led by a fanatical right-wing extremist, supported by officers of the Armed Forces who are part of the government, leads us to believe that in little more than ten years there will be no more forests or indigenous people in Brazil.

“Passing the herd” was the expression used by the former Minister of the Environment, Ricardo Salles. This photograph was taken in the Marãiwatsédé Indigenous Land, of Xavante ethnicity, in 2013. At the time, there were about 100,000 head of Nelore cow.

Political Framework

Brazil is experiencing a unique phase in its history, at a time when a broad election transforms the country’s political framework, by elevating an inept and fascist leader to the Presidency of the Republic, causing changes in the composition of the National Congress, Federal Chamber, state Legislative Assemblies. and District Chamber, as it is based on unusual and opportunistic rules, favoring the status quo: political parties and their leaders, who face the Federal Justice for their involvement in illicit operations uncovered by Operation Lava Jato, while the population expresses its unprecedented discredit democratic institutions and the rule of law. Following world trends to elect far-right governments, Brazil opted for a government linked to retrograde churches, militarism, strengthening agribusiness (with all its ills) and deconstructing all the social achievements of the last 30 years. The first three months of this macabre administration were characterized by internal conflicts within the ministries, instigated by the new occupant of the Planalto and his rancorous and irresponsible sons.

The renewal of the political cadres of the National Congress, as well as the other positions in dispute at the national and state levels, took place in a strange way in this election, with many chiefs of the “old politics” excluded from power, being, however, replaced by unprepared and unprepared newcomers. aligned with the extreme right and its radical and nostalgic ideas from the old days of the military dictatorship. The representation of political parties has been profoundly altered, making it difficult to form a support base for this new group that ascends to power.

Faced with this alarming situation, a third aspect has aggravated and compromised the dispute: while the candidate of the radical left, former President Lula da Silva, of the Workers’ Party, who dominated the political scene for the last 16 years, is in prison and sentenced for corruption and had more than 35% of the voting intentions, his immediate opponent, from the extreme right, is the one who scored the most among the other candidates, being elected with 57 million votes, despite the strong rejection of the progressive sectors. This imbalance of forces between the ideological extremes is associated with corruption, violence and opportunistic changes in electoral legislation.1

Socio-environmental Framework

Brazil has one of the greatest biodiversity on the planet, having two thirds of the largest equatorial forest in the world, which contains about 12% of all drinking water available on Earth2. The Amazon Basin also comprises territories of Guyana, Venezuela, Colombia, Peru and Bolivia, being responsible for the climate system of the South American subcontinent, whose complexity is not yet fully revealed by scientific studies. The hydric and biological reserves of the Amazon region, combined with the mineral wealth it possesses, encourage the greed of local landowners, multinational companies and developed countries, eager to exploit them, without any concern for their socio-environmental consequences.

In turn, the Cerrado biome, exclusive to Brazil, holds a significant volume of underground aquifers that feed a good portion of the hydrographic basins of this subcontinent, with the gigantic Guarani Aquifer as an exponent, which extends through the western, southern and southeastern states, reaching the Paraguay and Argentina. The Cerrado vegetation, unlike the Amazon, is very old, and strongly adapted to the climatic cycles and the aridity of its long periods of drought. However, about 50% of its territory has already been occupied by agribusiness, in contrast to the 22% of the Amazon, already transformed into pastures and monocultures, and heavily dependent on irrigation, obtained from the subsoil, and vulnerable to the enormous volume of pesticides that contaminate aquifers. and surface rivers.

According to the agreement signed in the Paris Agreement on Climate Change, Brazil has committed to keeping the emission of greenhouse gases 37% below the existing levels in 2005, and the deadline for reaching this target would be 2025, which also implies increasing the share of sustainable bioenergy in the energy matrix to 18% by 2030. However, going against these commitments, Brazil continues to devastate the environment, occupying the Amazon and the Cerrado in a disorderly way, exposing more and more areas to occupation by agribusiness , and producing a greater amount of gases, as a result of the burning of large areas of native forest, replaced by pastures for cattle and by monoculture plantations of soy, cotton, sugar cane and other grains.

At the rate at which the forest is being devastated, scientists estimate that, in less than ten years, the ecological balance will be disrupted, activating an irreversible process of degradation of the remaining forests. The estimate is that, reaching 25% of deforestation in the Amazon, this entropic process will begin to supplant the resilience of the forest. This is mainly because the devastated areas are not continuous, increasing the exposure of forest edges to the so-called “edge effect”3, which accelerates the loss of biodiversity and water resources.

This phenomenon is abundantly illustrated by scientific research carried out in the Amazon and the Atlantic Forest. The latter, a remnant of coastal occupation since the Discovery, reached such a degree of devastation that today only 7% of the original forest remains, most of it confined to federal and state Conservation Units. The Atlantic Forest suffered an accelerated process of devastation in the colonization period, aggravated by the intense real estate exploitation in more recent periods, which today also affects the Amazon Forest, as a result of the construction of large hydroelectric plants and extensive highways, including the Transamazônica, built in 1972 during the Medici government of sad memory, in the period of 21 years of the military dictatorship, with 4,223 km of extension.

The combination of these two factors, the political-social uncertainty and the overwhelming advance of agribusiness in a wide territorial extension known as the Arc of Deforestation, which comprises Acre, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins and Maranhão, puts at risk not only the survival of the Amazonian biome but of the planet itself, insofar as it alters the climate balance, resulting in a reduction in drinking water stocks in a region of high population density.

The large enterprises developed in the Amazon, such as hydroelectric plants and highways, act as a trigger for real estate expansion and social degradation, driven by the drastic increase in population, transforming, in a few years, villages and small cities into large urban concentrations, bringing, in its midst, prostitution, drug trafficking, “land grabbing”4, “pistolagem”5 and misery, and making its urban infrastructure precarious. In its wake comes the exploitation of wood, which anticipates the arrival of agribusiness, and prepares the ground for the extinction of the forest in large territorial extensions.

Finally, one of the most harmful factors in this escalation of deforestation refers to the rural settlements promoted by INCRA – Institute for Colonization and Agrarian Reform, without worrying about the environmental impacts, which bring whole families to live in the dashes, on the banks of major highways, and propagate like roots, penetrating the preserved areas of conservation units and indigenous lands. As soon as they take possession of the land, still with the primary forest inside, they start selling hardwood; they remove and sell the most valuable trees to the lumber companies, then they cut what is left and sell it as firewood for charcoal production ovens and, finally, they burn the stumps that are left on the ground, leaving the land bare and useless even for agriculture.

Without guidance for cultivation, they are left in poverty and end up transferring what is left to the farmers, supported by land grabbers and gunmen.

The last extreme factor in the devastation of the Amazon is mining, started in the 16th century, intensified about seven decades ago, and expanding during the military dictatorship, as well as the great highways and railways destined to the flow of mineral production, and today, of agribusiness. Mining aspires to extensive areas mapped by American satellites and by the DNPM (National Department of Mineral Research, today National Mining Agency) in the 1970s. This process continues to threaten the forest, with projects being processed in the National Congress, through pressure from multinationals. and Brazilian companies, including for the purpose of mineral exploration in indigenous lands and conservation units, as was the recent case of RENCA6, in Amapá.

The issue of mining in Brazil is on the agenda of discussions in the National Congress, not out of patriotism, because dishonest businessmen and politicians have no homeland, but because of hidden interests and lobbies of large national and foreign mining companies. Constitutional amendments are waiting for their turn to be voted on, as soon as agribusiness manages to implode indigenous lands and national parks, through bomb agendas of political chiefs, which have been in the pipeline for several years, such as PEC-215, which transfers to Congress the attribution and authority for the demarcation of indigenous lands, which will bury once and for all the aspirations of these populations, whose lands were despoiled by the Portuguese invaders, either by the negligence and cruelty of the authorities, by the incompetence of FUNAI or by the strong pressure exerted by agribusiness, thirsty to finish with the Environment.

There is an argument that circulates among those politicians who sell their votes to make illegal exploitation of preserved areas viable, which is the following: “Europe has already destroyed its forests and destroyed its primitive peoples. The United States has also destroyed the Indians and forests in its territory. However, these countries are among those with the best indices of economic, scientific, technological and social development. So, why not do the same in Brazil, ending poverty and enriching those who share these ideas?”

This argument is false because, if Brazil wipes out the Amazon, the country will suffer the terrible consequences of the greatest climate change in its history, and will become poorer than the desert regions of Africa, Asia and the Middle East. The climatic balance of the South American Continent depends on the energy exchanges and intense humidity that occur along the hydrographic basin of the Amazon River, the largest source of drinking water in the world. What sustains these ecosystems are the waters, both surface and underground aquifers, and the processes of energy exchange that occur in the complex Amazonian environment. Without plant protection, they succumb in a few years.

There is a scientific theory based on research, the “Flying Rivers”, which explains this climatic phenomenon. Millions of tons of water evaporate in the Atlantic Ocean, and travel thousands of kilometers through the air (the flying rivers), to fall, in the form of rain, on the forest. From it, they successively detach and precipitate again, through a process called evapotranspiration, which feeds back these air currents of water, on their journey from the mouth to the Andes Mountains, where they transform into glaciers that, in turn, will melt. and form the most complex network of rivers, streams, streams, streams and lagoons, feeding the gigantic Amazon. This is the mystery of Life, which they want to destroy!

A retrospective of the civilizing process

The Great Navigations of the 16th century, according to historians, were motivated by the European interest in finding alternative paths to the East Indies, but also by the search for new continents, which were suspected to exist, as evidenced by the cartographic maps of Antiquity, probably prepared by Viking navigators, Greeks, Chinese and Phoenicians. Even before venturing into the Atlantic and Pacific seas, there was evidence of lands west of the European continent, still known as the “Old Continent”, although Asia and Africa were older, according to archaeological discoveries from the Paleolithic and Neolithic periods, objects, paintings and human bones.

Portugal was a small nation, territorially, but with intense trade with the Indies, from where it brought spices (teas, seasonings, herbs), as recorded in the literature of the time, which does not mention what goods it took to exchange for these products. It was pressured by strong competition from Spaniards, English, Italians, Dutch and French. For that country, it was a matter of survival and economic wealth to differentiate itself from its neighbors, expanding its domains beyond Europe. The achievements of Portuguese navigations were immortalized by the epic of Luiz de Camões, in “Os Lusíadas”, narrating the adventures of the Portuguese around the Cape of Storms, today Boa Esperança, in the extreme south of Africa, a place of great dangers and numerous shipwrecks.

The small Portuguese fleet crossed the Atlantic Ocean with the expectation of finding land in the west. This is evident from the reduced size of the vessels and the limited capacity of the expedition to extend over a long period. It was just an exploratory voyage, which would be followed by heavy traffic between the two continents in the years that followed. Portugal’s initial intentions were evident in the initial investigative process, and not of occupation, which later lasted for about 300 years, when they discovered the wealth existing in Pindorama7 from overseas.

The first economic activities developed in Brazilian territory since the Discovery were the extraction of brazilwood (“pau-brasil”), the production of sugar cane and the mining of gold, diamonds and precious stones, the cultivation of cocoa, followed by if  cotton planting, coffee farming and rubber (latex) extraction. These extractive and agricultural cycles eventually overlapped, extending for more than a century, until they became economically unviable, either due to the depletion of these resources (in the case of gold, diamond, wood and rubber extraction), or by global competition (in the case of sugarcane, cocoa, cotton and coffee plantations) or even by the emergence of new opportunities (or demands) in the world consumer market.

In this context, it is evident the intensive exploitation of natural resources to the detriment of the environment8, which was then irrelevant. There was no planning, even coinciding with other predatory aspects of this economy, such as the traffic and exploitation of slave labor, and the subsequent introduction of immigrants to compensate for the loss of slaves at the end of the 19th century. The intensity of extractive, pastoral and agricultural activities is evident in the disorderly occupation of the west, through the cycles of entrances and flags, when the genocide of indigenous populations was practiced, to steal their territories, in an attempt to enslave them, replacing them. to slave labor brought from the African continent, which had become extremely expensive and fought by society at the time.

In order to operationalize this process of territorial occupation, since the beginning of the 16th century, policies were implemented to encourage land tenure, initially through the Hereditary Captaincies, which were a huge failure, for not being able to fix their grantees in a land that was still wild and devoid of the comfort and resources in European society. Furthermore, the existence of the Treaty of Tordesilhas restricted the Portuguese occupation of the interior of the continent to half of present-day Brazil. The donee of the captaincies had the right to sell or donate parts of their territory, the sesmarias, to other colonizers, as a stimulus to imperial colonization. From there, predatory territorial exploitation emerged, as an activity, adding value to the bare land in the processes of commercialization of discovered areas.

The term “sesmaria”9 was used to typify the lands belonging to the Portuguese Crown, in which there was neither the development of economic activities, nor the human occupation of the colonial space. Therefore, given the dimensions of that land found to the west of the Atlantic Ocean, the donation of sesmarias proved to be very interesting for the colonizers, as well as an attraction for the coming of European adventurers, interested in settling in these territories. This system was consolidated in the future Brazilian nation, becoming a usual practice throughout the entire process of territorial occupation of the country.

An important partner of the Portuguese Crown in this civilizing process was the Catholic Church, which since the discovery has been present in this territory, having appropriated huge tracts of land, as it acted as a peacemaker and evangelizer of indigenous peoples. This partnership between the Portuguese Crown and the Church was doubly convenient, which gave the religious a “silvicultural herd to spread their doctrines”, while populating the cities that were formed in the new lands of Portuguese America. This system resulted in the Laudêmio10, by which the Church received taxes, collected from the intervivo transmission of property rights. This tax collection system survives to this day in some traditional areas of older cities.

It should be noted that Brazil was occupied by the subtraction of indigenous territories and, many times, with the extermination of entire populations and, consequently, causing the disappearance of cultures, ethnicities, languages, customs and traditions of these peoples. To date, most of these peoples from the American continent still do not have their territory demarcated and regularized by the government, many of whom live, like zombies, in cities and, on the side of the roads, as beggars, subject to sexual exploitation, drugs, to violence and humiliation, in what was his land and his world, until the arrival of the Portuguese.

I A huge silo for storing soy beans, in the middle of indigenous land ndustrialization in the colonial period

During the Portuguese occupation, in the first years after the discovery, until the emancipation of the territory by the independence of Portugal, first as an empire under the regency of Dom Pedro I and Dom Pedro II, then as a Republic, after its proclamation in 1889, even though it was prohibited any manufacturing activity, some essential products were developed by the colonizers, over these almost four centuries, with the purpose of making life more pleasant on this new continent.

With the arrival of the Portuguese imperial family, fleeing from Napoleon Bonaparte, in 1808, the situation in the colony was unsustainable for the nobles, who came from Europe, lacking the minimum conditions for survival in their involuntary exile. Thus, Dom João VI himself stimulated the installation of small manufacturing industries to meet the basic needs of the nobility, thus taking the first steps towards the industrialization of Brazil. This late process accelerated during almost the entire 19th century and prospered with the return of Dom João VI to Portugal, leaving his son with the responsibility of taking care of the Colony. Therefore, the foundations were laid for the transformation of Colonial Brazil into a free and sovereign Nation, which took place in 1822.

During the long reign of Dom Pedro II, who replaced his father when he also returned to Portugal, despite the revolts in different regions of the country that was being formed, there was a period of great achievements, both in the fields of Arts, Culture and Science as well as Economics. However, the most important step towards the industrialization of the country only took place, effectively, after the Proclamation of the Republic, in 1889. Before, however, in 1888, his daughter, Princess Isabel, taking advantage of her father’s absence (or even by him), took the last step to end slavery in Brazil11, on May 13 of that year.

With the liberation of the slaves, the coffee plantation was without manpower to produce. It was through encouraging the arrival of European and Asian immigrants that Brazil started the industrialization process, still during the reign of Dom Pedro II. Coffee was introduced in Brazil in 1856, settling in the region of Vassouras, state of Rio de Janeiro. In the following years it spread through the Vale do Paraíba, heading north and west of São Paulo to the limits of what is now Mato Grosso do Sul. In this expansion process, the construction of railways began, essential for the flow of agricultural and industrial production of coffee, transforming the country into the world’s largest producer and exporter of this product.

B The cowboy dressed in character inside the indigenous land arão de Mauá and the national industry

The Baron of Mauá, Irineu Evangelista de Souza, (1813-1889), was the first entrepreneur, among the social bourgeoisie in Brazil, to invest heavily in industry. Its productive investments focused on various sectors of the economy, from land and water transport to the establishment of a commercial bank. Gaucho by birth, he moved, still in his teens, to Rio de Janeiro, where he worked in an import company. It was in England that he came into contact with urban and industrial society. Upon returning to Brazil, he acquired a foundry in Niterói, which was transformed into a naval shipyard that produced more than sixty ships.

Irineu Evangelista also created the Companhia de Tugboats da Barra do Rio Grande, obtained transport rights on the Amazon River and invested in tram companies in São Paulo. He was one of the biggest promoters of the implementation of railroads in Brazil. Honored with the title of Barão de Mauá, he built a network of submarine telegraphs, linking Brazil to Europe, invested in the Rio de Janeiro Gas Company and in banking establishments, including Casa Mauá & Cia.

However, its industrialization projects faced the precarious situation of the country’s economy, based heavily on the use of slave labor. Being against slavery, he suffered strong pressure from the coffee landowners, having even been the target of attacks and sabotage in his activities. The intense taxation of industrial activities was the coup de grace for his projects, leading him to bankruptcy in 1878.

As a pioneer in the country’s industrialization process, Barão de Mauá suffered the consequences of a nation dominated by agribusiness, unprepared for the challenges of an industrial, prejudiced and opportunistic mode of production, with its workforce made up of slave labor and, therefore, , without the need to become efficient, since all its revenue was distorted by the absence of the main component of the cost of production, which is the worker’s remuneration.

However, Barão de Mauá left his mark as a visionary and entrepreneur, like few others of his time. Brazil once had a competitive shipyard, and until today the Mauá Shipyard is one of the most successful projects in the country, with an area of ​​180,000 m² and a processing capacity of 36,000 tons of steel per year. It is the largest shipyard in Guanabara Bay, offering shipbuilding services, construction and integration of offshore modules, docks, ship repair and port terminal services. Today, Estaleiro Mauá is considered one of the largest construction, integration and repair centers for the oil and gas industry in the country.

G There are oxes on the line inside the indigenous land etúlio Vargas and the march to the West

Getúlio Dornelles Vargas (1882-1954) was born in Rio Grande do Sul and was president of Brazil, after taking power in 1930 and becoming dictator. Taking advantage of his totalitarian powers, he promoted the modernization of the country, creating the Ministry of Labour, Industry and Commerce, and the Ministry of Education and Health, and appointing federal interveners for states and territories. He created the Instituto Brasileiro do Café and the Conselho Nacional do Café, proceeding with the Coffee Valuation Policy. He also valued workers through new labor and union legislation.

In 1932, the crisis on the New York Stock Exchange caught Brazil with huge stocks of grain, losing its international clientele, and leaving many coffee growers in misery. In a few months, fifteen million tons of beans, stored at the Instituto Brasileiro do Café, were burned, ending the development cycle provided by this fantastic product. However, he left as a legacy a complex railway system, composed of the Mogiana Companies, which reached Pedregulho/SP, the Paulista Company, which reached the border between São Paulo and Mato Grosso in the mid-twentieth century, Araraquarense and Sorocabana, which , with other routes, also continued to the Paraná River, on the border with what is now the state of Mato Grosso do Sul.

The first railroad in Brazil was inaugurated in 1854, between the Port of Mauá and the city of Fragoso, in Rio de Janeiro, and was conceived by the businessman and banker Irineu Evangelista de Souza, Barão de Mauá, a great supporter of industrialization in the country. Also in this final period of the Empire, the Recife – São Francisco (1858), Central do Brasil (1858) and Santos – Jundiaí (1867) railroads were built.

The major problem of railway construction in Brazil, which caused its early obsolescence in the first half of the 20th century, was the lack of standardization of the distance between its tracks, known as “rail bed gauge”. This prevented such roads from lasting and being integrated, in order to share cargo and passengers along the immense territorial extensions of Brazil. However, during their short existence, they played a leading role, both for the flow of crops and for the industrialization process of our country.

In 1932 Getúlio faced the Constitutionalist Revolution, led by the State of São Paulo, which protested against the totalitarian State and demanded a constituent assembly to draft a new Constitution. In 1934, Getúlio approved his own Constitution, which brought important innovations, such as the secret ballot, which intended to end the well-known “halter vote”, by which the landowners, the colonels of the sertão, controlled the outcome of the elections, ensuring their power and its benefits in obtaining agricultural credit.
In 1935 Vargas faced a new attempt to remove him from power: it was the Intentona Comunista, a long march led by Luiz Carlos Prestes and idealized by the Aliança Libertadora Nacional, a party banned by the Vargas government. In 1937, a group of integralists, who supported Adolf Hitler, forged the Cohen Plan, which conquered a significant portion of the population and the barracks, supporting the Vargas dictatorship.

But it was during the period known as the Estado Novo (1937-1945) that Getúlio Vargas exercised power without opposition, with the support of the military and the sympathy of the working class. It was during this period, when the Second World War was raging in Europe and the Jewish population was fleeing Nazism, that Brazil received a large number of people to work in the fields and in the incipient industry. It was also during this period that Vargas conceived his great “March to the West”.

Its purpose was to occupy the central region of the country, creating new work fronts and consolidating the national territory in the interior, as it was still very concentrated in the coastal strips. In his speech, Vargas stated that the March was “the true sense of Brazilianness”. He requested that institutions such as the National Council of Geography, the National Council of Cartography, the National Council of Statistics and the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) provide the necessary data to support its mission to integrate Brazil. The West was an unknown, wild and inhospitable region for most Brazilians.

At that time there were no roads, the rivers were not navigable and there were many indigenous people who were “hostile” to the colonization process, who had moved from the coastal regions to the interior of Brazil. The State resumed its image of the Bandeirante12, who had traveled the country in search of gold and hunting for Indians and blacks who had escaped from the slave quarters. The latter settled in mountainous regions, constituting the Quilombos, where they lived protected from their tormentors, spoke their native language, practicing their customs.

The March intended to start the conquest to the West, then proceed to the North. One of the works carried out by this march was the installation of telegraph lines, commanded by Marechal Rondon, who managed to get closer to still unknown indigenous groups, created the Xingu Indigenous Park, constituted the Service for the Protection of Indigenous Peoples and Localization of National Workers ( SPILTN), whose purpose was to convert indigenous people into manual workers and integrate them into “civilized” society.

The SPI avoided the extermination of indigenous people, but at a great cost to these populations, who were transferred to other regions, losing their customs, traditions and sacred places, and ended up being used as a justification for the occupation of the territories of Mato Grosso, Rondônia and Acre. To this day, the social and cultural impacts of this process are felt by the indigenous peoples of this vast region. The SPI, created in 1910, fifty years later, gave rise to the current indigenist body, the Fundação Nacional do Índio, created in 1967 and used until today for political interests, moving away from its mission, which is the protection of Indigenous Peoples.

It is estimated that the indigenous population of the territory that became Brazil, at the time of the Discovery, was composed of more than 500 ethnic groups, with more than two hundred languages ​​spoken, totaling more than 5 million human beings. During the civilization process this population was reduced to less than 300 thousand individuals. According to the last IBGE Demographic Census, in 2010, 817,962 indigenous people were counted, distributed in about 600 indigenous lands in different stages of demarcation.

Half of this population still lives in villages, while the rest inhabit cities in all states of the Federation. Today there are 350 ethnicities and 180 languages ​​spoken. The indigenous territory is 117 million hectares, corresponding to 13.7% of the national territory. Brazil is the country with the greatest ethnic diversity on the planet. This ethnic, linguistic and cultural wealth is threatened by agribusiness, which every day encourages new land invasions, encourages illegal leasing of their lands, promotes the illegal purchase of wood and corrupts customs and traditions of these peoples.

For more than a century, since the creation of the Indian Protection Service and passing through Funai, this institution has been manipulated by all governments, under the orders of the oligarchies of landowners and bankers, to try to reverse the process of demarcation of their lands. While agribusiness attacks the material heritage of indigenous peoples, the Catholic and evangelical churches attack their cultural heritage, mischaracterizing their culture and destroying their cosmogony, catechizing human beings who have no way of defending themselves against these heralds of a god that has nothing to do with their traditions, placing a bible in the hands of each indigenous person, corrupting their customs and instilling in them a false knowledge.

Indigenous lands in the Amazon are of equal importance to conservation units, insofar as they preserve the environment and protect springs, fauna and flora, guarantee biodiversity and prevent devastation from spreading beyond areas that are already useless, until even for crops and livestock, so poor have their soils and waters been contaminated by pesticides. If this process of asphyxiating the indigenist institution is not overcome in time, all the work developed in the last hundred years will be irretrievably lost.
However, more than destroying about three hundred indigenous peoples, we will be impoverishing the Brazilian Nation, which will lose millenary cultures, cradle of our own language, origin of our richest cuisine, source of the traditional knowledge that fed, including, unduly, the great laboratories pharmaceuticals with their active principles stolen from the wisdom of the shamans, in syncretism with that of the African orixás, inheritance of the millions of slaves who served Brazil for 300 years.

J It was in the Vargas Era that Marechal Rondon removed the Xavante from their lands to give agribusiness uscelino Kubitscheck: 50 years in five

After the tragic death of Getúlio Vargas, who committed suicide in 1954 when he became aware that his closest advisors had betrayed him and were conspiring against him, Café Filho13, Carlos Luz14 and Nereu Ramos15 succeeded each other, who completed Vargas’ term. They were succeeded by Juscelino Kubitschek, who governed for five years, continuing Vargas’ project of promoting the interiorization of Brazil. For this, he launched his government program, called “50 years in 5”16, whose purpose was to boost the economy, expanding Getúlio’s goals for the occupation of the West and for the consolidation of the still incipient national industry.

In these five years of intense economic activity, the economic growth factor was based on the construction of Brasília and the consolidation of the Brazilian Automobile Industry. Juscelino had participated in the 1946 Constituent Assembly, had been governor of Belo Horizonte and had traveled through the United States and Canada to learn more about public administration in these countries. From then on, he began to envision his project for the industrialization of Brazil.

To plan his projects, Juscelino created what he called the “National Development Plan”. This plan consisted of a national development project with thirty-one goals, the thirty-first being the construction of Brasília and the transfer of the federal capital. This plan was based on studies carried out by the Joint Brazil-United States Commission between 1951 and 1953, which aimed to identify the crucial points of stagnation of the Brazilian economy, which made the country’s economic growth unfeasible under a capitalist and liberal approach.

The Goals Plan aimed to invest in five sectors of the national economy: energy, transport, basic industry, food and education. The first three sectors received more than 90% of the resources, with education and food receiving around 7% of the investments. The most expressive result of the Goals Plan was the 100% growth of the national base industry, with the use of foreign capital, which generated strong indebtedness and monetary imbalance.

Between 1955 and 1961, more than two billion dollars went into the goals. Juscelino exempted industrial machinery and equipment from import taxes, as well as allowed foreign capital inflows into risky investments, as long as they are associated with national capital (“associated capital”). To expand the domestic market (consumption), the plan offered a generous consumer credit policy.

The country grew 7.9% per year. JK promoted the implantation of the automobile industry with the arrival of automobile factories to Brazil. As the United States was more interested in the European market at the time, European brands came, initially with German capital (Volksvagen), French capital (Simca) and national capital with foreign technology (Vemag). It promoted the naval industry with Japanese, Dutch and national capital, and the steel industry with state resources from BNDES and Japanese capital added to Usiminas. It built large hydroelectric plants, such as Furnas, located in São João da Barra, and Três Marias. The construction of Furnas began in 1957 and was completed in 1963. Furnas formed one of the largest artificial lakes in the world (at the time), which bathes 34 municipalities in Minas Gerais and became known as the “Sea of ​​Minas Gerais”.

The industrialization process of the Southeast region, with the creation of jobs, increases the coming of Northeasterners to this region, mainly São Paulo and Rio de Janeiro, as well as immigrants from rural areas across the country. Many entrepreneurs, especially those from São Paulo, believed that the lack of development in the Northeast region was one of the biggest obstacles to expanding the domestic market, as it excluded a third of the population. On December 15, 1959, JK created the Northeast Development Superintendence (Sudene) to integrate the region into the national market.

It opened the trans-regional highways that united all regions of Brazil, previously without road connections between them. Petrobras’ oil production increased. With the exception of the hydroelectric power companies, Juscelino practically did not create any state-owned company. Between 1959 and 1960, there was a crisis in the construction work of Brasília. The funds had run out and JK understood that he could not end the government without building Brasilia. When asking for a loan of 300 million dollars to the International Monetary Fund (IMF), the body demanded that the country “put its house in order before asking for financial assistance”. JK issued public debt bonds and letters precatory, which are securities traded on the stock exchange to raise short-rnos of the country, by increasing the federal public debt.

The government of Juscelino Kubitschek continues to be the model of efficiency and political competence in Brazil due to the strong impacts on its economic growth. His work was immortalized by the construction of Brasília, where a mausoleum was built in his honor. It contains historical documents about Brasília, the Plan of Goals, the commendations, medals and tributes received by him, as well as the tomb where his mortal remains lie17. Despite controversies about his choices and priorities, about the indebtedness and the success (or not) of the decision to build Brasilia, Juscelino transformed Brazil as never before had another one been able to do.term capital. JK sold these papers at a discount, that is, at a price below market value, which could be recovered later within a period of five years. With that, he got money to finish the construction of Brasília, but JK was accused of making the next governments unfeasible.

Quando não é o gado, é o Garimpo: assim os “brancos” massacram os indígenas…

Jânio Quadros and João Goulart

Jânio Quadros18 was elected president of the Republic with the promise of ending corruption, with João Goulart as vice president. Despite Juscelino’s great achievements, there were many complaints of embezzlement in the major construction works of Brasília. It was said that trucks, loaded with construction materials, received two, three times the value of deliveries with a single invoice. These accusations were never officially confirmed, and what remained in the national memory was the image of a great leader, whose work was eternalized as a Cultural Heritage of Humanity, by UNESCO, both for the architectural project, signed by Oscar Niemeyer, for the urban project of Lúcio Costa, and for the magnificent landscaping work of Burle Marx.

Jânio resigned after a few months in power, alleging the presence of “terrible forces” (or “hidden”), who were conspiring against him. João Goulart was traveling through the Soviet Union, and the Armed Forces were pressuring Congress to prevent him from taking office, fearing the country’s transition to socialism. After negotiations and negotiations, the government regime was changed to parliamentary, allowing Goulart to assume power, and electing, by acclamation, Tancredo Neves as Prime Minister.

This arrangement did not work satisfactorily, and months later it was revoked by Congress, making João Goulart the de facto and de jure President, affronting the Armed Forces and enthusing the radical left, which was restructuring itself, dreaming of the Socialist Revolution. Goulart begins to architect a series of changes, which he called Basic Reforms, giving priority to infrastructure projects, as was usual in the socialist conception of transition from capitalism to communism.

From then on, the strikes and demonstrations of the working class shook the country, demanding celerity in the reforms and creating strong political, economic and social instability, which reached its peak at the great rally at the Central Station of Brazil, in Rio de Janeiro. At that moment, the destiny of the country was defined, with great popular concentrations, instigated by the church, in opposition to the socialists. A series of marches took place in the country, called “March of the Family, with God, for Freedom”, giving the argument that the military wanted to assume power.

On April 1, 1964, army contingents marched from Belo Horizonte, Rio de Janeiro and São Paulo to overthrow João Goulart who, when he realized that he no longer had military support, abandoned the government and fled to Rio Grande do Sul, then on to Uruguay. Brazil’s fate was sealed and, for 21 years, five generals19 succeeded one another in power, ending constitutional freedoms and using force, arrested and tortured thousands of innocent people, many of whom were murdered in the basements of the dictatorship, such as the Casa da Morte (Petrópolis), CENIMAR – Navy Information Center, DOI/CODI – Information Operations Detachments / Internal Defense Operations Centers, and DOPS – Department of Political and Social Order.

The Military Coup of 1964

With Goulart’s flight to Uruguay, the military took power and followed 21 years of military dictatorship, hundreds of disappeared, thousands of young people tortured, and a country torn apart by hatred, disenchantment and despair. The military took power in the name of Democracy, as we have already said, but its first acts and those that followed were intended to silence any and all opposition to the military regime. By a curious ruse, all the generals exercised power claiming to have been elected by vote of the National Congress, where there were two parties: that of the Military Government, called ARENA (National Renewal Alliance) and the MDB (Brazilian Democratic Movement), whose purpose was to endorse the acts of the government and disguise the dictatorship implemented in the country.

The military took not only political power, but also control of state-owned companies at the federal and state levels. His action aimed to muzzle the population and stifle opposition in the name of a prosperous and orderly country. The horror of the torture rooms struck the hearts of the youth. Paradoxically, today, the fascist president, elected in October 2018, repeats the same motto and proposes “Order and Progress” as the banner and motto of his “government project”. It is worth remembering that this slogan was created by the federalist movement that overthrew Emperor Pedro II, inspired by the Positivism of Auguste Comte20, a 17th century French philosopher.

To this day, there are supporters of this ancient philosophy and of the intellectual mentor of Nazism, Martin Heidegger21, who mobilized the world to its worst experience of war, murdering more than 70 million human beings. However, nothing justifies the acceptance of this Nazi-fascist president who “enchants” his fanatical electorate, just as Hitler mobilized the German Army and youth in the 1930s, the latter with promises of rescuing the dignity lost in the First World War, the former with promises of provide weapons to the population, racial hatred and extreme rigor of police power to face criminals.

Paradoxically, the populations that took to the streets to demonstrate against the corruption of ideological left governments are the stereotype of the electorate that this neo-Nazi managed to conquer.

Going back to the military in 1964, his achievements include the Trans-Amazonian Highway – BR-230, which mortally wounded the largest homogeneous ecosystem in the world; the Itaipu Hydroelectric Power Plant, which flooded one of the most surprising scenarios on the Paraná River, the Balbina Hydroelectric Power Plant, which does not even light up Manaus with the little energy it produces, but which almost destroyed one of the ancient cultures of the Amazon, the Waimiri-Atroari Indians, who were also stabbed by the construction of Highway BR-174, which crossed its territory from south to north, connecting Manaus/AM to Boa Vista/RR, with thousands of deaths and an exuberant fauna strongly affected until the present day.

There were many “achievements” of the military dictatorship, but “justice” must be done to them regarding the continuity of the projects of Getúlio Vargas and Juscelino Kubitschek, with regard to the occupation of the West and the Amazon: environmental devastation. But the military must be debited more emphatically, as they freed up the forest and Cerrado lands for occupation by foreigners22 and by southern gauchos, eager to settle in unproductive large estates, subsidized by generous bank interest and forgiveness of debts eternally overdue and never paid.

We can say that agribusiness began with the Portuguese colonizers, prospered with the gaucho landowners, and flourished with the Workers’ Party. This continuity in recklessness has its price, and we intend to elucidate this project of deconstruction of Nature with the last governments and their unfortunate choices. But the responsibility must be attributed to the military, although their project did not put an end to corruption (it even made it flourish), but concentrated on the power of the generals, who enriched themselves with the profits diverted from the state-owned companies and ensured themselves generous pensions and rich distribution of profits from companies acquired with the blood of their victims. Until today, Brazil has not managed to clean up the History of the Dictatorship, neither with the Truth Commission, nor with the hundreds of books and films produced to rescue the dignity of the victims of our particular holocaust.

One of the victims of this breakdown of power and arrogance was Vladimir Herzog, arrested without any charge against him, tortured and murdered in the DOI/CODI premises of sad memories, and humiliated, even after being killed by his tormentor and torturer, Colonel Brilhante Ulstra , idol and reference of Jair Bolsonaro, a lowly captain, expelled from the Army for indiscipline and attempt to explode a bomb in the barracks where he served, and who today claims the right to lead the Brazilian People and occupy the Presidency of the Republic, to which does not have enough intelligence, competence or culture, not even to be a federal deputy.

He, a mediocre contemporary fascist, xenophobe, misogynist, sexist, racist and disqualified, never, in almost 30 years of Congress, managed to pass a single relevant law, of his own, if not to increase the pay of military officers, including his own ! An opportunist loser!

The military dictatorship had another “masterpiece” of “intelligence and creativity”: by the head of another colonel, José Ezil Veiga da Rocha, former president of the Special Secretariat for Information Technology, created by the military regime, when he conceived the “Lei da Reserva de Mercado para Informática”, an unspeakable excrescence that intended, with a simple stroke of the pen, to enable Brazil to compete with technology giants, such as IBM, Unisys, Hewlet-Packard, Honeywell-Bull, among others, giving priority to the national industry.

For this, five companies were “created”: Cobra, Labo, SID, Sisco and Edisa, powered with public capital and placed as the only option to purchase computers for our companies, from the electronics industry to the banking sector, highly dependent on high information technology. The result was a technological stagnation that distanced us from international competition. Ezil claimed that Informatics would be “our shortcut to development”… he only forgot to say that this shortcut would lead us to backwardness, to the edge of the precipice of inefficiency.

Every dictatorship is a setback, a delay in life for a nation, a wasted time, during which society is massacred by those who swore to defend the country from its enemies. However, enemies cannot exist within the Nation. Even the worst crooks have to be treated with dignity, for torture and cruelty against subjugated people is just cowardice and incompetence to run a nation. Brazil paid a huge price for the terrible years of military dictatorship. Until today, the country has not recovered from the scars left by the military on the Brazilian people.

The New Republic and the Constituent Assembly of 1988

The trauma caused by 21 years of military dictatorship fueled the excessive zeal of politicians by creating safeguards against a possible relapse of the barracks in the desire to run the country in its strange and obtuse way. A Constituent Assembly was elected with the same politicians (or their direct descendants) who still inhabit the halls of the National Congress, representatives of the same oligarchies that emerged during the Colonial Period, fed in the Empire, grew up in the Old Republic and became ” donas do Brasil” to this day. For this reason, due to the vices of the past, the final text was changed at the last minute, removing the figure of Parliamentarianism from its pages and restoring Presidentialism, without, however, correcting the distortions arising from this setback.

A prolix architecture of laws built a tangle of protections that, in a few years, proved to be ineffective against the authors themselves, who were capable of committing the crime against the homeland like a serial killer. For more than thirty years, parliamentarians patched up this text, the offspring of the dictatorship with Dracula, trying to make viable the governments that succeeded each other without the ability to efficiently manage Brazil. Right from the start, the inflation, contained by the military under the guns, soared, and reached the two, three, four digits, imploding the Sarney government, and then the savior of the homeland, the maharajah hunter, Fernando Collor de Mello and their companions.

FHC, the “enlightened despot” of the Brazilian Revolution, came and, in the princely majesty of the Academy of Social Sciences, dealt a fatal blow to inflation, reducing it to reasonable levels. Enthusiastic with his success, he decides to privatize everything, handing over, hand in hand, to Vale do Rio Doce, which exploded in fantastic profits, in private hands, and, years later, caused the worst environmental disaster in Brazil, ending, precisely, with the VALE DO RIO DOCE, and today the poison of the author of the second environmental crime is bitter, causing the death of almost 300 people in Brumadinho, due to negligence, ambition, inhumanity and impunity! FHC left the government with the merit of containing inflation and creating a law that forbids spending more than you earn… a primary lesson for any civilized people.

Fernando Henrique and economic stability

Fernando Henrique Cardoso was that sociologist who taught at the University of São Paulo, developed Marxist theories on Latin American dictatorships, was a professor at the Sorbonne as a political exile, returned to Brazil and won over the military with his emblematic phrase: “Forget everything that I wrote and said as an academic, for now I will govern”! Interestingly, that’s exactly what he did, proving to be one of Machiavelli’s most brilliant disciples…

It must be admitted, however, that he put the house in order, reduced four-digit inflation to a measly 1.8% a year in 1998 and handed it over to the PT at 12.53% p.a. in 2003, he created the Fiscal Responsibility Law, according to which the government could not spend more than it collects. He carried out the fateful privatizations of the Telebras System and Vale do Rio Doce, raising no less than 78.6 billion reais from the public coffers. It is true that today this is less than the annual budget deficit and what PT and its partners in power collected from Petrobras, Odebrecht and other contractors, but at the time it was a very significant amount. So much so that the business world (the same that later supported “Coiso”) gave it a standing ovation.

It is worth mentioning that “VALE” (the company) was sold for the trifle of 3.3 billion reais, the new currency created by FHC (perhaps for his dream of being emperor), which was equivalent to the dollar at the time, which represented , at most, the steel company’s one-year billing, when its mineral reserves alone were calculated at more than R$ 100 billion at the time. In fact, at least it had the merit of demonstrating how incompetent the public sector is, since Vale’s annual PROFIT alone is today of 17.6 billion reais. He could buy the company five times a year without taking a penny out of the cash register. Its market value is estimated today at 300 billion reais!

Of course, it must be considered that past acts cannot be evaluated with present facts, but the disparity is such that any citizen would be ashamed if he had made a similar deal. There is no way to reverse past mistakes. The more remote, the more unlikely the reversal will be, and in this case the company is one of the four largest in the country, and propagates the false image of socio-environmental sustainability.

Economic stability was gained at the expense of these mistakes. The worst is perhaps the fact that three and a half presidential terms of the Workers’ Party were enough to annihilate all this work. Today, the budget deficit is 139 billion reais per year. In just over two years, if it were a surplus, Vale could be bought back as part of the national patrimony… another conjecture in the face of the past…

But FHC also made agreements with agribusiness, although he did not compromise the national industry during his government. There were significant improvements, both in the Economy and in Education, Health and Environment. It was during his government that the National System of Conservation Units (SNUC) was instituted, which is now administered by ICMBio – Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, created by Lula under Marina Silva at the Ministry of the Environment. Some of his proposals were taken up by Lula in his government, such as the demand for a seat by Brazil on the UN Security Council. Social issues were also addressed by FHC and Ruth Cardoso, and taken over by Lula, such as the Bolsa Família program, the result of the merger of several social programs: PNAA – National Program for Access to Food, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio Gás, among others.

Lula, Dilma and the Workers’ Party

Expansion of Agribusiness and
Social and Environmental Programs

The hybrid form of government created by the Constituent Assembly, which mischaracterized Parliamentarianism, as we have already said, generated situations in which the “creativity” of the corrupt turned into advantages and threats. The most harmful is, of course, the need for any government to work with Congress without having a majority in the House and Senate. Therefore, every bill or act of the federal government requires the formation of the “majority”, and this entails endless negotiations, always aimed at reaching the power of the Executive: exchanges of “favors” for “positions” at the various levels of the Administration. Public, from ministries, secretariats, directorates, coordinations, supervisions, all translated into DAS – Superior Management and Advisory, commissioned positions, often essentially technical, but distributed to any citizen, with or without a clean record, with or without competence to occupy them.

This “management model” is the main cause of all the problems faced since the enactment of the Federal Constitution of 1998, and it has worsened as the ruler himself becomes hostage to petty political parties. They called themselves “lower clergy” in the early post-dictatorship periods. Then they evolved into Centrão, creating a false ideological connotation for a criminal phenomenon called by the codenames “bribery”, “blackmail”, “kickback”, “voting sales”, “business counter” and other unique names. All governments paid to have their projects approved, be they of relevant significance to the Nation, or simple bargaining chips between the three powers, in order to accommodate a “godson” in a DAS position.

Agribusiness entered this “business” smartly, first by electing rural candidates, from the former UDR – Rural Democratic Union, to the current CNA – National Confederation of Agriculture and Livestock. He went on to appoint the Minister of Agriculture, Livestock and Supply (MAPA), even to appoint directors of Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, which should only be a research institution, non-profit and without ideological nuances. He even appointed the President of Funai and its directors, when its hidden objectives are known to be known: to prevent the demarcation of indigenous lands and encourage illegal activities in these territories.

In 2012, during the International Conference on Climate Change (“United Nations Conference on Environment and Development”), RIO+20, Brazil promised drastic reductions in greenhouse gas emissions while Congress voted on changes in legislation environmental protection – the Forest Code – disqualifying it to please agribusiness, exempting farmers who committed environmental crimes in the Amazon and the Brazilian Cerrado from fines already levied, and dangerously reducing permanent preservation areas (APP) and legal reserves ( RL) of rural properties in the Legal Amazon. These changes, endorsed by President Dilma Rousseff, of the Workers’ Party, had an immediate impact on the resurgence of Amazonian devastation, since the availability of land for deforestation, legalized by the ruralists, was expanded.

Below is a deforestation map produced from Prodes INPE:

It should be noted that, although discrete, this increase in forest devastation was concentrated in the states of Pará and Mato Grosso, the two most responsible for the environmental degradation of the Amazon in recent decades. There were different reasons in each of these states. While Mato Grosso is the largest grain producer and owner of the largest cattle herd in the country, therefore, directly related to agribusiness, Pará had a strong impact as a result of the construction of the Belo Monte Hydroelectric Power Plant, in addition to being one of the most affected regions. by the Trans-Amazonian highway and by the INCRA settlements. Today he is a champion in land grabbing and murder of environmental and indigenist activists.

In Rondônia, the third most impacted state by agribusiness, soy production has increased every year, advancing over the remnants of protected areas and indigenous lands. The CAR – Rural Environmental Registry, gives a clear idea about these occupations, which occur in a disorderly way, threatening indigenous populations and de-characterizing what is left of the Amazon biome. On the BR-364, on the stretch between Vilhena and Porto Velho alone, over a distance of 780 kilometers, more than a thousand trucks transport soy to the port terminals on the Madeira River daily. These three states, together with the areas in the process of degradation, represent more than 75% of the total deforested in the Amazon since the beginning of the new millennium.

In 500 years, Brazil has already destroyed 93% of the Atlantic Forest and most of the Araucaria forests in Paraná and Santa Catarina. In about 50 years, especially after the construction of Brasília and roads like the Transbrasiliana, it destroyed more than half of the Cerrado. In the 21st century, it is taking great strides to destroy the Cerrado and the Amazon. Calculations indicate that the country has already eliminated 22% of the forest and the destruction continues to accelerate with deforestation, large projects for the construction of hydroelectric plants, the expansion of livestock and soy, the growth of cities and the spread of logging, mining and mining.

“Unfortunately, the government has no plan to save the Amazon. On the contrary, what exists are precarious plans to reduce deforestation, in parallel with the increase in large development projects. The Amazon suffers from two types of threats: 1) one created internally, as a result of the developmentalist ideology; 2) and another, mostly from outside, as a result of global warming and climate change.” (text extracted from a manifesto of the Brazilian Association of the Public Ministry for the Environment).

The 2006 and 2017 Agricultural Censuses

After 11 years since the last survey in 2006, the IBGE carried out the 2017 Agricultural Census, which was released in July 2018. However, the previous Census remains extremely relevant for showing how Rural Brazil is organized among small medium and large producers, who are the landowners, their respective levels of education, the types of products cultivated (temporary and permanent crops, horticultural crops, raising beef and dairy animals), as well as other essential issues such as the true meaning of Agribusiness, which we intend to analyze in the course of this article.

Of the 5,175,636 rural properties existing in Brazil (and considered in the 2006 survey, totaling 333,680,037 hectares), 3,946,411 of the properties (76.25%) are owned, totaling 310,515,259 hectares (93.06%). Considering the size of rural properties, 1,840,807 have less than 5 (five) hectares, corresponding to 35.57% of all rural properties. Family farming (up to 500 hectares) corresponds to 4,818,881 rural properties (146,296,551 hectares), representing 87.32% of all rural production units in Brazil. These properties supply more than 80% of all products on the table of Brazilians, such as fruit and vegetables, beans, rice and manioc, among others.
Excluding family farming, there are 101,736 large producers (over 500 hectares), representing agribusiness, with 1.97% of Brazilian rural establishments, occupying 187,383,486 hectares, 56.16% of all arable area in the country. in 2006. A large part of Brazil’s agricultural production is destined for export, such as sugarcane, coffee, soy, beef, tobacco, corn, cotton, pork, poultry (chicken ) and agroforestry products (wood).

According to data provided by the official website of the Brazilian Forest Service, an agency of the MMA – Ministry of the Environment23, until May 2018, 5.1 million rural properties were registered, totaling an area of ​​448,319,254 hectares entered in the database. of the system, confirming that agribusiness corresponds to 52.73% of the national territory. Comparing to FUNAI and ICMBIO data, we have, respectively, 116,900,565.36 hectares of indigenous lands and 75,016,301.91 hectares of federal conservation units. Part of the rural properties should be preserved, depending on their geographical location: Permanent Preservation Areas (APP) and Legal Reserves (RL), intended to protect the different Brazilian biomes.

The data presented contradict the information presented by the Embrapa researcher, Evaristo de Miranda24: for some years, this researcher has been saying that more than half of the national territory is preserved, thanks to agribusiness. This statement is absolutely false. It is important to highlight that Embrapa’s studies do not consider that small green and discontinuous areas do not characterize preserved areas, as they do not sustain biodiversity and do not reproduce the complete cycles of nitrogen and carbon, essential for life. Analyzing satellite images, adding small patches of vegetation to preserved areas, is a dishonest way of circumventing and distorting the truth of the facts.

For an area to be considered of environmental preservation, it is necessary to analyze its biodiversity in loco, as well as the factors that ensure its resilience and perpetuity. We consider that less than 20% of rural large estates comply with the new legislation on legal reserves and permanent preservation areas, mainly in the Amazon, where, even according to the new Brazilian Forest Code, 80% of the areas of properties located in the Legal Amazon should be preserved as primary forest, which is not the case.

For Brazilian ecosystems it is necessary to treat biodiversity as consisting of continuous areas, comprising springs, streams, rivers, primary vegetation, fauna and natural processes that prove complete cycles of Nitrogen, Oxygen and Carbon, compatible with the balance of Nature. The distortion of the Brazilian Forest Code, promoted by the National Congress, and endorsed by President Dilma Rousseff, in July 2012, in the middle of the World Conference on Biodiversity, led to the acceleration of the loss of biodiversity in all Brazilian biomes, but especially in the Cerrado and Amazon biomes, more heavily devastated from then on. The numbers show this. It is important to highlight that the approval of the changes in the Brazilian Forest Code aimed to expand agribusiness and forgive the debts of large landowners for environmental crimes committed over the last 50 years, causing irreversible losses to biodiversity, including within indigenous lands and units. of conservation.

Contrary to what the defenders of these changes in legislation claimed, environmental crimes continued anyway, and this can be proven even by the Rural Environmental Registry, which unequivocally shows the presence of rural properties within conservation units and indigenous lands.

To analyze the impacts of agribusiness on the preservation of the Environment, we tabulated information from the Rural Environmental Registry (http://www.car.gov.br/#/). See, at the end of this article, the consolidated spreadsheet containing CAR data, referring to March 2018, totaled by federation unit and compared with information from Indigenous Lands (official website of FUNAI) and from Federal Conservation Units (official website of ICMBio). It should be noted that the first four Brazilian states with the largest area affected by agribusiness represent 52.36% of the entire territory of Brazil, with three of them located within the Legal Amazon (Amazonas, Pará and Mato Grosso), and the first two ( Amazonas and Pará) are located in the Amazon Forest (See the table with data from the Brazilian Forest Service at the end of this article, cited above).

Comparing the data from FUNAI and ICMBIO, we have, respectively, 116,900,565.36 hectares of indigenous lands and 75,016,301.91 hectares of federal conservation units. We consider that less than 20% of rural large estates comply with the legislation on legal reserves and permanent preservation areas, mainly in the Amazon, where, even according to the new Brazilian Forest Code, 80% of the areas of properties located in the Legal Amazon should be kept preserved as primary forest. This statement is true and verifiable through satellite images.

For Brazilian ecosystems it is necessary to treat biodiversity as continuous areas, comprising springs, streams, rivers, primary vegetation, fauna and natural processes that prove complete cycles of Nitrogen and Carbon, compatible with the balance of Nature. The distortion of the Brazilian Forest Code, promoted by the National Congress, and endorsed by President Dilma Rousseff, in July 2012, in the middle of the World Conference on Biodiversity, led to the acceleration of the loss of biodiversity in all Brazilian biomes, but especially in the Cerrado and Amazon biomes, more heavily devastated from then on.

The numbers show this. It is important to highlight that the approval of the changes in the Brazilian Forest Code aimed to expand agribusiness and forgive the debts of large landowners for environmental crimes committed over the last 50 years, causing irreversible losses to biodiversity, including within indigenous lands and units. of conservation. Contrary to what the defenders of these changes in legislation claimed, environmental crimes continued anyway, and this can be proven even by the Rural Environmental Registry, which unequivocally shows the presence of rural properties within conservation units and indigenous lands.

Follows Infographic produced by the Brazilian Forest Service25.

To analyze the impacts of agribusiness on the preservation of the Environment, we tabulated information from the Rural Environmental Registry (http://www.car.gov.br/#/). See, at the end of this article, the consolidated spreadsheet with data from the CAR – Rural Environmental Registry, referring to March 2018, totaled by federation unit and compared with information from Indigenous Lands (FUNAI official website) and from the Units of Federal Conservation (ICMBio’s official website).

Note that indigenous lands correspond to 13.75% of the national territory, but not all of them are reasonably preserved. In the last four decades, the devastation caused by agribusiness (which illegally leases areas within indigenous lands), by illegal logging (one of the main agents of degradation in the Amazon), by mining and mining, by the irresponsible proliferation of of INCRA, by the federal government, in the vicinity of indigenous lands and conservation units, and by large enterprises in the Amazon, mainly highways and hydroelectric plants, in addition to other subsidiary factors, such as the real estate boom that follows the trail of enterprises and highways, all of these factors caused (and continue to cause) the reduction of preserved areas, mainly in the states of Roraima, Rondônia, Acre, Mato Grosso, Tocantins, Pará and Maranhão (the Arch of Deforestation). Today, some ethnic groups, such as the Xavante peoples, are no longer able to live like their ancestors as a result of climate change, strongly accentuated by the influence of agribusiness, and the fires that occur annually in their territories and, in part, correspond to their culture and way of life, can no longer be controlled without severe impacts on native vegetation. The resilience of these territories begins to fail, accentuating the loss of biodiversity.

The illegal occupation of areas inside indigenous lands has caused not only environmental degradation, but also the reduction of indigenous populations without contact with our civilization26. The most critical cases are the isolated indigenous populations of the Amazon, on its western border (Vale do Javari, Boca do Acre and Alto Solimões), peoples severely threatened with extinction due to the constant harassment of loggers and prospectors within their territories, across borders. international and from our own country.

It should be noted that the first four Brazilian states with the largest area affected by agribusiness represent 52.36% of the entire territory of Brazil, with three of them located within the Legal Amazon (Amazonas, Pará and Mato Grosso), and the first two ( Amazonas and Pará) in the Amazon Forest (See the table with data from the Brazilian Forest Service at the end of this article, cited above).

When these figures are broken down into different groups of economic activity, it can be seen that the production of temporary crops represents 31.68% of agricultural production, while livestock represents 51.91% (70.18% of this only with livestock cattle), and permanent crops represent only 12.35% of the country’s agricultural production, which proves that the proposals for agroforestry units have not yet been incorporated by rural producers. It is worth noting that Embrapa calls “forests” the monocultures planted with eucalyptus, pine and other trees that do not belong to the national flora. Such “forests” do not fulfill the purpose of sustaining biodiversity, but only the production of wood, and that is why they are called “green desert”.

The predominance of male rural landowners is absolute in Brazil: 87.38% of ruralists are men. In the past, the countryside was populated by farming families. Another alarming fact is the level of education of rural landowners: 65% of rural landowners have incomplete primary education or are illiterate. Only 4.85% of rural landowners have a technical level or higher. This demonstrates that agribusiness did not bring prosperity to the countryside, but only wealth to large landowners. Small rural properties (farms and farms) continue to experience the same difficulties as at the beginning of the 20th century, which proves that agribusiness is the great concentrator of wealth among all existing means of production in Brazil.

About 25% of rural properties (in hectares) are located in Minas Gerais and São Paulo, and two thirds of rural properties (67%) are concentrated in seven states: MG, SP, RS, GO, BA, PR, MS . These numbers validate the evidence that agribusiness is the new profile of Brazilian agriculture, with the largest rural properties located in Amazonas, Pará and Mato Grosso, none of the three listed in the list above. There are about 255,000 rural producers without their own planting, cultivation or breeding area, that is, rural workers working as agricultural labor on someone else’s property.

Most (88.62%) of rural landowners live in the countryside or in the municipality they own. Among those who live far from their rural property, there are 3.39% of the owners, which corresponds to 13.50% of the entire Brazilian rural area, that is, large rural owners live far from the countryside.

About a third (31.57%) of rural properties represent less than one percent (0.79%) of the total area of ​​rural properties in Brazil. However, 0.37% of rural properties (above 2,500 hectares) correspond to about a third (31.41%) of the total area of ​​rural properties. Here, again, is evidence of the concentration of wealth produced by agribusiness, to the detriment of family farming.

The Production of temporary crops represent 31.68% of agricultural activities, while livestock corresponds to more than half (51.91%) of rural production. The raising of cattle alone represents 79.18% of the national livestock, occupying about 190 million hectares of the national territory (one ox per hectare). Animal husbandry alone accounts for almost 225 million hectares os agribusiness, with poultry farming accounting for 7.91% of this sector, with about 13.056 million tons in 201727.

It is worth noting that all primary export products are called commodities, that is, ores, soy, corn, rice, meat, sugar cane, oil, cotton, coffee, all of which are not processed by the industry. Commodities have a specific sector on the stock exchanges, as their prices vary according to the international market. This is further evidence that agribusiness has the objective of exporting its products, and not the domestic market, belying the advertisements that claim that agribusiness products supply Brazilians’ tables. Who feeds Brazil is family farming.

Impacts of Agribusiness on the Economy, Society and the Environment

Economy

Since the country chose to overvalue agribusiness as the predominant activity in the formation of the Gross Domestic Product, Industry has been relegated to the background, gradually losing its importance in the Brazilian economy. Favoring the countryside was reflected in the granting of subsidized credit, also affecting the balance of public accounts, and impacting the results of other sectors of the economy. Given its importance in the Brazilian GDP, Congress began to be commanded, in matters of interest to agribusiness, by a bench of deputies and senators, whose nickname “Ruralist” was not restricted to defending the interests of Agribusiness, but also to combating any actions whose occupants believed to go against such interests.

This included areas protected by indigenous populations, which were heavily fought and their fundamental rights violated, in favor of new concessions to those in power. The Environment also began to be relegated to the background whenever ruralists thought it harmed their interests. Proof of this occurred in July 2012, when the Brazilian Forest Code, one of the most advanced in the world, was de-characterized to allow large estates to advance against the Amazon and Cerrado, reducing permanent preservation areas, legal reserves and other concepts. fundamental to environmental conservation.

Subsidized loans granted to farmers, with interest far below any loan that other entrepreneurs could claim, were still not honored by borrowers and, to further favor such interests, the Federal Government and Congress created the REFIS – Special Regularization Program. tax28, theoretically, aimed at small and medium-sized companies, but which even favored large rural producers, to the detriment of the population.

Society

Programs aimed at improving the quality of life of the Brazilian rural population, such as Bolsa Família, Rural Credit for small family farmers, Rural Electrification, as well as other benefits created by the FHC government and improved by the PT governments, were gradually discarded to favor to agribusiness. Brazil started to live according to the Rural GDP.
While the country deepened in the political-institutional crisis, agribusiness prospered, for large producers. This process, which fed back into itself, deepened the already very serious gaps between social classes, concentrating on the wealthy classes, to the detriment of the less favored population. Brazilian society was induced to believe that agribusiness was the country’s salvation in the face of the world crisis. For the ruralists, everything was allowed, aggravating social conflicts and scrapping other sectors of the national economy.

Rede Globo, recipient of institutional favors from the CNA29, created and ran its own advertising campaign, inducing people to believe that ‘AGRO IS POP, AGRO IS TECH, AGRO IS EVERYTHING’! For months, this multimillion-dollar campaign, apparently without sponsors, has been broadcast on television, including in agribusiness all family production, which never had such subsidies that only the powerful, “friends of Rede Globo”, could have. Today, society, poor, uneducated, subordinate and humiliated, fully believes that, without agribusiness, Brazil would enter the worst recession in its history. And they don’t even realize that we’ve been in a recession since 2014.

Environment

The agribusiness production cycle has made this sector of the economy extremely demanding, demanding more and more territories to be dedicated to rural production. This unequivocal fact favored deforestation, and wood exploitation became a preliminary and indispensable element for the expansion of agribusiness. In this way, it could be said that “agribusiness” does not devastate the environment; it’s the lumber companies that do it!
These are the links in the same production chain: first, noble wood is extracted for illegal export; then the remaining forest is cut down and the wood is set on fire; finally, comes soy, cattle, cotton, corn, sugar cane… and this is how the forest is destroyed and new agribusiness fronts are implemented, which complete the work, exchanging the remaining forests for grain monoculture and extensive cattle raising.

C Quando não se encontra mais ouro, deixa-se um lago contaminado de mercúrio em seu lugar onclusions

A country’s economy comprises a diversity of production modes, which must be balanced with the availability of natural resources, to ensure the continuity of the Nation for our descendants. Take the example of oil-producing countries, and compare yourself with our situation. Oil, as an energy source, has its days numbered, as it is a finite, non-renewable resource. How will Middle Eastern countries survive when their reserves are exhausted, or when petroleum derivatives are replaced by alternative sources, with a lower impact on carbon production?

Brazil is privileged to have the largest continuous forest in the equatorial region. A forest rich in biodiversity, being the world’s largest reserve of drinking water, which is continuously recycled, thanks to the renewal process fed by the evaporation of the Atlantic Ocean, the evapotranspiration of the forest and the melting of the Andes, in addition to the aerial migration of immense amounts of sand from the Sahara desert, which replace the equivalent of soil washed away by the waters of the gigantic Amazon River, the largest in the world! We have another privilege: that of having one of the largest savannas in the world, the Cerrado, with a very rich and diversified vegetation, adapted to the rigorous climatic conditions, and which also contains one of the largest reserves of underground sources of the Guarani aquifer and other smaller ones, which they also supply the main Brazilian hydrographic basins, such as the Amazon, the Pantanal and the Paraguai River, the São Francisco River and the Paraná River, in addition to numerous rivers that flow into the Atlantic Ocean.

However, while the world prepares for the inevitable famine, which will result from global warming, Brazil wastes and squanders its natural reserves, selling ore to the world, selling grain to the world, selling meat to the world, and devastating our biggest natural riches. We are, so to speak, eliminating our almost infinite possibilities to prosper in favor of a minority of agribusiness aristocrats, composed of a social minority that dominated not only the country’s agricultural production, but also politics and the rest of society, hostage to its power of domination and its economic power.

The drastic reduction of the immense Amazon Forest will have irreversible impacts on the climate of South America, savannahizing a territory of more than six million square kilometers, which goes beyond our territorial limits, desertifying the Cerrado and the Pampas, and reducing our water reserves drinking water, making it impossible for our 200 million inhabitants to survive! Water will certainly be humanity’s greatest treasure, much more important than oil and minerals were in past times. The world population has tripled in less than a century, and is fast approaching ten billion human beings. Some will say that science will find the solution to water and food shortages. Others dream of spaceships that will migrate terrestrial elites to other planets in the Universe. But we will not escape the fate we are preparing for our children…

The amazing thing is that there are other alternatives! We don’t need to be the “breadbasket of the world”, nor supply the population with two hundred and twenty million head of cattle! We don’t need to deplete our mineral, water and biodiversity reserves to have a strong, powerful and happy nation… If Arabs and Jews can survive in deserts, desalinating sea water, why, with so much natural wealth, can we not the most powerful nation on this planet? Why devastate so much wealth?

It seems that the Brazilian people, uneducated and weak, do not realize that a minority is enslaving the population and enriching itself with the misery of more than forty million human beings… we. But ignorance is the origin of totalitarian systems. And Aristocracy is one of the forms of domination and power, a tyranny without perceptible violence, as it hides in the very forms of democracy. These powerful ones manipulate intellectuals, unscrupulous politicians and opportunistic researchers of science and technology for their own benefit, and deny the Nation and the destiny of our people… that we are victims, while they squander their wealth, even dominating the media! We are blind to the obvious!

There is, yes, an alternative… there are, in fact, many alternatives that necessarily imply the resumption of the destiny of the Nation by the people. Isn’t that how it is written in the Constitution of the Republic of Brazil? “All power emanates from the People, and in their name it will be exercised”! But it’s not true. All power is in the hands of minorities: Agribusiness, Rede Globo, the big Empreiteiras, the multinational mining companies, the Lumber companies, the rotten Politics, the Evangelicals… model of car, cell phone, tennis, computer, camera, watch… even if none of them is essential to conquer the greatest wealth of life: being happy! We look at our children and we want to put them in the richest school, take them to Disneyland, give them designer clothes, attend high-end clubs, teach them English, even if they don’t speak their own language. English is a “must” for the whole world! We want to take a vacation traveling abroad, even though we know very little about our own country! We want to buy Japanese electronics, even though our industry may evolve and compete with them, as China and Korea did! This is the so-called “mutt complex”! Yes, we are mutts, but they are the best dogs in the world, much friendlier than Hotweilers, Dobermans and PitBulls! We are ashamed of our mestizo race, with more than 300 very rich ethnicities, with their cultures, their folklores, their beliefs, their languages… and yet we accept that landowners and politicians discriminate against blacks, mulattos, mestizos, indigenous people…

After all, why are we so ignorant and slaves to these pseudo-aristocratic, pseudo-intellectual, pseudo-religious minorities? Why do we voluntarily submit to the exploitation and humiliation of these agribusiness feudal lords, stupidly accepting the statement by REDE GLOBO, that “AGRO IS POP, AGRO IS TECH, AGRO IS EVERYTHING”? Is there a more stupid, indecent and false statement? We cannot continue to be deceived by the Bolsonaros of life, by the Renans, Sarneys, Temers, Jucás, while our people go hungry, and we swallow dry, devouring FRIBOI meat (or are they free-boys?).

There is still time to save rivers, forests and their inhabitants, indigenous peoples, quilombolas, our mestizos and the Brazilian nation. But, for that, “you need to have strength, you need to have race, you need to always have greed”, as Ivan Lins used to say! We need the self-affirmation of our nationality and our character! We need to learn to choose the Right, the Just, the Ethical, the Worthy, the Path of Good and Equality. As long as we admit that the powerful are better, that corrupt politicians are inevitable, that the option for agribusiness and the stigma of “the breadbasket of the world” is the destiny of the Nation, there will be no possibility of changing our destiny, and our descendants will be condemned to live in misery, subjugated by the scum of this country! We do not need to produce 10 billion chickens for the world, nor keep an ox for every hectare of our land, while millions of human beings do not have a decent home, nor access to education for their children, not even basic sanitation, let alone healthy food on your table! Why feed the world if we don’t even feed our children?

There are alternatives far beyond agribusiness. Ernst Grötsch demonstrated this when he arrived in Brazil and bought 600 hectares of scorched earth and transformed it into a productive forest rich in biodiversity, in less than ten years! Permaculture demonstrated this, building mud houses and composting their own feces to transform family farming into something simple and cheap! Indigenous peoples demonstrated this by living for over ten thousand years without interference from invading whites, before being massacred by the colonists! The black slaves of Africa demonstrated this by surviving their tormentors, despite all the cruelty to which they were subjected, preserving their race, their culture, their language, their songs, their fantastic religions and their millenary traditions…

Fogo na floresta: é o primeiro alerta da devastação que já chegou

2017 Agricultural Census30

The 2017 Agro Census has so far identified 5,072,152 agricultural establishments in Brazil, covering a total area of ​​350,253,329 hectares. In relation to the 2006 Agricultural Census, this area grew by 5% (16.5 million hectares, equivalent to the area of ​​the state of Acre) despite a 2% reduction (103,484 units) in the number of establishments. However, when producers without an area are excluded, there is an increase of 74,864 establishments. It should also be noted that methodological differences contributed to the drop in the total number of producers without an area from 255,019 in 2006 to 76,671 in 2017.

Among establishments with 1,000 hectares or more, there was an increase both in number (3,287 more) and in area (16.3 million more hectares). Its share in the total area went from 45% to 47.5% from 2006 to 2017. As for establishments between 100 and 1000 ha, their share in the total area dropped from 33.8% to 32% (814,574 ha less) and had a decrease of 4,152 units.

As for the legal status of the land, the proportion of establishments on own land increased from 76.2% to 82%, but the share of these establishments in the total area decreased from 90.5% to 85.4%. The proportion of establishments with leased land fell from 6.5% in 2006 to 6.3% in 2017, although the participation of the modality in the total area has grown from 4.5% to 8.6%.

In 2017, there were 15,036,978 people employed in agricultural establishments. In 11 years, this represents a drop of 1.5 million people, including producers, their relatives, temporary and permanent workers. The average number of people employed per establishment also dropped from 3.2 people in 2006 to 3 people in 2017. In the opposite direction, the number of tractors grew 49.7% in the period and reached 1.22 million units. In 2017, around 734 thousand establishments used tractors.

It is also worth noting that 1,681,001 producers used pesticides in 2017, an increase of 20.4% compared to 2006. The use of irrigation also expanded, with an increase of 52% both in establishments (502,425) and in area (6,903,048 hectares). In addition, Internet access in agricultural establishments grew by 1,790.1%, from 75,000 in 2006 to 1,425,323 producers who declared having access in 2017.

About 15.5% of producers said they had never attended school and 79.1% did not go beyond elementary school. The participation of women and elderly people aged 65 and over in the management of establishments increased, reaching, respectively, 18.6% and 21.41%. In 2006, women represented 12.7% of producers and the elderly, 17.52%. In addition, for the first time, the Agro Census investigated the color or race of the producers: 52% of them were black or brown and 45% were white, a distribution similar to the population of the country, according to the PNAD Contínua 2017.

As can be seen in these numbers, in the last 11 years nothing has changed in the profile of the rural man, whose predominance reflects the absence of public policies aimed at the small farmer who supplies the Brazilian table, while agribusiness produces for export. The small farmer, the one who employs the whole family in the work in the field, remains semi-illiterate and with restricted access to sources of resources, while the monoculture and cattle large estates obtain subsidized credit, long terms for amortization and, when they do not honor their commitments, receive the benefit of debt refinancing programs with forgiveness of fines and new credits.

Something is very wrong with this model of development, which penalizes rural people and encourages large estates. While small farmers are a contingent of 4,500,000 families, agribusiness enriches around 100,000 entrepreneurs, heavily supplied with resources for the mechanization of their enterprises, increasingly reducing the labor employed in favor of exorbitant profits and privileged access to export channels for their products.

If the rural man makes farming his way of life, the agribusiness entrepreneur manages his latifundia aiming only at his profit and enrichment. As if this strategic inconsistency on the part of governments were not enough, agribusiness is most responsible for the environmental devastation in the Legal Amazon and the Brazilian Cerrado. Their farms are made up of monocultures, while the traditional farmer has diversified crops and creations, which do not affect so deeply the balance of the ecosystems in which he has been inserted since time immemorial.

What agribusinesses call agroforests are nothing more than extensive cattle breeding “intercropped” with eucalyptus plantations and other exotic species, which quickly deplete arable soils, contributing to environmental degradation. In early 20th century plantations there were large native forest areas, which protected springs, paths and water courses. But in today’s large estates there is no place for Nature, as every centimeter of soil has to justify its productive function, even at the expense of the accelerated impoverishment of the soil, which is “recovered” through intense loads of pesticides.

While the farmer used to rotate crops and raise animals, as do indigenous peoples, agribusiness simply abandons the areas devastated by him, and buys new properties with native vegetation to be, in turn, degraded. The farmer had love for his piece of land, but the landowner sees only a piece of land that will enrich his enterprise. This catastrophic vision cannot succeed, as the planet’s resources are limited. If this predatory process continues, the Earth will soon be just a lifeless desert…

Wasteland in the Amazon: logging and clay ovens to make charcoal: portrait of Brazil

Areas occupied by agribusiness and their percentage in relation to the national territory

CAR data – Rural Environmental Registry (March 2018)
Federation unityCAR Area (hectares)% Brazil% accumulated
Mato Grosso73.750.957,4418,15%18,15%
Pará56.575.309,5113,92%32,07%
Amazonas45.480.152,0111,19%43,26%
Minas Gerais36.951.398,099,09%52,36%
Goiás23.527.194,845,79%58,15%
São Paulo22.745.139,735,60%63,74%
Maranhão20.028.321,144,93%68,67%
Rio Grande do Sul17.230.690,364,24%72,91%
Paraná14.743.786,473,63%76,54%
Acre14.036.200,423,45%79,99%
Rondônia13.789.132,003,39%83,39%
Tocantins13.390.452,833,30%86,68%
Bahia12.282.265,173,02%89,71%
Piauí8.565.143,332,11%91,81%
Santa Catarina6.572.347,161,62%93,43%
Ceará3.946.039,740,97%94,40%
Pernambuco3.872.177,750,95%95,35%
Roraima3.717.985,680,91%96,27%
Amapá3.608.080,450,89%97,16%
Rio de Janeiro3.111.284,130,77%97,92%
Rio Grande do Norte2.310.692,760,57%98,49%
Paraíba1.969.874,150,48%98,98%
M:ato Grosso do Sul1.617.151,690,40%99,37%
Sergipe1.019.115,930,25%99,63%
Alagoas914.811,180,23%99,85%
Distrito Federal607.425,720,15%100,00%
TOTAL Brazil406.363.129,6947,79%850.280.588
CAR data May/2018 (*)448.319.25452,73%
Indigenous Lands116.900.565,3613,75%
Conservation units75.016.301,918,82%
(*) http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car – 5.1 million rural properties

1The Clean Record Law, in force since 2010, determines the ineligibility, for a period of eight years, of politicians impeached and/or convicted in criminal proceedings at second instance (collegiate)

2Drinking water represents less than 4% of all water on the earth’s surface, distributed between glaciers, underground aquifers and surface waters. More than 95% of the planet’s water is salty and found in the oceans.

3Edge effect is a change in the structure, composition and/or relative abundance of species in the marginal part of a forest fragment. Such an effect would be more intense in small and isolated fragments.

4Land grabbing is the process of falsifying documents to illegally take possession of vacant or third-party land. The term cricket was used because such documents were kept in drawers, together with which crickets (insects) were placed. Cricket droppings give documents an aging appearance.

5Gunmen bandits: they are professional assassins, financed by agribusiness and logging companies to drive squatters, indigenous people and settlers away from their lands.

6RENCA – “Reserva Nacional de Cobre e Associados” is an extensive mineral reserve located in the northeast of the Amazon, between the states of Pará and Amapá, with an area larger than Denmark. It is a Reserve, that is, it should be protected from exploitation, mainly by foreigners. But the National Congress almost managed to release it for exploration by Canadian companies, famous for being in all places where there are mineral reserves, from whatever country they are. The Amazon is rich in several ores that are highly coveted by the electronics industries, such as tantalite and niobium, which are abundant in the nearby region.

7Pindorama: The term comes from the Tupi pindó-rama or pindó-retama, “land/place/region of palm trees”. It is a designation for the mythical place of the Tupi-Guarani peoples, which would be a land free from evils. Archaeologists believe that the myth was formed at the time of the ancient migrations, when the Tupi-Guarani moved to the Brazilian coast, currently in the eastern region of South America. Several Tupi-Guarani groups inhabited the region until the “invasion of Pindorama”, better known as the “discovery of Brazil” (Source: Wikipedia)

8Environment: this expression is relatively recent, as is the current concern to preserve it. Its meaning is diffuse, as it supports different interpretations and scopes. We can say, however, that the “environment” comprises the whole set of natural factors affected by human presence, because, in its absence, such a microcosm simply does not differ. Therefore, “environment” comprises the set of natural resources (physical, chemical and biological) in the surroundings of a geographic area that is intended to be studied.

9Land “dates”, as well as “land floors” or “sesmarias floors”, were synonyms for small lots, usually granted by municipal councils as “urban sesmarias”.

10Laudêmio is a tax on the market value or the transaction value of the property to be paid when there is an onerous transaction with definitive deed of occupation rights, or land tenure, such as land owned by the Navy, the Catholic Church or the imperial family, not being, therefore, in legal terms, a tax, or tribute.

11Golden Law (Lei Áurea): Princess Isabel signed the law that ended slavery on May 13, 1888. “Aurea“, which means “golden”, refers to the glorious character of the law that put an end to this inhuman form of exploitation. from work.

12The “Entradas e Bandeiras” were territorial exploration expeditions that took place in Colonial Brazil between the 17th and 18th centuries. The “Entries” were official expeditions (organized by the government) that left the coast towards the interior of Brazil. The “Bandeiras” were expeditions organized and financed by individuals, mainly from São Paulo. They departed from São Paulo and São Vicente mainly, heading for the central-west and south regions of Brazil.

13João Fernandes Campos Café Filho was a Brazilian lawyer and politician, being president of Brazil between August 24, 1954 and November 8, 1955.

14Carlos Coimbra da Luz was a Brazilian lawyer, professor, journalist and politician, President of the Republic from November 8 to 11, 1955.

15Nereu de Oliveira Ramos was a Brazilian lawyer and politician. He was vice president of Brazil, elected by the National Congress, from 1946 to 1951. On November 11, 1955, when then president Carlos Luz was deposed, Nereu Ramos assumed the presidency of the Republic since, in the absence of the vice president, the role fell to the vice president of the Senate. When the definitive removal of Café Filho, of whom Carlos Luz was vice-president, was declared, the Chamber of Deputies voted in favor of Nereu Ramos as president until Juscelino Kubitschek took office.

16Goal Plan: “Fifty years of progress in five years of achievements”.

17First lady Sarah Kubitschek, who died at age 87, was buried on February 5, 1996, at 5 pm, at Campo da Esperança cemetery, in Brasília. She left two daughters, Márcia and Maristela.

18Jânio da Silva Quadros nasceu em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, no dia 25 de janeiro de 1917. Foi advogado, professor e político brasileiro. Foi o vigésimo segundo presidente do Brasil, entre 31 de janeiro de 1961 e 25 de agosto de 1961, data em que renunciou. Faleceu em São Paulo, em 16 de fevereiro de 1992, com 75 anos.

19Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Médici, Ernesto Geisel and João Batista Figueiredo, not counting the Military Junta of 1969. It was composed of the three military ministers: General Aurélio de Lira Tavares, Minister of the Army; Admiral Augusto Rademaker, Minister of the Navy; and Brigadier Márcio Melo, Minister of Aeronautics.

20Sir Auguste Marie François Xavier Comte was a French philosopher, founder of Sociology and Positivism, who worked intensively in the creation of a positive philosophy. (Source: Wikipedia)

21Martin Heidegger (September 26, 1889 Meßkirch – May 26, 1976) was a German philosopher, writer, university professor and rector. He is seen as the link between Kierkegaard’s existentialism and Husserl’s phenomenology. His main concern was to elaborate an analysis of existence, that is, to clarify the true meaning of being. Heidegger joined the Nazi party (NSDAP) on May 1, 1933 (the year Adolf Hitler came to power), and was later appointed rector of the University of Freiburg, delivering the speech The Self-Affirmation of the German University. However, shortly afterwards he resigned from the position of rector, being pressured by other professors at the university, who were trying to boycott the Nazi Party to which Heidegger lent his credibility. (Source: Wikipedia)

22Projeto Jari (Jari Florestal e Agropecuária) is the name of a factory built on the banks of the Jari River, for the production of cellulose and other products, which began in 1967. The project was conceived by the North American billionaire Daniel Keith Ludwig and his partner Joaquim Nunes Almeida. He ordered the construction of a pulp mill in Japan, in the city of Kobe, using Finnish technology from the city of Tampere, with two floating platforms, one for pulp production and the other for energy production. The power unit produced 55 megawatts and was powered by petroleum-based BPF oil with an option to consume wood chips.

23http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car – Cadastro Ambiental Rural

24“Almost 65% of the territory of MT is conserved”, says a study by Embrapa – https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/25604479/quase-65-do-territorio-de-mt -and-conserved-says-embrapa-study – “Study by Embrapa Monitoring by Satellite shows that 64.77% of the territory of Mato Grosso is constituted by protected areas (conservation units and indigenous lands) and preserved. The remaining area is occupied by natural pastures (3.03%), planted pastures (21.52%), agriculture (10.39%) and urban areas (0.30%)”. The mapping was presented by the researcher and general head of the Unit, Evaristo de Miranda, during the Aprosoja – Sustainability event, organized by the Soy and Corn Producers Association of the State of Mato Grosso.

25It should be noted that the registered area is greater than the registerable area, evidencing the presence of rural properties within indigenous lands, conservation units, legal reserves and permanent preservation areas, in addition to the occupation of vacant Union lands. The irrational occupation of Brazilian territory is being evidenced by property records in the Rural Environmental Registry. This is even more evident when looking at the figures for the North region: of the 93.7 million hectares that can be registered, 137.6 million hectares are already registered, which would only be justified by the overlapping of properties in the Rural Environmental Registry system.

26Isolated Indians are populations that have no contact with the surrounding society and, thanks to this, they preserve their traditional way of life, living only from hunting, fishing and gathering nuts, roots, fruits, herbs and tubers. There are dozens of small groups throughout the Legal Amazon, under serious risk of extinction.

27Fonte: Agência Brasil http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-12/producao-de-carne-de-frango-e-de-porco-aumenta-em-2017-diz-abpa

28In January 2018, President Temer sanctioned Law No. 13,606, creating a REFIS to pay in installments estimated debts of R$17 billion with Funrural, and the adhesion period was extended by Provisional Measure No. 828, until May 30, 2018. Source: Valor Econômico newspaper (https://www.valor.com.br/brasil/5533863/auditores-da-receita-vao-justica-federal-contra-refis-do-agronegocio). According to the Association of Tax Auditors, the program involves an estimated revenue waiver of R$15.22 billion between 2018 and 2020.

29Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil, class entity composed of large landowners in the country. The CNA System is composed of three entities: the Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil (CNA), which represents small, medium and large Brazilian rural producers, the National Rural Apprenticeship Service (SENAR) which acts as an instrument for Rural Professional Training and Social Promotion and quality of life for rural men and women, and the CNA Institute, which develops studies and research in the social area and agribusiness. Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil (CNA) is responsible for bringing together political and rural associations and leaders across the country. President: João Martins da Silva Junior – Graduated in Business Administration, João Martins da Silva Junior has a professional trajectory linked to livestock activity for over 50 years. This story began in the generation before him, when João Martins, his father, a rancher, slaughtered oxen to supply Salvador in the 1930s. In the 1965s, he established himself as a rancher and milk producer at Fazenda Grande Vista. , in Feira de Santana, in the interior of Bahia, owned by Agropecuária João Martins S/A, of which he was director. Source: institutional website of the entity – (https://www.cnabrasil.org.br/sobre-cna/apresentacao)

30IBGE: Censo Agropecuário 2017: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/

Agronegócio, Economia e Meio Ambiente

Uma análise sob o enfoque da Sustentabilidade

João Carlos Figueiredo*

 

 

 

 

 

 

 

Resumo

O artigo aborda os três eixos da Sustentabilidade: Ambiental, Social e Econômico, avaliados sob os impactos da devastação provocada pela expansão das fronteiras agrícolas e suas consequências no equilíbrio climático do hemisfério sul, na medida em que afeta as populações das florestas tropicais e da savana americana, bem como os componentes desses ecossistemas, profundamente impactados pela drástica redução dos aquíferos (subterrâneos) e mananciais (de superfície). Discute também a opção brasileira de oferecer subsídios fiscais ao agronegócio, em detrimento dos setores industrial e de serviços, e de projetos socioambientais.

Palavras-chave: sustentabilidade, agronegócio, economia, meio ambiente

Abstract

 The article addresses the three axes of Sustainability: Environmental, Social and Economic, assessed under the impacts of the devastation caused by the expansion of agricultural frontiers and its consequences on the climatic balance of the southern hemisphere, insofar as it affects the populations of tropical forests and brazilian savannah, as well as the components of these ecosystems, deeply impacted by the drastic reduction of aquifers (underground) and surface water sources. It also discusses the Brazilian option of offering tax subsidies to agribusiness, to the detriment of the industrial and service sectors, and of socio-environmental projects.

Key words: sustainability, agribusiness, economy, environment

*Environmentalist, Indigenist, Information Technology Specialist, academic degree in Humanities from the University of São Paulo, Barão de Mauá University Center and Cruzeiro do Sul Colleges. 35 years of professional experience in Informatics, 10 years of adventure sports experience, 9 years of experience in Indigenism. Currently working at the National Indian Foundation, where participated in operations to evacuate indigenous lands invaded by ranchers, land grabbers, prospectors and loggers, and to develop knowledge building projects with vulnerable indigenous populations, due to large enterprises in the Amazon. It has dedicated efforts to clarify the environmental impacts of the devastation caused by agribusiness in the Brazilian Amazon and America savannah biomes.

João Carlos Figueiredo

Ambientalista, Indigenista, Especialista em Tecnologias da Informação, formação acadêmica em Ciências Humanas pela Universidade de São Paulo (Estudos Orientais), Centro Universitário Barão de Mauá (História) e Faculdade Cruzeiro do Sul (Fotografia). Experiência profissional: 35 anos em Informática, 10 anos em atividades outdoor (montanhismo, canoagem, mergulho, espeleologia), 11 anos em Indigenismo. Atualmente trabalha na Fundação Nacional do Índio, onde já participou de operações de extrusão de terras indígenas invadidas por fazendeiros, grileiros, garimpeiros e madeireiros, e de projetos de construção do conhecimento junto às populações indígenas, afetadas por grandes empreendimentos na Amazônia. Tem dedicado esforços para esclarecimento dos impactos ambientais da devastação causada pelo agronegócio nos biomas Amazônia e Cerrado brasileiros. Atualmente atua como técnico em geoprocessamento, elaborando mapas cartográficos e análises de impactos ambientais de empreendimentos sobre terras indígenas.

ÍNDICE

  1. Introdução
  2. Uma retrospectiva do processo civilizatório
  3. A industrialização no período colonial
  4. O papel do Barão de Mauá na indústria nacional
  5. O governo Vargas e a marcha para o Oeste
  6. O Governo de Juscelino Kubitschek
  7. Os governos de Jânio Quadros e João Goulart
  8. O Golpe Militar de 1964
  9. A formação da Nova República e a Constituinte de 1988
  10. O governo FHC e a estabilidade econômica
  11. Os governos LULA e Dilma – Expansão do Agronegócio e Programas Socioambientais
  12. Os Censos Agropecuários de 2006 e 2017
  13. Impactos do Agronegócio sobre a Economia, a Sociedade e o Meio Ambiente
  14. Notas de Rodapé

Introdução

A ocupação, pelo agronegócio, das áreas ainda preservadas no país, aliada ao avanço da devastação causada pelas madeireiras, pelo garimpo ilegal, pelos grileiros de terras apoiados por pistoleiros, pelas grandes hidrelétricas e empreendimentos Imobiliários, pela construção não planejada de rodovias e travessões no meio da selva, pelos assentamentos do INCRA na Amazônia e a conivência de um Estado dirigido por um fanático extremista de direita, apoiado por oficiais das Forças Armadas que fazem parte do governo, nos leva a crer que em pouco mais de dez anos não restarão mais florestas nem indígenas no Brasil.

Quadro Político

O Brasil vive uma fase singular de sua história, no momento em que uma ampla eleição transforma o quadro político do país, ao alçar à  Presidência da República um dirigente inepto e fascista, causando transformações na composição do Congresso Nacional, Câmara Federal, Assembleias Legislativas estaduais e Câmara Distrital, porquanto calcado em regras inusitadas e oportunistas, favorecendo o status quo: os partidos políticos e suas lideranças, que enfrentam a Justiça Federal pelo seu envolvimento em operações ilícitas desvendadas pela Operação Lava Jato, enquanto a população manifesta seu descrédito, sem precedentes pelas instituições democráticas e pelo Estado de Direito. Seguindo tendências mundiais de eleger governos de extrema direita, o Brasil optou por um governo ligado a igrejas retrógradas, ao militarismo, ao fortalecimento do agronegócio (com todas as suas mazelas) e à desconstrução de todas as conquistas sociais dos últimos 30 anos. Os três primeiros meses dessa gestão macabra foram caracterizados por conflitos intestinos dos próprios ministérios, instigadas pelo novo ocupante do Planalto e de seus filhos rancorosos e irresponsáveis.

A renovação dos quadros políticos do Congresso Nacional, bem como dos demais cargos em disputa nas esferas nacional e estaduais, ocorreu de forma estranha nesta eleição, com muitos caciques da “velha política” excluídos do poder, sendo, porém, substituídos por novatos despreparados e alinhados com a extrema direita e seu ideário radical e saudosista dos velhos tempos da ditadura militar. A representatividade dos partidos políticos foi profundamente alterada, tornando difícil a composição de uma base de sustentação desse novo grupo que ascende ao poder.

Diante desse quadro alarmante, um terceiro aspecto agravou e comprometeu a disputa: enquanto o candidato da esquerda radical, o ex-presidente Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores, que dominou a cena política nos últimos 16 anos, encontra-se preso e condenado por corrupção e teve mais de 35% das intenções de voto, seu opositor imediato, de extrema direita, é o que mais pontuou entre os demais candidatos, sendo eleito com 57 milhões de votos, apesar da forte rejeição dos setores progressistas. Esse desequilíbrio de forças entre os extremos ideológicos se associa à corrupção, à violência e a mudanças oportunistas na legislação eleitoral01.

Quadro Socioambiental

O Brasil detém uma das maiores biodiversidades do planeta, possuindo dois terços da maior floresta equatorial do mundo, a qual contém cerca de 12% de toda água potável disponível na Terra02. A Bacia Amazônica compreende também territórios das Guianas, Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia, sendo responsável pelo sistema climático do subcontinente sul-americano, cuja complexidade ainda não está plenamente desvendada pelos estudos científicos. As reservas hídricas e biológicas da região Amazônica, aliadas às riquezas minerais que possui, fomenta a ganância de latifundiários locais, empresas multinacionais e países desenvolvidos, ávidos de explorá-las, sem qualquer preocupação com suas consequências socioambientais.

Por sua vez, o bioma Cerrado, exclusivo do Brasil, detém expressivo volume dos aquíferos subterrâneos que alimentam boa parcela das bacias hidrográficas desse subcontinente, tendo como expoente o gigantesco Aquífero Guarani, que se estende pelos estados do oeste, sul e sudeste, chegando ao Paraguai e à Argentina. A vegetação do Cerrado, ao contrário da Amazônia, é muito antiga, e fortemente adaptada aos ciclos climáticos e à aridez de seus longos períodos de estiagem. Porém, cerca de 50% de seu território já foi ocupado pelo agronegócio, em contraposição aos 22% da Amazônia, já transformados em pastos e monoculturas, e fortemente dependentes de irrigação, obtida do subsolo, e vulneráveis ao enorme volume de agrotóxicos que contaminam aquíferos e rios de superfície.

Pelo entendimento firmado no Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas, o Brasil se comprometeu a manter a emissão de gases do efeito estufa 37% abaixo dos níveis existentes em 2005, e o prazo para se alcançar essa meta seria 2025, o que também implica em aumentar a participação da bioenergia sustentável na matriz energética para 18% até 2030. Porém, seguindo na contramão desses compromissos, o Brasil segue devastando o Meio Ambiente, e ocupando de forma desordenada a Amazônia e o Cerrado, expondo cada vez mais áreas à ocupação pelo agronegócio, e produzindo maior quantidade de gases, em decorrência da queima de grandes extensões de floresta nativa, substituídas por pastagens para o gado e por plantações de monocultura de soja, algodão, cana-de-açúcar e outros grãos.

No ritmo em que a floresta está sendo devastada, estimam os cientistas que, em menos de dez anos, o equilíbrio ecológico venha a ser rompido, ativando um processo irreversível de degradação das matas remanescentes. A estimativa é que, atingindo 25% de devastação da Amazônia, esse processo entrópico passe a suplantar a resiliência da floresta. Isso ocorre, principalmente, porque as áreas devastadas não são contínuas, aumentando a exposição das margens da floresta ao assim chamado “efeito de borda”03, que acelera a perda de biodiversidade e de recursos hídricos.

Esse fenômeno está fartamente ilustrado por pesquisas científicas realizadas na Amazônia e na Mata Atlântica. Esta última, remanescente da ocupação litorânea desde o Descobrimento, atingiu tal grau de devastação que hoje restam apenas 7% da floresta original, a maior parte confinada nas Unidades de Conservação federais e estaduais. A Mata Atlântica sofreu um processo acelerado de devastação no período de colonização, agravado pela intensa exploração imobiliária em períodos mais recentes, que hoje também atinge a Floresta Amazônica, em consequência da construção de grandes hidrelétricas e de extensas rodovias, entre elas a Transamazônica, construída em 1972 durante o governo Médici de triste memória, no período de 21 anos da ditadura militar, com 4.223 km de extensão.


Fazenda de 135.000 hectares na divisa de Goiás com o Tocantins
(abaixo: município de São Miguel do Araguaia)


A conjunção desses dois fatores, a incerteza político-social e o avanço avassalador do agronegócio em uma ampla extensão territorial conhecida como Arco do Desmatamento, que compreende o Acre, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins e Maranhão, coloca em risco não apenas a sobrevivência do Bioma Amazônico mas do próprio planeta, na medida em que altera o equilíbrio climático, tendo, como consequência, a redução dos estoques de água potável em região de elevada densidade populacional.

Os grandes empreendimentos desenvolvidos na Amazônia, como hidrelétricas e rodovias, funcionam como um gatilho para a expansão imobiliária e a degradação social, impulsionada pelo aumento drástico da população, transformando, em poucos anos, os vilarejos e pequenas cidades em grandes concentrações urbanas, trazendo, em seu bojo, a prostituição, o tráfico de drogas, a “grilagem”04 de terras, a “pistolagem”05 e a miséria, e precarizando sua infraestrutura urbana. Em sua esteira vem a exploração de madeiras, que se antecipa à chegada do agronegócio, e prepara o terreno para a extinção da floresta em grandes extensões territoriais.

Finalmente, um fator dos mais nocivos nessa escalada do desmatamento refere-se aos assentamentos rurais promovidos pelo INCRA – Instituto de Colonização e Reforma Agrária, sem se preocupar com os impactos ambientais, que trazem famílias inteiras para viver nos travessões, às margens das grandes rodovias, e se propagam como raízes, a penetrar nas áreas preservadas das unidades de conservação e terras indígenas. Assim que tomam posse da terra, ainda com a floresta primária em seu interior, passam a vender madeira de lei; retiram e vendem as árvores mais valiosas para as madeireiras, depois cortam o que restou e vendem como lenha para fornos de produção de carvão vegetal e, por fim, queimam os tocos que sobraram no terreno, deixando a terra nua e imprestável até para a agricultura. Sem orientação para o cultivo, ficam na miséria e acabam por transferir o que restou aos fazendeiros, apoiados por grileiros e pistoleiros.

O último fator extremo de devastação da Amazônia é a mineração, iniciada no século XVI, intensificada há cerca de sete décadas, e expandindo-se durante a ditadura militar, assim como as grandes rodovias e ferrovias destinadas ao escoamento da produção mineral, e hoje, do agronegócio. A mineração ambiciona extensas áreas mapeadas por satélites americanos e pelo DNPM (Departamento Nacional de Pesquisa Mineral, hoje Agência Nacional de Mineração) na década de 1970. Esse processo continua ameaçando a floresta, com projetos que tramitam no Congresso Nacional, através da pressão de multinacionais e empresas brasileiras, inclusive com o propósito de exploração mineral em terras indígenas e unidades de conservação, como houve, recentemente, o caso da RENCA06, no Amapá.

A questão da mineração no Brasil está na pauta de discussões do Congresso Nacional, não por patriotismo, porque empresários e políticos desonestos não têm pátria, mas por interesses escusos e lobbies das grandes mineradoras nacionais e estrangeiras. Emendas constitucionais estão à espera de sua vez para serem votada, assim que o agronegócio conseguir implodir terras indígenas e parques nacionais, através de pautas-bomba de caciques políticos, que tramitam há vários anos, como a PEC-215, que transfere ao Congresso a atribuição e autoridade pela demarcação de terras indígenas, o que sepultará de vez os anseios dessas populações, cujas terras foram espoliadas pelos invasores portugueses, seja pelo descaso e crueldade das autoridades, pela incompetência da FUNAI ou pelas fortes pressões exercidas pelo agronegócio, sedentos de acabar com o Meio Ambiente.

Existe um argumento que circula entre esses políticos que vendem seus votos para viabilizar a exploração ilegal em áreas preservadas, que é o seguinte: “a Europa já destruiu suas florestas e acabou com seus povos primitivos. Os Estados Unidos também já deram cabo dos índios e das florestas em seu território. No entanto, esses países estão entre os que possuem os melhores índices de desenvolvimento econômico, científico, tecnológico e social. Então, por que não fazer o mesmo no Brasil, acabando com a pobreza e enriquecendo aqueles que comungam dessas ideias?

Esse argumento é falso pois, se o Brasil acabar com a Amazônia, o país sofrerá as terríveis consequências da maior mudança climática de sua história, e se tornará mais pobre do que as regiões desérticas da África, da Ásia e do Oriente Médio. O equilíbrio climático do Continente Sul-americano depende das trocas de energia e da intensa umidade que ocorrem ao longo da bacia hidrográfica do rio Amazonas, o maior manancial de água potável do mundo. O que sustenta esses ecossistemas são as águas, tanto de superfície, como dos aquíferos subterrâneos e os processos de trocas energéticas que ocorrem no complexo ambiente amazônico. Sem a proteção vegetal, eles sucumbem em poucos anos.

Existe uma teoria científica embasada em pesquisas, a dos “Rios Voadores”, que explica esse fenômeno climático. Milhões de toneladas de água evaporam no Oceano Atlântico, e percorrem milhares de quilômetros pelo ar (os rios voadores), para cair, em forma de chuva, sobre a floresta. Dela voltam a se desprender e precipitar sucessivamente, através de um processo chamado evapotranspiração, que realimenta tais correntes aéreas de água, em sua jornada desde a foz até a Cordilheira dos Andes, onde se transformam em geleiras que, por sua vez, irão se derreter e formar a mais complexa rede de rios, córregos, riachos, igarapés e lagoas, alimentando o gigantesco Amazonas. Esse é o mistério da Vida, que querem destruir!

Uma retrospectiva do processo civilizatório

As Grandes Navegações do século XVI, segundo historiadores, foram motivadas pelo interesse europeu em encontrar caminhos alternativos para as Índias Orientais, mas também pela busca de novos continentes, que se suspeitava existirem, conforme evidenciam os mapas cartográficos da Antiguidade, provavelmente elaborados por navegadores Viking, Gregos, Chineses e Fenícios. Mesmo antes de se aventurarem nos mares do Atlântico e do Pacífico, já existiam evidências de terras a oeste do continente europeu, ainda conhecido como “Velho Continente”, embora mais velhos fossem a Ásia e a África, segundo descobertas arqueológicas dos períodos Paleolítico e Neolítico: objetos, pinturas e ossadas humanas.

Portugal era uma pequena nação, territorialmente, mas com intenso comércio com as Índias, de onde trazia especiarias (chás, temperos, ervas), como registra a literatura de então, que não menciona que mercadorias levava para trocar por esses produtos. Estava pressionada pela forte concorrência de espanhóis, ingleses, italianos, holandeses e franceses. Para aquele país, era uma questão de sobrevivência e riqueza econômica se diferenciar de seus vizinhos, ampliando seus domínios para além da Europa. Os feitos das navegações portuguesas foram eternizados pela epopeia de Luiz de Camões, em “Os Lusíadas”, narrando as aventuras dos portugueses ao contornar o Cabo das Tormentas, hoje da Boa Esperança, no extremo sul da África, local de grandes perigos e inúmeros naufrágios.

A pequena frota portuguesa transpôs o Oceano Atlântico com a expectativa de encontrar terras no ocidente. Isto fica evidente pelo reduzido tamanho das embarcações e da pouca capacidade da expedição se estender por um longo período. Foi apenas uma viagem exploratória, que seria sucedida por intenso tráfego entre os dois continentes nos anos que se seguiram. As intenções iniciais de Portugal se evidenciavam no processo investigativo inicial, e não de ocupação, que depois se estendeu por cerca de 300 anos, quando descobriram a riqueza existente na Pindorama* do além-mar.

* O termo provém do tupi pindó-rama ou pindó-retama, “terra/lugar/região das palmeiras”. É uma designação para o local mítico dos povos tupis-guaranis, que seria uma terra livre dos males. Os arqueólogos acreditam que o mito tenha se formado na época das antigas migrações, quando os tupi-guaranis se deslocaram para o litoral brasileiro, atual região oriental da América do Sul. Vários grupos tupis-guaranis habitavam a região até a “invasão de Pindorama”, mais conhecida como “descoberta do Brasil” (Fonte: Wikipedia)

As primeiras atividades econômicas desenvolvidas em território brasileiro desde o Descobrimento foram a extração de madeira (“pau-brasil”), a produção de cana-de-açúcar e o garimpo de ouro, diamante e pedras preciosas, o cultivo do cacau, seguindo-se  o plantio de algodão, a lavoura de café e a extração de borracha (látex). Esses ciclos extrativistas e agrícolas, eventualmente, se sobrepunham, estendendo-se por mais de um século, até se tornarem economicamente inviáveis, seja pelo esgotamento desses recursos (no caso do ouro, do diamante, da madeira e da extração da borracha), seja pela competição mundial (no caso das lavouras de cana-de-açúcar, cacau, algodão e café) ou mesmo pelo surgimento de novas oportunidades (ou demandas) do mercado consumidor mundial.

Nesse contexto, evidencia-se a exploração intensiva dos recursos naturais em prejuízo do meio ambiente07, então irrelevante. Não havia um planejamento, coincidindo, inclusive, com outros aspectos predatórios dessa economia, como o tráfico e a exploração do trabalho escravo, e a posterior introdução de imigrantes para suprir a perda dos escravos ao final do século XIX. A intensidade das atividades extrativistas, pastoris e agrícolas se evidencia na ocupação desordenada do oeste, através dos ciclos das entradas e bandeiras, quando se praticou o genocídio das populações indígenas, para roubar-lhes seus territórios, na tentativa de escravizá-los, em substituição à mão de obra escrava trazida do continente africano, e que se tornara extremamente onerosa e combatida pela sociedade de então.

Para operacionalizar esse processo de ocupação territorial, desde os primórdios do século XVI foram implementadas políticas de estímulo à posse das terras, inicialmente através da Capitanias Hereditárias, que foram um enorme fracasso, por não conseguir fixar seus donatários em uma terra ainda selvagem e desprovida do conforto e dos recursos existentes na sociedade Europeia. Além disso, a existência do Tratado de Tordesilhas restringia a ocupação do interior do continente, por parte dos portugueses, à metade do Brasil atual. O donatário das capitanias tinha o direito de vender ou doar partes de seu território, as sesmarias, para outros colonizadores, a título de estímulo à colonização imperial. Daí surgiu a exploração territorial predatória, como atividade, agregando valor à terra nua em processos de comercialização das áreas descobertas.

O termo “sesmaria”08 era empregado para tipificar os terrenos pertencentes à Coroa Portuguesa, nos quais não havia o desenvolvimento de atividades econômicas, nem a ocupação humana do espaço colonial. Portanto, dadas as dimensões daquela terra encontrada a oeste do Oceano Atlântico, a doação de sesmarias se mostrava muito interessante para os colonizadores, bem como um atrativo para a vinda de aventureiros europeus, interessados em se estabelecer nesses territórios. Esse sistema se consolidou na futura nação brasileira, torando-se uma prática usual ao longo de todo o o processo de ocupação territorial do país.

Um parceiro importante da Coroa Portuguesa nesse processo civilizatório foi a Igreja Católica, que desde o descobrimento esteve presente nesse território, tendo se apropriado de enormes extensões de terras, na medida em que atuava como pacificadora e evangelizadora dos povos indígenas. Essa parceria entre a Coroa portuguesa e a Igreja era duplamente conveniente, o que rendeu, aos religiosos, um “rebanho silvícola para difusão de suas doutrinas”, enquanto povoava as cidades que se formavam nas novas terras da América portuguesa. Desse sistema resultou o Laudêmio09, pelo qual a Igreja recebia tributos, cobrados da transmissão intervivos de direitos de propriedade. Esse sistema de cobrança de tributos sobrevive até hoje em algumas áreas tradicionais de cidades mais antigas.

Observe-se que o Brasil foi ocupado pela subtração dos territórios indígenas e, muitas vezes, com o extermínio de populações inteiras e, consequentemente, causando o desaparecimento de culturas, etnias, línguas, costumes e tradições desses povos. Até o presente, grande parte desses povos originários do continente americano ainda não tem seu território demarcado e regularizado pelo governo, muitos dos quais vivem, como zumbis,  nas cidades e, às margens das estradas, como mendigos, sujeitos à exploração sexual, às drogas, à violência e humilhação, naquela que foi sua terra e seu mundo, até a chegada dos portugueses.

A industrialização no período colonial

Durante a ocupação portuguesa, nos primeiros anos após o descobrimento, até a emancipação do território pela independência de Portugal, primeiro como um império sob a regência de Dom Pedro I e Dom Pedro II, depois como República, após sua proclamação em 1889, mesmo sendo proibida qualquer atividade manufatureira, alguns produtos essenciais eram desenvolvidos pelos colonizadores, ao longo desses quase quatro séculos, com o propósito de tornar mais amena a vida nesse novo continente.

Com a chegada da família imperial portuguesa, fugindo de Napoleão Bonaparte, em 1808, a situação da colônia era insustentável para os nobres, que provinham da Europa, carentes de condições mínimas de sobrevivência no seu exílio involuntário. Assim, o próprio Dom João VI estimulou a instalação de pequenas indústrias manufatureiras para atender às necessidades básicas da nobreza, dando, dessa forma, os primeiros passos para a industrialização do Brasil. Esse processo tardio se acelerou durante quase todo século XIX e prosperou com o retorno de Dom João VI a Portugal, deixando seu filho com a responsabilidade de cuidar da Colônia. Estavam, portanto, assentadas as bases para a transformação do Brasil Colônia em uma Nação livre e soberana, o que ocorreu em 1822.

Durante o longo reinado de Dom Pedro II, que substituiu seu pai quando este também retornou a Portugal, apesar das revoltas havidas em diferentes regiões do país que se formava, houve um período de grandes realizações, tanto no campo das Artes, da Cultura e da Ciência, como também da Economia. Porém, o mais importante passo para a industrialização do país só ocorreu, efetivamente, depois da Proclamação da República, em 1889. Antes, porém, em 1888, sua filha, a Princesa Isabel, aproveitando-se da ausência do pai (ou mesmo orientada por ele), deu o último passo para acabar com a escravidão no Brasil10, em 13 de maio daquele ano.

Com a libertação dos escravos, a lavoura cafeeira ficou sem mão de obra para produzir. Foi através do estímulo à vinda de imigrantes europeus e asiáticos que o Brasil deu início ao processo de industrialização, ainda durante o reinado de Dom Pedro II. O café foi introduzido no Brasil em 1856, instalando-se na região de Vassouras, estado do Rio de Janeiro. Nos anos seguintes propagou-se pelo Vale do Paraíba, seguindo para o norte e oeste de São Paulo até os limites do atual Mato Grosso do Sul. Nesse processo de expansão iniciou-se a construção de ferrovias, essenciais para o escoamento da produção agrícola e industrial do café, transformando o país no maior produtor e exportador mundial desse produto.

O papel do Barão de Mauá na indústria nacional

O Barão de Mauá, Irineu Evangelista de Souza, (1813-1889), foi o primeiro empresário, dentre a burguesia social do Brasil, a investir fortemente na indústria. Seus investimentos produtivos incidiram sobre vários setores da economia, desde os meios de transporte terrestres e aquáticos até a constituição de um banco comercial. Gaúcho de nascimento, mudou-se, ainda na adolescência, para o Rio de Janeiro, onde trabalhou em uma empresa de importação. Foi na Inglaterra que ele entrou em contato com a sociedade urbana e industrial. Ao voltar ao Brasil, adquiriu uma fundição em Niterói, que foi transformada em um estaleiro naval que chegou a produzir mais de sessenta navios.

Irineu Evangelista também criou a Companhia de Rebocadores da Barra do Rio Grande, obteve os direitos de transportes no rio Amazonas e investiu em companhias de bondes em São Paulo. Foi um dos maiores incentivadores da implantação de ferrovias no Brasil. Honrado com o título de Barão de Mauá, construiu uma rede de telégrafos submarinos, ligando o Brasil à Europa, investiu na Companhia de Gás do Rio de Janeiro e em estabelecimentos bancários, dentre os quais a Casa Mauá & Cia.

No entanto, seus projetos de industrialização confrontavam-se com a situação precária da Economia do país, baseada fortemente na utilização de mão de obra escrava. Sendo contrário à escravidão, sofreu fortes pressões dos latifundiários do café, tendo até sido alvo de atentados e sabotagens em suas atividades. A tributação intensa das atividades industriais foi o golpe de misericórdia para seus projetos, levando-o à falência em 1878.

Como pioneiro do processo de industrialização do país, o Barão de Mauá sofreu as consequências de uma nação dominada pelo agronegócio, despreparada para os desafios de um modo de produção industrial, preconceituosa e oportunista, tendo sua mão de obra constituída de trabalho escravo e, portanto, sem necessidade de se tornar eficiente, pois toda sua receita estava deformada pela ausência do principal componente do custo de produção, que é a remuneração do trabalhador.

Porém, o Barão de Mauá deixou sua marca como visionário e empreendedor, como poucos de sua época. O Brasil chegou a ter um estaleiro competitivo, e até hoje o Estaleiro Mauá é um dos empreendimentos mais bem-sucedidos do país, com área de 180.000 m² e capacidade de processamento de 36.000 toneladas de aço por ano. É o maior estaleiro da Baía de Guanabara, oferecendo serviços de construção naval, construção e integração de módulos offshore, docas, reparo naval e serviços de terminal portuário. Hoje, o Estaleiro Mauá é considerado um dos maiores centros de construção, integração e reparos para a indústria de óleo e gás do país.

O governo Vargas e a marcha para o Oeste

Getúlio Dornelles Vargas (1882-1954) nasceu no Rio Grande do Sul e foi presidente do Brasil, após tomar o poder em 1930 e se tornar ditador. Aproveitando-se de seus poderes totalitários, promoveu a modernização do país, criando o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, e o Ministério da Educação e Saúde, e nomeando interventores federais para estados e territórios. Criou o Instituto Brasileiro do Café e o Conselho Nacional do Café, prosseguindo com a Política de Valorização do Café. Também valorizou trabalhadores através de uma nova legislação trabalhista e sindicalista.

Em 1932, a crise na Bolsa de Nova Iorque pegou o Brasil com imensos estoques de grãos, perdendo sua clientela internacional, e deixando muitos cafeicultores na miséria. Em poucos meses, quinze milhões de toneladas de grãos, armazenados no Instituto Brasileiro do Café, foram queimados, acabando com o ciclo de desenvolvimento proporcionado por esse fantástico produto. No entanto, deixou como legado um complexo sistema ferroviário, composto pelas Companhias Mogiana, que chegava até Pedregulho/SP, a Companhia Paulista, que alcançou a fronteira de São Paulo com o Mato Grosso em meados do século XX, a Araraquarense e a Sorocabana que, com outros traçados, também seguiram até o rio Paraná, na fronteira com o que é hoje o estado de Mato Grosso do Sul.

A primeira ferrovia do Brasil foi inaugurada em 1854, entre o Porto de Mauá e a cidade de Fragoso, no Rio de Janeiro, e foi idealizada pelo empresário e banqueiro Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, grande incentivador da industrialização do país. Ainda nesse período final do Império foram construídas as ferrovias de Recife – São Francisco (1858), a Central do Brasil (1858) e a Santos – Jundiaí (1867).

O grande problema das construções de estradas de ferro no Brasil, e que causaram sua obsolescência precoce na primeira metade do século XX, foi a falta de uma padronização da distância entre seus trilhos, conhecida como “bitola do leito ferroviário”. Isso impediu que tais estradas perdurassem e fossem integradas, de modo a compartilhar cargas e passageiros ao longo das imensas extensões territoriais do Brasil. Porém, durante sua curta existência, tiveram papel preponderante, tanto para o escoamento das safras, como para o processo de industrialização do nosso país.

Em 1932 Getúlio enfrenta a Revolução Constitucionalista, liderada pelo Estado de São Paulo, que protestava contra o Estado totalitário e reivindicava uma assembleia constituinte para a elaboração de uma nova Constituição. Em 1934 Getúlio aprova sua própria Constituição, que trouxe novidades importantes, como o voto secreto, que pretendia acabar com o conhecido “voto de cabresto”, pelo qual os latifundiários, os coronéis do sertão, controlavam o resultado das eleições, assegurando seu poder e seus benefícios na obtenção de crédito agrícola.

Em 1935 Vargas enfrenta uma nova tentativa de afastá-lo do poder: era a Intentona Comunista, uma longa marcha liderada por Luiz Carlos Prestes e idealizada pela Aliança Libertadora Nacional, um partido banido pelo governo Vargas. Em 1937, um grupo de integralistas, que apoiava Adolf Hitler, forjou o Plano Cohen, que conquistou expressiva parcela da população e da caserna, dando suporte à ditadura Vargas.

Mas foi durante o período conhecido como Estado Novo (1937-1945) que Getúlio Vargas exerceu o poder sem oposição, com apoio dos militares e a simpatia da classe trabalhadora. Foi nesse período, quando a Segunda Guerra Mundial se desenvolvia na Europa e a população judaica fugia do nazismo, que o Brasil recebeu grande contingente humano para trabalhar nas lavouras e na indústria incipiente. Foi também nesse período que Vargas concebeu sua grande “Marcha para o Oeste”.

Seu propósito era ocupar a região central do país, criando novas frentes de trabalho e consolidando o território nacional no interior, pois ainda era muito concentrado nas faixas litorâneas. Em seu discurso, Vargas afirmou que a Marcha era “o verdadeiro sentido de brasilidade”. Solicitou que instituições como o Conselho Nacional de Geografia, o Conselho Nacional de Cartografia, o Conselho Nacional de Estatística e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) fornecessem os dados necessários para amparar sua missão de integrar o Brasil. O Oeste era uma região desconhecida, selvagem e inóspita para a maioria dos brasileiros.

Nessa época não havia estradas, os rios não eram navegáveis e havia muitos indígenas “hostis” ao processo de colonização, que haviam se deslocado das regiões litorâneas para o interior do Brasil. O Estado reassumia sua imagem do Bandeirante11, que percorrera o país em busca do ouro e à caça de índios e de negros foragidos das senzalas. Estes últimos se instalaram em regiões montanhosas, constituindo os Quilombos, onde viviam protegidos de seus algozes, falavam sua língua nativa, praticando seus costumes.

A Marcha pretendia iniciar a conquista para o Oeste, seguindo depois para o Norte. Um dos trabalhos realizados por essa marcha foi a instalação de linhas de telégrafo, comandada pelo Marechal Rondon, que conseguiu a aproximação com grupos indígenas ainda desconhecidos, criou o Parque Indígena do Xingu, constituiu o Serviço de Proteção ao Índio e Localização de Trabalhadores Nacionais (SPILTN), cujo propósito era converter os indígenas em trabalhadores braçais e integrá-los à sociedade “civilizada”.

O SPI evitou o extermínio de indígenas, mas com um grande ônus para essas populações, que eram transferidas para outras regiões, perdendo seus costumes, tradições e lugares sagrados, e acabaram sendo usadas como justificativa para a ocupação dos territórios de Mato Grosso, Rondônia e Acre. Até hoje, os impactos sociais e culturais desse processo são sentidos pelos povos indígenas dessa extensa região. O SPI, criado em 1910, cinquenta anos depois, deu origem ao atual órgão indigenista, a Fundação Nacional do Índio, criada em 1967 e utilizada até hoje para interesses políticos, afastando-se de seu mister, que é a proteção dos Povos Indígenas.

Estima-se que a população indígena do território que veio a se transformar no Brasil, era, na época do Descobrimento, composta de mais de 500 etnias, com mais de duas centenas de línguas faladas, totalizando mais de 5 milhões de seres humanos. Durante o processo civilizatório essa população foi reduzida a menos de 300 mil indivíduos. Pelo último Censo Demográfico do IBGE, de 2010, contabilizou-se 817.962 indígenas, distribuindo-se em cerca de 600 terras indígenas em diferentes estágios de demarcação.

Metade dessa população vive, ainda hoje, nas aldeias, enquanto os demais habitam cidades em todos os estados da Federação. Hoje somam-se 350 etnias e 180 línguas faladas. O território indígena é de 117 milhões de hectares, correspondentes a 13,7% do território nacional. O Brasil é o país com a maior diversidade étnica do planeta. Essa riqueza étnica, linguística e cultural está ameaçada pelo agronegócio, que a cada dia incentiva novas invasões de terras, estimula o arrendamento ilegal de suas terras, promove a compra ilegal de madeira e corrompe costumes e tradições desses povos.

Durante mais de um século, desde a criação do Serviço de Proteção ao Índio e passando pela Funai, essa instituição foi manipulada por todos os governos, sob as ordens das oligarquias de latifundiários e banqueiros, para tentar reverter o processo de demarcação de suas terras. Enquanto o agronegócio ataca o patrimônio material dos povos indígenas, as igrejas católica e evangélicas atacam seu patrimônio cultural, descaracterizando sua cultura e destruindo sua cosmogonia, catequizando seres humanos que não têm como se defender desses arautos de um deus que nada tem a ver com suas tradições, colocando uma bíblia nas mãos de cada indígena, corrompendo seus costumes e incutindo-lhes um falso conhecimento.

As terras indígenas da Amazônia têm importância equivalente às unidades de conservação, na medida em que preservam o Meio Ambiente e protegem os mananciais, a fauna e a flora, garantem a biodiversidade e evitam que a devastação se propague para além das áreas já imprestáveis, até mesmo para a lavoura e a pecuária, tão pobre se tornaram seus solos e suas águas contaminadas por agrotóxicos. Se esse processo de asfixiamento da instituição indigenista não for debelado a tempo, todo trabalho desenvolvido nos últimos cem anos será irremediavelmente perdido.

Porém, mais do que destruir cerca de trezentos povos indígenas, estaremos empobrecendo a Nação Brasileira, que perderá culturas milenares, berço de nossa própria língua, origem de nossa culinária mais rica, fonte dos saberes tradicionais que alimentaram, incluindo, indevidamente, os grandes laboratórios farmacêuticos com seus princípios ativos roubados da sabedoria dos pajés, em sincretismo com a dos orixás africanos, herança dos milhões de escravos que serviram ao Brasil durante 300 anos.

O Governo de Juscelino Kubitschek

Depois da morte trágica de Getúlio Vargas, que suicidou-se em 1954 ao tomar consciência de que seus assessores mais próximos o haviam traído e conspiravam contra ele, sucederam-se Café Filho12, Carlos Luz13 e Nereu Ramos14, que complementaram o mandato de Vargas. Sucedeu-os Juscelino Kubitschek, que governou por cinco anos, dando prosseguimento ao projeto de Vargas de promover a interiorização do Brasil. Para isso, lançou seu programa de governo, batizado de “50 anos em 5”15, cujo propósito era dinamizar a Economia, ampliando as metas de Getúlio para a ocupação do Oeste e para a consolidação da ainda incipiente indústria nacional.

Nesses cinco anos de muita atividade econômica, o fator de crescimento da Economia se baseou na construção de Brasília e na consolidação da Indústria Automobilística brasileira. Juscelino havia participado da Assembleia Constituinte de 1946, fora governador de Belo Horizonte e viajara pelos Estados Unidos e Canadá para conhecer melhor a administração pública desses países. A partir de então, começou a vislumbrar seu projeto de industrialização do Brasil.

Para planificar seus projetos, Juscelino criou aquilo que se chamou “Plano Nacional de Desenvolvimento”. Esse plano consistia em um projeto de desenvolvimento nacional com trinta e uma metas, sendo que a trigésima primeira seria a construção de Brasília e a transferência da capital federal. Esse plano baseou-se em estudos realizados pela Comissão Mista Brasil-Estados Unidos entre 1951 e 1953, que tinha por objetivo identificar os pontos cruciais de estagnação da economia brasileira, que inviabilizavam o crescimento econômico do país sob o enfoque capitalista e liberal.

O Plano de Metas tinha por objetivo investir em cinco setores da economia nacional: energia, transporte, indústria de base, alimentação e educação. Os três primeiros setores receberam mais de 90% dos recursos, sendo que educação e alimentação ficaram com cerca de 7% dos investimentos. O resultado mais expressivo do Plano de Metas foi o crescimento em 100% da indústria nacional de base, com uso de capital estrangeiro, o que gerou forte endividamento e desequilíbrio monetário.

Entre 1955 e 1961, entraram mais de dois bilhões de dólares destinados às metas. Juscelino isentou de impostos de importação as máquinas e equipamentos industriais, assim como liberou a entrada de capitais externos em investimentos de risco, desde que associados ao capital nacional (“capital associado”). Para ampliar o mercado interno (consumo), o plano ofereceu uma generosa política de crédito ao consumidor.

O país crescia 7,9% ao ano. JK promoveu a implantação da indústria automobilística com a vinda de fábricas de automóveis para o Brasil. Como na época os Estados Unidos estavam mais interessados no mercado europeu, vieram marcas europeias, inicialmente com o capital alemão (Volkswagen), francês (Simca) e nacional com tecnologia estrangeira (Vemag). Promoveu a indústria naval com capital japonês, holandês e nacional, e a siderurgia com recursos estatais do BNDES e capital japonês agregado à Usiminas. Construiu grandes usinas hidrelétricas, como Furnas, localizada em São João da Barra, e Três Marias. A construção de Furnas foi iniciada em 1957 e concluída em 1963. Furnas formou um dos maiores lagos artificiais do mundo (da época), que banha 34 municípios mineiros e que ficou conhecido como o “Mar de Minas Gerais”.

O processo de industrialização da região Sudeste, com a criação de empregos, aumenta a vinda dos nordestinos para essa região, principalmente São Paulo e Rio de Janeiro, assim como imigrantes das áreas rurais de todo o país. Muitos empresários, principalmente os paulistas, acreditavam que o pouco desenvolvimento da região Nordeste era um dos maiores obstáculos para a ampliação do mercado interno, pois excluía um terço da população. Em 15 de dezembro de 1959, JK criou a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) para integrar a região ao mercado nacional.

Abriu as rodovias trans-regionais que uniram todas as regiões do Brasil, antes sem ligação rodoviária entre elas. Aumentou a produção de petróleo da Petrobras. Com exceção das empresas de energia hidrelétrica, Juscelino praticamente não criou nenhuma empresa estatal. Entre 1959 e 1960, houve uma crise na obra de construção de Brasília. As verbas haviam acabado e JK entendia que não poderia terminar o governo sem construir Brasília. Ao pedir um empréstimo de 300 milhões de dólares para o Fundo Monetário Internacional (FMI), o órgão exigiu que o país “colocasse a casa em ordem antes de pedir ajuda financeira”. JK emitiu títulos da dívida pública e cartas precatórias, que são papéis negociados na bolsa de valores para se conseguir capital de curto prazo. JK vendeu esses papéis com deságio, ou seja, com um preço abaixo do valor de mercado, que poderia ser recuperado, posteriormente, em um prazo de cinco anos. Com isso, conseguiu dinheiro para terminar a construção de Brasília, mas JK foi acusado de inviabilizar os próximos governos do país, por aumentar a dívida pública federal.

O governo de Juscelino Kubitschek continua sendo o modelo de eficiência e de competência política no Brasil devido aos fortes impactos no seu crescimento econômico. Sua obra foi eternizada pela construção de Brasília, onde foi construído um mausoléu em sua homenagem. Nele se encontram documentos históricos sobre Brasília, o Plano de Metas, as comendas, medalhas e homenagens recebidas por ele, bem como o jazigo onde repousam seus restos mortais16. Apesar de controvérsias sobre suas escolhas e prioridades, sobre o endividamento e o acerto (ou não) da decisão de construir Brasília, Juscelino transformou o Brasil como nunca antes outro tivera capacidade de realizar.

Os governos de Jânio Quadros e João Goulart

Jânio Quadros17 foi eleito presidente da República com a promessa de acabar com a corrupção, tendo como vice-presidente João Goulart. Apesar das grandes realizações de Juscelino, havia muitas denúncias de desvio de verbas nas grandes obras da construção de Brasília. Dizia-se que os caminhões, carregados de materiais de construção, recebiam duas, três vezes o valor das entregas com uma única nota fiscal. Essas denúncias nunca foram comprovadas oficialmente, e o que ficou na memória nacional foi a imagem de um grande líder, cujo trabalho fora eternizado como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela UNESCO, tanto pelo projeto arquitetônico, assinado por Oscar Niemeyer, pelo projeto urbanístico de Lúcio Costa, e pela magnífica obra de paisagismo de Burle Marx.

Jânio renunciou depois de poucos meses no poder, alegando a presença de “forças terríveis” (ou “ocultas”), que conspiravam contra ele. João Goulart estava em viagem pela União Soviética, e as Forças Armadas pressionavam o Congresso para impedir sua posse, temendo uma transição do país para o socialismo. Depois de negociações e tratativas, alterou-se o regime de governo para parlamentarista, permitindo que Goulart assumisse o poder, e elegendo, por aclamação, Tancredo Neves, como Primeiro-ministro.

Esse arranjo não funcionou satisfatoriamente, e meses depois foi revogado pelo Congresso, tornando João Goulart o Presidente de fato e de direito, afrontando as Forças Armadas e entusiasmando a esquerda radical, que se reestruturava, sonhando com a Revolução Socialista. Goulart começa a arquitetar uma série de mudanças, as quais chamou de Reformas de Base, dando prioridade a projetos de infraestrutura, como era usual na concepção socialista de transição do capitalismo para o comunismo.

A partir daí, as greves e manifestações da classe trabalhadora agitaram o país, exigindo celeridade nas reformas e criando forte instabilidade política, econômica e social, que atingiu o auge no grande comício da Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Neste momento, estava definido o destino do país, com grandes concentrações populares, instigadas pela igreja, em contraposição aos socialistas. Uma série de passeatas aconteceu no país, denominadas “Marcha da Família, com Deus, pela Liberdade”, dando o argumento que os militares queriam para assumir o poder.

No dia 1º de abril de 1964, contingentes do Exército marcharam de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo para derrubar João Goulart que, ao constatar que já não tinha mais apoio militar, abandonou o governo e fugiu para o Rio Grande do Sul, seguindo depois para o Uruguai. Estava selado o destino do Brasil e, durante 21 anos, cinco generais18 se sucederam no poder, acabando com as liberdades constitucionais e fazendo uso da força, prenderam e torturaram milhares de pessoas inocentes, muitas das quais assassinadas nos porões da ditadura, como a Casa da Morte (Petrópolis), o CENIMAR – Centro de Informações da Marinha, o DOI/CODI – Destacamentos de Operações de Informação / Centros de Operações de Defesa Interna, e o DOPS – Departamento de Ordem Política e Social.

O Golpe Militar de 1964

Com a fuga de Goulart para o Uruguai, os militares tomaram o poder e seguiram-se 21 anos de ditadura militar, centenas de desaparecidos, milhares de jovens torturados, e um país dilacerado pelo ódio, o desencanto e o desespero. Os militares tomaram o poder em nome da Democracia, como já dissemos, mas seus primeiros atos e os que se seguiram foram destinados a calar toda e qualquer oposição ao regime militar. Por uma curiosa artimanha, todos os generais exerceram o poder alegando terem sido eleitos por votação do Congresso Nacional, onde havia dois partidos: o do Governo Militar, chamado ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), cujo propósito era referendar os atos do governo e disfarçar a ditadura implantada no país.

Os militares não tomaram apenas o poder político, mas também o controle das empresas estatais nas esferas federal e estaduais. Sua ação visava amordaçar a população e sufocar a oposição em nome de um país próspero e ordeiro. O horror das salas de tortura atingiu o coração da juventude. Paradoxalmente, hoje, o presidente fascista, eleito em outubro de 2018,  repete o mesmo mote e propõe “Ordem e Progresso” como bandeira e mote de seu “projeto de governo”. Vale lembrar que esse slogan foi criado pelo movimento federalista que derrubou o Imperador Pedro II, inspirado no Positivismo de Auguste Comte19, filósofo francês do século XVII.

Até hoje existem adeptos dessa filosofia anciã e do mentor intelectual do nazismo, Martin Heidegger20, que mobilizou o mundo à sua pior experiência de guerra, assassinando mais de 70 milhões de seres humanos. Porém, nada justifica a aceitação desse presidente de matizes nazifascistas que “encanta” seu eleitorado fanático, assim como Hitler mobilizou o Exército e a juventude alemã na década de 1930, este com promessas de resgatar a dignidade perdida na Primeira Guerra, aquele com promessas de prover armas à população, de ódio racial e rigor extremo do poder policial para enfrentar bandidos. Paradoxalmente, as populações que foram às ruas se manifestar contra a corrupção de governos de esquerda ideológica, são o estereótipo do eleitorado que esse neonazista conseguiu conquistar.

Voltando aos militares de 1964, suas realizações contabilizam a Rodovia Transamazônica – BR-230, que feriu mortalmente o maior ecossistema homogêneo do mundo; a Hidrelétrica de Itaipu, que inundou um dos cenários mais surpreendentes do rio Paraná, a Hidrelétrica de Balbina, que sequer ilumina Manaus com a pouca energia que produz, mas que quase fez sucumbir uma das culturas milenares da Amazônia, os indígenas Waimiri-Atroari, que também foram apunhalados pela construção da Rodovia BR-174, que atravessou seu território de sul a norte, ligando Manaus/AM a Boa Vista/RR, com milhares de mortos e uma fauna exuberante fortemente afetada até os dias atuais.

Foram muitas as “realizações” da ditadura militar, mas há que se fazer “justiça” a eles quanto à continuidade dos projetos de Getúlio Vargas e de Juscelino Kubitschek, no que se refere à ocupação do Oeste e da Amazônia: a devastação ambiental. Mas há que se debitar, com mais ênfase, os militares, na medida em que liberaram as terras das florestas e do Cerrado para ocupação por estrangeiros21 e por sulistas gaúchos, ávidos de se instalar em latifúndios improdutivos, subsidiados por juros bancários generosos e perdão de dívidas eternamente atrasadas e nunca pagas.

Podemos afirmar que o agronegócio começou com os colonizadores portugueses, prosperou com os latifundiários gaúchos, e floresceu com o Partido dos Trabalhadores. Essa continuidade na imprudência tem seu preço, e pretendemos elucidar esse projeto de desconstrução da Natureza com os últimos governos e suas escolhas infelizes. Mas há que se atribuir a responsabilidade aos militares, conquanto seu projeto não acabou com a corrupção (até a fez florescer), mas concentrou-se no poder dos generais, que se locupletaram com o lucro desviado das estatais e asseguraram para si generosas aposentadorias e farta distribuição de lucro das empresas adquiridas com o sangue de suas vítimas. Até hoje o Brasil não conseguiu passar a limpo a História da Ditadura, nem com a Comissão da Verdade, nem com as centenas de livros e filmes produzidos para resgatar a dignidade das vítimas de nosso holocausto particular.

Uma das vítimas desse descalabro de poder e arrogância foi Vladimir Herzog, preso sem nenhuma acusação contra ele, torturado e assassinado nas dependências do DOI/CODI de tristes recordações, e humilhado, mesmo depois de morto pelo seu algoz e torturador, o coronel Brilhante Ulstra, ídolo e referência de Jair Bolsonaro, um reles capitão, expulso do Exército por indisciplina e tentativa de explosão de uma bomba no quartel ao qual servia, e que hoje se arroga no direito de conduzir o Povo Brasileiro e ocupar a Presidência da República, para a qual não tem inteligência, competência ou cultura suficiente, nem mesmo para ser deputado federal. Ele, um medíocre fascista contemporâneo, xenófobo, misógino, machista, racista e desqualificado, nunca, em quase 30 anos de Congresso, conseguiu aprovar uma só lei relevante, de sua autoria, senão para aumentar o soldo de  oficiais militares, inclusive o seu próprio! Um fracassado oportunista!

A ditadura militar teve outra “obra-prima” de “inteligência e criatividade”: pela cabeça de outro coronel, José Ezil Veiga da Rocha, ex-presidente da Secretaria Especial de Informática, criada pelo regime militar, quando concebeu a “Lei da Reserva de Mercado para Informática”, excrescência inominável que pretendia, por uma simples canetada, capacitar o Brasil a concorrer com gigantes da tecnologia, como IBM, Unisys, Hewlet-Packard, Honeywell-Bull, dentre outras, dando prioridade à indústria nacional.

Para isso, foram “criadas” cinco empresas: Cobra, Labo, SID, Sisco e Edisa, energizadas com capital público e colocadas como a única opção de compra de computadores para nossas empresas, desde a indústria eletroeletrônica até o setor bancário, altamente dependentes de alta tecnologia da informação. O resultado foi uma estagnação tecnológica que nos afastou da concorrência internacional. Ezil afirmava que a Informática seria o “nosso atalho para o desenvolvimento”… só se esqueceu de dizer que esse atalho nos levaria para o atraso, para a beira do precipício da ineficiência.

Toda ditadura é um retrocesso, um atraso de vida para uma Nação, um tempo desperdiçado, durante o qual a sociedade é massacrada por aqueles que juraram defender o país de seus inimigos. Porém, não podem existir inimigos dentro da Nação. Mesmo os piores bandidos têm que ser tratados com dignidade, pois a tortura e a crueldade contra pessoas subjugadas é apenas covardia e incompetência para gerir uma nação. O Brasil pagou um preço altíssimo pelos terríveis anos de ditadura militar. Até hoje, o país não se recuperou das cicatrizes deixadas pelos militares no povo brasileiro.

A formação da Nova República e a Constituinte de 1988

O trauma causado por 21 anos de ditadura militar alimentou o zelo excessivo dos políticos ao criar salvaguardas contra uma eventual recaída da caserna no desejo de comandar o país à sua estranha e obtusa maneira. Uma Assembleia Constituinte foi eleita com os mesmos políticos (ou seus descendentes diretos) que ainda hoje habitam as salas do Congresso Nacional, representantes das mesmas oligarquias que despontaram durante o Período Colonial, alimentaram-se no Império, cresceram na República Velha e se tornaram “donas do Brasil” até os dias de hoje. Por isso, pelos vícios do passado, na última hora, mudou-se o texto final, arrancando de suas páginas a figura do Parlamentarismo e restituindo o Presidencialismo, sem, contudo, corrigir as distorções advindas desse retrocesso.

Uma prolixa arquitetura de leis construiu um emaranhado de proteções que, em poucos anos, se mostrou ineficaz contra os próprios autores, estes sim, capazes de praticar o crime de lesa-pátria como um assassino serial. Durante mais de trinta anos parlamentares remendaram esse texto, filhote da ditadura com Drácula, tentando viabilizar os governos que se sucederam sem capacidade de gerir, com eficiência, o Brasil. Logo de início, a inflação contida pelos militares sob a mira dos fuzis, disparou, e atingiu os dois, os três, os quatro dígitos, implodindo o governo Sarney, e depois o salvador da pátria, o caçador de marajás, Fernando Collor de Mello e seus comparsas.

Veio FHC, o “déspota esclarecido” da Revolução Brasileira, e, na majestade de príncipe da Academia de Ciências Sociais, deu um golpe fatal na inflação, reduzindo-a a patamares comportados. Entusiasmado com seu sucesso, decide privatizar tudo, entregando, de mão beijada, a Vale do Rio Doce, que explodiu em lucros fantásticos, em mãos privadas, e, anos depois, causou o pior desastre ambiental do Brasil, acabando, justamente, com o VALE DO RIO DOCE, e hoje amarga o próprio veneno de autor do segundo crime ambiental, ao causar a morte de quase 300 pessoas em Brumadinho, por negligência, ambição, desumanidade e impunidade! FHC saiu do governo com o mérito de conter a inflação e criar uma lei que proíbe gastar mais do que se ganha… lição primária de qualquer povo civilizado.

O governo FHC e a estabilidade econômica

Fernando Henrique Cardoso foi aquele sociólogo que dava aulas na Universidade de São Paulo, desenvolveu teorias marxistas sobre as ditaduras da América Latina, foi catedrático na Sorbonne enquanto exilado político, voltou a Brasil e conquistou os militares com sua frase emblemática: “Esqueçam tudo o que escrevi e disse como acadêmico, pois agora vou governar”! Curiosamente, foi exatamente isso que ele fez, demonstrando ser um dos mais brilhantes discípulos de Maquiavel…

Há que se admitir, contudo que ele colocou ordem na casa, reduziu a inflação de quatro dígitos a míseros 1,8% ao ano em 1998 e entregou-a ao PT a 12,53% a.a. em 2003. Criou a Lei de Responsabilidade Fiscal, segundo a qual o governo não poderia gastar mais do que arrecada. Fez as fatídicas privatizações do Sistema Telebras e da Vale do Rio Doce, arrecadando nada menos do que 78,6 bilhões de reais aos cofres públicos. É verdade que hoje isso é menor do que o déficit orçamentário anual e do que PT e seus sócios no poder arrecadaram com a Petrobras, a Odebrecht e outras empreiteiras, mas na época era um valor bastante significativo. Tanto assim que o mundo empresarial (o mesmo que, depois, apoiou o “Coiso”) aplaudiu de pé.

Vale destacar que a “VALE” (a empresa) foi vendida pela bagatela de 3,3 bilhões de reais, a nova moeda criada por FHC (talvez pelo seu sonho de ser imperador), que se equiparava ao dólar na época, o que representava, no máximo, o faturamento de um ano da siderúrgica, quando somente as suas reservas minerais eram calculadas em mais de R$ 100 bilhões à época. Aliás, pelo menos teve o mérito de demonstrar o quanto o setor público é incompetente, pois só o LUCRO anual da Vale é hoje de 17,6 bilhões de reais. Daria para comprar a empresa cinco vezes por ano, sem tirar um tostão do caixa. Seu valor de mercado, estima-se, hoje, em 300 bilhões de reais!

Evidentemente, há que se considerar que não se pode avaliar atos passados com fatos presentes, mas a disparidade é tamanha que qualquer cidadão ficaria envergonhado se tivesse feito um negócio semelhante. Não há como reverter erros do passado. Quanto mais remoto, mais improvável será a reversão, e neste caso a empresa é uma das quatro maiores do país, e propaga a falsa imagem de sustentabilidade socioambiental.

Conquistou-se a estabilidade econômica às custas desses erros. O pior talvez seja o fato de que três e meio mandatos presidenciais do Partido dos Trabalhadores foram suficientes para aniquilar todo esse trabalho. Hoje, o déficit orçamentário é de 139 bilhões de reais por ano. Em pouco mais de dois anos, se fosse o superavit, poder-se-ia comprar a Vale de volta para o patrimônio nacional… mais uma conjectura diante do passado…

Mas FHC também fez acordos com o agronegócio, embora não tenha comprometido a indústria nacional durante seu governo. Houve melhorias significativas, tanto na Economia, quanto na Educação, Saúde e Meio Ambiente. Foi em seu governo que se instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), que hoje é administrado pelo ICMBio – Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, criado por Lula na gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente. Algumas de suas propostas foram encampadas por Lula em seu governo, como a reivindicação de um assento do Brasil no Conselho de Segurança da ONU. Também as questões sociais foram tratadas por FHC e dona Ruth Cardoso, e encampadas por Lula, como o programa Bolsa Família, resultado da fusão de vários programas sociais: PNAA – Programa Nacional de Acesso à Alimentação, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio Gás, dentre outros.

Os governos do PT: LULA e Dilma

A forma híbrida de governo criada pela Constituinte, que descaracterizou o Parlamentarismo, como já dissemos, gerou situações em que a “criatividade” dos corruptos transformou-se em vantagens e ameaças. A mais nociva é, certamente, a necessidade de qualquer governo de trabalhar com o Congresso sem ter maioria na Câmara e no Senado. Por isso, todo projeto de lei ou ato do governo federal exige que se forme a “maioria”, e isso acarreta intermináveis negociações, sempre destinadas a alcançar o poder do Executivo: trocas de “favores” por “cargos” nos diversos escalões da Administração Pública, desde ministérios, secretarias, diretorias, coordenações, supervisões, todos traduzidos em DAS – Direção e Assessoramento Superiores, cargos comissionados, muitas vezes de cunho essencialmente técnico, mas distribuídos para qualquer cidadão, com ou sem ficha limpa, com ou sem competência para ocupá-los.

Esse “modelo de gestão” é a causa maior de todos os problemas enfrentados desde a promulgação da Constituição Federal de 1998, e tem se agravado na medida em que o próprio governante passa a ser refém de partidos políticos nanicos. Eles se autodenominaram “baixo clero” nos primeiros períodos pós-ditadura. Depois evoluíram para Centrão, criando-se uma falsa conotação ideológica para um fenômeno criminoso chamado pelos codinomes de “suborno”, “chantagem”, “propina”, “venda de votos”, “balcão de negócios” e outras denominações singulares. Todos os governos pagaram para ter a aprovação de seus projetos, sejam eles de significado relevante para a Nação, sejam simples moedas de troca entre os três poderes, visando acomodar um “afilhado” em um cargo em DAS.

O agronegócio entrou nesse “negócio” de forma esperta, primeiro elegendo candidatos ruralistas, da antiga UDR – União Democrática Ruralista, à atual CNA – Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária. Passou a nomear o Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a nomear até diretores da Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, que deveria ser apenas uma instituição de pesquisa, sem fins lucrativos e sem matizes ideológicos. Chegou até a nomear o Presidente da Funai e seus diretores, quando sabidamente se conhece seus objetivos escusos: impedir a demarcação de terras indígenas e estimular ilícitos nesses territórios.

Em 2012, durante a Conferência Internacional sobre Mudanças Climáticas (“Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento”), a RIO+20, o Brasil prometia reduções drásticas de emissão de gases de efeito estufa enquanto o Congresso votava mudanças na legislação ambiental – o Código Florestal – desqualificando-a para agradar o agronegócio, isentando de multas já cobradas os fazendeiros que cometeram crimes ambientais na Amazônia e no Cerrado brasileiro, e reduzindo, perigosamente, as áreas de preservação permanentes (APP) e as reservas legais (RL) das propriedades rurais da Amazônia Legal. Essas alterações, referendadas pela presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores, tiveram impacto imediato no recrudescimento da devastação amazônica, uma vez que se ampliou a disponibilidade de terras para o desmatamento, legalizado pela manobra dos ruralistas.

Segue mapa de desmatamento produzido a partir do Prodes – INPE:

gráfico

Observe-se que, embora discreto, esse aumento da devastação da floresta se concentrou nos estados do Pará e Mato Grosso, os dois maiores responsáveis pela degradação ambiental da Amazônia nas últimas décadas. Foram razões distintas em cada um desses estados. Enquanto o Mato Grosso é o maior produtor de grãos e detentor do maior rebanho bovino do país, portanto, diretamente relacionado ao agronegócio, o Pará teve forte impacto em decorrência da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, além de ser uma das regiões mais afetadas pela rodovia Transamazônica e pelos assentamentos do INCRA. Hoje é campeão em grilagem de terras e assassinato de ativistas ambientais e indigenistas.

Já em Rondônia, o terceiro estado mais impactado pelo agronegócio, a produção de soja tem aumentado a cada ano, avançando sobre os remanescentes de áreas protegidas e terras indígenas. O CAR – Cadastro Ambiental Rural, dá uma ideia clara a respeito dessas ocupações, que ocorrem de forma desordenada, ameaçando as populações indígenas e descaracterizando o que restou do bioma Amazônia. Pela BR-364, somente no trecho entre Vilhena e Porto Velho, numa distância de 780 quilômetros, trafegam diariamente mais de mil carretas transportando soja até os terminais portuários no rio Madeira. Esses três estados, somadas as áreas em processo de degradação, representam mais de 75% do total desmatado na Amazônia desde o início do novo milênio.

Em 500 anos, o Brasil já destruiu 93% da Mata Atlântica e a maior parte das florestas de Araucária do Paraná e Santa Catarina. Em cerca de 50 anos, especialmente depois da construção de Brasília e de estradas como a Transbrasiliana, destruiu mais da metade do Cerrado. No século XXI, caminha a passos largos para destruir o Cerrado e a Amazônia. Os cálculos indicam que o país já eliminou 22% da floresta e a destruição continua acelerada com o desmatamento, os grandes projetos de construção de usinas hidrelétricas, a expansão da pecuária e da soja, o crescimento das cidades e a difusão das madeireiras, da mineração e do garimpo.

Infelizmente o governo não tem nenhum plano para salvar a Amazônia. Ao contrário, o que existe são precários planos para reduzir o desmatamento, paralelamente ao incremento dos grandes projetos desenvolvimentistas. A Amazônia sofre dois tipos de ameaças: 1) uma gestada internamente, em decorrência da ideologia desenvolvimentista; 2) e outra, vinda majoritariamente de fora, como resultado do aquecimento global e das mudanças climáticas.” (texto extraído de manifesto da Associação Brasileira do Ministério Público do Meio Ambiente)

Os Censos Agropecuários de 2006 e 2017

Passados 11 anos desde a última pesquisa em 2006, o IBGE realizou o Censo Agropecuário de 2017, que passou a ser divulgado a partir de julho de 2018. No entanto, o Censo anterior continua extremamente relevante por mostrar como o Brasil Rural está organizado entre pequenos, médios e grandes produtores, quem são os proprietários das terras, seus respectivos graus de escolaridade, os tipos de produtos cultivados (lavouras temporárias e permanentes, hortifrutícolas, criação de animais de corte e de produção de leite), bem como outras questões essenciais comoo significado verdadeiro de Agronegócio, que pretendemos analisar no decorrer deste artigo.

Dos 5.175.636 de imóveis rurais existentes no Brasil (e considerados na pesquisa de 2006, totalizando 333.680.037 hectares), 3.946.411 dos imóveis (76,25%) são próprios, totalizando 310.515.259 hectares (93,06%). Considerando-se o porte das propriedades rurais, destaca-se que 1.840.807 possuem menos de 5 (cinco) hectares, correspondendo a 35,57% de todos os imóveis rurais. A agricultura familiar (até 500 hectares), corresponde a 4.818.881 de propriedades rurais (146.296.551 hectares), representando 87,32% de todas as unidades rurais produtoras no Brasil. Essas propriedades abastecem mais de 80% de todos os produtos da mesa dos brasileiros, como hortifrutícolas, feijão, arroz e mandioca, dentre outros.

Excluindo-se a agricultura familiar, restam 101.736 produtores de grande porte (acima de 500 hectares), representando o agronegócio, com 1,97% dos estabelecimentos rurais brasileiros, ocupando 187.383.486 hectares, 56,16% de toda área agricultável do país em 2006. Grande parte da produção agrícola do Brasil é destinada à exportação, como a cana-de-açúcar, o café, a soja, a carne bovina, o fumo, o milho, o algodão, a carne suína, as aves (galináceas) e produtos agro-florestais (madeira).

De acordo com dados fornecidos pelo site oficial do Serviço Florestal Brasileiro, órgão do MMA – Ministério do Meio Ambiente22, até maio de 2018 foram cadastrados 5,1 milhões de imóveis rurais, totalizando uma área de 448.319.254 de hectares inseridos na base de dados do sistema, confirmando que o agronegócio corresponde a 52,73% do território nacional. Comparando-se aos dados da FUNAI e do ICMBIO, temos, respectivamente, 116,900.565,36 hectares de terras indígenas e 75.016.301,91 hectares de unidades de conservação federais. Parte dos imóveis rurais deveriam ser preservados, dependendo da sua localização geográfica: Áreas de Preservação Permanente (APP) e Reservas Legais (RL), destinadas a proteger os diferentes biomas brasileiros.

Os dados apresentados contrariam as informações apresentadas pelo pesquisador da Embrapa, Evaristo de Miranda23: há alguns anos, este pesquisador vem afirmando que mais da metade do território nacional é preservado, graças ao agronegócio. Essa afirmação é absolutamente falsa. É importante destacar que os estudos da Embrapa não consideram que pequenas áreas verdes e descontínuas não caracterizam áreas preservadas, pois não sustentam a biodiversidade e não reproduzem os ciclos completos do nitrogênio e do carbono, essenciais à vida. Analisar imagens de satélite, somando pequenas manchas de vegetação às áreas preservadas é uma forma desonesta de burlar e distorcer a verdade dos fatos. Para que uma área possa ser considerada de preservação ambiental é preciso analisar in loco sua biodiversidade, bem como os fatores que asseguram sua resiliência e perenidade. Consideramos que menos de 20% dos latifúndios rurais cumprem a nova legislação sobre reserva legal e áreas de preservação permanente, principalmente na Amazônia, onde, mesmo de acordo com o novo Código Florestal Brasileiro, 80% das áreas dos imóveis localizados na Amazônia Legal deveriam ser mantidos preservados como floresta primária, o que não acontece.

Para os ecossistemas brasileiros é preciso tratar a biodiversidade como constituída de áreas contínuas, compreendendo nascentes, córregos, rios, vegetação primária, fauna e processos naturais que comprovem ciclos completos do Nitrogênio, do Oxigênio e do Carbono, compatíveis com o equilíbrio da Natureza. O desvirtuamento do Código Florestal Brasileiro, promovido pelo Congresso Nacional, e referendado pela presidente Dilma Rousseff, em julho de 2012, em plena realização da Conferência Mundial pela Biodiversidade, propiciou a aceleração da perda de biodiversidade em todos os biomas brasileiros, mas em especial nos biomas Cerrado e Amazônia, mais fortemente devastados a partir de então. Os números evidenciam isso. É importante destacar que a aprovação das mudanças no Código Florestal Brasileiro tinha por objetivos a expansão do agronegócio e o perdão das dívidas dos latifundiários por crimes ambientais praticados ao longo dos últimos 50 anos, causando perdas irreversíveis à biodiversidade, inclusive dentro de terras indígenas e unidades de conservação. Ao contrário do que afirmaram os defensores dessas mudanças na legislação, os crimes ambientais continuaram mesmo assim, e isso pode ser comprovado até mesmo pelo Cadastro Ambiental Rural, que mostra, inequivocamente, a presença de imóveis rurais dentro das unidades de conservação e terras indígenas.

Para analisar os impactos do agronegócio sobre a preservação do Meio Ambiente, tabulamos as informações do Cadastro Ambiental Rural (http://www.car.gov.br/#/). Veja-se, ao fim deste artigo, a planilha consolidada contendo dados do CAR, referentes a março de 2018, totalizados por unidade da federação e comparados com informações de Terras Indígenas (site oficial da FUNAI) e das Unidades de Conservação Federais (site oficial do ICMBio). Observe-se que os quatro primeiros estados brasileiros com maior área afetada pelo agronegócio representam 52,36% de todo território do Brasil, sendo que três deles encontram-se dentro da Amazônia Legal (Amazonas, Pará e Mato Grosso), e os dois primeiros (Amazonas e Pará) encontram-se na Floresta Amazônica (Veja-se a tabela com dados do Serviço Florestal Brasileiro ao final deste artigo, citada anteriormente).

Comparando-se os dados da FUNAI e do ICMBIO, temos, respectivamente, 116,900.565,36 hectares de terras indígenas e 75.016.301,91 hectares de unidades de conservação federais. Consideramos que menos de 20% dos latifúndios rurais cumprem a legislação sobre reserva legal e áreas de preservação permanente, principalmente na Amazônia, onde, mesmo de acordo com o novo Código Florestal Brasileiro, 80% das áreas dos imóveis localizados na Amazônia Legal deveriam ser mantidos preservados como floresta primária. Essa afirmação é verdadeira e comprovável através de imagens de satélites.

Para os ecossistemas brasileiros é preciso tratar a biodiversidade como áreas contínuas, compreendendo nascentes, córregos, rios, vegetação primária, fauna e processos naturais que comprovem ciclos completos do Nitrogênio e do Carbono, compatíveis com o equilíbrio da Natureza. O desvirtuamento do Código Florestal Brasileiro, promovido pelo Congresso Nacional, e referendado pela presidente Dilma Rousseff, em julho de 2012, em plena realização da Conferência Mundial pela Biodiversidade, propiciou a aceleração da perda de biodiversidade em todos os biomas brasileiros, mas em especial nos biomas Cerrado e Amazônia, mais fortemente devastados a partir de então. Os números evidenciam isso. É importante destacar que a aprovação das mudanças no Código Florestal Brasileiro tinha por objetivos a expansão do agronegócio e o perdão das dívidas dos latifundiários por crimes ambientais praticados ao longo dos últimos 50 anos, causando perdas irreversíveis à biodiversidade, inclusive dentro de terras indígenas e unidades de conservação. Ao contrário do que afirmaram os defensores dessas mudanças na legislação, os crimes ambientais continuaram mesmo assim, e isso pode ser comprovado até mesmo pelo Cadastro Ambiental Rural, que mostra, inequivocamente, a presença de imóveis rurais dentro das unidades de conservação e terras indígenas.

Segue Infográfico produzido pelo Serviço Florestal Brasileiro24.

infográfico

Para analisar os impactos do agronegócio sobre a preservação do Meio Ambiente, tabulamos as informações do Cadastro Ambiental Rural (http://www.car.gov.br/#/). Veja-se, ao final deste artigo, a planilha consolidada com os dados do CAR – Cadastro Ambiental Rural, referentes a março de 2018, totalizados por unidade da federação e comparados com informações de Terras Indígenas (site oficial da FUNAI) e das Unidades de Conservação Federais (site oficial do ICMBio).

Observe-se que as terras indígenas correspondem a 13, 75% do território nacional, porém nem todas encontram-se razoavelmente preservadas. Nas últimas quatro décadas, a devastação provocada pelo agronegócio (que arrenda, ilegalmente, áreas dentro de terras indígenas), pela extração ilegal de madeira (um dos principais agentes de degradação da Amazônia), pela mineração e o garimpo, pela proliferação irresponsável de assentamentos do INCRA, pelo governo federal, nas proximidades de terras indígenas e unidades de conservação, e pelos grandes empreendimentos da Amazônia, principalmente rodovias e hidrelétricas, além de outros fatores subsidiários, como a explosão imobiliária que segue a trilha dos empreendimentos e rodovias, todos esses fatores causaram (e continuam causando) a redução das áreas preservadas, principalmente nos estados de Roraima, Rondônia, Acre, Mato Grosso, Tocantins, Pará e Maranhão (o Arco do Desmatamento). Hoje, alguns grupos étnicos, como os povos Xavante, já não conseguem viver como seus antepassados em decorrência das mudanças climáticas, fortemente acentuadas por influência do agronegócio, e os incêndios que ocorrem anualmente em seus territórios e, em parte, correspondem à sua cultura e modo de vida, já não podem ser controlados sem impactos severos sobre a vegetação nativa. A resiliência desses territórios começa a falhar, acentuando a perda de biodiversidade.

A ocupação ilegal de áreas internas às terras indígenas vêm causando, não apenas a degradação ambiental, mas também a redução de populações indígenas sem contato com a nossa civilização25. Casos mais críticos são as populações indígenas isoladas da Amazônia, na sua fronteira ocidental (Vale do Javari, Boca do Acre e Alto Solimões), povos severamente ameaçados de extinção devido ao constante assédio de madeireiros e garimpeiros no interior de seus territórios, através das fronteiras internacionais e do nosso próprio país.

Observe-se que os quatro primeiros estados brasileiros com maior área afetada pelo agronegócio representam 52,36% de todo território do Brasil, sendo que três deles encontram-se dentro da Amazônia Legal (Amazonas, Pará e Mato Grosso), e os dois primeiros (Amazonas e Pará) na Floresta Amazônica (Veja-se a tabela com dados do Serviço Florestal Brasileiro ao final deste artigo, citada anteriormente).

Ao se desdobrar tais números nos diferentes grupos de atividade econômica, constata-se que a produção de lavouras temporárias representa 31,68% da produção agrícola, enquanto a pecuária representa 51,91% (70,18% desta somente com a criação de gado bovino), e as lavouras permanentes representam apenas 12,35% da produção agrícola do país, o que comprova que as propostas de unidades agro-florestais ainda não foram incorporadas pelos produtores rurais. Vale destacar que a Embrapa chama de “florestas” as monoculturas plantadas de eucalipto, pinus e outras árvores não pertencentes à Flora nacional. Tais “florestas” não cumprem a finalidade de sustentação da biodiversidade, mas apenas de produção de madeira, e por isso são chamadas de “deserto verde”.

A predominância de proprietários rurais do sexo masculino é absoluta no Brasil: 87,38% dos ruralistas são homens. No passado, o campo era povoado por famílias de agricultores. Outro dado alarmante é o grau de escolaridade dos proprietários rurais: 65% dos proprietários rurais têm ensino fundamental incompleto ou são analfabetos. Apenas 4,85% dos proprietários rurais possuem nível técnico ou superior. Isso demonstra que o agronegócio não trouxe prosperidade ao campo, mas apenas riqueza aos grandes proprietários de terras. As pequenas propriedades rurais (sítios e chácaras) continuam vivendo com as mesmas dificuldades do início do século XX, o que comprova que o agronegócio é o grande concentrador de riquezas entre todos os meios de produção existentes no Brasil.

Cerca de 25% das propriedades rurais (em hectares) localizam-se em Minas Gerais e São Paulo, e dois terços das propriedades rurais (67%) estão concentradas em sete estados: MG, SP, RS, GO, BA, PR, MS. Esses números convalidam a evidência de que o agronegócio é o novo perfil da agropecuária brasileira, sendo que as maiores propriedades rurais estão localizadas no Amazonas, Pará e Mato Grosso, nenhum dos três relacionados na lista acima. Existem cerca de 255 mil produtores rurais sem área própria de plantio, cultivo ou criação, ou seja, trabalhadores rurais atuando como mão de obra agrícola em propriedades de outrem.

A maior parte (88,62%) dos proprietários rurais reside no campo ou no município de sua propriedade. Entre os que residem longe de seu imóvel rural, encontram-se 3,39% dos proprietários, o que corresponde a 13,50% de toda a área rural brasileira, ou seja, grandes proprietários rurais vivem longe do campo.

Cerca de um terço (31,57%) das propriedades rurais representam menos de um por cento (0,79%) da área total de imóveis rurais no Brasil. No entanto, 0,37% das propriedades rurais (acima de 2.500 hectares) correspondem a cerca de um terço (31,41%) da área total dos imóveis rurais. Eis, novamente, a evidência da concentração de riquezas produzidas pelo agronegócio, em detrimento da agricultura familiar.

A produção de lavouras temporárias representa 31,68% das atividades agrícolas, enquanto a pecuária corresponde a mais da metade (51,91%) da produção rural. Somente a criação de bovinos representa 79,18% da pecuária nacional, ocupando cerca de 190 milhões de hectares do território nacional (um boi por hectare). Apenas a criação de animais responde por quase 225 milhões de hectares do agronegócio, sendo que a criação de aves responde por 7,91% desse setor, com cerca de 13,056 milhões de toneladas em 201726.

Vale destacar que são chamadas de commodities todos os produtos primários de exportação, ou seja, minérios, soja, milho, arroz, carne, cana-de-açúcar, petróleo, algodão, café, todos eles não processados pela indústria. As commodities têm um setor específico nas bolsas de valores, pois seus preços variam conforme o mercado internacional. Essa é mais uma evidência de que o agronegócio tem por objetivo, a exportação de seus produtos, e não o mercado interno, desmentindo as propagandas que afirmam que os produtos do agronegócio abastecem a mesa dos brasileiros. Quem alimenta o Brasil é a agricultura familiar.

Impactos do Agronegócio sobre a Economia, a Sociedade e o Meio Ambiente

Economia

Desde que o país optou por sobrevalorizar o agronegócio como atividade predominante na formação do Produto Interno Bruto, a Indústria foi relegada a segundo plano, perdendo, gradualmente, sua importância na Economia brasileira. O favorecimento ao campo se refletiu na concessão de créditos subsidiados, afetando também o equilíbrio das contas públicas, e impactando nos resultados de outros setores da Economia. Dada sua importância no PIB brasileiro, o Congresso passou a ser comandado, em questões de interesse do agronegócio, por uma bancada de deputados e senadores, cuja alcunha “Ruralista” não se restringia a defender os interesses do Agronegócio, mas também a combater quaisquer ações cujos ocupantes julgassem ir contra tais interesses.

Isso incluía as áreas protegidas pelas populações indígenas, fortemente combatidas e afrontadas em seus direitos fundamentais, em favor de novas concessões aos donos do poder. Também o Meio Ambiente passou a ser relegado a segundo plano, sempre que os ruralistas julgassem prejudicar seus interesses. A prova disso ocorreu em julho de 2012, quando o Código Florestal Brasileiro, um dos mais avançados do mundo, foi descaracterizado para permitir que os latifúndios avançassem contra a Amazônia e o Cerrado, reduzindo as áreas de preservação permanente, as reservas legais e outros conceitos fundamentais para a conservação ambiental.

Os empréstimos subsidiados concedidos aos fazendeiros, com juros muito abaixo de qualquer empréstimo que outros empresários poderiam reivindicar, mesmo assim não eram honrados pelos tomadores e, para favorecer ainda mais tais interesses, o Governo Federal e o Congresso criaram o REFIS – Programa Especial de Regularização Tributária27, teoricamente, destinados às pequenas e médias empresas, mas que favoreceram mesmo os grandes produtores rurais, em detrimento da população.

Sociedade

Os programas destinados a melhorar a qualidade de vida da população rural brasileira, como o Bolsa Família, o Crédito Rural a pequenos agricultores familiares, a Eletrificação Rural, bem como outros benefícios criados pelo governo FHC e aperfeiçoados pelos governos petistas, foram gradualmente descartados para favorecer ao agronegócio. O Brasil passou a viver em função do PIB Rural.

Enquanto o país aprofundava na crise político-institucional, o agronegócio prosperava, para os grandes produtores. Esse processo, que se retroalimentava, aprofundava os desníveis já gravíssimos entre as classes sociais, concentrando nas classes abastadas, em detrimento da população menos favorecida. A sociedade brasileira foi induzida a acreditar que o agronegócio era a salvação do país diante da crise mundial. Para os ruralistas, tudo era permitido, agravando conflitos sociais e sucateando os demais setores da Economia nacional.

A Rede Globo, receptora dos favorecimentos institucionais da CNA28, criou e moveu sua própria campanha publicitária, induzindo o povo a acreditar que ‘AGRO É POP, AGRO É TECH, AGRO É TUDO’! Há meses, essa campanha milionária, aparentemente sem patrocinadores, vem sendo veiculada na televisão, incluindo no agronegócio toda a produção familiar, que nunca teve tais subsídios que somente os poderosos, “amigos da Rede Globo”, poderiam ter. Hoje, a sociedade, pobre, inculta, subalterna e humilhada, acredita plenamente que, sem o agronegócio, o Brasil entraria na pior recessão de sua história. E nem percebem que já estamos em recessão desde 2014.

Meio Ambiente

O ciclo de produção do agronegócio tornou exigente ao extremo este setor da Economia, demandando cada vez mais territórios a serem dedicados à produção rural. Esse fato inequívoco favoreceu os desmatamentos, passando a exploração de madeira a se tornar um elemento preliminar e indispensável à expansão do agronegócio. Dessa forma, poder-se-ia afirmar que “o agronegócio” não devasta o meio ambiente; são as madeireiras que o fazem!

Esses são os elos da mesma cadeia produtiva: primeiro se extrai madeira nobre para exportação ilegal; em seguida, derruba-se o remanescente florestal e coloca-se fogo na madeira; finalmente, vem a soja, o gado, o algodão, o milho, a cana-de-açúcar… e assim se acaba com a floresta e se implanta novas frentes do agronegócio, que completam a obra, trocando as matas remanescentes por monocultura de grãos e criação extensiva de gado.

Conclusões

A Economia de um país compreende uma diversidade de modos de produção, que devem estar equilibradas com a disponibilidade de recursos naturais, para assegurar a perenidade da Nação para nossos descendentes. Veja-se o exemplo dos países produtores de petróleo, e compare-se com nossa situação. O petróleo, como fonte de energia tem seus dias contados, pois trata-se de um recurso finito, não renovável. Como sobreviverão os países do Oriente Médio quando suas reservas se esgotarem, ou quando os derivados de petróleo forem substituídos por fontes alternativas, de mais baixo impacto sobre a produção de carbono?

O Brasil tem o privilégio de possuir a maior floresta contínua na região equatorial. Floresta riquíssima em biodiversidade, sendo a maior reserva do mundo em água potável, que se recicla continuamente, graças ao processo de renovação alimentado pela evaporação do Oceano Atlântico, a evapotranspiração da floresta e o degelo dos Andes, além da migração aérea de imensas quantidades de areia do deserto do Sahara, que repõem o equivalente de solo arrastado pelas águas do gigantesco rio Amazonas, o maior do mundo! Temos outro privilégio: o de contar com uma das maiores savanas do mundo, o Cerrado, com uma vegetação riquíssima e diversificada, adaptada às rigorosas condições climáticas, e que também contém uma das maiores reservas de fontes subterrâneas do aquífero Guarani e outras menores, que também abastecem as principais bacias hidrográficas brasileiras, como a Amazônica, o Pantanal e o rio Paraguai, o rio São Francisco e o Rio Paraná, além de inúmeros rios que deságuam no Oceano Atlântico.

No entanto, enquanto o mundo se prepara para a carestia inevitável, que decorrerá do aquecimento global, o Brasil desperdiça e esbanja suas reservas naturais, vendendo minério para o mundo, vendendo grãos para o mundo, vendendo carne para o mundo, e devastando nossas maiores riquezas naturais. Estamos, por assim dizer, eliminando nossas possibilidades quase infinitas de prosperar em favor de uma minoria de aristocratas do agronegócio, composta de uma minoria social que dominou não apenas a produção agropecuária do país, mas também a política e o restante da sociedade, refém de sua força de dominação e de seu poder econômico.

A redução drástica da imensa Floresta Amazônica terá impactos irreversíveis no clima da América do Sul, savanizando um território de mais de seis milhões de quilômetros quadrados, que extrapola nossos limites territoriais, desertificando o Cerrado e os Pampas, e reduzindo à míngua nossas reservas de água potável, tornando impossível a sobrevivência de nossos 200 milhões de habitantes! A água será, certamente, o maior tesouro da humanidade, muito mais importante do que foram o petróleo e os minérios em épocas passadas. A população mundial triplicou em menos de um século, e caminha célere para atingir dez bilhões de seres humanos. Alguns dirão que a ciência encontrará a solução para a escassez de água e de alimentos. Outros sonham com astronaves que migrarão as elites terrestres para outros planetas do Universo. Mas não escaparemos do destino que estamos preparando para nossos filhos…

O mais incrível é que existem outras alternativas! Não precisamos ser o “celeiro do mundo”, nem abastecer a população com duzentos e vinte milhões de cabeças de gado! Não precisamos acabar com nossas reservas de minérios, de água e de biodiversidade para termos uma nação forte, poderosa e feliz… Se os árabes e judeus conseguem sobreviver nos desertos, dessalinizando a água do mar, por que, com tanta riqueza natural não podemos ser a mais poderosa nação deste planeta? Para que devastar tanta riqueza?

Parece que o povo brasileiro, inculto e fraco, não percebe que uma minoria está escravizando a população e enriquecendo-se com a miséria de mais de quarenta milhões de seres humanos… sim, está em nossas mãos reverter esse resultado medonho que nossos descendentes herdarão de nós. Mas a ignorância é a origem dos sistemas totalitários. E a Aristocracia é uma das formas de domínio e poder, uma tirania sem violência perceptível, pois se esconde nas próprias formas da democracia. Esses poderosos manipulam intelectuais, políticos inescrupulosos e pesquisadores oportunistas da ciência e da tecnologia em proveito próprio, e renegam a Nação e o destino de nosso povo… colocam a população contra suas minorias, como os povos indígenas e quilombolas, atribuindo a eles a carestia de que somos vítimas, enquanto esbanjam sua riqueza, dominando, inclusive, os meios de comunicação! Estamos cegos diante do óbvio!

Existe, sim, uma alternativa… existem, na verdade, muitas alternativas que implicam, necessariamente, na retomada dos destinos da Nação pelo povo. Não é assim que está escrito na Constituição da República do Brasil? Todo poder emana do Povo, e em nome dele será exercido! Mas não é verdade. Todo poder está nas mãos de minorias: o Agronegócio, a Rede Globo, as grandes Empreiteiras, as Mineradoras multinacionais, as Madeireiras, a Política podre, os Evangélicos nosso país foi dominado pelas minorias, que vendem sonhos a seus dominados: ambicionamos o último modelo de automóvel, de celular, de tênis, de computador, de câmera fotográfica, de relógio… mesmo que nenhum deles seja imprescindível para conquistarmos a maior riqueza da vida: sermos felizes! Olhamos para nossos filhos e queremos colocá-los na escola mais rica, levá-los para a Disneylândia, dar-lhes roupas de griffe, frequentarem clubes de grã-finos, ensinar-lhes inglês, mesmo que não dominem seu próprio idioma, pois falar inglês é um “must” para o mundo inteiro! Queremos tirar férias viajando para o exterior, mesmo conhecendo muito pouco de nosso próprio país! Queremos comprar eletrônicos japoneses, mesmo que nossa indústria possa evoluir e competir com aqueles, como fizeram a China e a Coréia! Esse é o chamado “complexo de vira-latas”! Sim, somos vira-latas, mas eles são os melhores cães do mundo, muito mais amigos do que os Hotweilers, os Dobermans e os PitBulls! Temos vergonha de nossa raça mestiça, com mais de 300 etnias riquíssimas, com suas culturas, seus folclores, suas crenças, suas línguas… e, no entanto, aceitamos que os latifundiários e os políticos discriminem negros, mulatos, mestiços, indígenas…

Afinal, por que somos tão ignorantes e escravos dessas minorias pseudo-aristocráticas, pseudo-intelectuais, pseudo-religiosas? Por que nos submetemos, voluntariamente, à exploração e à humilhação desses senhores feudais do agronegócio, aceitando, estupidamente, a afirmação da REDE GLOBO, de que “AGRO É POP, AGRO É TECH, AGRO É TUDO”? Existe afirmação mais cretina, indecente e mentirosa? Não podemos continuar sendo enganados pelos Bolsonaros da vida, pelos Renans, Sarneys, Temers, Jucás, enquanto nosso povo passa fome, e nós engulimos seco, devorando carne da FRIBOI (ou serão free-boys?).

Ainda é tempo de salvar os rios, as florestas e seus habitantes, os povos indígenas, os quilombolas, os nossos mestiços e a Nação brasileira. Mas, para isso, “é preciso ter força, é preciso ter raça, é preciso ter gana sempre”, como dizia Ivan Lins! Precisamos da autoafirmação de nossa nacionalidade e de nosso caráter! Precisamos aprender a escolher o Certo, o Justo, o Ético, o Digno, o Caminho do Bem e da Igualdade. Enquanto admitirmos que os poderosos são melhores, que os políticos corruptos são inevitáveis, que a opção pelo agronegócio e pelo estigma de “celeiro do mundo” é o destino da Nação, não haverá possibilidade de mudar nosso destino, e nossos descendentes estarão condenados a viver na miséria, subjugados pela escória desse país! Nós não precisamos produzir 10 bilhões de galinhas para o mundo, nem manter um boi para cada hectare de nossa terra, enquanto milhões de seres humanos não têm uma residência digna, nem acesso à educação para seus filhos, nem mesmo saneamento básico, e muito menos comida saudável na sua mesa! Por que alimentar o mundo, se não alimentamos sequer nossas crianças?

Existem alternativas muito além do agronegócio. Ernst Grötsch demonstrou isso quando chegou ao Brasil e comprou 600 hectares de terra arrasada e transformou-a em uma floresta produtiva e rica em biodiversidade, em menos de dez anos! A Permacultura demonstrou isso, construindo casas de barro e fazendo a compostagem das próprias fezes para transformar a agricultura familiar em algo simples e barato! Os povos indígenas demonstraram isso ao viver mais de dez mil anos sem interferência dos brancos invasores, antes de serem massacrados pelos colonizadores! Os escravos negros da África demonstraram isso ao sobreviverem a seus algozes, apesar de toda crueldade a que foram submetidos, preservando sua raça, sua cultura, sua língua, seus cânticos, suas religiões fantásticas e suas tradições milenares…

Censo Agro 201729

O Censo Agro 2017 identificou, até o momento, 5.072.152 estabelecimentos agropecuários no Brasil, em uma área total de 350.253.329 hectares. Em relação ao Censo Agro 2006, essa área cresceu 5% (16,5 milhões de hectares, o equivalente a área do estado do Acre) apesar da redução de 2% (103.484 unidades) no número de estabelecimentos. No entanto, quando se excluem os produtores sem área, há aumento de 74.864 estabelecimentos. Ressalta-se, ainda, que diferenças metodológicas contribuíram para que o total de produtores sem área caísse de 255.019, em 2006, para 76.671 em 2017.

Entre os estabelecimentos com 1.000 hectares ou mais, houve aumento tanto em número (mais 3.287) quanto em área (mais 16,3 milhões de hectares). Sua participação na área total passou de 45% para 47,5% de 2006 para 2017. Já os estabelecimentos entre 100 e 1000 ha viram sua participação na área total cair de 33,8% para 32% (menos 814.574 ha) e tiveram uma diminuição de 4.152 unidades.

Quanto à condição legal da terra, a proporção de estabelecimentos em terras próprias cresceu de 76,2% para 82%, mas a participação destes estabelecimentos na área total diminuiu de 90,5% para 85,4%. Já a proporção de estabelecimentos com terras arrendadas caiu de 6,5%, em 2006, para 6,3%, em 2017, embora a participação da modalidade na área total tenha crescido de 4,5% para 8,6%.

Em 2017, havia 15.036.978 pessoas ocupadas nos estabelecimentos agropecuários. Em 11 anos, isso representa uma queda de 1,5 milhão de pessoas, incluindo produtores, seus parentes, trabalhadores temporários e permanentes. A média de ocupados por estabelecimento também caiu de 3,2 pessoas, em 2006, para 3 pessoas, em 2017. Em sentido oposto, o número de tratores cresceu 49,7% no período e chegou a 1,22 milhão de unidades. Em 2017, cerca de 734 mil estabelecimentos utilizavam tratores.

Destaca-se, ainda, que 1.681.001 produtores utilizaram agrotóxicos em 2017, um aumento de 20,4% em relação a 2006. O uso de irrigação também se ampliou, com aumento de 52% tanto em estabelecimentos (502.425) quanto em área (6.903.048 hectares). Além disso, o acesso à Internet nos estabelecimentos agropecuários cresceu 1.790,1%, passando de 75 mil, em 2006, para 1.425.323 produtores que declararam ter acesso em 2017.

Cerca de 15,5% dos produtores disseram nunca ter frequentado escola e 79,1% não foram além do nível fundamental. Já a participação de mulheres e idosos de 65 anos ou mais na direção dos estabelecimentos aumentou, chegando a, respectivamente, 18,6% e 21,41%. Em 2006, as mulheres representavam 12,7% dos produtores e os idosos, 17,52%. Além disso, pela primeira vez, o Censo Agro investigou a cor ou raça dos produtores: 52% deles eram pretos ou pardos e 45% eram brancos, distribuição semelhante à da população do país, segundo a PNAD Contínua 2017.

Como se observa nesses números, nos últimos 11 anos nada mudou no perfil do homem do campo, cuja predominância reflete a ausência de políticas públicas voltadas para o pequeno agricultor que abastece a mesa do brasileiro, enquanto o agronegócio produz para exportação. O pequeno agricultor, aquele que emprega a família inteira nas lides do campo, continua semianalfabeto e com acesso restrito às fontes de recursos, enquanto os latifúndios de monoculturas e do gado obtêm crédito subsidiado, longos prazos para amortização e, quando não honram seus compromissos, recebem o benefício de programas de refinanciamento das dívidas com perdão de multas e novos créditos.

Algo está muito errado nesse modelo de desenvolvimento, que penaliza o homem do campo e estimula o latifúndio. Enquanto os pequenos agricultores são um contingente de 4.500.000 de famílias, o agronegócio enriquece cerca de 100.000 empresários, fortemente abastecidos de recursos para mecanização de seus empreendimentos, reduzindo cada vez mais a mão de obra empregada em favor de lucros exorbitantes e acesso privilegiado aos canais de exportação de seus produtos.

Se o homem do campo faz da lavoura o seu modo de vida, o empresário do agronegócio administra seus latifúndios visando apenas seu lucro e seu enriquecimento. Como se não bastasse essa incoerência estratégica dos governos, o agronegócio é o maior responsável pela devastação ambiental na Amazônia Legal e no Cerrado brasileiro. Suas fazendas são constituídas de monoculturas, enquanto o lavrador tradicional possui cultivos e criações diversificadas, que não afetam tão profundamente o equilíbrio dos ecossistemas nos quais se encontra inserido desde tempos imemoriais.

O que o agronegócio chama de agroflorestas nada mais são do que criação extensiva de gado “consorciado” a plantações de eucalipto e outras espécies exóticas, que exaurem rapidamente os solos agricultáveis, contribuindo para a degradação ambiental. Nas lavouras do início do século XX havia amplas áreas florestais nativas, que protegiam as nascentes, as veredas e os cursos d’água. Mas nos latifúndios de agora não há lugar para a Natureza, pois cada centímetro de solo tem que justificar sua função produtiva, ainda que às custas do empobrecimento acelerado do solo, que é “recuperado” através de intensas cargas de agrotóxicos.

Enquanto o lavrador fazia rodízios de plantações e criações de animais, assim como o fazem os povos indígenas, o agronegócio simplesmente abandona as áreas devastadas por ele, e compra novas propriedades com vegetação nativa para serem, por sua vez, degradadas. O lavrador tinha amor pelo seu pedaço de terra, mas o latifundiário vê apenas um pedaço de terra que vai enriquecer sua empresa. Essa visão catastrófica não pode dar certo, pois os recursos do planeta são limitados. A continuar esse processo predatório, em breve a Terra será apenas um deserto sem vida…


Anotações

01 Lei da Ficha Limpa, em vigor desde 2010, determina a inelegibilidade, por um período de oito anos, de políticos cassados e/ou condenados em processos criminais em segunda instância (colegiado).

02 A água potável representa menos de 4% de toda água existente na superfície terrestre, distribuída entre geleiras, aquíferos subterrâneos e águas de superfície. Mais de 95% da água do planeta é salgada e encontra-se nos oceanos.

03 Efeito de borda é uma alteração na estrutura, na composição e/ou na abundância relativa de espécies na parte marginal de um fragmento de floresta. Tal efeito seria mais intenso em fragmentos pequenos e isolados.

04 Grilagem de terras é o processo de falsificação de documentos para, ilegalmente, tomar posse de terras devolutas ou de terceiros. O termo grilo era usado porque tais documentos eram guardados em gavetas, juntos dos quais se colocavam grilos (insetos). As fezes dos grilos dão uma aparência de envelhecimento aos documentos.

05 Pistolagem: são assassinos profissionais, financiados pelo agronegócio e pelas madeireiras para afugentar posseiros, indígenas e assentados de suas terras.

06 RENCA – Reserva Nacional de Cobre e Associados é uma extensa reserva mineral situada no nordeste da Amazônia, entre os estados do Pará e do Amapá, com uma área maior que a Dinamarca. Trata-se de uma Reserva, ou seja, deveria ser protegida da exploração, principalmente de estrangeiros. Mas o Congresso Nacional quase conseguiu liberá-la para exploração de empresas canadenses, famosas por estarem em todos os locais onde existam reservas minerais, seja de que país forem. A Amazônia é rica em diversos minérios muito cobiçados pelas indústrias de eletrônica, como a tantalita e o nióbio, abundantes na região próxima ao Parque Nacional do Pico da Neblina.

07 Meio ambiente: essa expressão é relativamente recente, assim como a atual preocupação em preservá-lo. Seu significado é difuso, na medida em que suporta diferentes interpretações e abrangências. Podemos afirmar, contudo, que o “meio ambiente” compreende todo conjunto de fatores naturais afetados pela presença humana, pois, na sua ausência, tal microcosmo simplesmente não se diferencia. Portanto, “meio ambiente” compreende o conjunto de recursos naturais (físicos, químicos e biológicos) no entorno de uma área geográfica que se pretende estudar.

08 As datas de terras, bem como “chãos de terras” ou “chãos de sesmarias”, eram sinônimos para pequenos lotes, geralmente concedidos pelas câmaras municipais como “sesmarias urbanas”.

09 Laudêmio é uma taxa sobre o valor venal ou da transação do imóvel a ser paga quando ocorre uma transação onerosa com escritura definitiva dos direitos de ocupação, ou aforamento de terrenos, como terrenos da Marinha, da Igreja Católica ou da família imperial, não sendo, portanto, em termos jurídicos, um imposto, ou tributo.

10 Lei Áurea: A Princesa Isabel sancionou a lei que pôs fim à escravidão em 13 de maio de 1888. “Áurea“, que quer dizer “de ouro”, refere-se ao caráter glorioso da lei que pôs fim a essa forma desumana de exploração do trabalho.

11 As entradas e bandeiras foram expedições de desbravamento territorial, que ocorreram no Brasil Colônia entre os séculos XVII e XVIII. As entradas eram expedições oficiais (organizadas pelo governo) que saiam do litoral em direção ao interior do Brasil. As bandeiras eram expedições organizadas e financiadas por particulares, principal-mente paulistas. Partiam de São Paulo e São Vicente principalmente, rumo às regiões centro-oeste e sul do Brasil.

12 João Fernandes Campos Café Filho foi um advogado e político brasileiro, sendo presidente do Brasil entre 24 de agosto de 1954 e 8 de novembro de 1955.

13 Carlos Coimbra da Luz foi um advogado, professor, jornalista e político brasileiro, presidente da República de 8 a 11 de novembro de 1955.

14 Nereu de Oliveira Ramos foi advogado e político brasileiro. Foi vice-presidente do Brasil, eleito pelo Congresso Nacional, de 1946 a 1951. Em 11 de novembro de 1955, quando o então presidente Carlos Luz foi deposto, Nereu Ramos assumiu a presidência da República já que, na ausência do vice-presidente, o papel cabia ao vice-presidente do Senado. Ao ser declarado o definitivo afastamento de Café Filho, de quem Carlos Luz era vice, a Câmara dos Deputados votou a favor de Nereu Ramos como presidente até que Juscelino Kubitschek tomasse posse.

15 Plano de Metas: “Cinquenta anos de progresso em cinco anos de realizações”.

16 A primeira-dama Sarah Kubitschek, falecida aos 87 anos, foi enterrada no dia 5 de fevereiro de 1996, às 17 horas, no cemitério Campo da Esperança, em Brasília. Deixou duas filhas, Márcia e Maristela.

17 Jânio da Silva Quadros nasceu em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, no dia 25 de janeiro de 1917. Foi advogado, professor e político brasileiro. Foi o vigésimo segundo presidente do Brasil, entre 31 de janeiro de 1961 e 25 de agosto de 1961, data em que renunciou. Faleceu em São Paulo, em 16 de fevereiro de 1992, com 75 anos.

18 Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Médici, Ernesto Geisel e João Batista Figueiredo, sem contar a Junta Militar de 1969. Foi composta pelos três ministros militares: o General Aurélio de Lira Tavares, ministro do Exército; Almirante Augusto Rademaker, ministro da Marinha; e Brigadeiro Márcio Melo, ministro da Aeronáutica.

19 Isidore Auguste Marie François Xavier Comte foi um filósofo francês, fundador da Sociologia e do Positivismo, que trabalhou intensamente na criação de uma filosofia positiva. (Fonte: Wikipédia)

20 Martin Heidegger (Meßkirch, 26 de setembro de 1889 – Friburgo em Brisgóvia, 26 de maio de 1976) foi um filósofo, escritor, professor universitário e reitor alemão. Ele é visto como o ponto de ligação entre o existencialismo de Kierkegaard a fenomenologia de Husserl. Sua preocupação maior foi a de elaborar uma análise da existência, ou seja, esclarecer o verdadeiro sentido do ser. Heidegger inscreveu-se no partido nazista (NSDAP) em 1 de maio de 1933 (ano da chegada ao poder de Adolf Hitler), tendo posteriormente sido nomeado reitor da Universidade de Friburgo, pronunciando o discurso A Autoafirmação da Universidade Alemã. Porém, pouco depois se demitiu do cargo de reitor, sendo pressionado por outros professores da universidade, que tentavam boicotar o Partido Nazista para o qual Heidegger emprestou sua credibilidade. (Fonte: Wikipédia)

21 Projeto Jari (Jari Florestal e Agropecuária) é o nome de uma fábrica construída às margens do Rio Jari, para a produção de celulose e outros produtos, que teve início em 1967. O projeto foi idealizado pelo bilionário norte-americano Daniel Keith Ludwig e seu sócio Joaquim Nunes Almeida. Ele mandou construir uma fábrica de celulose no Japão, na cidade de Kobe, usando tecnologia finlandesa da cidade de Tampere, com duas plataformas flutuantes, uma unidade para a produção de celulose e outra para a produção de energia. A unidade de energia produzia 55 megawatts e era alimentada por óleo BPF a base de petróleo com opção para consumo de cavacos de madeira.

22 http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car – Cadastro Ambiental Rural

23 “Quase 65% do território de MT é conservado”, diz estudo da Embrapa – https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/25604479/quase-65-do-territorio-de-mt-e-conservado-diz-estudo-da-embrapa – “Estudo da Embrapa Monitoramento por Satélite aponta que 64,77% do território de Mato Grosso é constituído por áreas protegidas (unidades de conservação e terras indígenas) e preservadas. A área restante é ocupada por pastagens naturais (3,03%), pastagens plantadas (21,52%), agricultura (10,39%) e áreas urbanas (0,30%)”. O mapeamento foi apresentado pelo pesquisador e chefe-geral da Unidade, Evaristo de Miranda, durante o evento Aprosoja – Sustentabilidade, organizado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso.

24 Observe-se que a área cadastrada é superior à área cadastrável, evidenciando a presença de imóveis rurais dentro de terras indígenas, de unidades de conservação, de reservas legais e de áreas de preservação permanente, além da ocupação de terras devolutas da União. A ocupação irracional do território brasileiro está sendo evidenciada pelos registros de imóveis no Cadastro Ambiental Rural. Isso é ainda mais evidente ao se constatar os números da região Norte: dos 93,7 milhões de hectares cadastráveis, constata-se 137,6 milhões de hectares já cadastrados, que só se justificariam pela sobreposição de imóveis no sistema do Cadastro Ambiental Rural.

25 Índios Isolados são populações que não têm contato com a sociedade envolvente e, graças a isso, preservam seu modo de vida tradicional, vivendo apenas da caça, da pesca e da coleta de castanhas, raízes, frutas, ervas e tubérculos. Existem dezenas de pequenos grupamentos em toda Amazônia Legal, sob sério risco de extinção.

27 Em janeiro de 2018, o Presidente Temer sancionou a Lei nº 13.606, criando um REFIS para parcelar dívidas estimadas em R$17 bilhões com o Funrural, e teve prazo de adesão prorrogado pela Medida Provisória nº 828, até 30 de maio de 2018. Fonte: Jornal Valor Econômico (https://www.valor.com.br/brasil/5533863/auditores-da-receita-vao-justica-federal-contra-refis-do-agronegocio). De acordo com a Associação dos Auditores Fiscais, o programa envolve uma renúncia de receita estimada em R$15,22 bilhões entre 2018 e 2020.

28 Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, entidade classista composta pelos grandes latifundiários do país. O Sistema CNA é composto por três entidades: a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que representa os produtores rurais brasileiros de pequeno, médio e grande portes, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) que atua como um instrumento para Formação Profissional Rural e Promoção Social e qualidade de vida de homens e mulheres do campo e o Instituto CNA que desenvolve estudos e pesquisas na área social e no agronegócio. Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) é responsável por congregar associações e lideranças políticas e rurais em todo o País. Presidente: João Martins da Silva Junior – Formado em Administração de Empresas, João Martins da Silva Junior possui uma trajetória profissional ligada à atividade pecuária há mais de 50 anos. Essa história começou na geração anterior à dele, quando João Martins, o pai, pecuarista, abatia bois para abastecimento de Salvador, ainda na década de 1930. Já nos anos de 1965, firmou-se como pecuarista e produtor de leite na Fazenda Grande Vista, em Feira de Santana, interior da Bahia, propriedade da Agropecuária João Martins S/A, da qual era diretor. Fonte: site institucional da entidade – (https://www.cnabrasil.org.br/sobre-cna/apresentacao)

29 IBGE: Censo Agropecuário 2017: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/

Tabela de áreas ocupadas pelo agronegócio por Unidade da Federação

Dados do Cadastro Ambiental Rural