Passing the Herd

An analysis from the perspective of Sustainability

João Carlos Figueiredo

Abstract

The article addresses the three axes of Sustainability: Environmental, Social and Economic, evaluated under the impacts of the devastation caused by the expansion of agricultural frontiers, and its consequences on the climate balance of the southern hemisphere, insofar as it affects the populations of tropical forests and the American savanna, as well as the components of these ecosystems, deeply impacted by the drastic reduction of aquifers (underground) and water sources (surface). It also discusses the Brazilian option of offering tax subsidies to agribusiness, to the detriment of the industrial and service sectors, and of socio-environmental projects.

Key words

sustainability, agribusiness, economy, environment

The author

Environmentalist, Indigenist, Information Technology Specialist, academic degree in Humanities from the University of São Paulo, Barão de Mauá University Center and Cruzeiro do Sul Colleges. 35 years of professional experience in Informatics, 10 years of adventure sports experience, 9 years of experience in Indigenism. Currently works at the National Indian Foundation, where participated in operations to evacuate indigenous lands invaded by ranchers, land grabbers, prospectors and loggers; also participated in the development of knowledge building projects with vulnerable indigenous populations, due to large undertakings in the Amazon. He has dedicated efforts to clarify the environmental impacts of the devastation caused by agribusiness in the Savannah and South American Amazon biomes.

Introduction

The occupation, by agribusiness, of the areas still preserved in the country, combined with the advance of devastation caused by logging companies, by illegal mining, by land grabbers supported by gunmen, by large hydroelectric plants and real estate projects, by the unplanned construction of roads and crossings in the the jungle, by the INCRA settlements in the Amazon and the connivance of a State led by a fanatical right-wing extremist, supported by officers of the Armed Forces who are part of the government, leads us to believe that in little more than ten years there will be no more forests or indigenous people in Brazil.

“Passing the herd” was the expression used by the former Minister of the Environment, Ricardo Salles. This photograph was taken in the Marãiwatsédé Indigenous Land, of Xavante ethnicity, in 2013. At the time, there were about 100,000 head of Nelore cow.

Political Framework

Brazil is experiencing a unique phase in its history, at a time when a broad election transforms the country’s political framework, by elevating an inept and fascist leader to the Presidency of the Republic, causing changes in the composition of the National Congress, Federal Chamber, state Legislative Assemblies. and District Chamber, as it is based on unusual and opportunistic rules, favoring the status quo: political parties and their leaders, who face the Federal Justice for their involvement in illicit operations uncovered by Operation Lava Jato, while the population expresses its unprecedented discredit democratic institutions and the rule of law. Following world trends to elect far-right governments, Brazil opted for a government linked to retrograde churches, militarism, strengthening agribusiness (with all its ills) and deconstructing all the social achievements of the last 30 years. The first three months of this macabre administration were characterized by internal conflicts within the ministries, instigated by the new occupant of the Planalto and his rancorous and irresponsible sons.

The renewal of the political cadres of the National Congress, as well as the other positions in dispute at the national and state levels, took place in a strange way in this election, with many chiefs of the “old politics” excluded from power, being, however, replaced by unprepared and unprepared newcomers. aligned with the extreme right and its radical and nostalgic ideas from the old days of the military dictatorship. The representation of political parties has been profoundly altered, making it difficult to form a support base for this new group that ascends to power.

Faced with this alarming situation, a third aspect has aggravated and compromised the dispute: while the candidate of the radical left, former President Lula da Silva, of the Workers’ Party, who dominated the political scene for the last 16 years, is in prison and sentenced for corruption and had more than 35% of the voting intentions, his immediate opponent, from the extreme right, is the one who scored the most among the other candidates, being elected with 57 million votes, despite the strong rejection of the progressive sectors. This imbalance of forces between the ideological extremes is associated with corruption, violence and opportunistic changes in electoral legislation.1

Socio-environmental Framework

Brazil has one of the greatest biodiversity on the planet, having two thirds of the largest equatorial forest in the world, which contains about 12% of all drinking water available on Earth2. The Amazon Basin also comprises territories of Guyana, Venezuela, Colombia, Peru and Bolivia, being responsible for the climate system of the South American subcontinent, whose complexity is not yet fully revealed by scientific studies. The hydric and biological reserves of the Amazon region, combined with the mineral wealth it possesses, encourage the greed of local landowners, multinational companies and developed countries, eager to exploit them, without any concern for their socio-environmental consequences.

In turn, the Cerrado biome, exclusive to Brazil, holds a significant volume of underground aquifers that feed a good portion of the hydrographic basins of this subcontinent, with the gigantic Guarani Aquifer as an exponent, which extends through the western, southern and southeastern states, reaching the Paraguay and Argentina. The Cerrado vegetation, unlike the Amazon, is very old, and strongly adapted to the climatic cycles and the aridity of its long periods of drought. However, about 50% of its territory has already been occupied by agribusiness, in contrast to the 22% of the Amazon, already transformed into pastures and monocultures, and heavily dependent on irrigation, obtained from the subsoil, and vulnerable to the enormous volume of pesticides that contaminate aquifers. and surface rivers.

According to the agreement signed in the Paris Agreement on Climate Change, Brazil has committed to keeping the emission of greenhouse gases 37% below the existing levels in 2005, and the deadline for reaching this target would be 2025, which also implies increasing the share of sustainable bioenergy in the energy matrix to 18% by 2030. However, going against these commitments, Brazil continues to devastate the environment, occupying the Amazon and the Cerrado in a disorderly way, exposing more and more areas to occupation by agribusiness , and producing a greater amount of gases, as a result of the burning of large areas of native forest, replaced by pastures for cattle and by monoculture plantations of soy, cotton, sugar cane and other grains.

At the rate at which the forest is being devastated, scientists estimate that, in less than ten years, the ecological balance will be disrupted, activating an irreversible process of degradation of the remaining forests. The estimate is that, reaching 25% of deforestation in the Amazon, this entropic process will begin to supplant the resilience of the forest. This is mainly because the devastated areas are not continuous, increasing the exposure of forest edges to the so-called “edge effect”3, which accelerates the loss of biodiversity and water resources.

This phenomenon is abundantly illustrated by scientific research carried out in the Amazon and the Atlantic Forest. The latter, a remnant of coastal occupation since the Discovery, reached such a degree of devastation that today only 7% of the original forest remains, most of it confined to federal and state Conservation Units. The Atlantic Forest suffered an accelerated process of devastation in the colonization period, aggravated by the intense real estate exploitation in more recent periods, which today also affects the Amazon Forest, as a result of the construction of large hydroelectric plants and extensive highways, including the Transamazônica, built in 1972 during the Medici government of sad memory, in the period of 21 years of the military dictatorship, with 4,223 km of extension.

The combination of these two factors, the political-social uncertainty and the overwhelming advance of agribusiness in a wide territorial extension known as the Arc of Deforestation, which comprises Acre, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins and Maranhão, puts at risk not only the survival of the Amazonian biome but of the planet itself, insofar as it alters the climate balance, resulting in a reduction in drinking water stocks in a region of high population density.

The large enterprises developed in the Amazon, such as hydroelectric plants and highways, act as a trigger for real estate expansion and social degradation, driven by the drastic increase in population, transforming, in a few years, villages and small cities into large urban concentrations, bringing, in its midst, prostitution, drug trafficking, “land grabbing”4, “pistolagem”5 and misery, and making its urban infrastructure precarious. In its wake comes the exploitation of wood, which anticipates the arrival of agribusiness, and prepares the ground for the extinction of the forest in large territorial extensions.

Finally, one of the most harmful factors in this escalation of deforestation refers to the rural settlements promoted by INCRA – Institute for Colonization and Agrarian Reform, without worrying about the environmental impacts, which bring whole families to live in the dashes, on the banks of major highways, and propagate like roots, penetrating the preserved areas of conservation units and indigenous lands. As soon as they take possession of the land, still with the primary forest inside, they start selling hardwood; they remove and sell the most valuable trees to the lumber companies, then they cut what is left and sell it as firewood for charcoal production ovens and, finally, they burn the stumps that are left on the ground, leaving the land bare and useless even for agriculture.

Without guidance for cultivation, they are left in poverty and end up transferring what is left to the farmers, supported by land grabbers and gunmen.

The last extreme factor in the devastation of the Amazon is mining, started in the 16th century, intensified about seven decades ago, and expanding during the military dictatorship, as well as the great highways and railways destined to the flow of mineral production, and today, of agribusiness. Mining aspires to extensive areas mapped by American satellites and by the DNPM (National Department of Mineral Research, today National Mining Agency) in the 1970s. This process continues to threaten the forest, with projects being processed in the National Congress, through pressure from multinationals. and Brazilian companies, including for the purpose of mineral exploration in indigenous lands and conservation units, as was the recent case of RENCA6, in Amapá.

The issue of mining in Brazil is on the agenda of discussions in the National Congress, not out of patriotism, because dishonest businessmen and politicians have no homeland, but because of hidden interests and lobbies of large national and foreign mining companies. Constitutional amendments are waiting for their turn to be voted on, as soon as agribusiness manages to implode indigenous lands and national parks, through bomb agendas of political chiefs, which have been in the pipeline for several years, such as PEC-215, which transfers to Congress the attribution and authority for the demarcation of indigenous lands, which will bury once and for all the aspirations of these populations, whose lands were despoiled by the Portuguese invaders, either by the negligence and cruelty of the authorities, by the incompetence of FUNAI or by the strong pressure exerted by agribusiness, thirsty to finish with the Environment.

There is an argument that circulates among those politicians who sell their votes to make illegal exploitation of preserved areas viable, which is the following: “Europe has already destroyed its forests and destroyed its primitive peoples. The United States has also destroyed the Indians and forests in its territory. However, these countries are among those with the best indices of economic, scientific, technological and social development. So, why not do the same in Brazil, ending poverty and enriching those who share these ideas?”

This argument is false because, if Brazil wipes out the Amazon, the country will suffer the terrible consequences of the greatest climate change in its history, and will become poorer than the desert regions of Africa, Asia and the Middle East. The climatic balance of the South American Continent depends on the energy exchanges and intense humidity that occur along the hydrographic basin of the Amazon River, the largest source of drinking water in the world. What sustains these ecosystems are the waters, both surface and underground aquifers, and the processes of energy exchange that occur in the complex Amazonian environment. Without plant protection, they succumb in a few years.

There is a scientific theory based on research, the “Flying Rivers”, which explains this climatic phenomenon. Millions of tons of water evaporate in the Atlantic Ocean, and travel thousands of kilometers through the air (the flying rivers), to fall, in the form of rain, on the forest. From it, they successively detach and precipitate again, through a process called evapotranspiration, which feeds back these air currents of water, on their journey from the mouth to the Andes Mountains, where they transform into glaciers that, in turn, will melt. and form the most complex network of rivers, streams, streams, streams and lagoons, feeding the gigantic Amazon. This is the mystery of Life, which they want to destroy!

A retrospective of the civilizing process

The Great Navigations of the 16th century, according to historians, were motivated by the European interest in finding alternative paths to the East Indies, but also by the search for new continents, which were suspected to exist, as evidenced by the cartographic maps of Antiquity, probably prepared by Viking navigators, Greeks, Chinese and Phoenicians. Even before venturing into the Atlantic and Pacific seas, there was evidence of lands west of the European continent, still known as the “Old Continent”, although Asia and Africa were older, according to archaeological discoveries from the Paleolithic and Neolithic periods, objects, paintings and human bones.

Portugal was a small nation, territorially, but with intense trade with the Indies, from where it brought spices (teas, seasonings, herbs), as recorded in the literature of the time, which does not mention what goods it took to exchange for these products. It was pressured by strong competition from Spaniards, English, Italians, Dutch and French. For that country, it was a matter of survival and economic wealth to differentiate itself from its neighbors, expanding its domains beyond Europe. The achievements of Portuguese navigations were immortalized by the epic of Luiz de Camões, in “Os Lusíadas”, narrating the adventures of the Portuguese around the Cape of Storms, today Boa Esperança, in the extreme south of Africa, a place of great dangers and numerous shipwrecks.

The small Portuguese fleet crossed the Atlantic Ocean with the expectation of finding land in the west. This is evident from the reduced size of the vessels and the limited capacity of the expedition to extend over a long period. It was just an exploratory voyage, which would be followed by heavy traffic between the two continents in the years that followed. Portugal’s initial intentions were evident in the initial investigative process, and not of occupation, which later lasted for about 300 years, when they discovered the wealth existing in Pindorama7 from overseas.

The first economic activities developed in Brazilian territory since the Discovery were the extraction of brazilwood (“pau-brasil”), the production of sugar cane and the mining of gold, diamonds and precious stones, the cultivation of cocoa, followed by if  cotton planting, coffee farming and rubber (latex) extraction. These extractive and agricultural cycles eventually overlapped, extending for more than a century, until they became economically unviable, either due to the depletion of these resources (in the case of gold, diamond, wood and rubber extraction), or by global competition (in the case of sugarcane, cocoa, cotton and coffee plantations) or even by the emergence of new opportunities (or demands) in the world consumer market.

In this context, it is evident the intensive exploitation of natural resources to the detriment of the environment8, which was then irrelevant. There was no planning, even coinciding with other predatory aspects of this economy, such as the traffic and exploitation of slave labor, and the subsequent introduction of immigrants to compensate for the loss of slaves at the end of the 19th century. The intensity of extractive, pastoral and agricultural activities is evident in the disorderly occupation of the west, through the cycles of entrances and flags, when the genocide of indigenous populations was practiced, to steal their territories, in an attempt to enslave them, replacing them. to slave labor brought from the African continent, which had become extremely expensive and fought by society at the time.

In order to operationalize this process of territorial occupation, since the beginning of the 16th century, policies were implemented to encourage land tenure, initially through the Hereditary Captaincies, which were a huge failure, for not being able to fix their grantees in a land that was still wild and devoid of the comfort and resources in European society. Furthermore, the existence of the Treaty of Tordesilhas restricted the Portuguese occupation of the interior of the continent to half of present-day Brazil. The donee of the captaincies had the right to sell or donate parts of their territory, the sesmarias, to other colonizers, as a stimulus to imperial colonization. From there, predatory territorial exploitation emerged, as an activity, adding value to the bare land in the processes of commercialization of discovered areas.

The term “sesmaria”9 was used to typify the lands belonging to the Portuguese Crown, in which there was neither the development of economic activities, nor the human occupation of the colonial space. Therefore, given the dimensions of that land found to the west of the Atlantic Ocean, the donation of sesmarias proved to be very interesting for the colonizers, as well as an attraction for the coming of European adventurers, interested in settling in these territories. This system was consolidated in the future Brazilian nation, becoming a usual practice throughout the entire process of territorial occupation of the country.

An important partner of the Portuguese Crown in this civilizing process was the Catholic Church, which since the discovery has been present in this territory, having appropriated huge tracts of land, as it acted as a peacemaker and evangelizer of indigenous peoples. This partnership between the Portuguese Crown and the Church was doubly convenient, which gave the religious a “silvicultural herd to spread their doctrines”, while populating the cities that were formed in the new lands of Portuguese America. This system resulted in the Laudêmio10, by which the Church received taxes, collected from the intervivo transmission of property rights. This tax collection system survives to this day in some traditional areas of older cities.

It should be noted that Brazil was occupied by the subtraction of indigenous territories and, many times, with the extermination of entire populations and, consequently, causing the disappearance of cultures, ethnicities, languages, customs and traditions of these peoples. To date, most of these peoples from the American continent still do not have their territory demarcated and regularized by the government, many of whom live, like zombies, in cities and, on the side of the roads, as beggars, subject to sexual exploitation, drugs, to violence and humiliation, in what was his land and his world, until the arrival of the Portuguese.

I A huge silo for storing soy beans, in the middle of indigenous land ndustrialization in the colonial period

During the Portuguese occupation, in the first years after the discovery, until the emancipation of the territory by the independence of Portugal, first as an empire under the regency of Dom Pedro I and Dom Pedro II, then as a Republic, after its proclamation in 1889, even though it was prohibited any manufacturing activity, some essential products were developed by the colonizers, over these almost four centuries, with the purpose of making life more pleasant on this new continent.

With the arrival of the Portuguese imperial family, fleeing from Napoleon Bonaparte, in 1808, the situation in the colony was unsustainable for the nobles, who came from Europe, lacking the minimum conditions for survival in their involuntary exile. Thus, Dom João VI himself stimulated the installation of small manufacturing industries to meet the basic needs of the nobility, thus taking the first steps towards the industrialization of Brazil. This late process accelerated during almost the entire 19th century and prospered with the return of Dom João VI to Portugal, leaving his son with the responsibility of taking care of the Colony. Therefore, the foundations were laid for the transformation of Colonial Brazil into a free and sovereign Nation, which took place in 1822.

During the long reign of Dom Pedro II, who replaced his father when he also returned to Portugal, despite the revolts in different regions of the country that was being formed, there was a period of great achievements, both in the fields of Arts, Culture and Science as well as Economics. However, the most important step towards the industrialization of the country only took place, effectively, after the Proclamation of the Republic, in 1889. Before, however, in 1888, his daughter, Princess Isabel, taking advantage of her father’s absence (or even by him), took the last step to end slavery in Brazil11, on May 13 of that year.

With the liberation of the slaves, the coffee plantation was without manpower to produce. It was through encouraging the arrival of European and Asian immigrants that Brazil started the industrialization process, still during the reign of Dom Pedro II. Coffee was introduced in Brazil in 1856, settling in the region of Vassouras, state of Rio de Janeiro. In the following years it spread through the Vale do Paraíba, heading north and west of São Paulo to the limits of what is now Mato Grosso do Sul. In this expansion process, the construction of railways began, essential for the flow of agricultural and industrial production of coffee, transforming the country into the world’s largest producer and exporter of this product.

B The cowboy dressed in character inside the indigenous land arão de Mauá and the national industry

The Baron of Mauá, Irineu Evangelista de Souza, (1813-1889), was the first entrepreneur, among the social bourgeoisie in Brazil, to invest heavily in industry. Its productive investments focused on various sectors of the economy, from land and water transport to the establishment of a commercial bank. Gaucho by birth, he moved, still in his teens, to Rio de Janeiro, where he worked in an import company. It was in England that he came into contact with urban and industrial society. Upon returning to Brazil, he acquired a foundry in Niterói, which was transformed into a naval shipyard that produced more than sixty ships.

Irineu Evangelista also created the Companhia de Tugboats da Barra do Rio Grande, obtained transport rights on the Amazon River and invested in tram companies in São Paulo. He was one of the biggest promoters of the implementation of railroads in Brazil. Honored with the title of Barão de Mauá, he built a network of submarine telegraphs, linking Brazil to Europe, invested in the Rio de Janeiro Gas Company and in banking establishments, including Casa Mauá & Cia.

However, its industrialization projects faced the precarious situation of the country’s economy, based heavily on the use of slave labor. Being against slavery, he suffered strong pressure from the coffee landowners, having even been the target of attacks and sabotage in his activities. The intense taxation of industrial activities was the coup de grace for his projects, leading him to bankruptcy in 1878.

As a pioneer in the country’s industrialization process, Barão de Mauá suffered the consequences of a nation dominated by agribusiness, unprepared for the challenges of an industrial, prejudiced and opportunistic mode of production, with its workforce made up of slave labor and, therefore, , without the need to become efficient, since all its revenue was distorted by the absence of the main component of the cost of production, which is the worker’s remuneration.

However, Barão de Mauá left his mark as a visionary and entrepreneur, like few others of his time. Brazil once had a competitive shipyard, and until today the Mauá Shipyard is one of the most successful projects in the country, with an area of ​​180,000 m² and a processing capacity of 36,000 tons of steel per year. It is the largest shipyard in Guanabara Bay, offering shipbuilding services, construction and integration of offshore modules, docks, ship repair and port terminal services. Today, Estaleiro Mauá is considered one of the largest construction, integration and repair centers for the oil and gas industry in the country.

G There are oxes on the line inside the indigenous land etúlio Vargas and the march to the West

Getúlio Dornelles Vargas (1882-1954) was born in Rio Grande do Sul and was president of Brazil, after taking power in 1930 and becoming dictator. Taking advantage of his totalitarian powers, he promoted the modernization of the country, creating the Ministry of Labour, Industry and Commerce, and the Ministry of Education and Health, and appointing federal interveners for states and territories. He created the Instituto Brasileiro do Café and the Conselho Nacional do Café, proceeding with the Coffee Valuation Policy. He also valued workers through new labor and union legislation.

In 1932, the crisis on the New York Stock Exchange caught Brazil with huge stocks of grain, losing its international clientele, and leaving many coffee growers in misery. In a few months, fifteen million tons of beans, stored at the Instituto Brasileiro do Café, were burned, ending the development cycle provided by this fantastic product. However, he left as a legacy a complex railway system, composed of the Mogiana Companies, which reached Pedregulho/SP, the Paulista Company, which reached the border between São Paulo and Mato Grosso in the mid-twentieth century, Araraquarense and Sorocabana, which , with other routes, also continued to the Paraná River, on the border with what is now the state of Mato Grosso do Sul.

The first railroad in Brazil was inaugurated in 1854, between the Port of Mauá and the city of Fragoso, in Rio de Janeiro, and was conceived by the businessman and banker Irineu Evangelista de Souza, Barão de Mauá, a great supporter of industrialization in the country. Also in this final period of the Empire, the Recife – São Francisco (1858), Central do Brasil (1858) and Santos – Jundiaí (1867) railroads were built.

The major problem of railway construction in Brazil, which caused its early obsolescence in the first half of the 20th century, was the lack of standardization of the distance between its tracks, known as “rail bed gauge”. This prevented such roads from lasting and being integrated, in order to share cargo and passengers along the immense territorial extensions of Brazil. However, during their short existence, they played a leading role, both for the flow of crops and for the industrialization process of our country.

In 1932 Getúlio faced the Constitutionalist Revolution, led by the State of São Paulo, which protested against the totalitarian State and demanded a constituent assembly to draft a new Constitution. In 1934, Getúlio approved his own Constitution, which brought important innovations, such as the secret ballot, which intended to end the well-known “halter vote”, by which the landowners, the colonels of the sertão, controlled the outcome of the elections, ensuring their power and its benefits in obtaining agricultural credit.
In 1935 Vargas faced a new attempt to remove him from power: it was the Intentona Comunista, a long march led by Luiz Carlos Prestes and idealized by the Aliança Libertadora Nacional, a party banned by the Vargas government. In 1937, a group of integralists, who supported Adolf Hitler, forged the Cohen Plan, which conquered a significant portion of the population and the barracks, supporting the Vargas dictatorship.

But it was during the period known as the Estado Novo (1937-1945) that Getúlio Vargas exercised power without opposition, with the support of the military and the sympathy of the working class. It was during this period, when the Second World War was raging in Europe and the Jewish population was fleeing Nazism, that Brazil received a large number of people to work in the fields and in the incipient industry. It was also during this period that Vargas conceived his great “March to the West”.

Its purpose was to occupy the central region of the country, creating new work fronts and consolidating the national territory in the interior, as it was still very concentrated in the coastal strips. In his speech, Vargas stated that the March was “the true sense of Brazilianness”. He requested that institutions such as the National Council of Geography, the National Council of Cartography, the National Council of Statistics and the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) provide the necessary data to support its mission to integrate Brazil. The West was an unknown, wild and inhospitable region for most Brazilians.

At that time there were no roads, the rivers were not navigable and there were many indigenous people who were “hostile” to the colonization process, who had moved from the coastal regions to the interior of Brazil. The State resumed its image of the Bandeirante12, who had traveled the country in search of gold and hunting for Indians and blacks who had escaped from the slave quarters. The latter settled in mountainous regions, constituting the Quilombos, where they lived protected from their tormentors, spoke their native language, practicing their customs.

The March intended to start the conquest to the West, then proceed to the North. One of the works carried out by this march was the installation of telegraph lines, commanded by Marechal Rondon, who managed to get closer to still unknown indigenous groups, created the Xingu Indigenous Park, constituted the Service for the Protection of Indigenous Peoples and Localization of National Workers ( SPILTN), whose purpose was to convert indigenous people into manual workers and integrate them into “civilized” society.

The SPI avoided the extermination of indigenous people, but at a great cost to these populations, who were transferred to other regions, losing their customs, traditions and sacred places, and ended up being used as a justification for the occupation of the territories of Mato Grosso, Rondônia and Acre. To this day, the social and cultural impacts of this process are felt by the indigenous peoples of this vast region. The SPI, created in 1910, fifty years later, gave rise to the current indigenist body, the Fundação Nacional do Índio, created in 1967 and used until today for political interests, moving away from its mission, which is the protection of Indigenous Peoples.

It is estimated that the indigenous population of the territory that became Brazil, at the time of the Discovery, was composed of more than 500 ethnic groups, with more than two hundred languages ​​spoken, totaling more than 5 million human beings. During the civilization process this population was reduced to less than 300 thousand individuals. According to the last IBGE Demographic Census, in 2010, 817,962 indigenous people were counted, distributed in about 600 indigenous lands in different stages of demarcation.

Half of this population still lives in villages, while the rest inhabit cities in all states of the Federation. Today there are 350 ethnicities and 180 languages ​​spoken. The indigenous territory is 117 million hectares, corresponding to 13.7% of the national territory. Brazil is the country with the greatest ethnic diversity on the planet. This ethnic, linguistic and cultural wealth is threatened by agribusiness, which every day encourages new land invasions, encourages illegal leasing of their lands, promotes the illegal purchase of wood and corrupts customs and traditions of these peoples.

For more than a century, since the creation of the Indian Protection Service and passing through Funai, this institution has been manipulated by all governments, under the orders of the oligarchies of landowners and bankers, to try to reverse the process of demarcation of their lands. While agribusiness attacks the material heritage of indigenous peoples, the Catholic and evangelical churches attack their cultural heritage, mischaracterizing their culture and destroying their cosmogony, catechizing human beings who have no way of defending themselves against these heralds of a god that has nothing to do with their traditions, placing a bible in the hands of each indigenous person, corrupting their customs and instilling in them a false knowledge.

Indigenous lands in the Amazon are of equal importance to conservation units, insofar as they preserve the environment and protect springs, fauna and flora, guarantee biodiversity and prevent devastation from spreading beyond areas that are already useless, until even for crops and livestock, so poor have their soils and waters been contaminated by pesticides. If this process of asphyxiating the indigenist institution is not overcome in time, all the work developed in the last hundred years will be irretrievably lost.
However, more than destroying about three hundred indigenous peoples, we will be impoverishing the Brazilian Nation, which will lose millenary cultures, cradle of our own language, origin of our richest cuisine, source of the traditional knowledge that fed, including, unduly, the great laboratories pharmaceuticals with their active principles stolen from the wisdom of the shamans, in syncretism with that of the African orixás, inheritance of the millions of slaves who served Brazil for 300 years.

J It was in the Vargas Era that Marechal Rondon removed the Xavante from their lands to give agribusiness uscelino Kubitscheck: 50 years in five

After the tragic death of Getúlio Vargas, who committed suicide in 1954 when he became aware that his closest advisors had betrayed him and were conspiring against him, Café Filho13, Carlos Luz14 and Nereu Ramos15 succeeded each other, who completed Vargas’ term. They were succeeded by Juscelino Kubitschek, who governed for five years, continuing Vargas’ project of promoting the interiorization of Brazil. For this, he launched his government program, called “50 years in 5”16, whose purpose was to boost the economy, expanding Getúlio’s goals for the occupation of the West and for the consolidation of the still incipient national industry.

In these five years of intense economic activity, the economic growth factor was based on the construction of Brasília and the consolidation of the Brazilian Automobile Industry. Juscelino had participated in the 1946 Constituent Assembly, had been governor of Belo Horizonte and had traveled through the United States and Canada to learn more about public administration in these countries. From then on, he began to envision his project for the industrialization of Brazil.

To plan his projects, Juscelino created what he called the “National Development Plan”. This plan consisted of a national development project with thirty-one goals, the thirty-first being the construction of Brasília and the transfer of the federal capital. This plan was based on studies carried out by the Joint Brazil-United States Commission between 1951 and 1953, which aimed to identify the crucial points of stagnation of the Brazilian economy, which made the country’s economic growth unfeasible under a capitalist and liberal approach.

The Goals Plan aimed to invest in five sectors of the national economy: energy, transport, basic industry, food and education. The first three sectors received more than 90% of the resources, with education and food receiving around 7% of the investments. The most expressive result of the Goals Plan was the 100% growth of the national base industry, with the use of foreign capital, which generated strong indebtedness and monetary imbalance.

Between 1955 and 1961, more than two billion dollars went into the goals. Juscelino exempted industrial machinery and equipment from import taxes, as well as allowed foreign capital inflows into risky investments, as long as they are associated with national capital (“associated capital”). To expand the domestic market (consumption), the plan offered a generous consumer credit policy.

The country grew 7.9% per year. JK promoted the implantation of the automobile industry with the arrival of automobile factories to Brazil. As the United States was more interested in the European market at the time, European brands came, initially with German capital (Volksvagen), French capital (Simca) and national capital with foreign technology (Vemag). It promoted the naval industry with Japanese, Dutch and national capital, and the steel industry with state resources from BNDES and Japanese capital added to Usiminas. It built large hydroelectric plants, such as Furnas, located in São João da Barra, and Três Marias. The construction of Furnas began in 1957 and was completed in 1963. Furnas formed one of the largest artificial lakes in the world (at the time), which bathes 34 municipalities in Minas Gerais and became known as the “Sea of ​​Minas Gerais”.

The industrialization process of the Southeast region, with the creation of jobs, increases the coming of Northeasterners to this region, mainly São Paulo and Rio de Janeiro, as well as immigrants from rural areas across the country. Many entrepreneurs, especially those from São Paulo, believed that the lack of development in the Northeast region was one of the biggest obstacles to expanding the domestic market, as it excluded a third of the population. On December 15, 1959, JK created the Northeast Development Superintendence (Sudene) to integrate the region into the national market.

It opened the trans-regional highways that united all regions of Brazil, previously without road connections between them. Petrobras’ oil production increased. With the exception of the hydroelectric power companies, Juscelino practically did not create any state-owned company. Between 1959 and 1960, there was a crisis in the construction work of Brasília. The funds had run out and JK understood that he could not end the government without building Brasilia. When asking for a loan of 300 million dollars to the International Monetary Fund (IMF), the body demanded that the country “put its house in order before asking for financial assistance”. JK issued public debt bonds and letters precatory, which are securities traded on the stock exchange to raise short-rnos of the country, by increasing the federal public debt.

The government of Juscelino Kubitschek continues to be the model of efficiency and political competence in Brazil due to the strong impacts on its economic growth. His work was immortalized by the construction of Brasília, where a mausoleum was built in his honor. It contains historical documents about Brasília, the Plan of Goals, the commendations, medals and tributes received by him, as well as the tomb where his mortal remains lie17. Despite controversies about his choices and priorities, about the indebtedness and the success (or not) of the decision to build Brasilia, Juscelino transformed Brazil as never before had another one been able to do.term capital. JK sold these papers at a discount, that is, at a price below market value, which could be recovered later within a period of five years. With that, he got money to finish the construction of Brasília, but JK was accused of making the next governments unfeasible.

Quando não é o gado, é o Garimpo: assim os “brancos” massacram os indígenas…

Jânio Quadros and João Goulart

Jânio Quadros18 was elected president of the Republic with the promise of ending corruption, with João Goulart as vice president. Despite Juscelino’s great achievements, there were many complaints of embezzlement in the major construction works of Brasília. It was said that trucks, loaded with construction materials, received two, three times the value of deliveries with a single invoice. These accusations were never officially confirmed, and what remained in the national memory was the image of a great leader, whose work was eternalized as a Cultural Heritage of Humanity, by UNESCO, both for the architectural project, signed by Oscar Niemeyer, for the urban project of Lúcio Costa, and for the magnificent landscaping work of Burle Marx.

Jânio resigned after a few months in power, alleging the presence of “terrible forces” (or “hidden”), who were conspiring against him. João Goulart was traveling through the Soviet Union, and the Armed Forces were pressuring Congress to prevent him from taking office, fearing the country’s transition to socialism. After negotiations and negotiations, the government regime was changed to parliamentary, allowing Goulart to assume power, and electing, by acclamation, Tancredo Neves as Prime Minister.

This arrangement did not work satisfactorily, and months later it was revoked by Congress, making João Goulart the de facto and de jure President, affronting the Armed Forces and enthusing the radical left, which was restructuring itself, dreaming of the Socialist Revolution. Goulart begins to architect a series of changes, which he called Basic Reforms, giving priority to infrastructure projects, as was usual in the socialist conception of transition from capitalism to communism.

From then on, the strikes and demonstrations of the working class shook the country, demanding celerity in the reforms and creating strong political, economic and social instability, which reached its peak at the great rally at the Central Station of Brazil, in Rio de Janeiro. At that moment, the destiny of the country was defined, with great popular concentrations, instigated by the church, in opposition to the socialists. A series of marches took place in the country, called “March of the Family, with God, for Freedom”, giving the argument that the military wanted to assume power.

On April 1, 1964, army contingents marched from Belo Horizonte, Rio de Janeiro and São Paulo to overthrow João Goulart who, when he realized that he no longer had military support, abandoned the government and fled to Rio Grande do Sul, then on to Uruguay. Brazil’s fate was sealed and, for 21 years, five generals19 succeeded one another in power, ending constitutional freedoms and using force, arrested and tortured thousands of innocent people, many of whom were murdered in the basements of the dictatorship, such as the Casa da Morte (Petrópolis), CENIMAR – Navy Information Center, DOI/CODI – Information Operations Detachments / Internal Defense Operations Centers, and DOPS – Department of Political and Social Order.

The Military Coup of 1964

With Goulart’s flight to Uruguay, the military took power and followed 21 years of military dictatorship, hundreds of disappeared, thousands of young people tortured, and a country torn apart by hatred, disenchantment and despair. The military took power in the name of Democracy, as we have already said, but its first acts and those that followed were intended to silence any and all opposition to the military regime. By a curious ruse, all the generals exercised power claiming to have been elected by vote of the National Congress, where there were two parties: that of the Military Government, called ARENA (National Renewal Alliance) and the MDB (Brazilian Democratic Movement), whose purpose was to endorse the acts of the government and disguise the dictatorship implemented in the country.

The military took not only political power, but also control of state-owned companies at the federal and state levels. His action aimed to muzzle the population and stifle opposition in the name of a prosperous and orderly country. The horror of the torture rooms struck the hearts of the youth. Paradoxically, today, the fascist president, elected in October 2018, repeats the same motto and proposes “Order and Progress” as the banner and motto of his “government project”. It is worth remembering that this slogan was created by the federalist movement that overthrew Emperor Pedro II, inspired by the Positivism of Auguste Comte20, a 17th century French philosopher.

To this day, there are supporters of this ancient philosophy and of the intellectual mentor of Nazism, Martin Heidegger21, who mobilized the world to its worst experience of war, murdering more than 70 million human beings. However, nothing justifies the acceptance of this Nazi-fascist president who “enchants” his fanatical electorate, just as Hitler mobilized the German Army and youth in the 1930s, the latter with promises of rescuing the dignity lost in the First World War, the former with promises of provide weapons to the population, racial hatred and extreme rigor of police power to face criminals.

Paradoxically, the populations that took to the streets to demonstrate against the corruption of ideological left governments are the stereotype of the electorate that this neo-Nazi managed to conquer.

Going back to the military in 1964, his achievements include the Trans-Amazonian Highway – BR-230, which mortally wounded the largest homogeneous ecosystem in the world; the Itaipu Hydroelectric Power Plant, which flooded one of the most surprising scenarios on the Paraná River, the Balbina Hydroelectric Power Plant, which does not even light up Manaus with the little energy it produces, but which almost destroyed one of the ancient cultures of the Amazon, the Waimiri-Atroari Indians, who were also stabbed by the construction of Highway BR-174, which crossed its territory from south to north, connecting Manaus/AM to Boa Vista/RR, with thousands of deaths and an exuberant fauna strongly affected until the present day.

There were many “achievements” of the military dictatorship, but “justice” must be done to them regarding the continuity of the projects of Getúlio Vargas and Juscelino Kubitschek, with regard to the occupation of the West and the Amazon: environmental devastation. But the military must be debited more emphatically, as they freed up the forest and Cerrado lands for occupation by foreigners22 and by southern gauchos, eager to settle in unproductive large estates, subsidized by generous bank interest and forgiveness of debts eternally overdue and never paid.

We can say that agribusiness began with the Portuguese colonizers, prospered with the gaucho landowners, and flourished with the Workers’ Party. This continuity in recklessness has its price, and we intend to elucidate this project of deconstruction of Nature with the last governments and their unfortunate choices. But the responsibility must be attributed to the military, although their project did not put an end to corruption (it even made it flourish), but concentrated on the power of the generals, who enriched themselves with the profits diverted from the state-owned companies and ensured themselves generous pensions and rich distribution of profits from companies acquired with the blood of their victims. Until today, Brazil has not managed to clean up the History of the Dictatorship, neither with the Truth Commission, nor with the hundreds of books and films produced to rescue the dignity of the victims of our particular holocaust.

One of the victims of this breakdown of power and arrogance was Vladimir Herzog, arrested without any charge against him, tortured and murdered in the DOI/CODI premises of sad memories, and humiliated, even after being killed by his tormentor and torturer, Colonel Brilhante Ulstra , idol and reference of Jair Bolsonaro, a lowly captain, expelled from the Army for indiscipline and attempt to explode a bomb in the barracks where he served, and who today claims the right to lead the Brazilian People and occupy the Presidency of the Republic, to which does not have enough intelligence, competence or culture, not even to be a federal deputy.

He, a mediocre contemporary fascist, xenophobe, misogynist, sexist, racist and disqualified, never, in almost 30 years of Congress, managed to pass a single relevant law, of his own, if not to increase the pay of military officers, including his own ! An opportunist loser!

The military dictatorship had another “masterpiece” of “intelligence and creativity”: by the head of another colonel, José Ezil Veiga da Rocha, former president of the Special Secretariat for Information Technology, created by the military regime, when he conceived the “Lei da Reserva de Mercado para Informática”, an unspeakable excrescence that intended, with a simple stroke of the pen, to enable Brazil to compete with technology giants, such as IBM, Unisys, Hewlet-Packard, Honeywell-Bull, among others, giving priority to the national industry.

For this, five companies were “created”: Cobra, Labo, SID, Sisco and Edisa, powered with public capital and placed as the only option to purchase computers for our companies, from the electronics industry to the banking sector, highly dependent on high information technology. The result was a technological stagnation that distanced us from international competition. Ezil claimed that Informatics would be “our shortcut to development”… he only forgot to say that this shortcut would lead us to backwardness, to the edge of the precipice of inefficiency.

Every dictatorship is a setback, a delay in life for a nation, a wasted time, during which society is massacred by those who swore to defend the country from its enemies. However, enemies cannot exist within the Nation. Even the worst crooks have to be treated with dignity, for torture and cruelty against subjugated people is just cowardice and incompetence to run a nation. Brazil paid a huge price for the terrible years of military dictatorship. Until today, the country has not recovered from the scars left by the military on the Brazilian people.

The New Republic and the Constituent Assembly of 1988

The trauma caused by 21 years of military dictatorship fueled the excessive zeal of politicians by creating safeguards against a possible relapse of the barracks in the desire to run the country in its strange and obtuse way. A Constituent Assembly was elected with the same politicians (or their direct descendants) who still inhabit the halls of the National Congress, representatives of the same oligarchies that emerged during the Colonial Period, fed in the Empire, grew up in the Old Republic and became ” donas do Brasil” to this day. For this reason, due to the vices of the past, the final text was changed at the last minute, removing the figure of Parliamentarianism from its pages and restoring Presidentialism, without, however, correcting the distortions arising from this setback.

A prolix architecture of laws built a tangle of protections that, in a few years, proved to be ineffective against the authors themselves, who were capable of committing the crime against the homeland like a serial killer. For more than thirty years, parliamentarians patched up this text, the offspring of the dictatorship with Dracula, trying to make viable the governments that succeeded each other without the ability to efficiently manage Brazil. Right from the start, the inflation, contained by the military under the guns, soared, and reached the two, three, four digits, imploding the Sarney government, and then the savior of the homeland, the maharajah hunter, Fernando Collor de Mello and their companions.

FHC, the “enlightened despot” of the Brazilian Revolution, came and, in the princely majesty of the Academy of Social Sciences, dealt a fatal blow to inflation, reducing it to reasonable levels. Enthusiastic with his success, he decides to privatize everything, handing over, hand in hand, to Vale do Rio Doce, which exploded in fantastic profits, in private hands, and, years later, caused the worst environmental disaster in Brazil, ending, precisely, with the VALE DO RIO DOCE, and today the poison of the author of the second environmental crime is bitter, causing the death of almost 300 people in Brumadinho, due to negligence, ambition, inhumanity and impunity! FHC left the government with the merit of containing inflation and creating a law that forbids spending more than you earn… a primary lesson for any civilized people.

Fernando Henrique and economic stability

Fernando Henrique Cardoso was that sociologist who taught at the University of São Paulo, developed Marxist theories on Latin American dictatorships, was a professor at the Sorbonne as a political exile, returned to Brazil and won over the military with his emblematic phrase: “Forget everything that I wrote and said as an academic, for now I will govern”! Interestingly, that’s exactly what he did, proving to be one of Machiavelli’s most brilliant disciples…

It must be admitted, however, that he put the house in order, reduced four-digit inflation to a measly 1.8% a year in 1998 and handed it over to the PT at 12.53% p.a. in 2003, he created the Fiscal Responsibility Law, according to which the government could not spend more than it collects. He carried out the fateful privatizations of the Telebras System and Vale do Rio Doce, raising no less than 78.6 billion reais from the public coffers. It is true that today this is less than the annual budget deficit and what PT and its partners in power collected from Petrobras, Odebrecht and other contractors, but at the time it was a very significant amount. So much so that the business world (the same that later supported “Coiso”) gave it a standing ovation.

It is worth mentioning that “VALE” (the company) was sold for the trifle of 3.3 billion reais, the new currency created by FHC (perhaps for his dream of being emperor), which was equivalent to the dollar at the time, which represented , at most, the steel company’s one-year billing, when its mineral reserves alone were calculated at more than R$ 100 billion at the time. In fact, at least it had the merit of demonstrating how incompetent the public sector is, since Vale’s annual PROFIT alone is today of 17.6 billion reais. He could buy the company five times a year without taking a penny out of the cash register. Its market value is estimated today at 300 billion reais!

Of course, it must be considered that past acts cannot be evaluated with present facts, but the disparity is such that any citizen would be ashamed if he had made a similar deal. There is no way to reverse past mistakes. The more remote, the more unlikely the reversal will be, and in this case the company is one of the four largest in the country, and propagates the false image of socio-environmental sustainability.

Economic stability was gained at the expense of these mistakes. The worst is perhaps the fact that three and a half presidential terms of the Workers’ Party were enough to annihilate all this work. Today, the budget deficit is 139 billion reais per year. In just over two years, if it were a surplus, Vale could be bought back as part of the national patrimony… another conjecture in the face of the past…

But FHC also made agreements with agribusiness, although he did not compromise the national industry during his government. There were significant improvements, both in the Economy and in Education, Health and Environment. It was during his government that the National System of Conservation Units (SNUC) was instituted, which is now administered by ICMBio – Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, created by Lula under Marina Silva at the Ministry of the Environment. Some of his proposals were taken up by Lula in his government, such as the demand for a seat by Brazil on the UN Security Council. Social issues were also addressed by FHC and Ruth Cardoso, and taken over by Lula, such as the Bolsa Família program, the result of the merger of several social programs: PNAA – National Program for Access to Food, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio Gás, among others.

Lula, Dilma and the Workers’ Party

Expansion of Agribusiness and
Social and Environmental Programs

The hybrid form of government created by the Constituent Assembly, which mischaracterized Parliamentarianism, as we have already said, generated situations in which the “creativity” of the corrupt turned into advantages and threats. The most harmful is, of course, the need for any government to work with Congress without having a majority in the House and Senate. Therefore, every bill or act of the federal government requires the formation of the “majority”, and this entails endless negotiations, always aimed at reaching the power of the Executive: exchanges of “favors” for “positions” at the various levels of the Administration. Public, from ministries, secretariats, directorates, coordinations, supervisions, all translated into DAS – Superior Management and Advisory, commissioned positions, often essentially technical, but distributed to any citizen, with or without a clean record, with or without competence to occupy them.

This “management model” is the main cause of all the problems faced since the enactment of the Federal Constitution of 1998, and it has worsened as the ruler himself becomes hostage to petty political parties. They called themselves “lower clergy” in the early post-dictatorship periods. Then they evolved into Centrão, creating a false ideological connotation for a criminal phenomenon called by the codenames “bribery”, “blackmail”, “kickback”, “voting sales”, “business counter” and other unique names. All governments paid to have their projects approved, be they of relevant significance to the Nation, or simple bargaining chips between the three powers, in order to accommodate a “godson” in a DAS position.

Agribusiness entered this “business” smartly, first by electing rural candidates, from the former UDR – Rural Democratic Union, to the current CNA – National Confederation of Agriculture and Livestock. He went on to appoint the Minister of Agriculture, Livestock and Supply (MAPA), even to appoint directors of Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, which should only be a research institution, non-profit and without ideological nuances. He even appointed the President of Funai and its directors, when its hidden objectives are known to be known: to prevent the demarcation of indigenous lands and encourage illegal activities in these territories.

In 2012, during the International Conference on Climate Change (“United Nations Conference on Environment and Development”), RIO+20, Brazil promised drastic reductions in greenhouse gas emissions while Congress voted on changes in legislation environmental protection – the Forest Code – disqualifying it to please agribusiness, exempting farmers who committed environmental crimes in the Amazon and the Brazilian Cerrado from fines already levied, and dangerously reducing permanent preservation areas (APP) and legal reserves ( RL) of rural properties in the Legal Amazon. These changes, endorsed by President Dilma Rousseff, of the Workers’ Party, had an immediate impact on the resurgence of Amazonian devastation, since the availability of land for deforestation, legalized by the ruralists, was expanded.

Below is a deforestation map produced from Prodes INPE:

It should be noted that, although discrete, this increase in forest devastation was concentrated in the states of Pará and Mato Grosso, the two most responsible for the environmental degradation of the Amazon in recent decades. There were different reasons in each of these states. While Mato Grosso is the largest grain producer and owner of the largest cattle herd in the country, therefore, directly related to agribusiness, Pará had a strong impact as a result of the construction of the Belo Monte Hydroelectric Power Plant, in addition to being one of the most affected regions. by the Trans-Amazonian highway and by the INCRA settlements. Today he is a champion in land grabbing and murder of environmental and indigenist activists.

In Rondônia, the third most impacted state by agribusiness, soy production has increased every year, advancing over the remnants of protected areas and indigenous lands. The CAR – Rural Environmental Registry, gives a clear idea about these occupations, which occur in a disorderly way, threatening indigenous populations and de-characterizing what is left of the Amazon biome. On the BR-364, on the stretch between Vilhena and Porto Velho alone, over a distance of 780 kilometers, more than a thousand trucks transport soy to the port terminals on the Madeira River daily. These three states, together with the areas in the process of degradation, represent more than 75% of the total deforested in the Amazon since the beginning of the new millennium.

In 500 years, Brazil has already destroyed 93% of the Atlantic Forest and most of the Araucaria forests in Paraná and Santa Catarina. In about 50 years, especially after the construction of Brasília and roads like the Transbrasiliana, it destroyed more than half of the Cerrado. In the 21st century, it is taking great strides to destroy the Cerrado and the Amazon. Calculations indicate that the country has already eliminated 22% of the forest and the destruction continues to accelerate with deforestation, large projects for the construction of hydroelectric plants, the expansion of livestock and soy, the growth of cities and the spread of logging, mining and mining.

“Unfortunately, the government has no plan to save the Amazon. On the contrary, what exists are precarious plans to reduce deforestation, in parallel with the increase in large development projects. The Amazon suffers from two types of threats: 1) one created internally, as a result of the developmentalist ideology; 2) and another, mostly from outside, as a result of global warming and climate change.” (text extracted from a manifesto of the Brazilian Association of the Public Ministry for the Environment).

The 2006 and 2017 Agricultural Censuses

After 11 years since the last survey in 2006, the IBGE carried out the 2017 Agricultural Census, which was released in July 2018. However, the previous Census remains extremely relevant for showing how Rural Brazil is organized among small medium and large producers, who are the landowners, their respective levels of education, the types of products cultivated (temporary and permanent crops, horticultural crops, raising beef and dairy animals), as well as other essential issues such as the true meaning of Agribusiness, which we intend to analyze in the course of this article.

Of the 5,175,636 rural properties existing in Brazil (and considered in the 2006 survey, totaling 333,680,037 hectares), 3,946,411 of the properties (76.25%) are owned, totaling 310,515,259 hectares (93.06%). Considering the size of rural properties, 1,840,807 have less than 5 (five) hectares, corresponding to 35.57% of all rural properties. Family farming (up to 500 hectares) corresponds to 4,818,881 rural properties (146,296,551 hectares), representing 87.32% of all rural production units in Brazil. These properties supply more than 80% of all products on the table of Brazilians, such as fruit and vegetables, beans, rice and manioc, among others.
Excluding family farming, there are 101,736 large producers (over 500 hectares), representing agribusiness, with 1.97% of Brazilian rural establishments, occupying 187,383,486 hectares, 56.16% of all arable area in the country. in 2006. A large part of Brazil’s agricultural production is destined for export, such as sugarcane, coffee, soy, beef, tobacco, corn, cotton, pork, poultry (chicken ) and agroforestry products (wood).

According to data provided by the official website of the Brazilian Forest Service, an agency of the MMA – Ministry of the Environment23, until May 2018, 5.1 million rural properties were registered, totaling an area of ​​448,319,254 hectares entered in the database. of the system, confirming that agribusiness corresponds to 52.73% of the national territory. Comparing to FUNAI and ICMBIO data, we have, respectively, 116,900,565.36 hectares of indigenous lands and 75,016,301.91 hectares of federal conservation units. Part of the rural properties should be preserved, depending on their geographical location: Permanent Preservation Areas (APP) and Legal Reserves (RL), intended to protect the different Brazilian biomes.

The data presented contradict the information presented by the Embrapa researcher, Evaristo de Miranda24: for some years, this researcher has been saying that more than half of the national territory is preserved, thanks to agribusiness. This statement is absolutely false. It is important to highlight that Embrapa’s studies do not consider that small green and discontinuous areas do not characterize preserved areas, as they do not sustain biodiversity and do not reproduce the complete cycles of nitrogen and carbon, essential for life. Analyzing satellite images, adding small patches of vegetation to preserved areas, is a dishonest way of circumventing and distorting the truth of the facts.

For an area to be considered of environmental preservation, it is necessary to analyze its biodiversity in loco, as well as the factors that ensure its resilience and perpetuity. We consider that less than 20% of rural large estates comply with the new legislation on legal reserves and permanent preservation areas, mainly in the Amazon, where, even according to the new Brazilian Forest Code, 80% of the areas of properties located in the Legal Amazon should be preserved as primary forest, which is not the case.

For Brazilian ecosystems it is necessary to treat biodiversity as consisting of continuous areas, comprising springs, streams, rivers, primary vegetation, fauna and natural processes that prove complete cycles of Nitrogen, Oxygen and Carbon, compatible with the balance of Nature. The distortion of the Brazilian Forest Code, promoted by the National Congress, and endorsed by President Dilma Rousseff, in July 2012, in the middle of the World Conference on Biodiversity, led to the acceleration of the loss of biodiversity in all Brazilian biomes, but especially in the Cerrado and Amazon biomes, more heavily devastated from then on. The numbers show this. It is important to highlight that the approval of the changes in the Brazilian Forest Code aimed to expand agribusiness and forgive the debts of large landowners for environmental crimes committed over the last 50 years, causing irreversible losses to biodiversity, including within indigenous lands and units. of conservation.

Contrary to what the defenders of these changes in legislation claimed, environmental crimes continued anyway, and this can be proven even by the Rural Environmental Registry, which unequivocally shows the presence of rural properties within conservation units and indigenous lands.

To analyze the impacts of agribusiness on the preservation of the Environment, we tabulated information from the Rural Environmental Registry (http://www.car.gov.br/#/). See, at the end of this article, the consolidated spreadsheet containing CAR data, referring to March 2018, totaled by federation unit and compared with information from Indigenous Lands (official website of FUNAI) and from Federal Conservation Units (official website of ICMBio). It should be noted that the first four Brazilian states with the largest area affected by agribusiness represent 52.36% of the entire territory of Brazil, with three of them located within the Legal Amazon (Amazonas, Pará and Mato Grosso), and the first two ( Amazonas and Pará) are located in the Amazon Forest (See the table with data from the Brazilian Forest Service at the end of this article, cited above).

Comparing the data from FUNAI and ICMBIO, we have, respectively, 116,900,565.36 hectares of indigenous lands and 75,016,301.91 hectares of federal conservation units. We consider that less than 20% of rural large estates comply with the legislation on legal reserves and permanent preservation areas, mainly in the Amazon, where, even according to the new Brazilian Forest Code, 80% of the areas of properties located in the Legal Amazon should be kept preserved as primary forest. This statement is true and verifiable through satellite images.

For Brazilian ecosystems it is necessary to treat biodiversity as continuous areas, comprising springs, streams, rivers, primary vegetation, fauna and natural processes that prove complete cycles of Nitrogen and Carbon, compatible with the balance of Nature. The distortion of the Brazilian Forest Code, promoted by the National Congress, and endorsed by President Dilma Rousseff, in July 2012, in the middle of the World Conference on Biodiversity, led to the acceleration of the loss of biodiversity in all Brazilian biomes, but especially in the Cerrado and Amazon biomes, more heavily devastated from then on.

The numbers show this. It is important to highlight that the approval of the changes in the Brazilian Forest Code aimed to expand agribusiness and forgive the debts of large landowners for environmental crimes committed over the last 50 years, causing irreversible losses to biodiversity, including within indigenous lands and units. of conservation. Contrary to what the defenders of these changes in legislation claimed, environmental crimes continued anyway, and this can be proven even by the Rural Environmental Registry, which unequivocally shows the presence of rural properties within conservation units and indigenous lands.

Follows Infographic produced by the Brazilian Forest Service25.

To analyze the impacts of agribusiness on the preservation of the Environment, we tabulated information from the Rural Environmental Registry (http://www.car.gov.br/#/). See, at the end of this article, the consolidated spreadsheet with data from the CAR – Rural Environmental Registry, referring to March 2018, totaled by federation unit and compared with information from Indigenous Lands (FUNAI official website) and from the Units of Federal Conservation (ICMBio’s official website).

Note that indigenous lands correspond to 13.75% of the national territory, but not all of them are reasonably preserved. In the last four decades, the devastation caused by agribusiness (which illegally leases areas within indigenous lands), by illegal logging (one of the main agents of degradation in the Amazon), by mining and mining, by the irresponsible proliferation of of INCRA, by the federal government, in the vicinity of indigenous lands and conservation units, and by large enterprises in the Amazon, mainly highways and hydroelectric plants, in addition to other subsidiary factors, such as the real estate boom that follows the trail of enterprises and highways, all of these factors caused (and continue to cause) the reduction of preserved areas, mainly in the states of Roraima, Rondônia, Acre, Mato Grosso, Tocantins, Pará and Maranhão (the Arch of Deforestation). Today, some ethnic groups, such as the Xavante peoples, are no longer able to live like their ancestors as a result of climate change, strongly accentuated by the influence of agribusiness, and the fires that occur annually in their territories and, in part, correspond to their culture and way of life, can no longer be controlled without severe impacts on native vegetation. The resilience of these territories begins to fail, accentuating the loss of biodiversity.

The illegal occupation of areas inside indigenous lands has caused not only environmental degradation, but also the reduction of indigenous populations without contact with our civilization26. The most critical cases are the isolated indigenous populations of the Amazon, on its western border (Vale do Javari, Boca do Acre and Alto Solimões), peoples severely threatened with extinction due to the constant harassment of loggers and prospectors within their territories, across borders. international and from our own country.

It should be noted that the first four Brazilian states with the largest area affected by agribusiness represent 52.36% of the entire territory of Brazil, with three of them located within the Legal Amazon (Amazonas, Pará and Mato Grosso), and the first two ( Amazonas and Pará) in the Amazon Forest (See the table with data from the Brazilian Forest Service at the end of this article, cited above).

When these figures are broken down into different groups of economic activity, it can be seen that the production of temporary crops represents 31.68% of agricultural production, while livestock represents 51.91% (70.18% of this only with livestock cattle), and permanent crops represent only 12.35% of the country’s agricultural production, which proves that the proposals for agroforestry units have not yet been incorporated by rural producers. It is worth noting that Embrapa calls “forests” the monocultures planted with eucalyptus, pine and other trees that do not belong to the national flora. Such “forests” do not fulfill the purpose of sustaining biodiversity, but only the production of wood, and that is why they are called “green desert”.

The predominance of male rural landowners is absolute in Brazil: 87.38% of ruralists are men. In the past, the countryside was populated by farming families. Another alarming fact is the level of education of rural landowners: 65% of rural landowners have incomplete primary education or are illiterate. Only 4.85% of rural landowners have a technical level or higher. This demonstrates that agribusiness did not bring prosperity to the countryside, but only wealth to large landowners. Small rural properties (farms and farms) continue to experience the same difficulties as at the beginning of the 20th century, which proves that agribusiness is the great concentrator of wealth among all existing means of production in Brazil.

About 25% of rural properties (in hectares) are located in Minas Gerais and São Paulo, and two thirds of rural properties (67%) are concentrated in seven states: MG, SP, RS, GO, BA, PR, MS . These numbers validate the evidence that agribusiness is the new profile of Brazilian agriculture, with the largest rural properties located in Amazonas, Pará and Mato Grosso, none of the three listed in the list above. There are about 255,000 rural producers without their own planting, cultivation or breeding area, that is, rural workers working as agricultural labor on someone else’s property.

Most (88.62%) of rural landowners live in the countryside or in the municipality they own. Among those who live far from their rural property, there are 3.39% of the owners, which corresponds to 13.50% of the entire Brazilian rural area, that is, large rural owners live far from the countryside.

About a third (31.57%) of rural properties represent less than one percent (0.79%) of the total area of ​​rural properties in Brazil. However, 0.37% of rural properties (above 2,500 hectares) correspond to about a third (31.41%) of the total area of ​​rural properties. Here, again, is evidence of the concentration of wealth produced by agribusiness, to the detriment of family farming.

The Production of temporary crops represent 31.68% of agricultural activities, while livestock corresponds to more than half (51.91%) of rural production. The raising of cattle alone represents 79.18% of the national livestock, occupying about 190 million hectares of the national territory (one ox per hectare). Animal husbandry alone accounts for almost 225 million hectares os agribusiness, with poultry farming accounting for 7.91% of this sector, with about 13.056 million tons in 201727.

It is worth noting that all primary export products are called commodities, that is, ores, soy, corn, rice, meat, sugar cane, oil, cotton, coffee, all of which are not processed by the industry. Commodities have a specific sector on the stock exchanges, as their prices vary according to the international market. This is further evidence that agribusiness has the objective of exporting its products, and not the domestic market, belying the advertisements that claim that agribusiness products supply Brazilians’ tables. Who feeds Brazil is family farming.

Impacts of Agribusiness on the Economy, Society and the Environment

Economy

Since the country chose to overvalue agribusiness as the predominant activity in the formation of the Gross Domestic Product, Industry has been relegated to the background, gradually losing its importance in the Brazilian economy. Favoring the countryside was reflected in the granting of subsidized credit, also affecting the balance of public accounts, and impacting the results of other sectors of the economy. Given its importance in the Brazilian GDP, Congress began to be commanded, in matters of interest to agribusiness, by a bench of deputies and senators, whose nickname “Ruralist” was not restricted to defending the interests of Agribusiness, but also to combating any actions whose occupants believed to go against such interests.

This included areas protected by indigenous populations, which were heavily fought and their fundamental rights violated, in favor of new concessions to those in power. The Environment also began to be relegated to the background whenever ruralists thought it harmed their interests. Proof of this occurred in July 2012, when the Brazilian Forest Code, one of the most advanced in the world, was de-characterized to allow large estates to advance against the Amazon and Cerrado, reducing permanent preservation areas, legal reserves and other concepts. fundamental to environmental conservation.

Subsidized loans granted to farmers, with interest far below any loan that other entrepreneurs could claim, were still not honored by borrowers and, to further favor such interests, the Federal Government and Congress created the REFIS – Special Regularization Program. tax28, theoretically, aimed at small and medium-sized companies, but which even favored large rural producers, to the detriment of the population.

Society

Programs aimed at improving the quality of life of the Brazilian rural population, such as Bolsa Família, Rural Credit for small family farmers, Rural Electrification, as well as other benefits created by the FHC government and improved by the PT governments, were gradually discarded to favor to agribusiness. Brazil started to live according to the Rural GDP.
While the country deepened in the political-institutional crisis, agribusiness prospered, for large producers. This process, which fed back into itself, deepened the already very serious gaps between social classes, concentrating on the wealthy classes, to the detriment of the less favored population. Brazilian society was induced to believe that agribusiness was the country’s salvation in the face of the world crisis. For the ruralists, everything was allowed, aggravating social conflicts and scrapping other sectors of the national economy.

Rede Globo, recipient of institutional favors from the CNA29, created and ran its own advertising campaign, inducing people to believe that ‘AGRO IS POP, AGRO IS TECH, AGRO IS EVERYTHING’! For months, this multimillion-dollar campaign, apparently without sponsors, has been broadcast on television, including in agribusiness all family production, which never had such subsidies that only the powerful, “friends of Rede Globo”, could have. Today, society, poor, uneducated, subordinate and humiliated, fully believes that, without agribusiness, Brazil would enter the worst recession in its history. And they don’t even realize that we’ve been in a recession since 2014.

Environment

The agribusiness production cycle has made this sector of the economy extremely demanding, demanding more and more territories to be dedicated to rural production. This unequivocal fact favored deforestation, and wood exploitation became a preliminary and indispensable element for the expansion of agribusiness. In this way, it could be said that “agribusiness” does not devastate the environment; it’s the lumber companies that do it!
These are the links in the same production chain: first, noble wood is extracted for illegal export; then the remaining forest is cut down and the wood is set on fire; finally, comes soy, cattle, cotton, corn, sugar cane… and this is how the forest is destroyed and new agribusiness fronts are implemented, which complete the work, exchanging the remaining forests for grain monoculture and extensive cattle raising.

C Quando não se encontra mais ouro, deixa-se um lago contaminado de mercúrio em seu lugar onclusions

A country’s economy comprises a diversity of production modes, which must be balanced with the availability of natural resources, to ensure the continuity of the Nation for our descendants. Take the example of oil-producing countries, and compare yourself with our situation. Oil, as an energy source, has its days numbered, as it is a finite, non-renewable resource. How will Middle Eastern countries survive when their reserves are exhausted, or when petroleum derivatives are replaced by alternative sources, with a lower impact on carbon production?

Brazil is privileged to have the largest continuous forest in the equatorial region. A forest rich in biodiversity, being the world’s largest reserve of drinking water, which is continuously recycled, thanks to the renewal process fed by the evaporation of the Atlantic Ocean, the evapotranspiration of the forest and the melting of the Andes, in addition to the aerial migration of immense amounts of sand from the Sahara desert, which replace the equivalent of soil washed away by the waters of the gigantic Amazon River, the largest in the world! We have another privilege: that of having one of the largest savannas in the world, the Cerrado, with a very rich and diversified vegetation, adapted to the rigorous climatic conditions, and which also contains one of the largest reserves of underground sources of the Guarani aquifer and other smaller ones, which they also supply the main Brazilian hydrographic basins, such as the Amazon, the Pantanal and the Paraguai River, the São Francisco River and the Paraná River, in addition to numerous rivers that flow into the Atlantic Ocean.

However, while the world prepares for the inevitable famine, which will result from global warming, Brazil wastes and squanders its natural reserves, selling ore to the world, selling grain to the world, selling meat to the world, and devastating our biggest natural riches. We are, so to speak, eliminating our almost infinite possibilities to prosper in favor of a minority of agribusiness aristocrats, composed of a social minority that dominated not only the country’s agricultural production, but also politics and the rest of society, hostage to its power of domination and its economic power.

The drastic reduction of the immense Amazon Forest will have irreversible impacts on the climate of South America, savannahizing a territory of more than six million square kilometers, which goes beyond our territorial limits, desertifying the Cerrado and the Pampas, and reducing our water reserves drinking water, making it impossible for our 200 million inhabitants to survive! Water will certainly be humanity’s greatest treasure, much more important than oil and minerals were in past times. The world population has tripled in less than a century, and is fast approaching ten billion human beings. Some will say that science will find the solution to water and food shortages. Others dream of spaceships that will migrate terrestrial elites to other planets in the Universe. But we will not escape the fate we are preparing for our children…

The amazing thing is that there are other alternatives! We don’t need to be the “breadbasket of the world”, nor supply the population with two hundred and twenty million head of cattle! We don’t need to deplete our mineral, water and biodiversity reserves to have a strong, powerful and happy nation… If Arabs and Jews can survive in deserts, desalinating sea water, why, with so much natural wealth, can we not the most powerful nation on this planet? Why devastate so much wealth?

It seems that the Brazilian people, uneducated and weak, do not realize that a minority is enslaving the population and enriching itself with the misery of more than forty million human beings… we. But ignorance is the origin of totalitarian systems. And Aristocracy is one of the forms of domination and power, a tyranny without perceptible violence, as it hides in the very forms of democracy. These powerful ones manipulate intellectuals, unscrupulous politicians and opportunistic researchers of science and technology for their own benefit, and deny the Nation and the destiny of our people… that we are victims, while they squander their wealth, even dominating the media! We are blind to the obvious!

There is, yes, an alternative… there are, in fact, many alternatives that necessarily imply the resumption of the destiny of the Nation by the people. Isn’t that how it is written in the Constitution of the Republic of Brazil? “All power emanates from the People, and in their name it will be exercised”! But it’s not true. All power is in the hands of minorities: Agribusiness, Rede Globo, the big Empreiteiras, the multinational mining companies, the Lumber companies, the rotten Politics, the Evangelicals… model of car, cell phone, tennis, computer, camera, watch… even if none of them is essential to conquer the greatest wealth of life: being happy! We look at our children and we want to put them in the richest school, take them to Disneyland, give them designer clothes, attend high-end clubs, teach them English, even if they don’t speak their own language. English is a “must” for the whole world! We want to take a vacation traveling abroad, even though we know very little about our own country! We want to buy Japanese electronics, even though our industry may evolve and compete with them, as China and Korea did! This is the so-called “mutt complex”! Yes, we are mutts, but they are the best dogs in the world, much friendlier than Hotweilers, Dobermans and PitBulls! We are ashamed of our mestizo race, with more than 300 very rich ethnicities, with their cultures, their folklores, their beliefs, their languages… and yet we accept that landowners and politicians discriminate against blacks, mulattos, mestizos, indigenous people…

After all, why are we so ignorant and slaves to these pseudo-aristocratic, pseudo-intellectual, pseudo-religious minorities? Why do we voluntarily submit to the exploitation and humiliation of these agribusiness feudal lords, stupidly accepting the statement by REDE GLOBO, that “AGRO IS POP, AGRO IS TECH, AGRO IS EVERYTHING”? Is there a more stupid, indecent and false statement? We cannot continue to be deceived by the Bolsonaros of life, by the Renans, Sarneys, Temers, Jucás, while our people go hungry, and we swallow dry, devouring FRIBOI meat (or are they free-boys?).

There is still time to save rivers, forests and their inhabitants, indigenous peoples, quilombolas, our mestizos and the Brazilian nation. But, for that, “you need to have strength, you need to have race, you need to always have greed”, as Ivan Lins used to say! We need the self-affirmation of our nationality and our character! We need to learn to choose the Right, the Just, the Ethical, the Worthy, the Path of Good and Equality. As long as we admit that the powerful are better, that corrupt politicians are inevitable, that the option for agribusiness and the stigma of “the breadbasket of the world” is the destiny of the Nation, there will be no possibility of changing our destiny, and our descendants will be condemned to live in misery, subjugated by the scum of this country! We do not need to produce 10 billion chickens for the world, nor keep an ox for every hectare of our land, while millions of human beings do not have a decent home, nor access to education for their children, not even basic sanitation, let alone healthy food on your table! Why feed the world if we don’t even feed our children?

There are alternatives far beyond agribusiness. Ernst Grötsch demonstrated this when he arrived in Brazil and bought 600 hectares of scorched earth and transformed it into a productive forest rich in biodiversity, in less than ten years! Permaculture demonstrated this, building mud houses and composting their own feces to transform family farming into something simple and cheap! Indigenous peoples demonstrated this by living for over ten thousand years without interference from invading whites, before being massacred by the colonists! The black slaves of Africa demonstrated this by surviving their tormentors, despite all the cruelty to which they were subjected, preserving their race, their culture, their language, their songs, their fantastic religions and their millenary traditions…

Fogo na floresta: é o primeiro alerta da devastação que já chegou

2017 Agricultural Census30

The 2017 Agro Census has so far identified 5,072,152 agricultural establishments in Brazil, covering a total area of ​​350,253,329 hectares. In relation to the 2006 Agricultural Census, this area grew by 5% (16.5 million hectares, equivalent to the area of ​​the state of Acre) despite a 2% reduction (103,484 units) in the number of establishments. However, when producers without an area are excluded, there is an increase of 74,864 establishments. It should also be noted that methodological differences contributed to the drop in the total number of producers without an area from 255,019 in 2006 to 76,671 in 2017.

Among establishments with 1,000 hectares or more, there was an increase both in number (3,287 more) and in area (16.3 million more hectares). Its share in the total area went from 45% to 47.5% from 2006 to 2017. As for establishments between 100 and 1000 ha, their share in the total area dropped from 33.8% to 32% (814,574 ha less) and had a decrease of 4,152 units.

As for the legal status of the land, the proportion of establishments on own land increased from 76.2% to 82%, but the share of these establishments in the total area decreased from 90.5% to 85.4%. The proportion of establishments with leased land fell from 6.5% in 2006 to 6.3% in 2017, although the participation of the modality in the total area has grown from 4.5% to 8.6%.

In 2017, there were 15,036,978 people employed in agricultural establishments. In 11 years, this represents a drop of 1.5 million people, including producers, their relatives, temporary and permanent workers. The average number of people employed per establishment also dropped from 3.2 people in 2006 to 3 people in 2017. In the opposite direction, the number of tractors grew 49.7% in the period and reached 1.22 million units. In 2017, around 734 thousand establishments used tractors.

It is also worth noting that 1,681,001 producers used pesticides in 2017, an increase of 20.4% compared to 2006. The use of irrigation also expanded, with an increase of 52% both in establishments (502,425) and in area (6,903,048 hectares). In addition, Internet access in agricultural establishments grew by 1,790.1%, from 75,000 in 2006 to 1,425,323 producers who declared having access in 2017.

About 15.5% of producers said they had never attended school and 79.1% did not go beyond elementary school. The participation of women and elderly people aged 65 and over in the management of establishments increased, reaching, respectively, 18.6% and 21.41%. In 2006, women represented 12.7% of producers and the elderly, 17.52%. In addition, for the first time, the Agro Census investigated the color or race of the producers: 52% of them were black or brown and 45% were white, a distribution similar to the population of the country, according to the PNAD Contínua 2017.

As can be seen in these numbers, in the last 11 years nothing has changed in the profile of the rural man, whose predominance reflects the absence of public policies aimed at the small farmer who supplies the Brazilian table, while agribusiness produces for export. The small farmer, the one who employs the whole family in the work in the field, remains semi-illiterate and with restricted access to sources of resources, while the monoculture and cattle large estates obtain subsidized credit, long terms for amortization and, when they do not honor their commitments, receive the benefit of debt refinancing programs with forgiveness of fines and new credits.

Something is very wrong with this model of development, which penalizes rural people and encourages large estates. While small farmers are a contingent of 4,500,000 families, agribusiness enriches around 100,000 entrepreneurs, heavily supplied with resources for the mechanization of their enterprises, increasingly reducing the labor employed in favor of exorbitant profits and privileged access to export channels for their products.

If the rural man makes farming his way of life, the agribusiness entrepreneur manages his latifundia aiming only at his profit and enrichment. As if this strategic inconsistency on the part of governments were not enough, agribusiness is most responsible for the environmental devastation in the Legal Amazon and the Brazilian Cerrado. Their farms are made up of monocultures, while the traditional farmer has diversified crops and creations, which do not affect so deeply the balance of the ecosystems in which he has been inserted since time immemorial.

What agribusinesses call agroforests are nothing more than extensive cattle breeding “intercropped” with eucalyptus plantations and other exotic species, which quickly deplete arable soils, contributing to environmental degradation. In early 20th century plantations there were large native forest areas, which protected springs, paths and water courses. But in today’s large estates there is no place for Nature, as every centimeter of soil has to justify its productive function, even at the expense of the accelerated impoverishment of the soil, which is “recovered” through intense loads of pesticides.

While the farmer used to rotate crops and raise animals, as do indigenous peoples, agribusiness simply abandons the areas devastated by him, and buys new properties with native vegetation to be, in turn, degraded. The farmer had love for his piece of land, but the landowner sees only a piece of land that will enrich his enterprise. This catastrophic vision cannot succeed, as the planet’s resources are limited. If this predatory process continues, the Earth will soon be just a lifeless desert…

Wasteland in the Amazon: logging and clay ovens to make charcoal: portrait of Brazil

Areas occupied by agribusiness and their percentage in relation to the national territory

CAR data – Rural Environmental Registry (March 2018)
Federation unityCAR Area (hectares)% Brazil% accumulated
Mato Grosso73.750.957,4418,15%18,15%
Pará56.575.309,5113,92%32,07%
Amazonas45.480.152,0111,19%43,26%
Minas Gerais36.951.398,099,09%52,36%
Goiás23.527.194,845,79%58,15%
São Paulo22.745.139,735,60%63,74%
Maranhão20.028.321,144,93%68,67%
Rio Grande do Sul17.230.690,364,24%72,91%
Paraná14.743.786,473,63%76,54%
Acre14.036.200,423,45%79,99%
Rondônia13.789.132,003,39%83,39%
Tocantins13.390.452,833,30%86,68%
Bahia12.282.265,173,02%89,71%
Piauí8.565.143,332,11%91,81%
Santa Catarina6.572.347,161,62%93,43%
Ceará3.946.039,740,97%94,40%
Pernambuco3.872.177,750,95%95,35%
Roraima3.717.985,680,91%96,27%
Amapá3.608.080,450,89%97,16%
Rio de Janeiro3.111.284,130,77%97,92%
Rio Grande do Norte2.310.692,760,57%98,49%
Paraíba1.969.874,150,48%98,98%
M:ato Grosso do Sul1.617.151,690,40%99,37%
Sergipe1.019.115,930,25%99,63%
Alagoas914.811,180,23%99,85%
Distrito Federal607.425,720,15%100,00%
TOTAL Brazil406.363.129,6947,79%850.280.588
CAR data May/2018 (*)448.319.25452,73%
Indigenous Lands116.900.565,3613,75%
Conservation units75.016.301,918,82%
(*) http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car – 5.1 million rural properties

1The Clean Record Law, in force since 2010, determines the ineligibility, for a period of eight years, of politicians impeached and/or convicted in criminal proceedings at second instance (collegiate)

2Drinking water represents less than 4% of all water on the earth’s surface, distributed between glaciers, underground aquifers and surface waters. More than 95% of the planet’s water is salty and found in the oceans.

3Edge effect is a change in the structure, composition and/or relative abundance of species in the marginal part of a forest fragment. Such an effect would be more intense in small and isolated fragments.

4Land grabbing is the process of falsifying documents to illegally take possession of vacant or third-party land. The term cricket was used because such documents were kept in drawers, together with which crickets (insects) were placed. Cricket droppings give documents an aging appearance.

5Gunmen bandits: they are professional assassins, financed by agribusiness and logging companies to drive squatters, indigenous people and settlers away from their lands.

6RENCA – “Reserva Nacional de Cobre e Associados” is an extensive mineral reserve located in the northeast of the Amazon, between the states of Pará and Amapá, with an area larger than Denmark. It is a Reserve, that is, it should be protected from exploitation, mainly by foreigners. But the National Congress almost managed to release it for exploration by Canadian companies, famous for being in all places where there are mineral reserves, from whatever country they are. The Amazon is rich in several ores that are highly coveted by the electronics industries, such as tantalite and niobium, which are abundant in the nearby region.

7Pindorama: The term comes from the Tupi pindó-rama or pindó-retama, “land/place/region of palm trees”. It is a designation for the mythical place of the Tupi-Guarani peoples, which would be a land free from evils. Archaeologists believe that the myth was formed at the time of the ancient migrations, when the Tupi-Guarani moved to the Brazilian coast, currently in the eastern region of South America. Several Tupi-Guarani groups inhabited the region until the “invasion of Pindorama”, better known as the “discovery of Brazil” (Source: Wikipedia)

8Environment: this expression is relatively recent, as is the current concern to preserve it. Its meaning is diffuse, as it supports different interpretations and scopes. We can say, however, that the “environment” comprises the whole set of natural factors affected by human presence, because, in its absence, such a microcosm simply does not differ. Therefore, “environment” comprises the set of natural resources (physical, chemical and biological) in the surroundings of a geographic area that is intended to be studied.

9Land “dates”, as well as “land floors” or “sesmarias floors”, were synonyms for small lots, usually granted by municipal councils as “urban sesmarias”.

10Laudêmio is a tax on the market value or the transaction value of the property to be paid when there is an onerous transaction with definitive deed of occupation rights, or land tenure, such as land owned by the Navy, the Catholic Church or the imperial family, not being, therefore, in legal terms, a tax, or tribute.

11Golden Law (Lei Áurea): Princess Isabel signed the law that ended slavery on May 13, 1888. “Aurea“, which means “golden”, refers to the glorious character of the law that put an end to this inhuman form of exploitation. from work.

12The “Entradas e Bandeiras” were territorial exploration expeditions that took place in Colonial Brazil between the 17th and 18th centuries. The “Entries” were official expeditions (organized by the government) that left the coast towards the interior of Brazil. The “Bandeiras” were expeditions organized and financed by individuals, mainly from São Paulo. They departed from São Paulo and São Vicente mainly, heading for the central-west and south regions of Brazil.

13João Fernandes Campos Café Filho was a Brazilian lawyer and politician, being president of Brazil between August 24, 1954 and November 8, 1955.

14Carlos Coimbra da Luz was a Brazilian lawyer, professor, journalist and politician, President of the Republic from November 8 to 11, 1955.

15Nereu de Oliveira Ramos was a Brazilian lawyer and politician. He was vice president of Brazil, elected by the National Congress, from 1946 to 1951. On November 11, 1955, when then president Carlos Luz was deposed, Nereu Ramos assumed the presidency of the Republic since, in the absence of the vice president, the role fell to the vice president of the Senate. When the definitive removal of Café Filho, of whom Carlos Luz was vice-president, was declared, the Chamber of Deputies voted in favor of Nereu Ramos as president until Juscelino Kubitschek took office.

16Goal Plan: “Fifty years of progress in five years of achievements”.

17First lady Sarah Kubitschek, who died at age 87, was buried on February 5, 1996, at 5 pm, at Campo da Esperança cemetery, in Brasília. She left two daughters, Márcia and Maristela.

18Jânio da Silva Quadros nasceu em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, no dia 25 de janeiro de 1917. Foi advogado, professor e político brasileiro. Foi o vigésimo segundo presidente do Brasil, entre 31 de janeiro de 1961 e 25 de agosto de 1961, data em que renunciou. Faleceu em São Paulo, em 16 de fevereiro de 1992, com 75 anos.

19Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Médici, Ernesto Geisel and João Batista Figueiredo, not counting the Military Junta of 1969. It was composed of the three military ministers: General Aurélio de Lira Tavares, Minister of the Army; Admiral Augusto Rademaker, Minister of the Navy; and Brigadier Márcio Melo, Minister of Aeronautics.

20Sir Auguste Marie François Xavier Comte was a French philosopher, founder of Sociology and Positivism, who worked intensively in the creation of a positive philosophy. (Source: Wikipedia)

21Martin Heidegger (September 26, 1889 Meßkirch – May 26, 1976) was a German philosopher, writer, university professor and rector. He is seen as the link between Kierkegaard’s existentialism and Husserl’s phenomenology. His main concern was to elaborate an analysis of existence, that is, to clarify the true meaning of being. Heidegger joined the Nazi party (NSDAP) on May 1, 1933 (the year Adolf Hitler came to power), and was later appointed rector of the University of Freiburg, delivering the speech The Self-Affirmation of the German University. However, shortly afterwards he resigned from the position of rector, being pressured by other professors at the university, who were trying to boycott the Nazi Party to which Heidegger lent his credibility. (Source: Wikipedia)

22Projeto Jari (Jari Florestal e Agropecuária) is the name of a factory built on the banks of the Jari River, for the production of cellulose and other products, which began in 1967. The project was conceived by the North American billionaire Daniel Keith Ludwig and his partner Joaquim Nunes Almeida. He ordered the construction of a pulp mill in Japan, in the city of Kobe, using Finnish technology from the city of Tampere, with two floating platforms, one for pulp production and the other for energy production. The power unit produced 55 megawatts and was powered by petroleum-based BPF oil with an option to consume wood chips.

23http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car – Cadastro Ambiental Rural

24“Almost 65% of the territory of MT is conserved”, says a study by Embrapa – https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/25604479/quase-65-do-territorio-de-mt -and-conserved-says-embrapa-study – “Study by Embrapa Monitoring by Satellite shows that 64.77% of the territory of Mato Grosso is constituted by protected areas (conservation units and indigenous lands) and preserved. The remaining area is occupied by natural pastures (3.03%), planted pastures (21.52%), agriculture (10.39%) and urban areas (0.30%)”. The mapping was presented by the researcher and general head of the Unit, Evaristo de Miranda, during the Aprosoja – Sustainability event, organized by the Soy and Corn Producers Association of the State of Mato Grosso.

25It should be noted that the registered area is greater than the registerable area, evidencing the presence of rural properties within indigenous lands, conservation units, legal reserves and permanent preservation areas, in addition to the occupation of vacant Union lands. The irrational occupation of Brazilian territory is being evidenced by property records in the Rural Environmental Registry. This is even more evident when looking at the figures for the North region: of the 93.7 million hectares that can be registered, 137.6 million hectares are already registered, which would only be justified by the overlapping of properties in the Rural Environmental Registry system.

26Isolated Indians are populations that have no contact with the surrounding society and, thanks to this, they preserve their traditional way of life, living only from hunting, fishing and gathering nuts, roots, fruits, herbs and tubers. There are dozens of small groups throughout the Legal Amazon, under serious risk of extinction.

27Fonte: Agência Brasil http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-12/producao-de-carne-de-frango-e-de-porco-aumenta-em-2017-diz-abpa

28In January 2018, President Temer sanctioned Law No. 13,606, creating a REFIS to pay in installments estimated debts of R$17 billion with Funrural, and the adhesion period was extended by Provisional Measure No. 828, until May 30, 2018. Source: Valor Econômico newspaper (https://www.valor.com.br/brasil/5533863/auditores-da-receita-vao-justica-federal-contra-refis-do-agronegocio). According to the Association of Tax Auditors, the program involves an estimated revenue waiver of R$15.22 billion between 2018 and 2020.

29Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil, class entity composed of large landowners in the country. The CNA System is composed of three entities: the Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil (CNA), which represents small, medium and large Brazilian rural producers, the National Rural Apprenticeship Service (SENAR) which acts as an instrument for Rural Professional Training and Social Promotion and quality of life for rural men and women, and the CNA Institute, which develops studies and research in the social area and agribusiness. Confederation of Agriculture and Livestock of Brazil (CNA) is responsible for bringing together political and rural associations and leaders across the country. President: João Martins da Silva Junior – Graduated in Business Administration, João Martins da Silva Junior has a professional trajectory linked to livestock activity for over 50 years. This story began in the generation before him, when João Martins, his father, a rancher, slaughtered oxen to supply Salvador in the 1930s. In the 1965s, he established himself as a rancher and milk producer at Fazenda Grande Vista. , in Feira de Santana, in the interior of Bahia, owned by Agropecuária João Martins S/A, of which he was director. Source: institutional website of the entity – (https://www.cnabrasil.org.br/sobre-cna/apresentacao)

30IBGE: Censo Agropecuário 2017: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/

Anhumas… meu lugar além…

Não esperes, de mim, palavras doces…

E Ele me disse, na escuridão de meus ouvidos:

“De que reclamas, se, em tua vida, realizastes mais do que a maioria dos mortais?”

E insiste, enfático:

“O que esperas de mim, se, convicto, me negastes durante teus curtos dias nesta Terra, espaço inútil, a quem amas mais intensamente do que àquele que te criou e concebeu?”

Mas eu, no mais obscuro silêncio dos recônditos esconderijos de minh’alma, ouso responder:

“Jamais reclamo, pois sei que, de minha efêmera existência, nada levo, tampouco nada deixo para trás; sequer saberia dizer para onde se destinam as almas, se existem, quando a vida deixam para trás…”

E, entusiasmado com a retórica de minha inaudita afirmação, prossigo, irreverente:

“Se Tu existes somente na imaginação dos homens, a cada um mostrando a outra face – não a Tua – por que iludes assim a humanidade, crente em recompensas que nem mesmo o silêncio das eternas moradas as revelará, ainda que muitos afirmem tê-las visto, vagamente, na penumbra da quase-morte do infinito renascer matutino, reverberando em suas próprias construções mentais?”

Prossigo, ainda, insistente, em minhas confabulações inúteis:

“Onde estão aqueles que doaram suas vidas a causas iníquas, se Tua Sabedoria Universal afirma a efemeridade de tudo o que existe, existiu ou virá a ser, um dia, neste transitório mundo dos homens?

Finalmente, satisfeito com minha argumentação vazia, lanço meu veredito:

“Se confabulo com o Inexistente, mas apenas meus pensamentos ouço em derredor, onde estaria, enfim, o derradeiro Reino que escreveste em todos os Livros Sagrados, em diferentes línguas, em variadas metáforas e parábolas, em artimanhas do pensamento, que só os homens, em suas manifestações terrenas acreditam compreender? Onde estaria, afinal, Tua Morada, ainda que não fosse, tão-somente, outra das inesgotáveis armadilhas construídas pela imaginação humana?”

“Não esperes, de mim, palavras doces, daquelas que escutastes dos poetas, dos amantes nas alcovas, a prometer, em versos, o seu amor eterno, e a esquecê-las, céleres, ao amanhecer!”

“Não creias, pois, nos pensamentos que vazam, aos borbotões, nas frases que se despejam, sem cessar, dos textos que publico, na intenção não manifesta de iludir os meus leitores, ao afirmar a ilusão da própria vida, em suas manifestações inesgotáveis, neste eterno alvorecer.”

Não o faço, porém, com a má-fé dos “pastores de alma”, que encontram, em palavras vãs e sibilinas, a provável indicação do eterno Reino daquele que, tendo sido o “Criador das criaturas”, delas não fez um ser perfeito, deixando, a cada um, a missão improvável de resgatar a alma impecável que existiria, supostamente, na obscuridade do futuro, desconhecido e cruel.

Apenas creio saber, no âmago de meu ser, que tudo o que fizemos e deixamos para trás, no ocaso de nossos dias terrenos, de nada servirá para salvar a humanidade, nascida órfã e deixada aqui, abandonada “neste vale de lágrimas”, a padecer eternamente, enquanto vivos.

Não esperes, de mim, palavras doces, mensagens de conforto ou de consolo, pois, na tumba em que repousará o teu cadáver, serás apenas, e tão-somente, alimento aos vermes… nada mais.

Dane-se o mundo!

Amo alguém que não existe
Não sou quem eu penso ser
Acredito no Absurdo
Confio na Solidão
Escuto o que não ouço
Sigo os passos do Oculto
Vejo tudo na escuridão

Sei que são Assombrações
Nada além da Imaginação
Fico cego na Evidência
Sou ninguém, sou traiçoeiro
Inimigo da Razão
Minha senda é a Sedução

Mas não cedo à tentação
De ser apenas apático
De confiar na Justiça
Na Bondade, na Ilusão
Sou apenas prisioneiro
Do óbvio, da contradição

Renuncio ao meu direito
De ser o beneficiário
De ser somente cidadão
De ser apenas cordato
Na vida que se apresenta
Nesse mundo de ilusão

Enquanto tudo se esgarça
Em vaidades, miséria, esbórnia
Em ambição desvairada
Enquanto poucos se fartam
Da mesquinhez do mundo cão

Sou um simples marginal
Desse mundo desigual
Luto só por ideal
Supondo até ser possível
Um universo real
Onde primam a Justiça, o Bem e a Bondade

E o Amor sem compromisso
E a Vida só, sem maldade

Mas tudo isso é bobagem
De um pensamento pagão

Afinal, somos apenas loucos
De confiar na suposição
De que além desta vida
Existe a compensação
De tamanho sofrimento
Por um Paraíso de Amor
De Paz e de Compreensão

No fundo… tudo e tão-somente
São os frutos da Ilusão!

Andrajos

Da ponta fina e sutil escorre meu pensamento:
Ora, em profunda tristeza, ora, pleno em alegria.

Seria, a tinta, o humor, o sangue de nossas vidas?
Quem alterna o sentimento, da dor à melancolia?
Quem, da mão, faz sua escrava, levando à mente a vontade,
Calando, em si, o desejo, recompondo a harmonia?…

Seria, enfim, ao contrário, apenas por ironia,
Que a vida se originasse da folha em branco e vazia?

Assim, por mero capricho, rabisco esta poesia,
Que nada diz, na verdade, pois nada me restaria,
Senão silêncio e saudade, senão andrajos de amor…

Dinorah

Por ti compadecemos, impotentes, mãe querida,
Sem conhecer-te os sonhos… sem compreender-te a dor…
E de tal modo nos acostumamos com tua breve partida
Que jamais soubemos onde guardavas tanto amor…

Suave, serena e forte, tua chama delicada conduzias…
E enquanto o sofrimento ocultavas no silêncio dos teus dias,
Teu pequenino corpo pressentia o iminente desenlace
Sem uma lágrima sequer jamais verter em tua face.

Valente e decidida, optaste por permanecer presente
Quando a vida, ao teu redor, já perdera todo encanto,
Na escuridão dos dias infinitos, em seu estar silente,
A nos dar o teu carinho… a nos esconder teu pranto…

E agora, que nos deixaste sem o teu calor,
Completamente sós… desamparados… tristes…
A lamentar tua ausência… a compreender tua dor…
O que nos resta é lamentar, calados… e murmurar silentes:

Ah… Dinorah… que falta sentiremos no resto dessa vida!…

Madrasta Solidão

Vejo-a com meus olhos de menino
Encantado por sua dedicação
E nada fiz por merecê-la
Simplesmente existi

Vejo-me pelos seus olhos pequeninos
Embaciados pela vida que passou
E nada fiz por recompensá-la
Pois só cuidei de mim

Enclausurada em sua solidão sem fim
Não a encontro mais perto de mim
E nada posso fazer por revivê-la
Senão fechar os olhos

…e adormecer também…

Estranha Cidade

Não pertenço mais a esta cidade
Mas algo me traz de volta aqui
Venho apenas para reviver
Os sonhos que algures deixei

Meu pai talvez soubesse a razão
Porém, ele se foi e me deixou vazio
Levou consigo nosso castelo de ilusão
E me escondi em outros pesadelos

Entreguei-me ao prazer de conduzir
Almas, seres humanos, gente como eu
Perdidos nas incertezas do amanhecer

Mas não existe Amanhã no Ser…
Por isso, talvez, perambulei por aí
Buscando, quem sabe qual motivo
Para perseverar, ainda que disperso
Em pensamentos que não são meus

Como posso refletir se já não tenho paz?
E, no entanto, continuo aqui…

Amazônia

Estranho mundo perdido no passado
Entristecida gente deixada no caminho
Inebriada pelo falso brilho da civilização

Não são brancos, pardos, negros, índios…
São só caboclos, despidos de identidade

Chamam-se ingenuamente de parentes
Como a dispersar assim as desavenças
Deixadas pela dominação caucasiana

Gente sem passado, cantam suas ilusões
Fingem preservar, assim, as tradições

Mas elas não existem mais… se foram…
E não haverá quem as resgate do passado
E viverão assim na eternidade que não há…

Sem Destino

Quisera não compreender a realidade
Iludir-me, como o fazem os demais
Fingir que ainda acredito na humanidade
Que ainda existem esperanças nesta vida

Mas não sou assim: perdi a ingenuidade
E sei que um dia tudo encontrará seu fim
E que não é possível salvar este planeta

Porém, já terei ido quando isso acontecer
E o mundo se ocultará de vez nas trevas
E os homens padecerão os seus pecados
Pagando o preço do desprezo pela vida

E não haverá mais florestas, flores, animais
E o que restará serão somente os desertos

Mas, ainda assim, existirão os homens
Enclausurados em seu planeta morto
E chamarão a isso o Grande Progresso
E cultuarão suas próprias invenções
Sem perceber que nada valem de per si

Talvez migrem até para outros mundos
Colonizando escravos, destruindo tudo
Como fizeram por milênios por aqui

Talvez apenas desapareçam, um dia
Sem deixar rastros, nem lembranças
E se reintegrem ao pó da Eternidade…

Sons Inesquecíveis

Ouço o silêncio obscuro de meu interior
Que os sons deste mundo já não ouço mais
Parecem-me ruídos, gritos esganiçados,
Ofendem meus ouvidos já cansados

Ouço o som do Universo ao meu redor
Meu pai diria: “ouça o som das esferas”
E vejo os mundos a rodopiar nos céus
E o brilho inconfundível desses astros
E o som inaudível da luz cortando o éter

Ouço o murmúrio das águas pelas pedras
E sinto a paz que já não existe mais

Ouço o burburinho das crianças
Algazarra feliz, descontraída e bela
Cantigas ancestrais trazidas da lembrança
Bailam em roda, despreocupadamente
Ainda não perderam a pureza dos anjos
Nem se tornaram perversas como os pais

Ouço o farfalhar das folhas na floresta
E o sublime cantar dos passarinhos
A chamar suas fêmeas, a tecer seus ninhos
Percebo a sombra dos grandes animais
E suponho suas vozes, a rugir, medonhos…
A espantar inimigos… a impor domínios…
Apenas sons imaginários… nada mais

Tempo demais!

Busco os limites de meus infortúnios

Nos atos, nos pensamentos, nas palavras…

Na solidão que me cala e consente,

Na angústia de não ser presente…

Procuro, na vida que me resta,

Um motivo, uma razão, uma vontade

Que seja, para perseverar e crer…

Para prosseguir, mesmo contra a razão.

Porém, minhas mazelas são pequenas,

Meus limites são restritos, fracos…

Meus propósitos, mesquinhos,

Ao menos aos olhos da realidade…

E o caminho que percebo é enorme!

Tempo demais para percorrer,

Antes que o desejo se acabe,

Antes que o fim se alcance…

Oração do Velho Chico

Senhor, fazei-me instrumento de vossa generosidade!

Onde houver Seca, que eu espalhe Águas da Fertilidade!
Onde houver Miséria, que eu distribua a Fartura das Colheitas!
Onde houver Sertão, que eu me torne o Mar da Vida!
Onde houver Trevas, que eu conceda Energia e Luz!
Onde houver Isolamento, que eu mostre Caminhos da Integração!
Onde houver Fome, que eu abasteça de Água as Plantações!
Onde houver Discórdia, que eu seja Reencontro e Harmonia!

Que meus braços se estendam e se multipliquem pela transposição de meus domínios, levando ao Sertão e ao Agreste a transpiração de minhas águas férteis, para que…

…onde houver Desespero, que eu seja a Esperança!

Sentimento Estranho

Estranha sensação que me envolve e cala,
Desejo incontido e mudo neste chamado inútil…
Secreto sentimento na mensagem cifrada,
Entendimento cego que amedronta e mata…

Há um engasgo em meu peito… um soluço rouco,
Receio de mim mesmo – desvario ou sonho?
Pesadelo recorrente, a me levar desperto,
Temor apavorante de acordar sozinho…

E me perceber silente, desfalecido, exangüe,
O pulso inerte, o peito ocluso e meu olhar sem luz,
E a sensação confusa de me saber ausente,
E a consciência inconsolada, a consumir meu ser…

Em meu entorno, a noite: negra, eterna e fria,
Em mim, alma apartada, a solidão perene,
E a certeza atordoante de meu destino, enfim,
Saber constrangedor de não estar aqui…

A uma criança abençoada…

Pequenino ser que, aos poucos, se transforma e encanta,
Tornando viva a primordial semente do amor que o gerou…

Que lhe reserva a Vida, minha criança? ouso lhe perguntar, silente.
E ouço o som de um coração que pulsa, intenso, de esperança!

Em sua mente ainda não germina a dor e o sofrimento…
Tampouco crescem virtudes e mazelas desta humana Terra…

Qual será o seu destino, enfim? insisto em indagar, perplexo…
E, novamente, apenas o coração responde com seu eco forte.

Pois, sim, uma criança ainda em formação no seu materno ventre
Não sabe o mundo que herdará dos pais que hoje nos tornamos…

Portanto, às indagações alguém responderá, enternecido e breve:
De nós terás a “natureza morta” ou a indescritível beleza preservada!

Assim, meu neto, querido ser tão esperado, busco fazer minha parte,
Retribuindo o que restou da herança recebida de meus ancestrais…

E sei que o tempo, célere, exige, de cada um, o esforço extremo
Por retratar-nos do mal que praticamos ao devastar o Paraíso Eterno!

Vem, neto querido, ajude a compreender essa fundamental missão:
Que haja, na Terra Prometida, mais bondade, empenho e caridade!

Que venham a nós crianças abençoadas pelos desígnios do Bem!
E possam, nossos filhos, resgatar, do caos, o Shangrilá perdido…

Nicolas, meu netinho, benvindo às infinitas belezas desse mundo,
E lute por cultivar virtudes, a despeito do mal que não se esconde…

Essa é a lei do Bem e da Verdade, que espero ver cumprir, um dia:
Em lugar do vale de lágrimas que religiões terrenas nos legaram,
Apenas Luz, a indicar a estrada que o mundo desconhece…

Tédio

Falares desnecessários…
Dèja vu… tudo me parece igual…
Até os latidos dos cães!
… a monotonia das feições…
… os pensamentos…
ROTINA!!!!

Quem disse isso?
Silêncio dentro de mim…

Latidos desnecessários…
Dèja vu… tudo me parece igual…
Até os falares dos mortos!
… a monotonia dos pensamentos…
… as feições…
ROTINA!!!!

Quem disse isso?
Silêncio dentro de mim…

Acordar… para que?

Anhumas

Algum lugar além… Onde estás? Anhumas…
Abismo de meu ser… Quem verás? Nenhumas?!!!
Mergulho em tuas entranhas, estranhas catedrais,
Calcáreas formações… Anhumas! Anhumas!

Resvalo em teu silêncio, perdido em solidão…
Milênios de brancuras, inculta expressão
De um eterno adormecer…

Profundas sutilezas revelam tuas fendas.
Caminho em tuas sendas em busca de um alguém.
Algumas ilusões perduram sem razão.
Onde estás? Talvez em algum lugar: Anhumas!

Desconsolo

Se a dor da vida me enfraquece e cala,
O que fazer de toda essa emoção contida?
Por que me foi negado o fim da história,
Se os erros meus se sublimaram nesta solidão perdida?

E aqui me encontro, novamente, em prantos,
Por não poder manifestar minha paixão sofrida…
E as horas passam numa angustiada espera,
Que não se encerra, a alimentar a ilusão sentida.

E você segue seu caminho, sem me ver ao lado,
A recolher migalhas de seu coração partido…
Desconsolado, já nem mesmo me incomodo
Em disfarçar tamanha humilhação vivida…

E me entrego, enfim, a essa triste sina,
A confundir a imaginação… e a verdadeira Vida!

Angústia

Por que me seduziste novamente
Se negas teu amor, sem compaixão?
Meu peito aperta angustiosamente,
Dilacerado em dor e solidão…

Se, ontem, fui feliz, por um momento,
Inebriado em sonho e ilusão,
Agora, recompõe-se o meu tormento,
Abandonado e só, sem compreensão.

Não tenho teu carinho, nem afeto,
Nem sei por onde estás, meu coração…
A trama de Pierrot eu interpreto,
Calado o grito mudo da paixão.

E, mesmo procurando ser discreto,
Confesso minha culpa, e estendo a mão…

Luna Llena

Escotilha iluminada

Na infinita ausência de luz…

Assim te vejo, Lua,

Passagem entre Universos,

Boca de um cone

A se perder na ignorância do Ser…

Não existes,

Senão na imaginação dos amantes,

Ou nas pegadas dos astronautas,

Derradeiros visitantes do passado…

Ambos extintos

Pela absoluta abstinência da Paixão…

Desencontro

Teus olhos ao alcance dos meus olhos,
Tuas mãos, quase ao calor de minhas mãos,
Teus lábios a murmurar em meus ouvidos,
Meus lábios a ansiar os lábios teus…

Ali, quase a tocar-nos, tua ausência…
Parte de um sentimento se perdeu…
Constrangidos pensamentos que vagueiam
No silêncio de um desejo apenas meu.

E a noite se arrastando pela vida,
E o tempo a se perder em meus sentidos,
Minh’alma a reclamar tua presença,
Teu corpo a recusar minha paixão…

Viver é…

Viver é superar os seus temores,
É entregar-se a vinte mil amores,
E descobrir-se só…

Viver é enfrentar os riscos desmedidos,
É renegar seus ritos mais antigos,
E reduzir-se a pó…

Viver é mergulhar na mais profunda solidão,
Expor-se aos perigos de mais uma ilusão,
E sublimar-se em dor…

Viver é sentir-se ensandecido,
Abandonar-se ao mais desconhecido,
E perceber-se nu…

Viver é quase nunca dizer “não”,
Ao ser amado entregar sua paixão,
E desdenhar seu dó…

Viver é nunca mais deixar de partir,
Ao seu passado só saber sorrir,
E, novamente, descobrir-se só…

Imaginação

Tenho-te em minha memória,
Tão real, tão perfeita,
Que, às vezes, pego-me a falar sozinho…
A abraçar meus pensamentos,
Como se vida fossem…

Mas não há vida na imaginação…
Apenas lapsos de emoção desperdiçada,
Fragmentos de sensações
Em um mosaico abandonado…

Mesmo assim,
Apego-me a esses frangalhos
Como um náufrago
Aos destroços de sua embarcação…

E sigo, então, o meu caminho,
A preservar meus sonhos…

Miragem

A luz se refletiu em teu sorriso
E encantou meus pensamentos.

Teus lábios, face, corpo, num momento,
Tornaram-se a visão do paraíso…

Por isso, em vida e sonho, só em ti penso,
Extasiado diante da delicadeza,
Alma, forma e Ser, pura beleza,
Razão maior de um amor intenso…

Sentimento que me arrebata
E se propaga em minhas veias num instante,
A despertar desejos…
A reviver motivos…
A preencher meus olhos…
A enrubescer-me a face…
A apaixonar meu coração!

Tênue esperança

Você surgiu assim, feito um encanto,
Que se desfaz em sonho, ao despertar.

E não se explica, em mim, tão simplesmente,
Miragem a se esvair na areia de meus olhos,
Tremeluzente instante na eternidade do passado…

E somente ele (o passado) existe,
Além da própria imaginação…

Alento a nos manter despertos,
Na frágil esperança de enriquecer a história
De tão pequeno e insignificante caminhar…

Inquietude

Vivo por contestar.
E por que não ser assim?
Aos acomodados, a cotidiana vida!

Nos extremos encontro a seiva que me alimenta e provoca. Nas nuances e sutilezas busco as diferenças da monotonia das recorrências que me sufocam a alma.

Vivo por divergir.
Por que calar-me?

Aceitar a opinião corrente das mesmices e do tédio asfixiante é reconhecer-se morto… Eternamente… Tento observar sempre o lado oculto das objetivas (subjetivas?), captando o que fugiu de minha retina… Sorrateiramente…

Fujo das maiorias massificantes, espécie mórbida de velório das multidões saciadas do medíocre prazer da estabilidade e do sossego.

Salto os capítulos da novela desta vida, onde os cenários já montados dispersam a consciência e a atenção dos transeuntes seres dessa terra.

Persigo a ansiedade irrequieta e instável do efêmero instante em que a ave pousa, o galho cede, a cobra salta de um só bote, e o mundo estremece de pavor diante do desconhecido e do incerto, da impossível paz que não se sustenta no improvável acerto de contas do Ser com seu passado tão comprometido…

Anseio pelo delirante êxtase do vir a ser que não se consuma no presente, pois, só assim, é possível Viver!

(des) conforto

Como saber se ainda estou desperto
Se as sombras de meus pesadelos ofuscam o meu entendimento?

Meus olhos permanecem abertos,
Filtrando as luzes matinais que jorram das janelas.

Meu ser incerto mergulha no infinito,
Perdido em labirintos de tantos pensamentos.

Meu corpo extático, esquecido,
Sem alma dentro, ou alguma finalidade pouca que eu perceba…

A vida segue, no entanto, ao derredor,
Pulsando, célere, nas veias abertas da cidade que eu detesto.

E nada há, além do firmamento,
Somente a morte, a me espreitar, dolente,
Sabendo ser este o meu destino, finalmente.

Trilhas Urbanas

Asfalto não se demarca, como uma trilha no mato. Porém, entre os desfiladeiros dos prédios enfileirados, quase dá prá perceber o rastro dos andarilhos, dos carros desatinados.

A pressa é tanta e tamanha que passa tudo de lado: retratos no outdoor, garotos esfaimados, os postes, fios e bueiros, o cheiro desagradável, garotas bem maquiadas nas calçadas, nas esquinas, buzinas desenfreadas, e mesmo os malabares jogando fogo pro alto.

Seguem o mesmo trajeto nos carros, metrô e ônibus, a pé ou de bicicleta, deixando, sempre, prá trás, o tempo desperdiçado. Quase dá prá perceber o zumbir dos pensamentos cruzando nos cruzamentos das ruas e avenidas desta cidade encantada.

Os seres nem se desculpam pela grita e a freada, pelo puro esquecimento de um gesto ou uma risada.

Seguem cegos, os autômatos, como bois numa manada, sem mesmo deixar registro dos rastros pela estrada. Às vezes, nem se apercebem que chegam a seu destino, e prolongam mais um pouco o correr e o desatino, até mesmo prá passar outro louco no caminho.

Repetem, dia após dia, os pensamentos passados, como reza ou a desdita gravada fundo na alma. Com os pés, ou com o solado de seus carros importados, vão deixando para trás os espaços percorridos, pedaços já esquecidos das trilhas não demarcadas.

É curioso, no entanto, o destino desse povo, que rumina, sem parar, suas desgraças e tristezas, mas se esquecem, com certeza, que alienam suas vidas em troca do dissabor. Dia após dia repetem as urbanas trilhas da dor, sentimento tão presente em seres desconhecidos, que agridem, gritam e clamam, sem perceber a razão.

Percorrem o mesmo caminho, trilhas urbanas, visíveis apenas aos que conseguem parar o tempo e o espaço, observando a demência de tantos desesperados.

Ao fim do dia, cansados da longa jornada de stress, retornam pelas travessas da cidade em desalinho, das longas filas de espera, mil buzinas no caminho, a relembrar, incessantes, que a vida desenfreada vai se tornar o destino dos seres desenganados a viver sem esperanças de, um dia, enfim, se livrarem dessas trilhas intermináveis, urbanas e delirantes.

Ao final de uma semana, exaustos e desgastados, buscam, nos parques e praças, novas trilhas a seguir, a recompor suas forças para enfrentar, novamente, o mundo em competição. E lá, no verde do espaço dos terrenos confinados, mal percebem as belezas dos lagos, repletos de pássaros, a viver, despreocupados.

Em vez disso, outra vez, seguem as trilhas urbanas dos seres desencantados, a caminhar, desgastados, arfando, angustiados, a mostrar os seus semblantes perdidos, desconfiados, percorrendo, pelo asfalto, os trechos bem demarcados dos caminhos verdejantes.

Contam, nos passos marcados, seu caminhar compassado, olhando, a cada instante, o relógio intolerante, a ditar seu infortúnio de escravo alforriado, que não sabe desfrutar a vida em liberdade, e lutam por preservar as correntes, as amarras, que reduzem sua mente ao silêncio e à escuridão.

Trilhas urbanas os levam à pobre meditação, ao pensamento corrente, à tristeza e à solidão.

Paixão

De tuas vestes me desfaço…

…e me refaço em ti…

Sob tua pele alva me agasalho…

…e me incorporo a ti…

Pelos teus olhos me observo, imerso na imensidão azul de teu ser encantador…

Pelos teus lábios doces me embriago, manifestando minha paixão por ti!

E nos teus pensamentos – que são meus – me reconheço…

E nos tornamos UM…

…e Marx tinha razão…

A Vida não leva a nada,
Senão à Morte!

Não há Sorte, nem recompensas:
Promessas de Vida Eterna
Só foram boas para tua Igreja
E para o teu Patrão!

Pois quem suportaria tal privação,
Se não houvesse um Paraíso a lhe esperar?

Mas não te iludas,
Teu sacrifício foi mesmo em vão!

Teu dízimo e teu rosário,
Tuas rezas, tuas promessas,
O relicário… o Santuário…
As missas, a procissão,
São pantomimas
A disfarçar tua infinita Solidão!
Por isso, eu te esconjuro,
Meu caro Irmão!

IndigNação

Perdeste, de nós, o respeito, Pátria minha,
Mãe tão pouco gentil…
Terra em que tudo se dá,
Fecundada a bem só de poucos,
Estuprada de má semente,
Parida na escuridão!…

Indigna é essa Nação
De cabisbaixa Gente calada,
Descrente de seu Porvir…

Onde brilhará o Sol de nossa Liberdade,
Se seus fugidios raios
A poucos, somente, aquece,
Aos poucos se arrefece,
Minguando-se a energia,
Desnutrido em alegrias,
Da Alma que se perdeu?!!!

Proscrita a Ideologia,
Quem irá nos resgatar
A Honra, a Justiça, a Igualdade?…

Transeuntes

Ausentes, silentes,
Rostos rebuscam o vazio,
Em face com a solidão…

Quem sois? Quem são?
Olhares perdidos na imensidão
Do Infinito, da Turba, da Multidão!…

Rumores ressoam roucos,
Incompreensíveis…
Movem-se assim, como loucos…
Desvarios do coletivo inconsciente…

Que passa, enfim, nesse mundo,
Repleto de seres moventes,
Semoventes que não se vêem?

Perdeu-se a causa primeira,
A Razão do Ser Vivente…
Somos, pois, tão-somente,
Transeuntes…
Desprovidos de Paixão…

João, Camarada!

Liberdade!
Tardia, seja quando houver!
Que os grilhões, que aos pobres escravizam,
São de dor… são de Dor!
Da sutil ignorância que nos cala…

Fraternidade!..
Irmãos somente
Nos miseráveis restos
Que a Sociedade nos legou!

Igualdade!
Absoluta e impossível,
Posto que a força que nos move
Jamais conduzirá ao Poder,
Que aos justos e humildes não pertence!

Lutar… para que?
Se a batalha última perdida
Nos faz rir…
O amargo riso da imagem
Que o passado nos deixou…

Empáfia

Fátuos fogos do Orgulho!
Tola vaidade dos incautos!…
Lúmens efêmeras na oscuridad que nos cerca…
Vagas Lúmens… luminares…

Frágeis seres inflados de si mesmos…
Meras personagens em busca da Ilusão…
Falso poder humano… Ledo engano!…

Afinal, quem sois?… Nadie…
Apenas imagens refletidas nas paredes da caverna…

Repúdio

A dor se fora com os anos…
Assim como as lembranças…

Morto – como um rato!
Pouco a pouco, dilacerado…
Humilhado, como a uma meretriz!

Nu,
Caquético, em suas privações…
As unhas, todas elas arrancadas,
Uma a uma… como pétalas!
Tantas marcas de tal espancamento,
Em seu franzino espectro…
A dor que ninguém viu.

Quem mais se ocuparia em recordar?

Na cova rasa,
Vala comum dos Ideais,
O saco plástico,
Ainda a lhe cobrir o rosto exangue,
Esbugalhados olhos cegos
A delatar inútil desespero.

Sobre seu corpo esfacelado,
Farrapos da bandeira comunista,
Final alegoria dos carrascos!

Segue o Tempo…
Passa a Vida…
E o Augusto General
Cruza novamente o Oceano…
E à Casa torna,
Altivo… indiferente…
Sem remorsos…
Sem receios…
Sem constrangimentos…

Salvador Allende (1973)

Adeus, camarada!
Último alento, Allende se foi…
Um tiro… o sangue… silêncio.

Infâmia!

Adeus, camarada Allende!
Tua vida não foi em vão!
Mil mortes te honraram!

Teus companheiros te clamam…
O vazio se hospedou em nossas almas, camarada!
Mil vozes te clamam…

Teus companheiros te honraram!
As fardas se alojaram em La Moneda.
Nem mil mortes podem vencê-las…

Mas teus camaradas não caíram.
Porque somos a Essência!
E a Essência não pode ser vencida.

Somos o Ideal e o Filosófico!
E viveremos para o dia da Perfeição e da Igualdade…

Adeus, Camarada Allende!

Tua morte não foi em vão!

Meta-linguagem

Metáfora das metáforas:
A essência poética
É uma vivência hermética!

Busca, o Poeta, ocultar, em suas palavras,
O sentido da sua própria expressão.

Em cada figura, uma armadilha
Ao leitor desatento:
“Não me lerás assim, tão facilmente!
Decifra-me e, ainda assim, te enganarei!”

Não há segredo mais guardado
Que a Alma do Poeta!
Ele não tem compromissos…
Nem Razão!

Busca, na rima, na contradição,
Distrair, do leitor, a atenção.
E, nos melindres de sua paixão,
Despistar sua própria emoção.

Sofre, com as Palavras!
Não somente com a Alma…
Devora-lhe o temor
De ser, um dia, desvendado
Pela interpretação, desmascarado,
Exposto à crítica,
Ao mais vulgar entendimento,
Qual um texto banal…

Assim, fugindo à lógica,
Persegue, em tortuosos labirintos,
Encontrar sua própria, absurda
E única Verdade!

Verso inútil

Dei, de mim, apenas a melhor parcela:
Palavras destiladas lentamente,
Como o suor das pedras, após as tempestades.

Entreguei-me à mais antiga profissão
Dos pensadores,
Prostituído do desejo de criar,
Em versos desatentos,
Meu próprio Universo.

Povoei meus mundos
Com a Vida que me foi negada em vida…

E surpreendi-me
Na desilusão da realidade…

Engodo

Sofro a dor do mundo,
Que me cala.

É esta, enfim, a sina do Poeta,
Sem consolo.

Às suas palavras, não há entendimento,
Apenas solidão.
Assim, recria ele seu espaço
E, dele, faz seu mundo
De mentiras,
De ilusão…

Obra autônoma

Li teus versos, poeta das calçadas!
E confabulei com minha inspiração:
Seria essa, também, a minha sina?

Pois não será, ainda que admire tal dedicação!
Não sou assim, a procurar quem reconheça,
Nas palavras que libero,
Os pensamentos que a mim não mais pertencem,
E buscam eco em outrem,
Alguém que desconheço…

Não interessa a mim se lhes toca a alma
O que senti…
O que saiu de mim…
O que se esvaiu no universo…

Pena máxima

Quem irá me redimir
Dessa vergonha, sem limite,
De viver ao seu redor, sem possuí-la?

Por quantos séculos haverei de renascer
Para purgar o mal extremo
Que me houve dominar,
Apenas pelo desejo de querê-la minha?

Em que dobras do tempo se preserva
A beleza oculta em meu passado,
E de cuja lembrança
Só me restam traços desconexos?

Que pecado é esse, enfim,
Para o qual jamais haverá perdão…
… ou recompensa?

Arte e Criação

Conceituar a Arte!
Mais que percebê-la, senti-la!
Ainda mais, interpretá-la!
Acima de tudo, ser seu Criador!

Quem seria o artista, afinal?
Aquele, capaz de discernir
Entre o tosco som e a melodia?
A palavra crua, a Poesia?
Das tintas captar a Inspiração?

Seria Arte…
Do instrumento extrair a harmonia?
Na voz perfeita rever a Diva da canção?

O Artista é, também, o Artesão…

De sons dispersos, palavras, cores, formas,
Produzir mundos, ideias, personagens,
Da fria pedra, o ser oculto libertar…
Gerar beleza, sentimento, emoção…

Pois, na verdade, Arte é a Criação!

Coadjuvante

À Vida observo
Como a um filme antigo:
A ele não pertenço,
Nem sou contemporâneo de seus fatos…

Porém, agrada-me pensar
Que alguém criou
E deu significado a seu roteiro,
Montou esses cenários,
Forjou as personagens,
E assegurou um fim a essa história…

Vivo nu

Exponho-me a olhares desatentos,
Que não enxergam, em mim, o Outro Ser…
Exibo-me à ganância insaciável dos medíocres,
Que não percebem suas próprias formas
Em meu corpo pleno…

Cá estou, armadilha dos incautos,
Que se vexam de seu próprio ser embrutecido,
Que de seu corpo enrubescem, vendo o meu…

Sou assim, espelho de suas vergonhas!…
Reflexo de seu pudor hipócrita,
Objeto da nudez humana, que não se vê!

Alter Ego

Caminho pela noite,
Recolhendo fragmentos de meu Ser.

Nas esquinas os encontro,
Percorrendo as madrugadas,
Seguindo, em frangalhos,
Outras personagens,
Espectros dilacerados dessa Sociedade…

Pobres Almas…
Em tudo, iguais a mim… Imortais em sua essência –
Reflexos de outros seres,
Tão normais…
Assim tão disfarçados…

Inimigo meu

Escrevo como quem se digladia,
Não por ofensa, que motivos não os tenho,
Nem por prazer, que a luta não é nobre,
Mas por defesa, pois só restam-me as palavras…

Armas, não possuo,
Com que possa defrontar-me ao inimigo,
Estranho desconhecido…
Permeando meus caminhos…
Perscrutando-me o destino…
Pervertendo meu sossego…
Alimentando a minha solidão.

Combato nas trincheiras de meu Ego,
A constatar que, na verdade,
Sou eu quem estou sempre a perseguir…

Quase-vida

Quase ouço o pulsar da Vida em meu ser…
Como escutá-lo, porém,
Se esta já se foi e não mais a sinto em mim?

Resta-me, apenas, a sensação, que não houve,
Da Vida por que passei…
Desapercebido…
Solitário, na espectral multidão,
Irrelevante e mutilada, que me cerca…

O que vibra, então, em mim,
Se vida já não é?…

Que estranha sensação,
Que vida até parece ser…
… e me confunde assim???

Ex-mortem

Vagueio no espaço de meus pensamentos,
Desconsolado da insensatez que me alucina,
Descrente do ser que me atormenta ao meu redor,
Resignado, apenas…

E a Vida…

Quem há-de fazê-la merecer minha presença agora?!!!

Prima Causa

Nego, em mim, esta razão
Que busca a causa prima do viver.
Sou, pelo que dizem, mas não sei
Se houve o ser em mim, antes de Ser…

Importa pouco, ou nada este pensar;
Pois outros houve neste recorrer sem fim…
Que a nada leva, mas conduz
A Vida até a Morte, sem cessar…

Prima Causa: essência ou nada?
Matriz ou solidão?
Ausência, Luz, Inspiração?

Eternidade…
Fractais da imensidão…
Vazio infinito do Ser…
Não-Ser…
Não sei… talvez…

Contragosto

Escrevo a contragosto.
Por desgosto.
Contra o gosto comum da Sociedade.
Sem ambição, nem vaidade.

Apenas por discordar dessa mediocridade.
Fútil Idade… da Informação… sem conteúdo!
Da Liberdade… e da Ignorância! Banal Idade!
Inimiga da Arte…

Reflexos da vida

Passivos,
Aceitamos as mensagens
Que nos manda a Tevê
-Que nos vê!

Somos nós
A imagem refletida
Nos espelhos desta Vida?

Talvez…
Pois, da tela são, de fato,
As emoções…
Que, em nós, se manifestam neste Ato!

Horrores… Desgraças… Temores…
O que são?!!!
Só reflexos,
Nas telinhas dessas mentes
Inocentes,
Que Ibopes de Rapina
Asseguram,
Da chacina que se vê!

Retalhos da Vida

Guardamos as memórias
Em objetos recolhidos
Pela Vida…

Fragmentos de existência
Dependurados, displicentes,
Nas paredes
De nosso isolamento…

Quem saberá, um dia,
Ler suas Estórias?
Nossas histórias…

Pedaços de frases sem sentido,
Incoerentemente entrelaçadas
Nas estantes,
Nos armários…
Pelo chão…

Nas entrelinhas das vivências
Deixadas no passado…
Sem Autor… e sem Protagonista.

Devir

Seguem-se as horas, ordenadas, seguras,
Compassadas pelo tempo
Que o Homem, a si, se criou…

Tempo que não há…
Pois que o infinito ciclo do vir-a-ser
Elimina, incessantemente, o presente,
Que tentamos fixar…

Apenas um momento,
Inexoravelmente perdido
No passado, que o Agora se tornou…

Mediana vida

Enredando-me na roda da vida me amesquinho…
Como os outros,
Que os vejo ao derredor…
Nego-me, contudo, esse direito
Medíocre e indesejado de ser… Humano!!!

Seiva pródiga que alimenta
A vulgaridade do apenas Existir!

Recuso-me, ainda que seja isto, tão-somente,
A Vida!

Nenhures

Caminho na Eternidade…
Lá estou… efêmero pulsante…
Insignificante…
Agora, vivo. E, num instante…
Nada mais…

Assim somos,
Repulsivos seres vaidosos do Vazio…

Crentes no Porvir
Que nos consome a todos,
Restando apenas
Cinzas, dejetos de nós mesmos,
Poeira cósmica a se aglutinar em outros seres…
Igualmente vazios…

Mesmice sem sentido e sem razão…

Penso, não existo!

As palavras são, apenas, um mero registro de meus pensamentos,
sem a cor e a energia que lhes deram vida.

Assim, pois, é a Vida:
no momento em que se manifesta, já não mais existe!
Estranho paradoxo: o pensamento, que nos traz à vida,
é tão efêmero quanto sua criação!

Assim, também, são nossos sonhos: meras ilusões do existir…
E o que nos faz sonhar, também nos faz morrer…

Morro, logo existo…

Sendas da Razão

Quem me conduz? O Destino? Seria apenas o acaso?
Serei eu mesmo o condutor de minha vida?
Entrego-me à sorte, como um barco à deriva…

Certa vez me perguntava se, mesmo fazendo escolhas, optando por caminhos nas muitas encruzilhadas, meu papel não seria, simplesmente, trilhar labirintos já formados, e se nos restaria, apenas, fazer as escolhas acertadas, para não nos defrontarmos com o Minotauro ao final desta jornada…

Assim, apenas por me sentir um pouco dono desse arbítrio, tomo certas decisões, procurando burlar a minha própria sina.

Salto do caminho, sem um propósito definido, apenas para retomá-lo mais além, procurando não deixar pistas nas picadas, iludindo-me do poder divino que, decerto, não o tenho, enganando-me das decisões que, na verdade, não tomei.

O que me conserva, então, a Vida, além de Baudelaire?

Você, minha querida! Pois, se a paixão existe – e isto posso assegurar-te – então, vale a pena viver, mesmo que somente em pensamento! Poderia, assim, para concluir, dizer que te amo, e que, por isso, Existo!

Alma

De todo dom humano
Maior, ainda, é a Criação!
Ou seria tão-somente o re-Criar,
Se nada existe sem já, antes, Existir?

Pouco importa…

Transformar a Realidade!
No objeto, a forma pura encontrar…
Da idéia bruta,
Sua própria natureza produzir…

Fazer do nada
Alguma coisa que nos toca
E que, por não saber se é Criar,
Denominamos, simplesmente,
Alma!

Suicídio

A fria lâmina percorre seu destino,
Estranhamente muda, silenciosa e bela,
Em um segundo, separando as existências,
Eternamente calando a dor inconsolada.

Ali, repousa o corpo de um menino,
Enquanto a morte, em plenitude, se revela.
E, anciã, se esvai a alma, desgarrada,
Semicerrando, aos cegos olhos, as ausências…

Amores velhos, companheiros de jornada.
Nada mais resta, senão dizer a ela:
“Melhor morrer, a viver só, em desatino”.

Outrora fora feliz, com sua amada –
Assim pensara, confiando ser aquela,
Razão perene, de um sonho pequenino.

Quase nada

A tua presença me agride
Como os ponteiros de um relógio…
A me alertarem do tempo que se foi,
Sem deixar marcas, nem lembranças…

Apenas horas,
A se cobrirem do pó do esquecimento…

A tua ausência me ofende,
Dilacerando-me as vísceras,
Arrancadas por tua indiferença,
Sem cicatrizes nem feridas…

Apenas sangue,
A jorrar, aos borbotões,
A me cobrir da dor da Solidão…

Presença ausente,
Falas desprovidas de emoção.

Apenas Nada,
A preencher o Universo dos meus sonhos,
A recordar que a Vida permanece,
Reprise de um filme esmaecido,
Silenciosamente mudo…

Apenas cenas
Desconexas, sem sentido,
Angustiadamente assim…

Sayumi

De que lábios exalam tuas palavras?
Que carícias oculta o teu corpo?…
Em que contexto, enfim,
Entrecruzam-se nossas vidas?!

Perguntas vãs, no improvável
Horizonte dos contrastes…
Sou um, apenas, em tua vida,
De tantos, diferentes personagens…

Ainda assim,
No instante que virá tão breve
Seremos unos, absolutos…

Plenos corpos em si mesmos,
Uníssona vibração incontrolada…

Sensação definitiva, pura…
Fatal… apenas para mim…

A quem dirige o Poeta seu cantar

De indecisos traços fluem sentimentos…
Em brancas folhas expressam-se metáforas…
Leituras várias recriam pensamentos…
A ninguém concede, ele, seu viver, compartilhar!…

Por quem derrama seus versos o Poeta?

À Musa efêmera, deixada nas lembranças?…
Ao Mote antigo, no acaso despertado?…
Ao vago Sonho, desfeito nas ausências?…
Apenas chora… sem causas… nada mais…

Em que consiste, enfim, a Inspiração
Que move a pena insana desse bardo,
Se nada resta, ao fim da Criação,
Senão entulhos de versos descuidados?

Pois nada importa à Lira desse tolo,
Que verte lágrimas silentes, em palavras,
Pois nada espera, senão este consolo:

A si somente compõe… a ninguém mais!

Diáfanos Seres

Estranhas criaturas habitam nossas mentes…
Sensíveis, delicadas, espectrais, etéreas…

Compreendem-me as mensagens, ainda sem dizê-las;
Transmigram pensamentos, no afã de respondê-las…
Curiosas personagens, diáfanas, perenes…
Ao menos, posso tê-las!
Refratários seres compõem a realidade:
Silentes, altivos, incompreensíveis em sua majestade…
A que sois, afinal?
Ausentes…

A quem fala o Poeta em seu pensar?

À sua amada, mote e razão do pensamento?
À pena que conduz o sentimento?
À branca folha, final destino de seu atormentado ser?

Nem mesmo a si, talvez…

Pois mesmo assim, reflexivo e só, jamais encontraria eco à sua voz contida… muda expressão da vida, em seu silêncio eterno…
A quem destina, enfim, essa incontida solidão, senão amar-se o próprio sentimento, absoluto, imenso e, a um só tempo, fatal e derradeiro?…

Sedução

Cá estou, de volta à minha solidão,
Pleno na angústia,
Repleto na insensatez,
Absolutamente dominado
Pelo vil objeto que me subjuga e corrompe!…

Sou, não estou!
E como poderia,
Se pouco ou nada resta a mim,
Senão saber-me assim,
Imobilizado pela dor
De ser escravo de tudo o que abomino…
… e, ardentemente, desejo?!!!

Carícias

Bizarras peças te ocultavam:
Exóticas, imensas, disformes,
Estranhas em sua funcionalidade…

E lá estavas, seminua,
Contrastes de beleza e sofrimento,
Teu corpo confessando as lides do amor.

É cedo… é tarde… é, apenas, agora.
Ali, o tempo se eternizava,
Confundindo noites e dias,
Incontáveis horas… sempre iguais.

Bebidas, mulheres, cigarro, algazarra,
Um bar indiscreto.

O som, sem sentido, as luzes difusas,
As falas vazias, vadias…

Você ao meu lado,
Levando-me aos labirintos sem sentido, do prazer.

Que se busca nas alcovas traiçoeiras,
Senão enredar-se em carícias
Descompromissadas, efêmeras,
Alucinadas, inconsequentes?

Apenas fugir, talvez…

Apenas carinhos,
Sensação desconhecida, sempre…

Loucura de se escapar da Vida,
Mesmo que só por um instante,
Por um só e um fatal momento!

Você, misteriosa e única,
Ainda que presente
em todos os leitos de amor…

Fuyuko

Lá está ela – minha Estrela –
Emoldurada na janela…

Noite adentro a contemplo, a brilhar
Nas profundezas de meus olhos,
Na escuridão de minh’alma,
No vazio infinito do Universo.

Brilha para mim,
Sem se aperceber
De sua presença, agora…

Um ponto, apenas,
A reluzir no céu…

Ainda que extinta a Vida,
A chama permanece
Para sempre…

A preservar a esperança,
A alimentar meus desejos…

Luz, enfim, na solidão
Inconsolável de meu Ser…

Amar você

Suaves traços antecipam-me o Prazer…
Sobre tua pele alva,
A Seda se insinua,
Acariciando tua intimidade,
Excitando meus olhos…

Percorro, em pensamento, teus relevos,
Densas paisagens de meus sonhos…

Dos teus seios que me são meus,
Sorvo, deliciado, o néctar
Que alimenta meus desejos.

Penetro, enfim, em teus mistérios…
Enlouquecida paixão inconfessável…
Eternidade em um momento…

Linda…

Infinitas noites – meus temores…
Estranhos pensamentos…
Doce e bela, invades o meu indefeso Ser!

Vejo-te em mim ( ou eu em ti… ),
Deliciado de tantas ternuras…
Encantado desse universo em que resides,
Inebriado de tua presença…

Absolutamente só!

Estranha energia
Que me transforma e agita…
Vejo-te em meus olhos ( ou nos olhos teus… ).
Seria, talvez, em nosso próprio sangue
Que, em um só corpo, se confunde e transita?…

Estranha ilusão…

Interpenetrados seres, perdidos de amor…
Plena realidade de meus sonhos…
Expansão de consciência.

Tresloucado Ser,
Incapaz de se resguardar de si mesmo…
Simples ilusão de viver.
Silêncio, enfim… apenas isso…

Satori

Cifradas senhas ocultas em ti mesma…
…e, no entanto, lá estavas, evidente:
Bela, plena, exuberante e forte…
A um só tempo, incompreensível e fugidia…

Tua presença, mimetizada no Infinito!…

Milhões de seres pesquisei, cansado,
Por não sentir que, eterna e derradeira,
Me esperavas, postada ao meu lado.

Que, sendo a última, continuavas a primeira,
Única flor perene, a desabrochar
No deserto de minha solidão…

Lamento (1970)

O orvalho, que chora, silenciosa, a madrugada,
Acarinhando a relva, embelecendo a alvorada,
Desperta o mundo à infinita caminhada
Em procura do Amor, da Paz…
Ao encontro do Nada!…

Nossos Mestres

Silentes seres inocentes,
Pacientes,
Testemunhas caladas da História.

Supomos neles não haver
Senão vida
Passiva,
Vegetativa,
Inconsciente,
Não inteligente…

Mas, dos Mestres, a Sabedoria,
Em sua humildade e solidão,
Neles se manifesta plenamente,
Complacente,
Suportando nossa crueldade:

Lentamente mutiladas,
Desfolhadas,
Dizimadas

Sem compaixão…
Belas árvores,
Contemplativos Mestres…

Ser de Luz

Roubaste-nos a Vida
Mais querida,
Razão de nosso Entendimento…

Dia a dia,
Em sua lenta agonia,
Gota a gota a se suceder,
Uma a uma,
Cadência infinita,
Ampulheta da Vida
Em seus mistérios ancestrais.

Por nossos tristes olhos,
De nossos braços vazios,
Um Ser amado se perdendo
Na incompreensível solidão
Da Eternidade…

Transição…
Transmigração…
Nossa Morte, enfim…

Meu Bonsai

Pequenina árvore de milenar sabedoria,
Contigo carregas tua beleza e harmonia:
Robusta delicadeza!

Cultivar-te é uma Arte!

Descuidar-te, ainda que por um momento,
É a morte… é a Morte!

… e como me dói tua morte, meu Bonsai!
Pois mesmo que muito te amasse
(e eu o fiz, creia-me!)
Jamais suspeitaria
A falta que me farias!

Bonsai, querido, de tão poucos dos meus dias,

És meu Pai!

Mãe

Suave, serena, delicada…
Flutuas entre nós, em teu carinho.
Bom te ver, sentir tua presença,
Estar diante do Ser que nos criou…

E, no entanto, tão poucos os momentos…
Estamos sempre sós, tão enredados
Nas tramas que a Sorte nos legou…

Ainda assim, eis a maior dádiva:
Estar presente em tua vida neste instante,
Que seja eterno, qual o Poeta declarou!

Soneto (1999)

Tantas vidas teria para amar-te,
que seria imprudente contemplar
de um lance, somente, teu olhar,
que reflete o Universo, o Amor e a Arte!

Se algum bom-senso ainda me restar
para agir, pensar e desejar-te
sem, contudo, na ânsia, sufocar-te,
seja, assim, manifesto, meu falar.

Só desejo, de ti, a melhor parte:
a Essência, a Beleza e o Coração!
Nada além, que possa ofuscar-te

o infinito que dure esta paixão!
Só, destarte, eu posso assegurar-te
nunca mais retomar minha razão!

Kikuyo

Sutil ironia…

Vejo-te na graciosidade incontida de teus gestos…

Perplexo, diante do infinito que não houve…

Eternamente presente em tua ausência minha…

Estranho desencontro,

que nos preservou, a um só tempo, próximos e distantes…

Em um só momento, tão íntimos e estranhos…

Platonicamente irmãos…

Simplesmente amigos… nada mais…

La Petit

Pequenina e delicada pérola,
A mim, pela Sorte, revelada,
Que segredos se resguardam em teu Ser,
Se a Vida, em seus Acasos, te herdou e não sabe?

A quem concedes tu tais ternuras,
Carente de mil carinhos,
Repleta de tanto amor,
Se a ti mesma te renegas
A Sorte de teu valor?

A que buscas, assim, tão menina,
Contraditoriamente sábia e sensata,
Que caminhos, enfim, te reserva
A Sorte que ma roubou?

Tão-somente o Infinito,
Que teu é esse Destino,
Imenso e pleno de Amor!…

Luciana

Encantamento por te saber assim tão bela!
Não somente em tua forma e conteúdo,
Que assim se resume, do ser, a visão pobre…

Bela, porém, em tua essência plena,
Na universalidade absoluta de teu Ser!

Assim te vejo, Filha Minha,
Não pelos cansados olhos meus,
Mas pelo inocultável brilho de tu’alma.

Querida sempre, menina e mulher,
Cuja trajetória, já tão precocemente definida,
Evidencia a grandeza de algo que me recuso a reconhecer…
E que, no entanto, existe!

MORY

Prima donna de meus mais secretos pensamentos!
Minha doce menina, contraditória e forte…
Frágil e arrebatadora em tuas paixões,
Em minhas paixões alucinadas…

A que buscas,
Se vida, corpo e alma minha já os tens e consomes?

Sou… e, contudo, já não mais existo…
Pois, em um só, fragmentado e uno ser, nos fundimos…
Incompreensíveis… incomensuráveis…

Inexpressivos, na imensidão de nosso próprio sentimento…

Gruta do Mimoso

Pareces-te em escombros, à chegada,
Tuas pedras rudes a cortar a caminhada…
Chego-me a ti, afinal,
Como a um confessionário…
E em teu ventre deposito meu destino
À tua perene escuridão…

Aos poucos, a visão se descortina
Ao lago frio… cinzento… silencioso… vazio.
Espelho de nós mesmos…
Apenas sombras… paisagem submersa… como a Alma.

Nas profundezas,
Tua garganta negra… a nos devorar.
Por que a ti me reclamas?
Um dia, ainda irei te possuir…

Ou serás tu a condenar-me à solidão?
A vagar por teus salões, eternamente,
Perdido em labirintos dos meus sonhos…
A procurar, em vão, uma saída…

Pois, em ti, a vida se consumará, por fim.
E encontrarei a Paz…

Lago Doce

Ruídos, chilreios, chiados…
Lembranças de minha infância…
Cigarras, algazarras…
A brisa… calmaria…

De minhas mãos,
Sementes ao vento… no mato…
À beira d’água… nuvem de fertilidade!
A água fétida, barrenta, os insetos…
O pleno sol de meio-dia…
Harmonia…

Angustiados tempos lá-se-foram
No distante esquecimento,
Profunda paz projetada
Em minha solidão…

Como apartar-me dessas recônditas sonoridades
Trazidas do passado,
Presentes na imensidão vazia
Desse pequeno e infindado universo?

Calo-me, enternecido e só…

Palavras…

Sons impronunciados, ansiosos por uma vibração que lhes torne à vida!
Palavra, salta do papel em tua voz, em minha voz distante que não chegou aos seus ouvidos!
Diz a ela “Eu te amo!”, mas diga-o com a mesma emoção que eu senti ao escrever-te!

Faz aqueles lindos olhos brilharem sensibilizados pela sinceridade que estampei ao grafar-te nesta mensagem…
Desperta da tinta a vida que havia em mim quando idealizei a sua imagem encantadora e, como se diante de mim, toca-a como a toquei suavemente com meus lábios carentes! Onde está aquele calor que te imprimi ao te fazer nascer em meus pensamentos que, agora, têm só um e único destino?

Chega-te aos seus olhos, como se o ouvido fosse, e segue-lhe até o coração, tocando-lhe a alma doce, como ela em mim permanece desde o dia em que a vi pela primeira vez…

Palavras… palavras… por que as tenho, se não as posso torná-las mensageiras de meus sentimentos?…

Augúrio

Algum murmúrio em minh’alma…
Alguém me fala algures?…
(a voz se cala… se acalma…)
…se agita a causa infundada
de um pensamento sem nexo!
(… seria a falta de sexo?!!!)

Seria apenas reflexo
de uma ausência agitada?
(…o sol, ali, na calçada,
rubro, se arrasta, de tédio…)

Talvez, este seja o remédio
para uma vida acabada…

Quem, no silêncio mesquinho,
ousara fitar-me a face…
desvendando o desenlace
da falta de teu carinho?…

Sou teu escravo, não nego.
À vida, eu não me apego…
se nada espero alhures..

Tanka

Mergulhos abissais:

Ruídos exóticos borbulham na Eternidade…

Lago Azul

No ventre da Terra
Gotejos fecundam o espelho do Lago Azul

Haikai

Insistente, busca o inseto
a luz que o fascina e não o vê…

Sigo meu caminho…

Haiku

Cá está ela, a noite…
… silente em seus ruídos…
… arrastando horas… minutos… noite infinita!

Rebusco palavras de cenas revisitadas…
… lugares-comuns dos sonhos, talvez…
Estou mudo, vazio, suspenso no ar…

Pedra bruta

Como um cristal, em pedaços me desfaço!
Como um cristal, cada fragmento de meu ser rebrilha ao refletir a tua luz!
Como um cristal, o som desconhecido de tua voz partiu-me aos milhares por não mais suportar a solidão…
Como um cristal, sou puro e eterno nos efêmeros instantes de minha existência.
Como um cristal, apenas passo a Ser através de tua percepção.
Sem ti, sou simplesmente, pedra bruta!

Mein Gott!

Divina Diva!
Deusa dos meus sonhos!
Milhões de anos viveria
para poder desfrutar novamente este momento!

Temera eu estar aqui presente
por suspeitar da paixão que adviria
ao ouvir, embevecido, a melodia
inundar a Catedral com tua beleza,
com tua voz maravilhosa, tua riqueza!

Divina Musa, suprema recompensa, sejas minha!
Possa eu viver por merecer-te
tantos anos quantos queiras, de mim,
receber total veneração, amor, carinho!

Divina Arte!
Instrumento dos Deuses,
tua voz encantadora há de tornar-me
eternamente feliz,
pelo simples, singelo e puro dom de amar-te!

Sendas da vida

Quem me conduz? O Destino? Seria apenas o acaso?

Serei eu mesmo o condutor de minha vida? Entrego-me à Sorte, como um barco à deriva…

Certa vez me perguntava se, mesmo fazendo escolhas, optando por caminhos nas muitas encruzilhadas, meu papel não seria simplesmente trilhar labirintos já formados, e se nos restaria apenas fazer as escolhas acertadas, para não nos defrontar com o Minotauro ao final desta jornada…

Assim, apenas por me sentir um pouco dono desse arbítrio, tomo certas decisões, procurando burlar a minha própria sina. Salto do caminho, sem um propósito definido, apenas para retomá-lo mais além, procurando não deixar pistas nas picadas, iludindo-me do poder divino, que decerto não o tenho, enganando-me das decisões que, na verdade, não tomei.

O que me sustenta nessa longa caminhada é meu Sonho, aquele ser interior que não atua, mas pensa-se intocado. A ele, meu ser interior, meu mestre e meu discípulo, pouco importa se de fato existo, ou se sou apenas pensamento de outro ser também incerto, em seus próprios questionamentos. Por isso penso, mas não sei se existo.

O que me conserva, então, a Vida, além de Baudellaire?

Você, minha querida!

Pois, se a paixão existe, e isto posso assegurar-te, então vale a pena viver, mesmo que somente em pensamento! Poderia, assim, para concluir, dizer que te amo, e que, por isso, EXISTO!

Guilty for nothing…

Without a judgement, I was told to be guilty.
Which penalty? Stay alone, forever… without you…
What for? Who knows… no one but you…
But you didn’t tell me… why? I don’t know…
I just wait for a clemency… in the narrow corridor of death…
The death of my soul…
Who cares?!!!

Andrajos

Da ponta fina e sutil escorre meu pensamento:

Ora, em profunda tristeza, ora pleno em alegria.

Seria a tinta o humor, o sangue de nossas vidas?

Quem alterna o sentimento, da dor à melancolia?…

Quem da mão faz sua escrava, levando à mente a vontade,

Calando enfim o desejo, recompondo a harmonia?…

Seria, enfim, ao contrário, apenas por ironia,

Que a vida se originasse da folha em branco e vazia?

Assim, por mero capricho, rabisco essa poesia,

Que nada diz, na verdade, pois nada me restaria,

Senão silêncio e saudade, senão andrajos de amor…

Zazen

Imóvel, fixo o olhar no vazio de minha vida…

Por instantes, cessa o fluxo indefinido do pensamento,

e encontro o Nada, Mu. Sou, finalmente, um vaso vazio!

Horas se passam em um segundo. Um lapso contém o Infinito!…

Eu e o Todo, um só Ser, Não-Ser…

Além da Vida, a Eternidade…

Somos, enfim, o Nada…

Zen…

Diáfanos seres

Estranhas criaturas habitam nossas mentes…

Sensíveis, delicadas, espectrais, etéreas…

Compreendem-me as mensagens, ainda sem dizê-las,

Transmigram pensamentos, no afã de respondê-las…

Curiosas personagens, diáfanas, perenes…

Ao menos, posso tê-las!

Refratários seres compõem a realidade:

Silentes, altivos, incompreensíveis em sua majestade…

A que sois, afinal?

Ausentes…

Gruta Azul

Em tua intimidade penetro, lentamente…

Devora-me, em teu silêncio!

Extasiado, contemplo a vida em suspensão!…

Recônditos segredos revelam-se em meu ser…

Em tuas paredes ecoam sussurros imaginados…

Gotejas teu suor em nossas mentes…

Pura excitação e prazer!

Enfim, contemplo-me em teu espelho azul:

Sepulcral lagoa encantada!

Calo-me diante de tua majestade, ansiando pela eternidade!…

Mergulho, afinal, para sempre, em tuas águas abissais…

Ponto de Vista

Não há verdades eternas…

não na Ciência ou nas Artes,

Tampouco nas Relações Sociais

(regras que ditam a Lei Moral,

guia de um “bom comportamento”).

Como seriam, então, as Religiões,

eternas e seculares em suas “verdades”

ar-ro-gan-tes e con-tra-di-tó-rias?

Pois estamos sempre a observar a vida de nosso…

Ponto de Vista, visão puramente simplista!

Se a paisagem ao nosso redor é infinita

em seu mosaico de complexidades inesgotáveis,

-depende, tão-somente, do nosso “ponto de vista“-

Infinitas são as visões do Ser em nosso tempo finito.

Se a cada evolução transmudamos o mesmo Ser,

como poderá ser único o nosso Ponto de Vista?

Assim somos nós, altruístas, oportunistas,

Malabaristas na arte de viver essa incerteza real!

Sejamos, então, realistas,

aceitando tudo, em vista da evidência

de que nada existe de-fi-ni-ti-va-men-te.

Assim é o meu Ponto de Vista…

Identidade secreta

Oculto-me nos segredos das palavras não pronunciadas, não pelo medo, mas pela certeza de sua incompreensão. No obscurantismo de minh’alma, revelo-me por completo. Porém, permaneço nas sombras da ignorância que me cerca, não por vontade minha, mas pela impossibilidade absoluta de me libertar do calabouço social onde me encontro. Sou eterno na junção dos pensamentos que me revelam os avatares, intimamente interligados e desconexos, contraditórios e absolutos, impermanentes e complexos em sua simplicidade elementar.

Sigo os passos de Pessoa, convicto da imensidão de sua alma.

Tênue esperança

Você surgiu assim, feito um encanto,
Que se desfaz em sonho, ao despertar.
E não se explica, em mim, tão simplesmente,
Miragem a se esvair na areia de meus olhos,
Tremeluzente instante na eternidade do passado…

E somente ele (o passado) existe,
Além da própria imaginação…
Alento a nos manter despertos,
Na frágil esperança de enriquecer a história
De tão pequeno e insignificante caminhar…

A menina dos meus olhos

A luz se refletiu em teu sorriso
E encantou meus pensamentos.
Teus lábios, face, corpo, num momento,
Tornaram-se a visão do paraíso…

Por isso, em vida e sonho, só em ti penso,
Extasiado diante da delicadeza,
Alma, forma e Ser, pura beleza,
Razão maior de um amor intenso…

Sentimento que me arrebata
E se propaga em minhas veias num instante,

A despertar desejos…
A reviver motivos…
A preencher meus olhos…
A enrubescer-me a face…

A apaixonar meu coração!

MEU VELHO CHICO

Diário de uma expedição solitária

AOS  MEUS AMORES

À minha mãe querida, Dinorah, minha primeira professora, que durante toda sua vida só nos concedeu carinhos e cuidados, doando seus dias e noites à família, abandonando seus sonhos e ilusões para nos dedicar todo o seu amor.

Ao meu querido netinho Nícolas, que me trouxe de volta a esperança e sinalizou que a vida continuará, a despeito das fraquezas humanas, e que vale a pena lutar por uma causa justa, não importam os sacrifícios.

Às minhas queridas filhas, Luciana Harumi e Mônica Yuri, razões maiores de meu viver, que me tornaram melhor e inspiraram meus sonhos e o desejo de realizá-los, mesmo que o caminho seja longo, difícil e improvável.

À minha querida Mory, paixão eterna, amor incondicional, mulher exemplar e digna, generosa e sábia, que me fez enfrentar e superar todos meus medos e limitações, tornando possível o sucesso em todos os meus empreendimentos.

Ao meu pai querido, Ulysses, homem sábio, digno e justo, humilde e generoso, presente em todos os momentos especiais de minha vida, que me ensinou o que sei e aquilo que não fui capaz de compreender.

A todos vocês, o meu carinho.

AGRADECIMENTOS

Foram tantas as pessoas que me apoiaram e me acolheram nessa longa jornada que temo cometer injustiças. No entanto, não posso deixar de agradecer especialmente a:

Comunidades Quilombolas de:

Tomé Nunes e, em especial, a Joanita e Maria Clara

Barra do Parateca e, em especial, a Elson, Alex e sua mãe

Piranhas e, em especial, a Miguel, Jaqueline, Dai, Rosa e crianças

Boa Vista do Pixaim e, em especial, a Jailson, Aléssio e família

Torrinha e, em especial, a Juarez e membros da Associação

Mangal / Barro Vermelho que, devido a uma ameaça de atentado à minha vida, feita por jagunços de latifundiários, fui impedido de visitar

Comunidades indígenas Truká de Cabrobó e Truká Tupã de Paulo Afonso, em especial a Ednaldo Cirilo e Cacique Neide, a Alzeni Tomaz e Paulo, e a professora e índia Tumbalalá, Maria José, de Cabrobó

Comissão Pastoral da Terra de Bom Jesus da Lapa, em especial a Juliano Vilas Boas, Samuel Britto das Chagas, Marilene, Djanete, Julita, e outros tantos que me acompanharam durante parte do percurso na Bahia

Dr. Avelar Amador, que me deu apoio e companhia nas visitas a museus e ao Clube Náutico, e me conseguiu contatos decisivos em Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Cabrobó e Piaçabuçu

Closé Limongi, que me acompanhou em Iguatama e Pirapora, publicou reportagens, cedeu-me fotos de minha saída dessas cidades, e viabilizou meu retorno ao rio em Três Marias, com seu apoio e sugestões

Prefeitura de Santa Maria da Boa Vista, ao prefeito Leandro Duarte, e seu incansável e atencioso assessor Adelmir, grande companheiro

Prefeitura de Cabrobó e seu secretário de Finanças, Paulo Teógenes, que me concedeu seu tempo e prestígio durante minha visita

Prefeitura de Iguatama, especialmente à comunidade acadêmica, prefeito Leonardo Carvalho Muniz e ex-prefeito Manoel Bibiano que me acolheram e me hospedaram

Prefeitura de Três Marias, que me hospedou, e a Elias, secretário de Turismo e seu assessor José Arnaldo, que me acompanhou por vários dias na visita à cidade

Prefeitura de Piaçabuçu, que me apoiou na chegada à foz e me acompanhou em visitas às dunas e ao Pontal do Peba

Prefeitura de Ribeirão Preto, em particular a dr. Joaquim Rezende, secretário do Meio Ambiente, que emitiu ofício apoiando a expedição

Carmen Kawall e sua empresa Tui Alimentos, que me forneceu 120 ótimas refeições que me alimentaram durante toda a expedição

Marina Cromberg e Nikon Udenio, que viabilizaram uma câmera Nikon P80, e me proporcionaram magníficas fotografias

Dom Frei Luiz Cappio, bispo de Barra, dra. Eloá Sayão, Irmã Irene e funcionárias do Palácio Episcopal de Barra, que me hospedaram e me acolheram com muito carinho durante quatro dias

Gutinho e sua família, de Paratinga, que me concederam apoio, orações e companhia em minhas horas mais difíceis

Ivan Marinovic Brscan, Embrapa Tabuleiros Costeiros, que conseguiu importantes contatos e entrevistas com a imprensa, além do transporte e da guarda da canoa desde Piaçabuçu até Aracaju

Jojô e Wilson, meus queridos amigos de Malhada, que me acolheram com carinho, me deram companhia e conduziram minhas visitas

Amigos do Acampamento 17 de Abril, em especial ao Geraldo, seu líder

Lázaro, da CHESF de Xingó, que me proporcionou visita à usina

Willams, do Banco do Brasil de Piranhas, que me hospedou em sua casa e viabilizou minha visita a Xingó

Meus amigos e afilhados Paulo Eduardo Chagas e Heitor Luiz Arrais, que me conduziram a São Roque de Minas, me estimularam e me acompanharam na trilha da Serra da Canastra e me apoiaram na viagem

Armando Gonçalves Junior, que passou muitas informações preliminares sobre o Velho Chico durante toda a fase de planejamento

Marcelo Rosa, da CHESF Sobradinho, que me propiciou visita à usina

Dra. Virgínia Molinar e Dr. Bruno Sales, que cuidaram de meus dentes antes de minha viagem, garantindo minha saúde e conforto

Lúcia Figueiredo e Luciana Harumi, que tiveram a paciência e o cuidado de revisar meus textos, tornando-os melhores e mais expressivos

Mônica Yuri, que me acompanhou no início da expedição, em São Roque de Minas, confeccionou bonés, faixa, cartões e camisetas, editou meus blogs, visitou-me e me brindou com seu amor e carinho em Bom Jesus da Lapa, e fez todo o trabalho de criação gráfica e editoração deste livro

Aos pescadores e ribeirinhos, que me acompanharam em todo o percurso e a tantos outros que cruzaram meu caminho e me concederam sua atenção e cuidados, a todos vocês, minha eterna gratidão!

João Carlos Figueiredo

PREFÁCIO

Existem pessoas que nasceram para medir o imensurável.

João Carlos é uma delas, cujo espírito livre em algum momento da vida aflorou e tomou conta da sua vida para todo o sempre, mudando, sobretudo sua visão, que agora enxerga uma janela tão vasta, que dela pode-se ver o mundo.

Nas conversas durante as escaladas em que juntos repartimos a corda, João Carlos me falara do seu projeto de remar solitário pelo São Francisco e depois escrever o livro que agora temos o prazer de ter em mãos.

Foi com grande satisfação que soube de sua partida e acompanhei a expedição de um homem que não só buscava a aventura, mas perseguia, acima de tudo, em sua jornada, entender a alma do rio, que a ele se mostrou.

E, nas páginas a seguir, João Carlos nos presenteia com suas descobertas, impressões, sentimentos, alegrias e tristezas sobre os dias em que passou nas águas do mítico São Francisco.

Eliseu Frechou – Guia de Montanha

Eliseu Frechou, montanhista

ORAÇÃO DO VELHO CHICO

Senhor, fazei-me instrumento de vossa generosidade!

Onde houver Seca, que eu espalhe as Águas da Fertilidade!
Onde houver Miséria, que eu distribua a Fartura das Colheitas!
Onde houver Sertão, que eu me torne o Mar da Vida!
Onde houver Trevas, que eu conceda a Energia e a Luz!
Onde houver Isolamento, que eu mostre os Caminhos da Integração!
Onde houver Fome, que eu fertilize e irrigue, com minhas águas, as Plantações!
Onde houver Discórdia, que eu seja o Reencontro e a Harmonia!

Que meus braços se estendam e se multipliquem pela expansão de meus domínios, levando ao Sertão e ao Agreste a transpiração de minhas águas férteis, para que…

…Onde houver Desespero, que eu seja a Esperança!

Estátua de São Francisco na nascente do rio São Francisco, Serra da Canastra, São Roque de Minas

MOTIVAÇÕES

Uma busca incessante

Quando relatamos nossos feitos, nossas aventuras aos amigos, muitos acreditam que somos loucos e ricos!

Loucos por buscarmos a emoção extrema do perigo inconsequente; ricos por nos darmos ao luxo de viajar para lugares em que a maioria dos seres humanos jamais cogitaria estar!

Mas não há loucura em nossas aventuras; apenas planejamento, técnicas e habilidades desenvolvidas, um bom preparo físico e determinação e vontade à prova de tudo.

A maioria de nós também não nasceu em “berço de ouro”; apenas optou por prioridades diferentes, deixando de lado o luxo dos hotéis “cinco estrelas” pelos acampamentos selvagens de bilhões de estrelas, no meio do mato, abrindo mão de outras vaidades para poder se equipar para a aventura.

São poucos os aventureiros que conseguem patrocínio para suas atividades extremas. Geralmente aqueles que já provaram seu pioneirismo e competência nas conquistas de picos acima dos 8.000 metros, ou velejaram solitários pelos mares distantes, ou se arriscaram escalando paredes que parecem não ter fim…

Nós, reles mortais aventureiros, não tivemos acesso às grandes marcas; compramos nossos equipamentos em “feirinhas da pechincha” ou economizamos durante anos para comprar um GPS[1], mochilas, barracas e sacos de dormir confortáveis, cordas, mosquetões, etc.

A tarefa mais árdua de nossa jornada é, justamente, obter os recursos necessários para viabilizá-las, seja tirando as últimas moedas do “cofrinho”, seja pedindo um empréstimo a se pagar até o fim da vida… mas perseveramos mesmo assim, pois não é apenas a aventura em si que nos impulsiona para a frente: são os nossos ideais!

Queremos fazer a diferença, não doando nossas vidas aos empresários insaciáveis de seus lucros, mas lutando por causas perdidas, como a preservação da Natureza, para que nossos filhos possam também se aventurar, ou pelo menos assistir, em algum canal de documentários, como seria nosso planeta sem a perversidade humana, repleto de vida selvagem, de lugares mágicos, de cavernas adornadas com seus espeleotemas, de cachoeiras cristalinas, de praias paradisíacas e de paisagens submersas intocadas…

Queremos acreditar que o Ser Humano ainda tem jeito, que o mundo não se acabará em chamas ou congelado, que o aquecimento global será controlado, que nossas espécies animais, as mais belas e raras, ainda estarão caminhando pelo Kalahari[2] quando nós já não estivermos mais aqui.

Se a adrenalina já penetrou em nossas veias, estimulou nosso coração a bater tão forte que mal se contém dentro do peito, se nossa vista já se embaciou de lágrimas ao contemplar um pôr-do-sol nas montanhas silenciosas ou às margens de um rio, então não tem mais jeito: não mais pertencemos à “civilização comportada e apática”!

Somos diferentes! Não melhores, mas diferentes; apenas não nos contentamos com o pouco que o mundo civilizado pode nos proporcionar; precisamos estar naqueles lugares onde os sonhos se confundem com nossas próprias visões de Shangrilá…


[1]    GPSGlobal Positioning System ou Sistema de Posicionamento Global. Equipamento que se conecta a uma rede de satélites artificiais e, por um processo similar ao de “triangulação”, consegue localizar geograficamente a origem do sinal

[2]    Kalahari – uma das mais belas savanas africanas onde habitam milhões de espécies de grande porte, como guepardos, leões, hienas, gnus, gazelas, crocodilos, promovendo permanentes migrações devido aos ciclos de chuva e estiagem, por quilômetros de trilhas.

Minhas Razões

Comecei a pensar no Velho Chico quando Dom Cappio[1] iniciou sua segunda greve de fome contra a Transposição[2]. Pensei em como alguém, principalmente um religioso, tomaria atitude tão drástica em defesa de uma ideia.. o que o levara a essa decisão extrema,   contrariando os princípios de sua religião?

Lembrei-me dos monges budistas no Vietnam[3], nos idos de 1970. Um monge em particular… creio que seu nome era Thich Quang Duc. Esse místico imolou-se ateando fogo ao próprio corpo, em protesto contra as barbáries da guerra!

Os EUA abandonaram o Vietnam depois de mais de 10 anos de luta. Morreram aos milhares, mataram muitas vezes mais… deixaram um rastro de destruição, degradação e miséria, cidades inteiras incendiadas com bombas napalm, velhos e crianças incinerados junto aos guerrilheiros vietcongs, soldados viciados em heroína por não saberem por que estavam lá, tão distantes de seu país, defendendo uma causa que não era a sua… corrompendo, roubando, assassinando, prostituindo…

Dom Cappio devia saber muito bem por que jejuava, assim como Thich Quang Duc sabia porque se imolava. Mas eu não sabia o que era “transposição” e nem tinha consciência da importância desse grande rio nacional, de sua gente, seus dramas, seus costumes, sua história… Em fins de novembro de 2008 eu voltava de uma expedição pela Chapada Diamantina, que me marcou intensamente, porque me colocou diante de meus dilemas mais profundos. Até então eu praticava esportes da Natureza (ditos “radicais”) sem grandes envolvimentos com as questões de preservação ambiental e sustentabilidade, embora procurasse sempre agir corretamente quanto às minhas relações com o meio ambiente, sem agredi-lo, sem deixar lá os meus rastros…


[1]    Dom Frei Luiz Cappio – bispo de Barra, defensor do rio São Francisco e de sua gente, realizou duas greves de fome, em 2005 e 2008, tentando sensibilizar o governo federal para alternativas de revitalização do rio, sem impactos tão graves ao meio ambiente (como as obras de transposição), com maior alcance social e custos muito inferiores aos divulgados. A Agência Nacional de Águas assina a proposta.

[2]    Transposição – projeto de desvio das águas do rio São Francisco em dois canais, um a norte, a partir de Cabrobó, e outro a leste, na região de Floresta, cujo objetivo é perenizar alguns rios que abastecem as cidades do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Seu custo está orçado em R$6,6 bilhões, mas problemas geológicos deverão aumentar esse valor.

[3]    A Guerra do Vietnam começou em 1948 como um movimento de libertação. Na época, o Vietnam era uma colônia da França. Com a vitória do líder Ho Chi Min, a França abandonou o país e os americanos enviaram seus adidos militares para dar apoio e orientação militar à resistência do Vietnam do Sul.

ULYSSES

Poderia dizer que meu barco foi batizado de “Ulysses” em homenagem ao grande herói grego da Odisseia de Homero. Seria um nome forte e expressivo!

Poderia relacionar minhas aventuras às fantásticas provações por que passou Ulysses de Troia, em sua viagem de retorno a Ítaca. Seria uma metáfora incrível!

Poderia mesmo imaginar que minhas dificuldades seriam grandes o bastante para associá-las aos perigos enfrentados por Ulysses. Uma comparação enriquecedora…

Mas o motivo que me levara a batizar minha canoa de “Ulysses” é outro: o nome de meu pai! Ulysses teria sido um homem comum, não fosse seu caráter irrepreensível, sua generosidade desinteressada, sua paixão pelos seus filhos e por sua mulher, sua vida impecável, singela e edificante, seu espírito iluminado e sábio…

Meu pai foi meu grande referencial nesta vida e continua sendo meu Norte e meu destino. Sem ele eu não seria ninguém, ou talvez trilhasse outros caminhos e me desviasse da senda da Justiça e do Bem.

Ele não escreveu nenhum livro, mas deixou milhares de páginas escritas em minha memória… suas palavras sempre foram altruístas, idealizadas para converter pensamentos, para gerar ações positivas, para produzir efeitos duradouros nas almas que tiveram o privilégio de conhecê-lo.

Ulysses foi uma unanimidade… dizem que a unanimidade é burra, mas não neste caso! Ninguém que o tenha conhecido poderia ter um pensamento mau para esse Homem essencialmente bom.

Quando eu remar “Ulysses” terei a companhia de meu pai. Foi ele quem me ensinou a remar, ainda jovem; era uma canoa pequena, uma “catraia” daquelas em que os remos estão fixos no centro do barco, fáceis de manobrar. Remávamos contra a correnteza, no rio Pardo, perto de Ribeirão Preto e, quando nos cansávamos, deixávamos o barco voltar lentamente, sentindo a brisa, ouvindo os pássaros, o pensamento voando para bem longe, até o limite da nossa imaginação…

Quando estiver cansado, em minha longa jornada, eu me lembrarei que ele, o meu pai, trabalhou dos doze aos setenta e oito anos de idade, incansavelmente… e nunca se queixou de nada!

Quando me sentir solitário, eu me lembrarei de meu pai, que perdeu sua mãe aos dois anos e seu pai aos seis, vivendo com sua tia em uma pensão simples do interior.

Quando minhas forças me abandonarem, em me lembrarei daquele que dedicou cada esforço de sua vida para nos dar conforto, segurança e oportunidades de aprender, mesmo quando suas próprias forças já o tinham abandonado… e ele, mesmo assim, perseverou até o fim.

Por isso, meu barco se chamará “Ulysses“, nome de meu pai, meu companheiro, meu amigo, meu grande mestre, a quem dedico a minha própria vida!

O rio São Francisco

Percebi que isso não me bastava mais e decidi conhecer melhor o contexto do Velho Chico. Soube que é a maior bacia hidrográfica totalmente inserida em território nacional, com mais de 640 mil km2; isso é mais do que a área de cada um dos territórios dos estados de Minas Gerais e da Bahia.

Esse grande rio, com mais de 2.800 km de extensão, foi descoberto em 1501 por Américo Vespúcio, aquele navegador italiano (Amerigo Vespucci) nascido em Florença em 9 de março de 1454, e falecido em Sevilha em 22 de fevereiro de 1512; também mercador, geógrafo, cosmógrafo e explorador de oceanos, ele viajou pelo Novo Mundo com Cristóvão Colombo, escrevendo sobre estas terras a oeste da Europa.

Vivem, em sua área, cerca de 15 milhões de pessoas em mais de 500 municípios, e dele tiram seu sustento, para subsistência ou consumo. Muitos ainda pescam para sobreviver; alguns ainda caçam em suas matas, mas ninguém pode prescindir de suas águas. A vazão média do rio em sua foz é de 2.700 m3/s, ou seja, dois milhões e setecentos mil litros de água são despejados por segundo no oceano Atlântico! É muita água! Mas já foi muito mais, nos tempos do Descobrimento… mais de cinco vezes isso, conforme estudos recentes de especialistas!

Possui cerca de 160 afluentes, dos quais 100 são perenes e, destes, a maioria nasce e deságua no São Francisco dentro do estado de Minas Gerais. São, no entanto, milhares de outros pequenos cursos de água, drenando as montanhas e contribuindo para a formação e perenização do Velho Chico.

Desde a década de 1950 o Velho Chico vem sendo aprisionado em barragens, cujos objetivos são de regular sua vazão e assegurar a produção de energia elétrica, que abastece mais de 80% das necessidades do Nordeste. Em termos de precipitação pluviométrica, a bacia do São Francisco tem variações de 1.500 mm/ano, no Alto São Francisco, a 300 mm/ano na região do semiárido

Nesta região, onde as chuvas são poucas e os rios perenes também escasseiam, 75% do volume das chuvas se evapora e apenas 25% contribui, efetivamente, para a manutenção do volume de águas do São Francisco. Isso, sem falar na evaporação da própria água que o rio transporta em seu longo percurso, das bombas e canais de irrigação que retiram volumes expressivos de água do rio, e das represas, onde o índice de evaporação está relacionado com a extensão em área desses grandes lagos artificiais. A perda de águas, portanto, é crescente a partir do seu último afluente perene: o rio Grande, que encontra o São Francisco na cidade de Barra, na Bahia. Daí em diante, é só perda de água, na estiagem, sem outras fontes de reposição.

Suas represas são Três Marias, em Minas Gerais, Sobradinho e Luiz Gonzaga entre a Bahia e Pernambuco, e Xingó entre a Bahia, Alagoas e Sergipe. Suas principais hidrelétricas são Três Marias, Sobradinho, Paulo Afonso (I, II, III e IV), Itaparica, Moxotó[1] e Xingó, e geram cerca de 10 mil megawatts de potência (Itaipu gera 14.000 MW). Hoje, Três Marias é mais importante como reguladora da vazão do rio do que como produtora de energia.

Em termos de volume útil armazenado, Sobradinho possui cerca de 34 bilhões de metros cúbicos de água, mais do que o dobro de Três Marias e 14 vezes mais que Itaparica. Em termos de comparação, a baía da Guanabara tem apenas 3 bilhões de metros cúbicos de água. Até 2007 Sobradinho era o maior lago artificial do mundo. Atualmente, é o segundo maior do mundo.

Dizem que o Rio São Francisco, o Velho Chico ou Opará (seu nome indígena, o “Rio-Mar”), também conhecido como o “rio da integração nacional”, tem sua nascente localizada na Serra da Canastra, no sul do Estado de Minas Gerais, próximo a São Roque de Minas. Mas outros questionam essa informação, pois seu primeiro grande afluente, o Samburá, é o mais extenso, desde a nascente, e tem maior volume de águas quando se encontra com o São Francisco. Por isso se fala em uma nascente histórica, na serra da Canastra, e uma nascente geográfica, no planalto do Araxá, município de Medeiros.

Existe uma divisão geográfica que desmembra a bacia em quatro sub-regiões: o Alto São Francisco, que vai da nascente até a cidade de Pirapora/MG; o Médio São Francisco, de Pirapora até Remanso/BA; o Submédio, de Remanso até Paulo Afonso/BA; e o Baixo São Francisco, que se estende de Paulo Afonso até a foz.

Essa divisão é política e não representa a diversidade geográfica, geológica e ambiental da bacia. Em nosso entendimento, para se estudar a bacia do São Francisco, primeiramente, há que se segregar as áreas represadas do curso natural do rio. Também é importante discernir entre os diferentes biomas do Alto São Francisco: a região do planalto da Serra da Canastra, tipicamente uma área de cerrado, localizada em altitudes médias de 1.300 metros; a região de montanha, de matas tropicais, onde o rio desce cerca de 300 metros em menos de 100 km, produzindo corredeiras rápidas, em contraste com o percurso restante do rio, descontadas as barragens, cuja declividade é de cerca de 15 cm por quilômetro!

Finalmente, deve-se distinguir entre as diferentes interferências humanas em cada região, que estão relacionadas às lendas, tradições, formação cultural, etnias, lavouras, costumes… dessa forma, o trecho compreendido entre a barragem de Três Marias e a cidade de Pirapora não pode estar na mesma sub-região do trecho compreendido entre a confluência do rio Samburá com o São Francisco e o início do lago da represa de Três Marias. As diferenças não se resumem à geologia e à biologia, mas à própria presença e concentração humana em cada trecho. Para melhor compreender o rio São Francisco e ter uma posição sustentável a respeito do projeto de transposição, seria necessário conviver com esse rio em sua intimidade. Havia, no mínimo, uma tremenda contradição entre constatar que o rio está morrendo, e dele retirar tal volume de água. Seria como retirar sangue de um enfermo em estado grave para cuidar de outro doente terminal! Foi justamente essa contradição que me convenceu a prosseguir.


[1]    Moxotó – construída na década de 1970 para servir de reservatório de reposição às usinas de Paulo Afonso, atualmente é conhecida como Usina Apolônio Sales, em homenagem ao idealizador da CHESF.

MEU PROJETO

Minha expedição começava a se delinear e tomar forma. Comprei e li todos os livros que encontrei, li artigos e debates na Internet a respeito da polêmica do desvio das águas, acompanhei por incontáveis vezes o traçado do rio no Google Earth[1] e nos mapas geográficos do IBGE[2] para os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas, por onde passaria.

Faltava definir o meio de transporte que mais se adequasse ao grande rio. Deveria ser de fácil manobra e transporte, capacidade de carga para 120 dias, ser eficiente em corredeiras… apesar de não ser o barco ideal, optei pela canoa canadense[3]. Outro aventureiro já havia feito esse percurso em 2004, com sucesso, e também de canoa canadense.

Junior, em sua viagem de 2004, fez coleta de amostras da água em diversos pontos do rio para uma equipe de pesquisadores de uma Universidade Federal. Achei a ideia interessante e me propus a atualizar esses dados com novas coletas. Até obtive os kits de coleta de uma indústria. No entanto, infelizmente não consegui contato, em tempo hábil, com esses pesquisadores e com outros centros de estudo, e a proposta foi inviabilizada. Lamentei muito isso…

Aproveitei seu projeto no que pude e obtive dele todo apoio e ajuda para desenvolver o meu próprio projeto. Pretendia identificar minha expedição com as questões ambientais que predominam nas acaloradas discussões sobre a revitalização do São Francisco, mais importantes do que as razões, verdadeiras ou não, da transposição de suas águas, de cunho essencialmente político e eleitoreiro, menos do que as razões econômicas ou sociais, propaladas aos quatro cantos pelos seus defensores.

Meu projeto teria que finalizar com um produto relevante: a publicação de um livro ilustrado, um documentário com meu entendimento do rio e de seus dilemas, uma radiografia leiga e apaixonada daquilo que minha visão pudesse captar de seu meio ambiente e sua população.

Um lugar que há muito tempo pretendo visitar e deveria ser incluído em meu roteiro é o Parque Nacional Cavernas de Peruaçu. É uma região pouco visitada, pois o parque ainda não tem plano de manejo aprovado pelo IBAMA[4]. Lá se encontram grutas de rara beleza e grande importância cultural, científica (espeleológica) e turística para a região e para o Brasil. O Parque Nacional “Cavernas de Peruaçu” localiza-se entre os municípios de Itacarambi e Januária, ao norte de Minas Gerais. Meu propósito inicial era permanecer por lá durante cerca de uma semana e percorrer o vale do rio Peruaçu.

Em minha passagem pelas cidades, pretendia conversar com a população, ouvir suas histórias, conhecer seu entendimento a respeito do rio São Francisco e, se possível, apresentar minhas próprias ideias a respeito da preservação ambiental, expondo-lhes as experiências pelas quais passei e as informações que obtive de pescadores, de outros ribeirinhos e da própria Natureza a respeito da situação ao longo do rio. Afinal, somente eles poderiam assegurar a preservação ambiental de sua região, com atitudes corretas e conscientes.

Levarei comigo um documento que eu denominei “Protocolo do São Francisco”, espécie de compromisso público para o qual pretendo obter o apoio e a adesão de políticos, empresários e da população local, como um compromisso e um plano de ação destinado a assegurar a recuperação e a revitalização do rio São Francisco em um prazo razoável e de forma permanente e sustentável.

Muitas outras possibilidades poderiam ser aventadas, enriquecendo a expedição e seus resultados, mas preferi focar mesmo nesses aspectos ambientais, e não na imagem de aventureiro e canoísta. Seria, certamente, a maior viagem de minha vida, reservando intensas emoções desde seu início. Sentia-me pronto, preparado, motivado e ansioso por começar. Os preparativos duraram 5 meses, até maio de 2009.

Cada detalhe havia sido previsto, embora soubesse que, na prática, a realidade seria bem diferente, e estaria exposto a situações nunca antes vivenciadas. Uma aventura, de verdade! Minha maior preocupação era o volume e o peso das cargas que teria de transportar, uma vez que o propósito inicial era de não depender de nenhum apoio externo… uma expedição autossuficiente, mesmo com meus eventuais encontros com a população. Era um propósito purista e equivocado.


[1]    Google Earthhttp://earth.google.com/intl/pt/ ferramenta da web baseada em fotografias de satélites.

[2]    IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

[3]    Canoa Canadense – pequeno barco a remo, de 4,55 m por 0,80 m com as extremidades levemente curvas e fundo arredondado e sem quilha. Fabricada com fibra de vidro, seu peso é de 23 kg. Utiliza apenas um remo de única pá, alternando-se as remadas com ambas as mãos. Possibilita diferentes técnicas de remada, o que lhe confere grande versatilidade de estilos e facilidade de manobras. Adequada a águas tranquilas, apresenta maior fragilidade em ambientes de águas revoltas e corredeiras..

[4]    IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

PATROCÍNIOS

A busca por patrocínio foi um esforço inútil… as empresas só se interessam por aquilo que lhes traga benefícios, não importam os valores sociais, econômicos, culturais e ecológicos de um trabalho sério e responsável. Enviei mais de 200 solicitações de apoio para as grandes organizações que se dizem comprometidas com o meio ambiente, principalmente da região. Quase todas que me responderam, cumprimentaram minha iniciativa pela importância de meu projeto e declinaram do apoio, sem justa razão que eu pudesse compreender.

Mas consegui duas importantes conquistas: a primeira foi da proprietária da Tui Alimentos, empresa de Limeira, interior do estado de São Paulo[1], Carmen Kawall. Ela me forneceria todas as refeições desidratadas para 120 dias de expedição. Comida excelente, vegetariana, com um sabor excepcional e de fácil preparo. Apreciei cada uma delas, e me senti muito disposto todos os dias. Complementei essas refeições com leite em pó, chocolate, granola, sementes e castanhas, além de damasco e banana passa. Nas cidades e povoados comeria o que me oferecessem.

A outra oferta partiu da Udenio, representante da Nikon, fabricante de máquinas fotográficas[2], através de Marina Cromberg, que me forneceu uma câmera Nikon P80 de 10,1 megapixels, leve e de fácil manuseio, com recursos de zoom óptico, além de facilidades de repetição de fotos com alvos em movimento e fixação de foco para alvos móveis. Excelente equipamento, que me gerou belas fotos.


[1]    TUI Alimentoswww.tuialimentos.com.br

[2]    Nikon Udeniowww.nikonbrasil.com.br

PREPARAÇÃO

Minha preparação física vem sendo feita durante os últimos 10 anos em que me dedico a vários esportes da Natureza: mergulho equipado (SCUBA[1]), trekking[2], hiking[3], mountain bike[4], escalada em rocha, espeleologia[5]… eu os complementei durante o ano de 2008 com práticas de musculação e corridas diárias de até 10.000 metros, em esteiras da academia ou no parque da minha cidade (“Curupira[6]).

Vivendo 24 horas focado nesse projeto, busquei o conhecimento em livros e sites que tratavam do rio São Francisco e da região do semiárido brasileiro. Eram informações para um leigo, mas intensas e diversificadas: as viagens de Teodoro Sampaio pelo rio São Francisco e a Chapada Diamantina, as análises da potencialidade do semiárido brasileiro, feitas por Manoel Bonfim Ribeiro, o lirismo poético de Carlos Rodrigues Brandão, construindo suas próprias lendas sobre o rio São Francisco, “o meu destino”, a viagem às nascentes do Velho Chico realizadas por Auguste de Saint-Hilaire

Para minha estranheza e decepção, muito pouco se escreveu sobre nosso grande rio em seus 500 anos de história. Ao menos que eu saiba e tenha tido acesso em minha pesquisa. Caberia, portanto, mais uma versão, a minha, para colaborar com o entendimento das suas mazelas e atrocidades, vítima que foi de uma exploração descontrolada e predatória, desde a extinção de grande parcela de mata ciliar durante a época da navegação a vapor do início do século passado, até a construção das represas, causando enormes impactos ambientais, a despeito dos seus benefícios indiscutíveis.

Assim, já podia levar em minha bagagem um pouco de conhecimento sobre o que viria a constatar nessa incrível viagem: redução da oferta de peixes em toda sua extensão, desaparecimento de muitas espécies animais e de sua flora, desabamento de barrancos e assoreamento do rio, com a consequente diminuição de sua profundidade média, redução da oferta de água de seus afluentes, muitos deles extintos pela eliminação da mata ciliar que os protegia, contaminação das águas dos rios com agrotóxicos e esgoto urbano… um extenso rol de problemas a serem comprovados, discutidos, avaliados.

Porém, muitas surpresas haveria de existir em meu caminho! A diversidade biológica ainda impressiona a todos que percorrem esse caminho mágico: aves em grande quantidade e variedade, onças negras, pardas e pintadas, lobos-guará, capivaras, peixes, tartarugas, quatis, jacarés, macacos…

Afora essas questões ambientais, está o homem: sua presença altera tudo, seja pela destruição que causa, seja pela diversidade de profissões que desenvolveu ao longo do tempo, em suas margens: barqueiro[7], lavrador de áreas de lameiro[8] (vazanteiro[9]), pescador, brejeiro[10], carvoeiro[11], garimpeiro, artistas de teatro mambembe[12], caixeiro viajante[13], artesão, vaqueiro, comerciante de todo tipo de produto (inclusive através de práticas frequentes de escambo[14])…

É necessário e urgente que se tomem ações efetivas de revitalização do rio São Francisco, sem demagogia e sem interesses eleitoreiros. Só quem viveu um pouco em seus domínios pode compreender a essência e a profundidade desse apelo, pelo entendimento do gigantismo dessa nação chamada “São Francisco”.

Meus amigos e companheiros de aventura, Heitor e Paulo Eduardo, contemplando a Cachoeira da Casca D’anta

[1]    SCUBA – Self-Contained Undewater Breathing Apparatus (equipamento de respiração sob a água compreendendo o cilindro de ar, regulador de pressão do are e colete equilibrador).

[2]    Trekking – atividade esportiva de percurso de trilhas a pé, geralmente com duração de mais de um dia.

[3]    Hiking – atividade esportiva de percurso de trilhas a pé, de curta duração e sem pernoite.

[4]    Mountain Bike – descida de montanha com o uso de bicicletas preparadas para esse tipo de atividade.

[5]    Espeleologia – estudo multidisciplinar do meio ambiente das cavernas, grutas e abismos.

[6]    O Curupira é uma figura do folclore brasileiro. Ele é uma entidade das matas, um anão de cabelos compridos e vermelhos, cuja característica principal são os pés virados para trás. (Wikipédia).

[7]    Barqueiro – proprietário de barcos, é também o comerciante e capitão da embarcação. Costuma fazer o transporte de mercadoria entre as cidades ribeirinhas, adquirindo-as e vendendo-as nas feiras livres.

[8]    Lameiro – área de terreno alagável, enriquecido pelo barro trazido pelas cheias dos rios.

[9]    Vazanteiro – lavrador que trabalha as áreas de terreno alagáveis, durante o período de vazante dos rios.

[10]  Brejeiro – lavrador que vive e trabalha em terras alagadas, de brejos situados nas proximidades do rio São Francisco. A região de Barra até Xique-Xique possui muitas terras habitadas por esses trabalhadores.

[11]  Carvoeiro – atividade ilegal de produção de carvão vegetal a partir de lenha retirada da Caatinga e do Cerrado. Muitas indústrias de transformação, principalmente mineradoras, ainda utilizam esse combustível em suas fornalhas, causando grande devastação e desmatamento em áreas de preservação.

[12]  Mambembe – teatro itinerante, similar aos saltimbancos da Idade Média, que percorre o sertão em caminhões, apresentando peças de gosto popular e atividades circenses.

[13]  Caixeiro Viajante – é uma profissão antiga, de uma pessoa que vende produtos fora da região onde eles são produzidos. Antigamente, quando não havia a facilidade do transporte entre as cidades, os caixeiros-viajantes eram os únicos a comercializar produtos entre diferentes regiões fora das grandes cidades. (Wikipédia).

[14]  Escambo – antiga prática de troca de mercadorias, muito comum na Idade Média, quando não havia moeda impressa ou cunhada, nem dinheiro circulante. Ainda é muito usual nos vilarejos do Sertão.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DA ÁGUA

ONU, 22 de março de 1.992

“A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão, é plenamente responsável aos olhos de todos.”

“A água é a seiva de nosso planeta. Ela é condição essencial de vida de todo vegetal, animal ou ser humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura.”

“Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.”

“O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.”

“A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo dos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como a obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.”

“A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.”

“A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.”

“A utilização da água implica em respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.”

“A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.”

“O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.”

Esta declaração foi publicada pela Organização das Nações Unidas em 22 de março de 1992

A SERRA DA CANASTRA

Ainda estou vinculado demais à civilização que acabo de deixar. Mesmo assim, muitas surpresas estariam reservadas para mim nesses próximos poucos dias.

Ribeirão Preto, 29 de maio de 2009

Esperávamos o Paulo e o Heitor para o almoço, pois eu pretendia chegar a São Roque de Minas em tempo de descansar e sair para a trilha logo pela manhã de sábado.

No entanto, já passava das seis horas da tarde quando eles me ligaram, dizendo que haviam chegado a Ribeirão Preto, mas não conseguiam encontrar a minha casa. Fomos buscá-los no estacionamento do Shopping… e, para minha surpresa, o jeep que o Paulo acabara de comprar, estava coberto de adesivos de minha expedição!

Como se não bastasse, eles fizeram camisetas e bonés, com o logotipo  da expedição, que o Heitor havia criado especialmente para mim. Levei-os para casa ainda sob o impacto daquela surpresa fantástica, um presente que só mesmo meus amigos de verdade poderiam me oferecer.

Eu havia deixado a canoa na academia de um amigo. Eu a trouxera de Santana do Parnaíba, nas proximidades de São Paulo, onde fora construída. No percurso, fiquei um dia em uma represa de Atibaia, com o “Tonico”, meu amigo, onde fizemos vários treinamentos de manobras, recordando os conceitos que aprendi cm o “Tonhão”, durante os quatro últimos dias do curso de “Formação de Educadores ao Ar Livre”, da Outward Bound Brasil. Essa era toda experiência que eu adquirira em cinco dias de treinamento de canoas a remo.

Seguimos para a Serra da Canastra depois de colocar toda minha bagagem e a canoa no jeep. Já era bem tarde quando saímos. A viagem transcorreu sem problemas. Ao entrar em São Roque de Minas, um veículo nos dava sinais de luz, insistentemente. Reduzimos a marcha, deixando-o se aproximar, e ele nos alcançou. Qual não foi nossa surpresa quando, ao nosso lado, estava minha filha Mônica! Mesmo se tivéssemos combinado, não nos encontraríamos nesse local com tanta precisão.

Registramos nossa chegada na pousada e logo fomos dormir, pois no dia seguinte daríamos início à trilha, desde a nascente até a parte baixa da Casca D’anta, onde pernoitaríamos de sábado para domingo no alojamento do Parque, cedido pelo Ibama depois de muita negociação e desgaste… como é difícil lidar com o Poder Público!

Essa trilha percorre cerca de 17 quilômetros no trecho alto da serra e mais 3 quilômetros na descida até a base da cachoeira. Trata-se de uma trilha fácil, com pouca declividade e nenhum obstáculo significativo. O grande problema é o matagal e nosso desconhecimento do percurso, o que nos induziu, às vezes, à escolha dos piores caminhos para ultrapassar os obstáculos.

Na trilha da Canastra, 30 de maio de 2009

Sul: 200 14´ – Oeste: 460 26´ – Altitude: 1.459 metros

Dormimos muito pouco; pela manhã, tomamos um café reforçado e seguimos para a nascente do rio São Francisco. Na portaria do parque, para nossa surpresa, não havia nenhuma autorização para realizarmos a trilha, embora eu tivesse solicitado e obtido a aprovação do diretor do parque com bastante antecedência. Depois de mais outra negociação, o funcionário finalmente nos liberou para a caminhada.

Chegando à nascente, depois das fotografias de praxe, demos início à trilha. Minha filha levaria o jeep com a canoa até a parte alta da Casca D’anta[1] e nos aguardaria por volta das 17 horas. Então seguiríamos até a parte baixa da cachoeira e do parque da serra da Canastra, e eles retornariam à pousada.

No dia seguinte ela iria nos buscar na portaria de baixo do parque, para procurarmos um local de onde seria possível iniciar a navegação, próximo a Vargem Bonita. Feitos os entendimentos logísticos da operação, iniciamos a caminhada.

No entanto, para nossa surpresa, não havia trilha. O terreno era coberto de vegetação seca e espinhosa. Andamos por horas ao longo das margens do riacho, quando era possível, ou contornávamos os obstáculos pelas colinas, ultrapassando seus afluentes, procurando os caminhos possíveis naquela situação.

Muitas vezes era necessário seguir por capinzais altos, subindo e descendo morros, pela falta de alternativas. Até mesmo um trecho de capim-gordura tivemos que atravessar. Nossas roupas ficaram cobertas de um líquido pegajoso e cheiro desagradável, difícil de retirar; não havia caminhos alternativos.

Mas a paisagem era magnífica, com pequenas cachoeiras cristalinas, muita vegetação típica do cerrado, patos mergulhões nas pequenas lagoas (remansos) formadas pelo rio; não vimos nenhum tamanduá-bandeira, como esperávamos, assim como nenhum outro animal selvagem dos cerrados: carcarás, tatus-canastra, lobos-guarás, veados campeiros… nada, com exceção de uma pequena cobra coral, aninhada sob meu pé…

Depois de longa caminhada constatamos que a trilha era muito mais extensa do que pensávamos. Andamos por horas às margens do rio. Às quatro da tarde, como é de  hábito entre os montanhistas, começamos a procurar um local para pernoite.

Chegamos a um remanso com uma pequena cascata e muita areia branca e fina, que nos pareceu adequado. Não levávamos barraca, pois nos disseram que seria fácil chegarmos ao nosso destino (o alojamento do parque) antes do anoitecer.

Felizmente o tempo estava bom e não havia previsão de chuvas. Montamos nosso bivaque[2], estendendo o saco de dormir na areia, da melhor maneira possível. Sempre levo sementes e castanhas em minhas caminhadas, assim como cobertor térmico, que usei como isolante. Não estava com fome e as castanhas me satisfizeram.

Paulo e Heitor prepararam seu jantar (macarrão) e conversamos por algumas horas antes de adormecer. Fazia muito frio e nos agasalhamos como pudemos. Estávamos frustrados por não cumprir nosso objetivo: chegar ao alojamento no primeiro dia… mesmo assim, adormecemos.


[1]    Casca D’anta – maior cachoeira em queda livre do rio São Francisco. Localizada em São José do Barreiro (MG), distrito que fica a 38 quilômetros de São Roque de Minas, é formada por 186 metros de queda d’água e está emoldurada em uma parede de rocha de cerda de 340 metros de altura. (Wikipédia).

[2]  Bivaque – pernoite ao relento, sem equipamentos apropriados e de forma improvisada.

Na trilha da Canastra, 31 de maio de 2009

Sul: 200 18´ – Oeste: 460 31´ – Altitude: 1.186 metros

Saímos às 07h30 e caminhamos até às 13h30, quando alcançamos a base da Casca D’anta e nos dirigimos a um restaurante, logo à saída do parque. Minha filha, preocupada com nosso atraso e com a falta de notícias, nos esperava.

Almoçamos aquela comidinha gostosa dos mineiros, feita em fogão a lenha, e seguimos para a pousada, passando por lugares onde seria possível colocar minha canoa na água. Naquele dia nada encontramos, mas eu sabia que poderia sair próximo a Vargem Bonita, a poucos quilômetros dali.

A etapa da Serra da Canastra havia sido concluída. Fizemos a trilha da nascente e pudemos conhecer um pouco da diversidade da região do cerrado, embora eu já tivesse estado por lá muitas vezes, com outros olhos e outros interesses.

Ficou, para mim, a percepção de que, nos limites do Parque Nacional, o rio São Francisco estava bem protegido e bem cuidado. O acesso às suas águas era restrito e as condições do terreno e da vida em seu entorno permaneciam nas mãos da Natureza. No entanto, o entorno do Parque, sua zona de amortecimento, ainda causa preocupações.

Agradeci aos funcionários do Parque pela atenção e cuidados, e também por me concederem a oportunidade de conviver intimamente com o São Francisco em sua fase de nascimento e desenvolvimento. Que seus visitantes saibam respeitá-lo!

De lá nada levei além das fotografias e recordações, e lá não deixei sequer minhas pegadas, mas ficou minha energia, que se dissipou nos ares puros da Canastra, as emoções que senti, e o calor de minh’alma enriquecida pelas belezas naturais desse lugar. Espero poder retornar mais vezes a esse paraíso natural.

Meditei bastante sobre as funções conscientizadoras dos parques e reservas naturais: sem sua existência, nossa sociedade jamais poderia compreender o que ainda existe oculto em nossas montanhas, matas, rios, oceanos, cavernas, savanas… a evolução da consciência ecológica brasileira depende da preservação desses santuários da vida selvagem; por outro lado, sua existência costuma servir como justificativa para se acabar com todo restante de natureza preservada; “afinal, não é para isso que se criaram os parques e reservas naturais?” Precisamos ampliar urgentemente nossas reservas!

Eu jamais compreenderei a mente perversa dos destruidores da Natureza. Não existe lógica em seu raciocínio! São inimigos da beleza, da vida, de tudo o que pode ser considerado um refúgio de vida selvagem. Por eles, o mundo seria um imenso campo semeado de monoculturas… pura monotonia e ausência total da riqueza original do mundo, sem a interferência humana!

Os ambientalistas são seus inimigos declarados, não porque querem acabar com a agricultura, ou a pecuária, ou qualquer outra forma necessária de produção de alimentos, mas porque não existem limites para a ganância humana! Precisamos mudar essa mentalidade torpe e obter apoio para conscientizar a população do mundo da necessidade imperativa dos ambientes naturais, não apenas para satisfazer nossos ideais de beleza, mas como fonte insubstituível de vida, uma questão de sobrevivência! Espero que meu trabalho contribua também para isso…

O RIO DESCE A MONTANHA

Vargem Bonita, A partida, 1º de junho de 2009

Sul: 200 19´ – Oeste: 460 29´ – Altitude: 829 metros

Hoje seria um dia decisivo para minha expedição, quando finalmente iniciaria a etapa náutica, percorrendo as vertentes das colinas nas corredeiras do São Francisco. Minha expectativa aumentava a cada minuto, ansioso por embarcar.

A manhã toda foi de preparativos e de revisão do equipamento.

Conforme indicações, eu sairia de um local distante cerca de 5 km de Vargem Bonita, em direção à Casca D’anta. Encontramos um parque de arvorismo com boas possibilidades de embarque. Eles nos autorizaram a utilizar suas praias de rio, repletas de cascalhos e águas cristalinas.

Passamos mais duas horas para descarregar a canoa, limpá-la, colar os adesivos e embarcar toda bagagem, amarrando-a ao piso do barco para evitar que se dispersasse em caso de uma provável rolagem nas corredeiras. Afinal, não tivera nenhum treinamento  nessas águas agitadas, conhecidas como águas brancas devido às espumas formadas na sua superfície, que muitos me disseram não existir no São Francisco. Vejamos…

De volta ao rio…

Às 13h30, finalmente coloquei minha canoa “Ulysses” nas águas do Velho Chico.

Hoje remei pouco… apenas alguns quilômetros. Às 15h30  encontrei uma pequena praia e minha canoa se deslocou naturalmente em sua direção, ancorando na areia.

Foi um trecho pequeno, mas repleto de corredeiras fáceis, que me introduziram nesse novo ambiente de navegação, e exigiram habilidades que eu não desenvolvera. Felizmente, consegui superar essas dificuldades iniciais, aprendi algumas técnicas de abordagem de corredeiras e agora estou aqui, no meio do rio, cercado de matas e do ruído das águas, dos insetos e das aves, abundantes nessa região selvagem e bela.

Uma sensação ao mesmo tempo estranha e empolgante: estou aqui, vivendo com meus próprios recursos, resolvendo meus problemas sem a ajuda de ninguém, e disponível para meditar sobre a vida, no que restam de meus dias, e o que farei deles.

Sinto-me ainda capaz de desenvolver projetos, realizar sonhos, mas, ao mesmo tempo, relegado ao esquecimento pela sociedade que me quis assim, aposentado precocemente.

Serão meses de isolamento e solidão, questionamento e avaliação das razões do existir. Terei, assim, que conviver comigo por muito tempo. O que me acontecerá depois?

Lá fora a chuva cai, mansa, quase silenciosa… meu universo se encolheu para essa pequena barraca! Minha canoa está ancorada na areia e tenho receio de que a chuva aumente e me obrigue a mudar tudo de lugar, se o rio crescer de madrugada.

Que imprudência! Preciso repensar minhas atitudes daqui para frente. Na Natureza nossos erros não são perdoados e, geralmente, as consequências costumam ser bastante trágicas. E se eu perdesse a canoa e toda minha carga?

Espero que as lembranças e a companhia de meu pai me ajudem a suportar todo peso dessa expedição e me dê forças, coragem e determinação para seguir até o fim.

Que a Natureza também seja condescendente comigo, e me deixe aprender aos poucos suas lições. Isso não se aprende nas escolas, nos treinamentos, em salas de aula.

Local provável: cachoeira de “Lion”, 2 de junho de 2009

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 19´ – Altitude: 758 metros

Esse nome é presumido; ouvi-o de um pescador, não compreendi a pronúncia e não consta dos mapas da região. Como não encontrei um nome semelhante, assumi este.

Dia surpreendente hoje! O rio serpenteia durante todo percurso e a cada curva, uma corredeira! Paisagens fantásticas, principalmente nas imediações de Vargem Bonita. A cidade não chega à margem do rio. A Natureza, bem preservada, muita mata, muitos peixes, água transparente, grande variedade de pássaros: gaviões, garças brancas, garças cinzentas, tucanos, dezenas de outras espécies, cujos nomes desconheço…

Um casal de patos mergulhões esteve presente em meu caminho, à frente, durante todo dia, mas não se deixou fotografar… bastava eu me aproximar e eles levantavam voo e pousavam adiante, parece até de propósito, à minha espera.

Algumas corredeiras foram difíceis para mim, pois, na curva, o rio adquire grande velocidade e, não importa o ângulo de tomada de curva, a canoa é lançada contra a margem oposta, violentamente!

Muitas vezes consegui evitar o choque, mas em outras foi impossível. Às vezes eu era lançado contra árvores tombadas sobre a água, obrigando-me a me defender com o remo. Mesmo assim, eu chegava a me enroscar nos galhos.

Agora estou pernoitando sobre umas pedras, à margem do rio, e próximo à cachoeira de “Lion” (?). Eles, os ribeirinhos, chamam essas corredeiras maiores de “cachoeiras”, com certa razão. Esta aqui parece um obstáculo intransponível, ao menos para mim. O barulho das águas é muito forte e formam-se buracos na superfície, causados pelas pedras no fundo do rio. Tive que parar em uma pequena praia e ancorar o barco nas pedras.

Para conseguir chegar próximo às corredeiras foi preciso usar roupa de neoprene e nadadeiras. Não quis me arriscar com o barco antes de conhecer as possibilidades de passagem. Mesmo assim tive dificuldade para voltar, tão forte era a correnteza. Passei para a outra margem e não encontrei  saída.

Amanhã levarei uma corda ao outro lado para poder puxar o barco sem me arriscar a ser tragado pela corredeira. Existe uma fazenda de gado na encosta do morro e pretendo explorar as possibilidades de portagem por essa pradaria desmatada.

Terei que desmontar toda carga pela primeira vez, e transportá-la junto com a canoa até depois da corredeira. Ainda não sei o grau de dificuldade dessa alternativa, mas, com certeza, consumirei toda manhã nessa tarefa.

Apesar do frio, este local é excelente para pernoite. O céu está estrelado, vejo claramente a Via Láctea, e só ouço o barulho da cachoeira, dos pássaros e dos insetos.

Hoje jantei um macarrão com brócolis ao pesto. Acrescentei tomate seco, pimenta, gengibre e um pouco de azeite de oliva. Uma delícia! Como estava faminto, comi as duas porções do saquinho e tomei uma limonada em pó.

Ontem minha música se calou… a bateria do ipod só durou umas poucas horas; ficou evidente que não terei música no caminho, pois a placa de bateria solar se mostrou ineficiente para carregar qualquer tipo de equipamento eletrônico.

Bem, vou tentar dormir e guardar a ansiedade para amanhã. Sinto uma falta imensa da Mory (minha mulher), de minha mãe, minhas filhas e de meu netinho, razões mais expressivas de meu viver…

Primeiro contratempo, 03/06/2009 – 06h30

A noite foi muito fria! Não consigo saber a temperatura, pois não trouxe termômetro, mas a umidade do ar beirava os 100%. Uma densa e gelada neblina ainda cobre o rio e condensa-se em tudo ao seu redor. A barraca está molhada como se tivesse chovido durante toda noite. A condensação da umidade interna da barraca se concentrou na cobertura interna e molhou até o saco de dormir. Parece que a umidade penetra em tudo!

Não tive nenhuma ideia “brilhante” de como sair daqui, mas vou esperar o sol nascer e a neblina desaparecer, pois minhas mãos e meus pés estão congelados! Tentarei subir pela margem esquerda do rio, onde estou acampado, para evitar atravessar novamente a nado, e transportar a bagagem e o barco pela trilha do gado, que deve ser lamacenta e coberta de estrume, mas pode ser o meu caminho de saída.

Os peixes são tantos que saltam continuamente fora d’água. Devem medir, em média, uns 40 cm. Eu ainda não tentei pescá-los… sinto pena deles. Nunca serei um pescador! O sol já nasceu… vejo sua luz, mas não o enxergo sob a densa neblina da manhã. Nas pedras, onde passei a noite, o rio é tão estreito que daria para arremessar a corda para o outro lado. Arrependo-me de não ter trazido uma âncora. Agora ela seria útil para laçar uma árvore e puxar o barco para o outro lado sem ter que nadar nessas águas geladas. Não sei como consegui nadar ontem, sem ter uma cãibra.

A neblina já começou a se dissipar com o calor dos raios do sol. E a vida também se manifesta no canto dos pássaros, preguiçosos como eu, a gorjear nas matas vizinhas.

O barulho da pequena cachoeira é contínuo e forte; dormi um sono intermitente, embora revigorante. Parece que não preciso de muitas horas de sono para me recuperar, pois o silêncio, a escuridão e o ambiente são tranquilizadores!

Só imagino  o que teria acontecido se eu não tivesse conseguido evitar a cachoeira… provavelmente teria acionado o botão de pânico do rastreador que ganhei de presente de minhas filhas, o melhor equipamento que poderia ter trazido!

Com ele posso tranquilizá-las todas as noites, informando a minha localização exata, graças a um sistema de GPS. Espero não ter que usá-lo para pedir ajuda!

O sol já tinge de dourado a copa das árvores e a neblina desapareceu, como por encanto. Porém, ainda continua muito frio e sair da barraca e do saco de dormir é desanimador…

Hoje vou preparar um leite quente com chocolate para me recuperar da noite gelada. E beber na caneca com a foto de meu netinho Nícolas… que saudade dessa criaturinha que transformou a minha vida! Que alegria vê-lo sorrir, tomá-lo em meus braços, cuidar, passear, conversar com ele, ainda que não compreenda sua linguagem.

Ainda teremos muitas alegrias com esse garotinho tão bem-vindo às nossas vidas! Jamais imaginei que a essa altura de minha vida pudesse ter tamanha felicidade.

Conhecendo as corredeiras, 03/06/2009 – 19h45

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 18´ – Altitude: 746 metros

Que dia terrível!

Comecei muito bem, passando a corredeira que tanto me atormentara… não havia jeito de fazer uma portagem naquele local e acabei decidindo enfrentar a corredeira. E deu certo: consegui passá-la até com certa tranquilidade. Fiquei bastante feliz com isso.

Pela manhã, demorei algumas horas para secar todo meu equipamento: barraca, saco de dormir, toalha, panos, roupas, tudo, enfim, molhado pela garoa da noite anterior. A barraca se molhou com a cobertura externa, que condensou o calor interno de meu próprio corpo.

Saindo da corredeira remei com entusiasmo, percorrendo um bom trecho em poucas horas. A paisagem lindíssima e, em grande parte, preservada, quase intacta, não fosse a criação de gado nas fazendas. Gado solto, andando livre pelas matas e pelos barrancos caídos, pastando às margens do rio e até entrando nele para beber água e, é claro, defecando em suas águas! Onde estão esses fazendeiros? E a polícia florestal?

Depois de várias corredeiras encontro uma que não consigo vencer; a queda mais acentuada e o grande peso da carga na proa fizeram a canoa se encher d’água  na  inclinação causada pelo desvio das pedras, e em poucos segundos! Para evitar que ela se virasse e emborcasse, saltei na água e a conduzi até o barranco mais próximo.

Achei mais fácil tirar a água da canoa com uma caneca do que desamarrar e retirar toda carga para entornar a canoa. Devo ter tirado uns 300 litros de água!

Subi no barco e continuei a remar… normalmente, depois de uma corredeira vem um trecho de águas calmas, e já estava acostumado com isso. Essa corredeira, no entanto, era diferente, com grandes pedras obstruindo todo leito do rio e paredes de rocha em ambas as margens, o que impedia qualquer portagem.

Não tendo observado essa mudança de padrão, quase fui lançado na verdadeira cachoeira: enorme, com um ronco assustador! Verdadeira água branca de que falam os aventureiros! Quem disse que o Velho Chico não as tem?

Essa, para mim, devia ser uma “classe 3”[1], apesar de sua pouca extensão. Até me imaginei rolando pelas águas, chocando-me contra as pedras, esfacelando-me com minha canoa, como se fosse construída com papelão, minha carga se dispersando nas espumas…

Remei com todas as minhas forças, mas o barco não saía do lugar, próximo demais do ponto sem retorno. Puxava as águas com violência, procurando usar toda técnica que aprendi no rio… esforço inútil! Consegui, finalmente, me aproximar de uma pedra, quase à superfície; joguei a proa de encontro à pedra, forçando o bico da canoa sobre ela.

Deu certo! O barco encalhou no meio do rio, a menos de um metro da primeira queda, a mais violenta de todas! Fiquei, por uns momentos, parado, recuperando o fôlego…

Ouvia o rugir das águas às minhas costas, sem poder fazer nada. Às vezes, tinha que remar, mesmo com o barco preso à pedra, para que ele não se soltasse. Sabia que precisava fazer alguma coisa, pois não iria aguentar por muito tempo essa situação. Cansado, minhas ideias se confundiam, e me imaginava sendo levado pelas águas.

Resolvi, então, tomar uma atitude drástica e arriscada: saltei da canoa, agarrei a corda da popa e a enrosquei em uma pedra um pouco atrás. Mais uma vez, deu certo!

Agora, com o barco estabilizado, peguei a corda longa que, providencialmente, havia amarrado na proa, e imobilizei a canoa. Depois eu a retirei para um lugar seguro.

Fui averiguar o tamanho da corredeira e me assustei com o que vi; realmente seria impossível passar com uma canoa por esse turbilhão de águas correntes!

Voltei ao barco; já passava das 15 horas e não poderia fazer mais quase nada. Ou dormiria nas pedras, como no dia anterior, ou teria que encontrar outro local.

Resolvi voltar à última corredeira que havia transposto e procurar uma saída. Remei pela margem, depois de arrastar a canoa para fora da zona de perigo, até chegar nas pedras da corredeira anterior, aquela que quase afundou meu barco.

Por lá não havia saída; a velocidade e a força das águas impediam meu recuo. Segui, então, pela margem esquerda até uma minúscula praia à beira de um riacho.

Fixei a canoa na areia da praia e subi o barranco. Precisava encontrar um meio de contornar a corredeira, passando sobre a montanha. Mas antes precisava de um refúgio.

Assim que ultrapassei o barranco me surpreendi com duas cachoeiras gêmeas, formando uma pequena lagoa de águas verdes e cristalinas, cercadas pela densa mata.

Refeito da magnífica surpresa, comecei a subir o morro com duas expectativas: encontrar um caminho alternativo para a portagem e alguém que pudesse me ajudar a transportar os 120 kg da canoa e das bagagens morro acima. Cheguei a improvisar uma escalada e um rapel para poder me movimentar com segurança naquele barranco íngreme.

Mas a montanha era intransponível! Além da distância e altura, o afluente cavara uma enorme e extensa grota, coberta de densa vegetação, isolando completamente meu local de portagem da parte baixa do rio, onde deveria chegar. Não seria por ali minha saída.

Já era tarde, o sol se escondia e tive que encontrar um lugar para meu acampamento. Comecei a subir os sacos com o que fosse imprescindível: a sacola de emergência, a barraca, equipamentos eletrônicos, apetrechos de cozinha, comida, roupas… estava tudo molhado!

Montei a barraca, mesmo molhada, sem fixá-la no chão, pois os specs[2] não penetravam o solo duro e ressequido pelo pisoteio constante do gado. Dentro coloquei a lona que deveria ficar por baixo, pois ela estava mais seca que a barraca. Sequei um pouco o isolante térmico com a toalha, pois teria que dormir sobre ele, já que o saco de dormir também estava encharcado. De qualquer modo, era melhor do que ficar ao relento, pensei…

Preparei arroz com brócolis e funghi, acrescentei pimenta, gengibre, tomate seco e azeite de oliva, para dar mais consistência e recuperar minhas energias.

Tentei usar o telefone celular, já que, supostamente, havia gente próxima dali, mas não funcionou.

Por via das dúvidas, mandei duas mensagens pelo rastreador. Embora não tivéssemos combinado isso, pensei que, ao recebê-las e conferir meu pequeno deslocamento, entenderiam que estou bem, ainda não preciso de ajuda, mas que a situação é complicada.

Amanhã terei que decidir o que fazer. Por enquanto, a única alternativa que posso conceber é voltar ao cachoeirão e tentar transportar tudo pelas pedras, usando cordas e roldanas para dar segurança ao processo, nem que para isso leve dois dias.

Terei que levar a canoa de volta àquele ponto crítico, preparar a segurança, transportar os sacos um a um, e depois tentar levar a canoa para cima do barranco e descê-la do outro lado. Ainda não sei como será isso, mas é a única alternativa que tenho.

Um pescador, na beira do rio, antes de Vargem Bonita, havia mencionado esse obstáculo, mas disse que eu poderia contorná-lo por uma estrada que havia antes, à margem do rio. Não encontrei essa estrada, nem ninguém que me pudesse mostrá-la ali nesse ponto.

Não tendo saída, resolvi dormir, na esperança de que o espírito da noite e o de meu pai me ajudassem a encontrar uma alternativa razoável. Caso contrário, farei como Aguirre e enfrentarei “a cólera dos deuses”! Werner Herzog[3] fez filmes extraordinários!

Esta noite passarei muito frio, mas vou sobreviver.

Só para não me esquecer: hoje, durante uma de minhas trilhas exploratórias na colina, caí dentro da toca de algum animal. Era bem grande e sua boca tinha mais de um metro de diâmetro. Para sorte minha, estava deserta: o bicho, seja qual for, deveria estar caçando.


[1]    Classificação dada pelos praticantes de rafting para as corredeiras dos rios, de acordo com o grau de dificuldade apresentado. Os níveis de dificuldade vão de classe 1 a 6, crescentes, sendo a classe ‘6’ quase impossível de se remar.

[2]    SPEC – tipo de cravo ou gancho de fixação das extremidades da barraca no solo

[3]    Werner Herzog – cineasta alemão nascido em Munique em 1942, gravou Aguirre nas selvas amazônicas.

Perdas e danos, 4 de junho de 2009 – 08h00

Que noite gelada!

Dormindo sob uma barraca encharcada, sem o conforto do saco de dormir, sem qualquer coberta, o frio foi insuportável! Meus pés congelaram e eu tive a sensação de estar em uma montanha nevada… lembrei-me de filmes de alpinistas e imaginei meus dedos escurecidos pela gangrena, depois tendo que cortá-los… hipotermia, edema pulmonar, edema cerebral…

O frio era tão intenso que abri um de meus cobertores térmicos da sacola de emergência (era uma emergência!) e me enrolei todo nele. Acho que não suportaria de outro modo.

Hoje, como ontem, amanheceu um belo dia ensolarado, mas ainda permaneço na sombra, atrás da montanha e da mata densa que ocultam os raios do sol. Preciso deles para me reaquecer e reanimar, e enfrentar o grande desafio de transpor a cachoeira.

Retirei a cobertura da barraca para poder abrir a porta sem molhar tudo aqui dentro.

Hoje pretendo sacrificar algumas cargas para reduzir o volume dos sacos estanques, pois nenhum deles isolou seu conteúdo das águas do rio. Percebo que são necessárias muitas voltas no fechamento dos sacos para garantir a impermeabilização. Mais de sete! Mas, fazendo assim, não caberá toda carga.

Ontem, ao cair na água, perdi meu melhor canivete; o bolso do colete salva-vidas deve ter se enroscado em algum lugar e o fecho de segurança se abriu. Paciência! Agora só tenho um canivete e uma pequena faca. Preciso cuidar bem deles! Ainda estou só no começo…

No primeiro acampamento também perdi o material de limpeza de cozinha, eu acho. Não consigo encontrá-los! Eram 5 pedras de sabão de coco, um detergente e um álcool gel. E aí vem o sol, finalmente! Agora posso desmontar o acampamento e colocar tudo para secar, enquanto coloco ordem no barco e tomo meu café da manhã sossegado.

As cascatas do Velho Chico, 04/06/2009 – 18h30

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 18´ – Altitude: 746 metros

Hoje foi um dia excepcional para mim! Passei boa parte da manhã limpando e secando meus apetrechos, mas isso não me tirou a certeza de que conseguiria transpor meu maior obstáculo até agora. Estou mais confiante, preciso dessa certeza para prosseguir.

Despedi-me das cachoeiras gêmeas e de seu lago esverdeado, depois de um bom banho gelado, com certa tristeza, pois raras vezes presenciei um lugar tão belo e completamente selvagem e preservado! Enchi meu galão de água, filtrando-a do lago.

Coloquei toda minha bagagem de volta à canoa sem muita preocupação em organizar as coisas, pois apenas voltaria ao ponto em que quase fui tragado pela corredeira.

Amarrei bem a canoa e refiz todo percurso que deveria transpor ao longo do dia. Em alguns trechos até dava para andar sobre as pedras, outros estavam cobertos de um limo escorregadio e molhado. Tentei marcar um trajeto mais seguro antes da portagem.

Havia trechos que só dava para passar agarrando-me às rochas, como em uma parede de escalada, ou andando muito próximo das cachoeiras. Tentei decorar esse trajeto.

Revisei mentalmente meus planos e retornei ao barco, parado em um remanso, protegido das corredeiras. Montei um esquema de controle e transporte do barco, com duas cordas amarradas à proa e à popa, permitindo conduzi-la como marionete, de cima das pedras.

Descarreguei todos os sacos e demais pertences da canoa e dei início à transposição, ora arrastando-a sobre as pedras, ora deslizando-a pela água e conduzindo-a pela margem do rio. Nos pontos de escalada montei um sistema de cordas que permitia transportá-la pelo alto, vencendo cada etapa com muita dificuldade, muito lentamente.

Às vezes o barco escorregava perigosamente sobre meu corpo, ameaçando atirar-nos direto sobre a cachoeira. Movimentava-me com todo cuidado para não errar. Depois de algumas horas cheguei ao ponto de onde iria lançá-la ao rio através de um sistema de roldanas. Farei isso pela manhã e deixei-a no alto das pedras.

Como o dia estava muito favorável, transportei todo material e refiz as sete sacolas grandes de forma mais prática. Hoje percebo que levo uma mochila com material que nunca utilizarei na viagem. Alguns até se danificaram sem terem sido usados, como a máscara de mergulho, cuja alça arrebentou. Nem sei bem porque a trouxe para cá…

Montei o acampamento mais cedo e me permiti um descanso merecido… e seco! De dentro de minha barraca ouço muito forte o barulho das águas, trovejando a pouco mais de três metros daqui. Nem sei se conseguirei dormir com esse som assustador.

Ao mesmo tempo em que fico entusiasmado com meu trabalho de portagem, sinto uma grande tristeza em deixar esse pequeno paraíso intocado. Hoje à tarde avistei dois tucanos voando juntos por sobre a copa das árvores, mas não deu tempo de filmá-los. Também vi um casal de gaviões voando a grande altitude, com seu piado longo e triste, sua postura elegante e majestosa. Como é bela a Natureza! Que privilégio!

Passaria mais dias aqui, se pudesse me comunicar com minha família e tranquilizá-los Imagino que estejam preocupadas ao perceber que não me desloquei nada nestes últimos dois dias… deve ser difícil ficar imaginando o que está acontecendo…

Encontrei meu canivete! Estava sob a grama, ao lado da barraca. Também achei os produtos de limpeza. Ainda bem. Seria vergonhoso deixar para trás esses objetos… agora não sei onde deixei meus óculos! Estou apenas com um reserva e não posso perdê-lo.

Bem, vou tentar dormir. Hoje tudo está seco e não sentirei frio esta noite. Este local é bem abrigado dos ventos e longe dos excrementos das vacas que pastavam perto de minha barraca pela manhã… onde estariam seus donos? Como deixam esses animais assim?

É curioso como esses animais perambulam abandonados pelos pastos, sem que nenhum peão os acompanhe. Será que existe algum controle? Devem perder muitos…

Há ruídos estranhos lá fora, além da cachoeira. Estou praticamente sob a mata, entre o rio e as rochas e não há como chegar até aqui, exceto para os animais. Não sei que tipo de animal noturno faz suas caçadas por aqui. Só espero que eles não se interessem por mim, minhas mochilas, minha barraca…

“Leave no trace”, 5 de junho de 2009 – 03h40

Uma questão para os puristas do “pega leve[1] refletirem…

Estou acampado à margem do rio, sobre pedras e bem distante (inacessível) de locais que possam ser usados como “banheiro”: 60 metros da água, solo macio para cavar um buraco, enterrar…

Minha preocupação com a Natureza tem sido uma constante, procurando não deixar vestígios de minha passagem por todos os locais. No entanto, acordei com uma carência urgente de atender às minhas necessidades fisiológicas… o que fazer?

Bem, na falta de alternativas, procurei as areias mais distantes (apenas 3 metros da água), fiz o buraco mais fundo que pude (uns 15 cm) e dispersei meus dejetos de modo a facilitar sua decomposição. Não havia alternativa, e não poderia levá-los…

De qualquer modo, os animais deixam seus restos em qualquer lugar e, por alguns meses, eu estarei me comportando como um deles, vivendo ao relento, defecando…

Às vezes torna-se quase impossível cumprir esses preceitos teóricos. Em uma expedição longa como essa, nem sempre é possível escolher uma área de acampamento adequada. Hoje estou neste local por absoluta falta de alternativas.

Até porque tal proximidade do rio se torna um risco exagerado no caso de uma enchente repentina. Eu não teria condição de sobrevivência, uma vez que não há saída rápida deste local. Estando dentro da barraca, nem perceberia a sua chegada… Mas, não havendo escolha, a decisão está tomada. A única prevenção que adotei foi escolher a época do ano em que as chuvas já seriam mais escassas e improváveis.


[1]    Pega Leve – versão brasileira do movimento internacional conhecido como “leave no trace”, ou “não deixe rastros”; estimula atividades limpas em contato com a Natureza e estabelece parâmetros de orientação para quem o quer adotar (http://www.pegaleve.org.br/home.htm).

Dificuldade e prazer, 5 de junho de 2009 – 19h20

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 18´ – Altitude: 746 metros

Superado o grande desafio da portagem na cachoeira, minha expectativa era de que conseguiria um bom desempenho nas remadas, percorrendo uns 20 a 30 km hoje.

Porém, meu entusiasmo não passou da segunda curva do rio! As corredeiras não só aumentaram em quantidade, mas o grau de dificuldade se tornou maior ainda!

Logo na segunda corredeira do dia cheguei a pensar em uma portagem; mas o tempo que se perde tirando todas as sete grandes sacolas, que sempre estão bem amarradas, o seu transporte, que consome muito esforço e o transporte do barco, que além de tudo produz fortes impactos em sua estrutura, tudo isso levado em conta nos faz pensar em arriscar um pouco mais e enfrentar as corredeiras. Afinal, para isso vim até aqui! Optei por avançar pelo rio e deu certo! Foi dificílimo, mas saí ileso.

Continuei com novo ânimo, estimulado pelo bom resultado, e por passar mais duas corredeiras pequenas, quando ouvi o forte e inconfundível ruído de uma cachoeira… parei o pequeno barco e percebi que o rio estava todo obstruído por grandes rochas cinzentas.

Havia três passagens: um canal artificial na margem direita, provavelmente construído para uso no garimpo, já abandonado, e dois centrais, onde a força das águas produzia aquela  espuma, as águas brancas dos esportistas de canoagem.

Caminhando pelas rochas, junto ao canal, percorri cerca de 150 metros, escalando e acompanhando as águas que, no começo, até pareciam possíveis de serem superadas.

No entanto, logo depois de uma curva à direita, parecia um grande liquidificador, as águas sendo atiradas para todo lado, provavelmente devido a um buraco ou pedra no meio do canal.

Impossível atravessar por este caminho…

Restou a opção da portagem. Eram cerca de duas e meia da tarde. Atravessei com o barco para a margem esquerda, onde havia uma pequena praia ao lado de uma cachoeira, na qual desembocava algum afluente do São Francisco.

Ancorei a canoa e subi no barranco. A mata densa ocultava uma antiga trilha abandonada. Peguei meu facão e,  constrangido e triste, refiz parte da trilha, cortando o mínimo de vegetação necessária para permitir a portagem.

Às quatro da tarde só faltava a canoa, o mais complicado naquele lugar. Resolvi alterar os planos e conduzi a canoa pelo rio, com as duas amarrações de proa e popa usadas anteriormente, até chegar à cachoeira. Puxei a canoa por cima das águas e a baixei depois da corredeira. Deu certo, e às cinco da tarde já estava montando meu acampamento.

Refleti bastante acerca dessas dificuldades, muito maiores do que o esperado. A primeira sensação é frustrante: não sei quanto me desloquei nesses cinco dias, mas foi muito menos do que os cento e quarenta quilômetros planejados até Iguatama, onde deveria estar chegando. Talvez bem menos da metade do percurso, já perdera a noção das distâncias…

Com certeza, quem me acompanha pelos sinais do rastreador deve estar muito preocupado com os deslocamentos insignificantes que tenho registrado. Mas não há saída! Infelizmente, nada posso fazer quanto a isso. Estou em um local selvagem, deserto, isolado de toda civilização. Não há nenhum sinal de celular…

Por outro lado, essa é a maior e mais complexa experiência de minha vida! Estou sobrevivendo com meus próprios recursos, vencendo desafios que nunca concebi, superando limites que jamais poderia imaginar que fossem possíveis para mim.

Quantas pessoas na vida têm uma oportunidade como essa? Quantas se arriscariam a deixar todo conforto do mundo para percorrer um caminho tão inóspito e selvagem?

As imagens que venho registrando são únicas, belíssimas, exclusivas! Já tirei mais de 250 fotos, sem desperdício, e ainda não percorri nem 1% de todo trajeto de minha viagem.

Sucessão de portagens, 6 de junho de 2009 – 19h10

Quando deixei meu acampamento pela manhã, completando mais uma portagem em corredeiras, senti certa nostalgia… algo me dizia que estava transpondo um limite entre áreas totalmente selvagens e um iminente contato com a civilização.

De fato, pouco antes fora obrigado a fazer nova portagem e os sinais evidentes das intervenções humanas começavam por um canal construído ao longo da margem direita do rio, com o propósito aparente de extrair ouro ou diamante. Mas não era simples garimpo manual, pois fora construído com extensas lajes de concreto. Está abandonado, mas deve ter sido usado durante anos, extraindo minérios…

Logo adiante, vestígios mais contemporâneos: garrafas pet, latas, embalagens de margarina, todo tipo de lixo humano espalhado por uma área belíssima, emporcalhada pelo descaso com a Natureza… Como pode? Quem seria assim tão estúpido?

Passando esse obstáculo pude desenvolver o remo por duas horas até encontrar uma ponte, sob a qual pescavam um garoto, um rapaz e um senhor de minha idade. Conversei com eles e me disseram que havia uma corredeira logo à frente.

Pouco depois da ponte, mais uma portagem! Já perdi a conta de quantas vezes tive que descarregar o barco, transportá-lo e à minha carga, em condições sempre complicadas, e rearranjar toda bagagem novamente. É meio desanimador…

Mas estou desenvolvendo minhas habilidades para isso também; nesta última portagem fiz tudo em uma hora e meia! O que dá mais trabalho são as amarrações.

Confabulações, 6 de junho de 2009 – 19h30

Esta solidão de seres humanos em que me encontro traz a percepção absoluta de que faço parte dessa Natureza fantástica! Não há obra humana, construída em detrimento do mundo selvagem, que se justifique, mesmo em se tratando do desenvolvimento científico, cultural ou tecnológico.

É necessário reavaliar o progresso de modo a assegurar a preservação e a sustentabilidade do meio ambiente. Não se constrói a sociedade sobre os escombros do universo selvagem, da beleza cênica dos santuários da Natureza.

Estar aqui, cercado pela mata intocada, ouvindo os sons dos animais e o rugir das águas nas corredeiras e cascatas, tornam-me cúmplice e integrante desse mundo perfeito.

Admirar o voo de uma garça azul, entre as copas das árvores mais altas, ou dos patos a centímetros da superfície das águas, ou dos tucanos, batendo as asas em ritmo alternado, ou ainda do martim pescador, dissimulando sua presença e seu ninho, e metralhando nossos ouvidos com seu grito insistente e forte, ou o pio sinistro das corujas e dos gaviões, apreciar, enfim, a revoada dos pássaros, é privilégio de poucos, e determinará o meu destino, ao partir deste mundo encantado…

Hoje eu me pergunto qual o sentido de tantas discussões acerca do meio ambiente, por pessoas que nunca deixaram suas escrivaninhas de trabalho, e só conhecem os animais e seu comportamento nos zoológicos, pelas ilustrações dos livros ou pelos documentários da televisão…

Para defender teses preservacionistas é preciso conviver intimamente com a Natureza, sentir a vibração dos corações selvagens, auscultar seus pedidos de alerta e integrar-se a esse mundo como se fosse sua própria casa… isso é diferente dos livros de teoria! Criam-se belas expressões – “sustentabilidade”, “biodiversidade” – com o propósito de disfarçar a verdadeira intenção por detrás do discurso: diminuir sempre e continuamente os espaços naturais, cedê-los discretamente aos empresários, pecuaristas, à agroindústria, ávidos de lucros fáceis, ainda que construídos sobre os escombros da vida selvagem, até que um dia, o que restar já não possa sustentar a frágil vida selvagem, que se extinguirá!

Um dia, se nada for feito urgentemente, nossa paisagem será semelhante aos desertos de “Mad Max[1], contendo apenas os despojos da civilização e um bando de desesperados buscando sobreviver ao vazio deixado pela destruição e pela guerra. O que diremos aos nossos descendentes?

A ação perversa do homem não será interrompida a tempo – lamento dizer isso – até porque o prazo que nos resta não será suficiente para estancar a destruição. “Então, por que ele continua?” pensarão aqueles que me leem.. porque é meu dever, minha obrigação, minha missão nesta Terra, meu compromisso com minhas filhas e netos…

Assim como os animais que defendo, lutarei essa guerra inglória, desesperada, enquanto me restarem forças e coerência intelectual para prosseguir. Chegará o dia em que eu também me renderei às evidências, mas aí estarei me despedindo desse mundo… e passarei às minhas filhas e meus netos a responsabilidade por prosseguir até o fim…

Hoje vi algumas rochas – talvez basalto – compondo sinistras esculturas às margens do rio. E me senti em um museu, no futuro, onde o ecossistema seria representado em uma vitrine, com os dizeres: “isso tudo já existiu um dia…”!

Minha peregrinação neste “meu Velho Chico” deveria ter esse significado: alertar as pessoas para o que estão fazendo com o nosso rio… esse é o meu propósito; mas receio que, se algum interesse despertar, será apenas pelo inusitado da ação de percorrer 2.800 km em uma canoa canadense, por um “paulista” sexagenário! E, dessa forma, não terá valido a pena, exceto para mim e para aqueles que me querem bem…


[1]    Mad Max – título de filme futurista da década de 1980, que procura retratar a Terra depois de uma tragédia ecológica sem precedentes, restando apenas sucatas, desertos e lutas pela sobrevivência.

Porque hoje é sábado, 7 de junho de 2009 – 07h30

Mais um belo dia de sol, bastante frio. Deveria ter trazido luvas… pela manhã, depois de lavar a panela e preparar meu café da manhã, minhas mãos e pés estão sempre congelados!

Curioso como todos os hábitos adquiridos durante a vida inteira precisam ser revistos, adaptados, substituídos ou até mesmo abandonados… já não servem de nada por aqui.

Todos os dias, depois de remar muito, preciso procurar um terreno, construir minha casa, fazer comida, lavar roupa e dormir… pela manhã essa casa deverá ser  desmontada e tudo volta a seu ciclo natural. Essa é minha nova rotina!

Neste ambiente, nossos sentidos precisam ser aguçados rapidamente, ampliados, aperfeiçoados, pois deles dependem nossa segurança e sobrevivência. A intuição selvagem precisa ser recuperada, pois nem mesmo os cinco sentidos são suficientes para resistir a esse mundo ancestral e admirável. É preciso perceber antes de ver, ouvir ou sentir.

Ouvir o cantar dos pássaros não é simplesmente um deleite ou prazer; muita informação relevante está embutida nesses sinais sonoros: “o dia está terminando”; “você está invadindo meu espaço”; “existe algum perigo à sua frente, cuidado!”…

A revoada dos pássaros, o silêncio da mata, o grito estridente de uma coruja podem significar um perigo iminente: ataque de um predador, inundação, “homem à vista”!

O sol nos mostra o leste todas as manhãs e, embora todos saibam disso, em nossa visão cristalizada e inerte, ele não precisa nascer nas cidades para sabermos onde fica o Leste, pois nossas paisagens urbanas se modificam lentamente…

Aqui, cada curva do rio altera nossas coordenadas e, depois de passar o dia inteiro seguindo o serpentear de suas águas, à direita ou à esquerda, retornando ao princípio, às vezes, perdemos facilmente nossas referências e, ao fim do dia já não mais sabemos onde estamos, onde fica o Norte, de onde viemos, quanto navegamos. É claro que, a qualquer momento, podemos olhar a bússola, mas sempre acordamos com os raios do sol a nos dizer onde fica o Leste. As distâncias percorridas no rio não têm nenhuma importância…

As águas do rio nos passam informações constantemente e precisamos reagir a essas mensagens, fugindo dos troncos e pedras submersas, desviando-nos dos redemoinhos, escolhendo os lugares melhores para acampar, protegendo-nos dos perigos. A coloração das águas indica sua profundidade, os sedimentos que o rio transporta consigo…

Agitação na sua superfície pode significar maior velocidade das águas. Depois de uma curva poderá haver um redemoinho, uma pequena praia, cascalhos acumulados no lado convexo, uma corredeira. O barqueiro precisa estar sempre atento a essas mensagens.

Aqui não existem novelas, noticiários, filmes, documentários, internet. O mundo congelou na data em que partimos, deixando-nos perplexos e inseguros. Já não sei se a bolsa caiu, o banco fechou, o político roubou, o dólar despencou, o petróleo foi derramado no mar, as queimadas destruíram milhares de metros quadrados de floresta…

Para dizer a verdade, tudo isso aqui nada vale, pouco importa. No mundo civilizado, este é o alimento da imprensa, a vida dos especuladores, a riqueza dos avarentos… a vida tem sua própria rotina para os seres vivos que aqui habitam. Alguns animais se movem, caçam e se alimentam à luz do dia. Outros fazem da noite seu campo de batalha para a sobrevivência, aproveitando-se da escuridão para caçar e acasalar. Porém todos, assim como eu estou aprendendo, ficam em alerta o tempo todo, até mesmo enquanto dormem; isso pode ser a diferença entre a vida ou a barriga de um predador.

Corredeiras difíceis, 7 de junho de 2009 – 18h00

Sul: 200 20´ – Oeste: 460 13´ – Altitude: 724 metros

Hoje foi mais um dia dificílimo!

Depois de superar a última portagem, acreditei que o rio se comportaria melhor comigo… e de fato foi assim, por muitos quilômetros. Apenas pequenas corredeiras e longos trechos de águas tranquilas Parecia que os maus momentos chegavam ao fim. No entanto, lá pelas 13 horas, eu vinha em um ritmo forte, quando encontrei alguns pescadores embaixo de uma ponte.

Conversando, eles me disseram que depois da ponte havia uma cachoeira que eu poderia transpor com certa facilidade, levando minha canoa pelo lado direito. E foi como me disseram.

Daí em diante as corredeiras voltaram com força total: rápidas, violentas e com pequenas quedas d’água de até um metro de altura. Não dava para fazer portagens, pois elas eram muito longas, às vezes quase um quilômetro de extensão.

Parei o barco, reforcei todas as amarras e comecei a descer todas elas, às vezes até mesmo sem parar para examiná-las e decidir qual seria o melhor percurso.

Depois de algumas corredeiras bem sucedidas, percebi que melhorara bastante minhas técnicas de abordagem, manobras e recuperação, pois, logo que termina a corredeira o barco costuma girar sem controle. Sentia-me seguro e autoconfiante Fazia as manobras com eficiência e o resultado era animador, pois evoluía rapidamente pelo rio.

No entanto, o pior ainda estava por acontecer! Cheguei a um local em que até dava para ver a declividade acentuada do leito do rio! Uma ladeira! Mesmo sem corredeiras o rio já era rápido demais e as manobras passaram a ser difíceis e muito frequentes; nem dava para descansar entre elas! Precisava ficar atento: adrenalina no último grau!

Em uma das corredeiras, muito longa, bati forte em uma pedra e o barco girou sobre si mesmo. Fiquei de costas para o sentido do movimento, sem condições de manobrar, e ainda faltava metade do percurso! Usava o remo como leme e também para afastar-me dos choques inevitáveis contra as pedras. Tentava me adaptar ao sentido inverso, enquanto desviava das pedras. Minhas manobras tinham que ser feitas ao contrário!

Ao chegar ao final, estava exausto e o barco cheio d’água!

Faltou-me a câmera de capacete para registrar essa descida, certamente a mais difícil que realizei nesta viagem! Foi uma pena… perdi o registro de todas as corredeiras!

Parei à margem direita, em manobra brusca, pois logo a seguir havia outra corredeira. Fiquei quase meia hora tirando água da canoa. Foi quando percebi que havia uma rachadura na parte interna do casco. Deveria haver outras, mas não entrava água.

Segui mais algumas horas até que fui jogado para fora do barco que, novamente, estava cheio de água. Tive muita dificuldade para trazê-lo de volta à margem devido à forte correnteza. Não conseguia arrastá-lo… perdi mais um squeeze[1] e uma esponja.

Diante desses problemas graves decidi retomar a postura de cautela, evitando riscos desnecessários, para não comprometer o destino da expedição. E assim me dei conta da situação: dependo apenas de mim e não tenho a quem pedir auxílio imediato. É terrível como não somos capazes de realizar um planejamento efetivo, pois as situações imprevistas se sucedem continuamente neste tipo de empreendimento.

Somente nossas habilidades e rapidez de tomada de decisões podem assegurar um bom desempenho, mas não nos garantem a vida. E então percebemos o quanto somos frágeis e mal equipados para a vida selvagem. Perdemos nossos instintos e a agressividade necessários à sobrevivência. Estamos em um ambiente hostil e impiedoso!

Percebi também que não adianta analisar muito as situações; é preciso agir por instinto, na maioria das vezes. E quando desligamos o pensamento, a intuição se manifesta!

Havia dois patos mergulhões que seguiam à minha frente desde Vargem Bonita. No começo, bastava minha canoa apontar nas curvas do rio e eles grasnavam e voavam para longe. À medida que se acostumaram com minha presença, foram se deixando ficar mais próximos, repetindo então o mesmo procedimento.

Na última aparição permaneceram nadando, enquanto minha canoa passava a seu lado. Então, como uma despedida, grasnaram e voaram de volta, no sentido inverso ao rio. O curioso é que quando coincidia de encontrá-los próximos a uma corredeira, eu tomava o mesmo caminho de descida feito por eles, o que se revelava sempre a melhor escolha.

A garça azul também se comportou da mesma maneira. Mais arredia e voando entre as copas das árvores, ela também me acompanhou durante todo tempo em que tive a companhia dos patinhos, e também desapareceu com eles.

Pena que não sejamos capazes de interagir com os animais, assim como eles fizeram comigo. Não foi casual; foi uma atitude deliberada e proposital. Fiquei imaginando o que pensavam de mim, e quanto queriam se comunicar comigo…

Minha situação hoje é precária. Durmo sobre umas pedras no barranco onde armei, de forma improvisada, a barraca. Primeiro porque não tinha escolha, como já relatei em outras ocasiões; depois porque não havia espaço suficiente no barranco.

Optei por não fazer comida. Estou me alimentando apenas das sementes, devido ao cansaço. Amanhã terei que abrir e enxugar todas as sacolas estanques, pois, mesmo sendo à prova d’água, elas nunca estão secas; não entra muita água, mas o suficiente para molhar roupas, comida e equipamentos. E dou o máximo possível de voltas na trava rápida para fechá-las.

Estou muito cansado e agora vou dormir. Daqui ainda ouço o rugir das águas na última corredeira, e o barulho ainda fraco da próxima, que irei enfrentar amanhã. Agora que tudo parou, sinto saudades das pessoas que mais amo neste mundo… Espero que um dia elas compreendam as razões que me levaram a realizar essa expedição. Refiro-me à Mory, Luciana, Mônica, Nícolas e minha mãe querida, Dinorah, que nem mesmo sabe onde estou, o que faço e por que…


[1]    “Squeeze” – pequena garrafa plástica ou térmica usada como cantil, para líquidos ingeridos durante atividades esportivas.

Nossas contradições, 7 de junho de 2009 – 21h15

Depois de um dia intenso, nem o cansaço, nem o comprimido para relaxar adiantaram… continuo sem sono… as cenas das águas correndo por baixo de mim e a vontade (quase) inabalável de realizar meu projeto integralmente.

Às vezes me incomoda muito o fato de ter sido ignorado pela imprensa e pelas autoridades… afinal, meu projeto é educativo, trata da preservação do meio ambiente e tem um forte chamamento de aventura. Todos os ingredientes de que a imprensa gosta!

Penso naqueles que escalam “big walls[1] e ficam dias sem fim pendurados nas cordas, ascendendo palmo-a-palmo as reentrâncias mínimas das rochas. Penso nos alpinistas que, às vezes, passam um mês inteiro em acampamentos gelados, esperando por uma “janela” do tempo para alcançar o cume de uma montanha gigante.

Mas penso também nas pessoas que, como eu, optaram por captar mensagens dos lugares mais remotos para compartilhá-las com aqueles que vivem seus dias nas cidades, no conforto da civilização, e nada sabem a respeito do mundo selvagem…

Não há paralelo entre eles. Muitos buscam a aventura apenas como esporte de desafios extremos e sua realização está apenas na superação de seus limites pessoais.

Eu, assim como tantos, quero deixar minha marca, meu rastro, não nos caminhos que percorri, mas no coração das pessoas, para que, um dia, não seja mais necessário lutar pelo óbvio: salvar o planeta da devastação e do descaso dos homens.

O dia e a noite são longos, longe da civilização. Percebemos o tempo, o passar das horas de maneira diferente, pois nada nos distrai da simples presença neste ambiente sutil. Só existe um mundo, onde estamos presentes; e tudo se passa linearmente…

O cair de uma folha sobre as águas do rio nos atrai a atenção no silêncio da noite. O som de um animal, seja um simples grilo ou um mamífero qualquer, não está isolado do meio, mas integrado a esse panorama complexo e desconhecido.

A tecnologia e a mídia nos distraem de tal modo que, mesmo não fazendo quase nada por dias e meses, a vida civilizada transcorre tão rápida quanto o nosso envelhecer. Tão rápida até que, mesmo estando velhos, ainda nos percebemos jovens, e recusamos a hipótese de mudar de hábitos e os adequarmos à realidade de nossos corpos cansados.

Talvez por isso, mesmo que a longevidade dos homens tenha se multiplicado por três em menos de três séculos, não sabemos o que fazer deste excedente que nos foi concedido.

Ao nos retirarmos da vida profissional ativa, ainda faltando um terço do tempo para morrer, já nos entregamos ao ócio e à preguiça, perdendo o encantamento pelas infinitas possibilidades do vir a ser… ficamos parados, olhando para o futuro que não existe…

E lá, no fundo de nossas almas, chegamos a pedir, discretamente, que essa vida se acabe, para que possamos, finalmente, descansar e esquecer…

Não precisa ser assim. Basta que encontremos novas bandeiras para levantar, novos propósitos pelos quais lutar, e voltaremos a ser felizes e a nos sentir úteis.


[1]    Big Wall – literalmente, “paredão”, são rochas de mais de 500 metros de altura que escaladores demoram dias para superar; exigem muita técnica, força muscular e autocontrole físico e emocional.

Danos à embarcação, 8 de junho de 2009 – 18h10

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 09´ – Altitude: 704 metros

Acordei tarde. A correria de ontem me deixou exausto, mas mesmo assim dormi muito pouco. As pedras sobre as quais montei a barraca eram muito irregulares e, mesmo usando o “EVA”[1] para forrar o piso, havia buracos por todo lado.

Tentei fechar as rachaduras do casco com “silver tape[2], mas o barco estava muito úmido e não funcionou. Levei a canoa para cima das pedras, deixei-a emborcada, e constatei que as fissuras tinham atravessado o casco em vários locais. Precisava fechá-las. Sequei tudo e comecei o conserto pelo lado externo onde, por ser liso, havia maior aderência. Reforcei bem cada remendo e depois fiz o mesmo por dentro.

Não há mais jeito. Se eu me arriscar em outra corredeira poderei perder a canoa e arruinar toda expedição. Decidi fazer mais portagens e menos corredeiras. Parti com muita cautela… a manhã passara rápido, já eram 13 horas e o dia estava bastante nublado. Remei por cerca de 800 metros e já me deparei com a corredeira seguinte. Nem parecia tão forte mas, por cautela, resolvi fazer a portagem.

Na parte inicial, cerca de 300 metros, consegui rebocar a canoa com a carga. Porém, no último salto, não teve jeito: era uma queda de quase um metro de altura. Retirei toda carga e a transportei sobre as rochas, um tipo estranho de pedra, todo fragmentado, esfarelento e quebradiço, que mal dava para se ficar de pé e caminhar.

Foi uma operação cansativa, pois tive que subir de um lado da parede de rochas e descer do outro, caminhando ainda uns 50 metros sobre elas com todas as sacolas e o barco. Em compensação, do outro lado havia uma bela cascata de águas cristalinas, um pequeno tributário do Velho Chico, escondido atrás daquelas rochas.

Foi providencial, pois a água que eu trazia desde a última cachoeira estava se acabando, e já temia ter que beber água do São Francisco que, a esta altura, está poluído e com um cheiro desagradável, como se o esgoto tivesse sido jogado no rio; mas, de onde? Talvez de alguma cidade afastada das margens.

Aproveitei a tarde para tomar um banho gelado de cachoeira e lavar toda minha roupa, cujo cheiro também não era dos mais agradáveis, depois de tantos dias no rio.

Montei meu acampamento muito cedo e fui investigar a redondeza. Logo atrás da barraca encontrei pegadas de um felino. Podiam ser de uma onça, talvez… Mais adiante encontrei uma capivara morta, com marcas de dentes no pescoço, já em decomposição e estufada pela longa permanência dentro da água. À sua frente, uma grande abertura no barranco, parecida com uma caverna, talvez produzida pela erosão do terreno. Não poderia ser a toca do felino.

Havia outras tocas menores, covas ao longo do barranco, que poderiam ser do predador que matou a capivara, mas não encontrei vestígios comprovadores. Fiquei entusiasmado com a possibilidade de fotografar um felino naquelas paragens!

Mais uma vez tive que montar o acampamento em local pouco seguro, a poucos metros da água, por absoluta falta de alternativas. De ambos os lados do rio, morros altos e íngremes, cobertos de mata densa e sem nenhuma trilha visível, sem opções…

Se houver uma tempestade rio acima eu nem perceberei o desastre: serei levado pelas águas, jogado na próxima corredeira, com poucas possibilidades de sobrevivência.

Minha barraca está tão próxima da última queda d’água que o barulho é atordoante. Às vezes até parece o rugir das turbinas de um avião. É como se o som variasse de modo cíclico, gerando ondas harmônicas e criando essa sensação de outro som. À parte esse inconveniente, estou muito bem instalado e confortável, pois montei a barraca sobre a areia macia da praia, bem próximo também da cascata de cristal.

Esses contratempos e problemas vêm acumulando atrasos críticos em meu plano. Já não sei quantos dias de atraso, mas imagino que já deveria ter chegado a Iguatama. Creio que ainda me faltam uns 80 km para chegar lá e não sei mais quantas corredeiras… o problema é a grande declividade do terreno, que torna as corredeiras mais íngremes, mais rápidas e com muitas rochas espalhadas pelo leito do rio.

Quando saí de Vargem Bonita a altitude era de 790 metros. Agora, pelo meu GPS, estou a 690 metros, cerca de 100 metros de descida neste pequeno trecho do rio. Amanhã já saio daqui enfrentando uma nova portagem. Praticamente, não há separação entre as duas, exceto por este remanso.

Apesar disso tudo, não posso me deixar abater. Estou com bastante comida, me alimento bem, minhas roupas estão secas e limpas, e ainda tenho carga nas baterias, exceto dos celulares que, devido ao frio, já se acabaram sem terem sido utilizados.

Chegando a Iguatama recarrego todas as baterias e me informo sobre o próximo trecho, que me levará à represa de Três Marias. Serão mais uns 400 quilômetros…

Minhas cartas do IBGE, pelas quais paguei muito caro, estão todas perdidas! Com esses alagamentos constantes da embarcação, mesmo estando em sacos plásticos, se molharam completamente e estão coladas umas às outras; nem dá para abrir! Na verdade, pela rapidez necessária à tomada de decisões, não consegui mesmo usá-las nenhuma vez nesta viagem… foram inúteis até agora e talvez nem precise delas…

Hoje tomei uma decisão: depois dessa viagem vou encerrar minha carreira de aventuras. Comecei tarde demais, aos cinquenta anos, e agora preciso me dedicar às pessoas que eu amo e que precisam de mim. Decidi assim porque percebo que toda aventura implica em riscos, e aventuras extremas implicam em riscos extremos.

Cada vez que planejo uma nova experiência já não me contento com o patamar de riscos da aventura anterior. É como se o nível de adrenalina aumentasse constantemente. Na minha idade não posso seguir assim em um crescendo de ansiedades e riscos, que só me levariam a um final óbvio e indesejado. Meus reflexos, ainda ótimos, tendem a decair. Por isso, no futuro, só mesmo atividades de “turismo de aventura”… será??? Tenho dúvidas… cada vez que retorno de minhas aventuras, o tempo de arrependimento por não fazer outra é menor; ou seja, essa determinação tende a se esvair…


[1]  EVA – Etil Vinil Acetato é um tipo de borracha não tóxica e eu a utilizo como um tapete para apoiar-me de joelhos, alternando a posição das pernas durante o dia.

[2]    Silver Tape – fita adesiva de alto poder de aderência; literalmente, fita prateada devido a sua aparência. Utilizei esse material para tapar as rachaduras e pequenos furos na estrutura da canoa, tendo conseguido ótimo resultado.

Natureza selvagem, 8 de junho de 2009 – 19h15

Intensas emoções, monótonas belezas… Complexos universos, paisagens imutáveis… Contemplativo campo onde as batalhas nunca terminam; não há vencidos ou vencedores, não há heróis nem coadjuvantes…

Uma garça é qualquer garça… milhares de árvores se confundem em nossa percepção limitada da realidade… tudo igualmente verde; tudo igualmente difuso…

Aqueles patos mergulhões teriam sido sempre os mesmos durante toda viagem? Não importa… A água que flui incessantemente no mesmo lugar seria a mesma água todos os dias, todas as horas, o tempo todo? Aquela que chega à foz, de onde veio, afinal?

Em nossos mundos individuais tudo tem nome, endereço, origem… e nos diferenciamos pelo olhar, pela voz, pelo movimento, pelas palavras… até mesmo pelas nossas roupas!

Seríamos, deveras, diferentes? Mudamos constantemente durante a vida, e aquele que nasceu, no momento seguinte, já não mais existe… no entanto, na essência, permanecemos os mesmos…

Quando partir daqui, não serei eu mesmo e, no entanto, aqui não deixarei meus rastros. E nada levarei, senão as recordações, as imagens registradas na memória… ou nas máquinas digitais… talvez algum pensamento ou emoção escape de mim e corra para a selva, sem que eu possa perceber. E passe, então, a viver como os outros animais…

Sentirão eles as minhas emoções?

Talvez alguém, daqui a muitos anos, ao passar por aqui, encontre os meus pensamentos, mas eles também não serão os mesmos, pois se tornaram bichos, embrenharam-se nas matas, circularam pelas mentes de outros seres e também se transformaram…

Fará algum sentido, então, esse antigo pensamento? Talvez não… pode ser até que não haja, sequer os animais… as árvores terão caído ou sido derrubadas… talvez o rio esteja seco… casas, pessoas, concreto, asfalto, poluição talvez estejam aqui, em seu lugar…

E aquele pensamento, aqueles sentimentos anacrônicos se perderão para sempre, assim como minhas recordações e as lembranças que porventura tenham de mim… e eu terei sido levado pelo tempo, pelo vento… assim como meus pensamentos…

E minhas palavras se perderão no deserto que ficou por aqui.

Infinita e monótona beleza, é por isso que não resistirás! Não há utilidade na Beleza! Beleza não se produz… Beleza não se consome… ela apenas está aí, enquanto a querem. Não vale a pena lutar por preservar a Beleza…

Por isso, quando te vi, quando contemplei tua vastidão infinita, quedei-me a teus pés e só fiz chorar… haverá, um dia, um mundo sem luz, sem cor, sem pássaros e seu cantar, sem as águas cristalinas de uma cascata, jorrando, sem cessar, o seu frescor e pureza…

Nesse mundo eu não quero estar…

Reflexões e desânimo, 9 de junho de 2009 – 18h00

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 09´ – Altitude: 704 metros

Hoje foi um daqueles dias que gostaria de apagar da memória. Logo pela manhã fiz uma portagem longa, transportando cargas e a canoa pela mata e sobre pedras, por mais de 500 metros. Em seguida, me arrisquei em uma corredeira e, na verdade, ela era dupla, encadeando a primeira, mais fácil, com um longo “tobogã”, inclinadíssimo, e cheio de rochas.

Fui manobrando o remo como dava, mas os impactos eram inevitáveis. A cada baque ouvia os estalidos do casco, como se rasgassem suas fibras.

Parei em um lugar estranho… parecia um jardim de rochas, com muitas plantas, e a água do rio se dispersando em inúmeras alternativas de caminho, muito rasas.

Escolhi a que parecia mais tranquila e, depois de uma curva, o rio acelerou e girou no sentido inverso. À minha frente, uma árvore tombada cobria todo canal. Não dava para desviar e muito menos para parar!

Deitei-me como pude para frente, me defendendo com o remo. Aquilo se passou em segundos e, por muita sorte, nem me arranhei. Perdi apenas o meu boné, daqueles com aba atrás, que me protegia do sol a nuca, e mais um squeeze.

Ao final da corredeira o meu barco estava alagado e tive que saltar na água para que não virasse. Parei em um pequeno remanso, forçando a canoa sobre uma pedra, pois a corredeira continuava logo adiante. Tirei a água e verifiquei rapidamente os estragos. Não percebi nada e resolvi finalizar a corredeira e procurar um lugar para o acampamento.

Novamente fui jogado para todos os lados na tentativa de evitar novos choques. Porém, essas manobras bruscas sempre fazem entrar muita água. No final, a canoa se encheu novamente. Tentei me manter dentro e manobrei em direção a um remanso.

Foi terrível! O lugar parecia um pântano, com água parada, cheio de insetos, um cheiro horrível e espuma amarelada por toda parte, sobre as águas. Para piorar, não consegui me manter dentro da canoa e caí naquele lugar imundo.

Tive que retirar a água com a caneca até poder voltar ao barco e manobrar para um lugar menos nojento. Os mosquitos me mordiam em todos os lugares onde encontravam pele.

Agora estou aqui, sobre pedras tão irregulares e estreitas que minha barraca mais parece um refúgio do ambiente externo, sem estabilidade e sem specs para segurá-la.

Certamente não conseguirei dormir, pois não há sequer meio metro plano dentro da barraca. Não tive ânimo para preparar uma refeição, devido ao cansaço e mau humor

Para espantar os insetos fiz uma pequena fogueira bem próxima à água, com gravetos e galhos que se espalhavam por todo lado. Os estragos provocados pelas chuvas devem ter sido grandes e havia galhos, troncos e lixo acumulado no barranco.

Pela primeira vez nesses onze dias de viagem eu me questionei sobre a validade de continuar a expedição. O que tenho feito não é canoagem: é rafting! E com o equipamento inadequado. Para esse tipo de corredeira (águas brancas) deveria usar um kayak[1]! Canoas não têm estrutura para suportar tanta violência!

E, para agravar ainda mais o meu estado emocional, abri cuidadosamente um dos mapas ensopados e verifiquei minha localização. Para minha surpresa e decepção, ainda estou no município de São Roque de Minas, mais próximo de Piunhi…

Ou seja, estou há nove dias na fronteira entre Vargem Bonita, São Roque de Minas e Piunhi… ainda faltam uns 5 km para alcançar o Samburá que, segundo dizem, dobra o volume de águas do São Francisco. E nem sei se isso é bom ou ruim, pois, se as corredeiras continuarem com o dobro do volume das águas, será impossível prosseguir!

Agora estou a 704 metros de altitude. Os mapas fornecidos pelo IBGE não fornecem as cotas de terreno, ou seja, não dá para saber a variação de altitude entre minha posição atual e os próximos quilômetros.

O rio Samburá também faz divisa com o município de Bambuí. Portanto, estou ainda muito longe de Iguatama e não há nenhuma cidade ribeirinha até lá. Isso quer dizer que posso ficar sem iluminação noturna, pois, conforme “vovô” Murphy[2], minha lanterna com células fotoelétricas se “apagou”, encheu-se de água! Deveria ser à prova d’água, mas…

Para completar essa situação lastimável, os sacos “estanques”, mesmo com seis ou sete dobras bem feitas, não impedem a entrada de água. Nenhum deles! E não há um só local que capte o sinal do celular. Não há estradas que cruzem o rio nessa região, e não há casas próximas ao rio, onde eu possa pedir ajuda. É claro que, se eu acionar o botão de ajuda do rastreador, criarei um sério problema para todos que me acompanham nessa aventura, pois não saberão como chegar.

Só se vierem de helicóptero!

Como tenho ficado mais tempo dentro d’água do que no barco, percebo uma ligeira elevação da temperatura corporal. Por enquanto não há sinais de doença; apenas febre. Amanhã enfrentarei novos problemas. Já à saída desse “refúgio” em que me encontro vejo a próxima corredeira. Parecem não ter fim!

Pouco antes de chegar aqui passei por um lugar lúgubre: havia bandeiras vermelhas penduradas nas árvores, sobre o rio e dentro da mata. Não sei se influenciado por todos esses problemas, senti que ouvia vozes vindas de lá… sons graves, quase um lamento. Preciso urgentemente de boas notícias! Ou que meu celular funcione, ou que cessem as corredeiras, ou que encontre algum lugar habitado onde possa me recuperar…

Esse povo daqui não sabe dar informações consistentes. Nos raros encontros com pescadores nessa região, eles não sabiam dizer a distância até um lugarejo mais próximo, ou quando terminam as corredeiras. Será que elas têm fim?

O que mais me incomoda em toda essa situação é que, agora, nem aquela beleza que havia antes continua a existir. Até lixo urbano começa a aparecer. São raros os pássaros que vejo, a mata é fragmentada e apenas de um lado do rio, enquanto que do outro lado os morros estão desmatados e sem plantações. Não consigo me ajeitar nessa barraca, com receio de que ela desabe sobre a água, que está a poucos centímetros de mim; e as pontas das pedras não me deixam dormir. Só espero não ter que apertar o botão de pânico (911) no rastreador; não estou em busca de um acidente, mas de uma aventura bem sucedida, que traga enriquecimento intelectual para mim e informação relevante para a sociedade.


[1]    Kayak ou caiaque – embarcação tubular com remo de duas pás, usada em corredeiras. Existem muitos modelos de kayak, para um ou dois remadores, para navegação oceânica, mas todas têm como característica comum o fato de serem fechadas como um míssil, com pouca capacidade de carga.

[2]    Referência às “Leis de Murphy” que, de modo geral, tratam da freqüência com que fatos contrariam as expectativas das probabilidades. “Se algo errado tiver uma possibilidade mínima de ocorrer, ocorrerá!”.

Último dia nas corredeiras, 10/06/2009 – 19h15

Sul: 200 20´ – Oeste: 460 08´ – Altitude: 698 metros

Ainda não foi hoje que alcancei o Samburá… parece que todo meu destino está vinculado ao encontro desse rio. De certa forma, está mesmo, pois minha expectativa é de que a junção dos dois rios coincida com a mudança da topografia, trazendo terras mais planas e menos corredeiras a serem transpostas. Preciso acreditar nisso!

Minha motivação caiu a zero. Como não posso mais me arriscar descendo as corredeiras, puxar a canoa ou fazer portagens passou a ser meu único meio de locomoção. Em uma das portagens caí de uma pedra de quase dois metros de altura, me estatelando na água. Só que não havia apenas água, mas pedras pontiagudas, que me feriram as mãos e os braços.

No começo da viagem cortei um dedo com o canivete e o corte permanece aberto até hoje. Isso porque os curativos duram muito pouco em contato com a água e logo se desmancham. Sempre que esbarro o dedo em alguma coisa, ele volta a sangrar. Receio uma infecção pela falta de atendimento. Já nem sei mais o que é ferimento e o que são picadas de insetos!

Hoje perdi definitivamente todos os meus mapas, que caíram na água por um descuido meu ao tentar passar a canoa entre duas pedras, onde passava a corredeira em um de seus lances mais agitados. Nem tentei recuperá-los, pois logo se espalharam pela água e foram levados pela correnteza. Já não tinham mais serventia mesmo…

Diante de tantos desacertos e sem perspectivas de chegar logo a Iguatama, se hoje houvesse uma opção de retornar à civilização, certamente eu abortaria a expedição.

De repente está ficando surreal demais essa viagem! Estou aqui, fazendo os maiores esforços para progredir 2 ou 3 km por dia e ninguém, exceto os meus poucos amigos, sabe de meu projeto e de minhas intenções. Se, apesar de ter enviado dezenas de e-mails a autoridades, imprensa e público especializado ninguém se interessou pelas minhas ideias, não seria aqui, no meio do nada, que notariam minha ausência!

Este local onde acampei hoje é bonito. Muita vegetação em ambas as margens, pássaros… a garça cinzenta reapareceu, assim como o casal de gaviões. O rio tem muitos peixes, que saltam a todo instante, fazendo um barulho, como palmas.

Como havia pouco espaço, montei minha barraca em uma pedra estreita e comprida, onde também atraquei minha canoa. De ambos os lados da pedra sobrou parte da barraca, que parece se equilibrar no ar. Para não cair na água enquanto durmo, coloquei as pás dos remos sob ela e os cabos apoiados no barranco. Parece uma favela…

Parei cedo; eram três da tarde. Mas logo à frente há uma nova corredeira e meus músculos e minha mente já pediam um repouso. Penso constantemente em minha família. Questiono se tenho direito a essas aventuras enquanto cada um luta pela sua vida à própria maneira. Porém, preciso disso como do ar que respiro!

Talvez eu não faça diferença nas suas atividades cotidianas, pois cada uma estruturou sua vida conforme sua própria capacidade de sobreviver. Mas elas me fazem muita falta. Em anos passados, acostumado à solidão, eu não questionaria essas ausências… nem elas! Porém hoje, nem sei porque, eu me sinto muito só, abandonado, infeliz.

Lá fora, grilos cricrilam, peixes saltam e uns poucos pássaros gorjeiam nas árvores. Ao fundo, o som das águas na curva do rio e a corredeira que terei de enfrentar ao amanhecer. Paisagem bucólica, propícia à meditação e às reflexões existenciais…

Tenho me alimentado bem: duas canecas de leite pela manhã, uma com granola e mel, outra com “ovomaltoddy” e mel; durante o dia, apenas refresco artificial e, de vez em quando, sementes e castanhas; à noite, porção dupla de macarrão ou arroz, enriquecidos com tomate seco, pimenta, azeite e gengibre; às vezes, umas poucas fatias de salame.

É curioso que, estando só e em contato com a Natureza, cheguei a imaginar que meus pensamentos me permitissem “viajar” pela Filosofia, pelo Misticismo, e me trouxessem novas ideias No entanto, talvez devido à constante busca pela sobrevivência, estou vazio…

Tenho muito pouco sono e, quando adormeço, meu sono é leve e interrompido. Todos os dias são iguais, as rotinas são as mesmas, não há rituais nem simbolismos, não há notícias, dialética ou confabulações. Por isso, suponho, meu cérebro está parando!

Se ainda fosse adepto do Zen Budismo, esse seria o momento de buscar a Iluminação. A meditação Zen pretende que a mente se esvazie de qualquer ideia para que a verdadeira percepção do Uno e do Todo se manifestem e clareiem o nosso entendimento.

Porém, rotulei-me Agnóstico, por preguiça ou por ausência de melhor definição. Procurei demais, por muitos anos, o entendimento das razões metafísicas e espirituais que justificassem nossa presença neste mundo; porém, só encontrei contradições.

Não sei o que fazer de meus próximos 20 ou 30 anos, se viver tanto. Talvez me torne um velho ranzinza, que lê jornal e revistas no banheiro e dorme diante da televisão. Quem não tem crenças ou convicções religiosas não consegue preencher as longas horas dos dias, dos anos que precedem à morte. Preciso voltar a ler… estudar… meditar.

As beatas passam as contas do seu rosário pelas pontas dos dedos enquanto balbuciam, inconscientemente, suas rezas sem sentido, que aprenderam com as mães, também beatas, e que nem sabiam por que faziam isso, até chegar a sua hora. Provavelmente, a igreja teria inventado esse artifício para impedir que elas pensassem… Na falta da fé, que move montanhas, eu prefiro ir às montanhas em busca de minha fé. E “brinco” de intrépido aventureiro para dissimular a chegada da minha própria velhice.

Quando me aposentei por desilusão profissional, sonhei em ter uma casinha à beira do rio, lá em Iporanga, onde fica o PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira). Quase cheguei a fechar negócio. Mas, como todo mundo, tenho pavor à solidão…

Não essa solidão escolhida que passo agora… essa é fácil! Mas aquela solidão dos esquecidos, dos abandonados, de quem não tem a quem recorrer na hora final… É mais difícil morrer do que viver. Talvez por ser o único ato definitivo, irrevogável, para o qual não há arrependimento nem remorso.

As beatas se preparam para a morte rezando, com medo do inferno… mas nós, agnósticos, que não cremos no devir, o que tememos? Creio que seja o esquecimento. Quando a última pá de terra cair sobre nosso caixão, o que terá restado dessa vida?

Se formos famosos, talvez o nome de um beco, uma rua, uma praça, um parque… talvez um viaduto, um teatro, um mausoléu ou cemitério… Se formos apenas mais um figurante neste teatro da vida, nada ficará que revele nossa passagem por aqui.

Ainda que tenhamos escrito um livro, pintado um quadro, composto uma música ou despertado da pedra um ser imaginário, ainda assim, se nossa obra não for reconhecida, ou mesmo sendo, talvez só nos reste um mísero espaço nas estantes de um museu!

É muito mais fácil ser igual àquela beata do que ser ateu ou agnóstico! Elas – as beatas – não questionam as razões do existir e não temem a solidão póstuma, pois certamente haverá uma horda de seres no lugar que lhes for reservado no seu céu ou purgatório, que o inferno foi reservado somente para nós! Para senadores, deputados e vereadores deve haver outro!

Passamos a vida dialogando com nossos botões, ou com outros seres, descrentes como nós, questionando sempre as mesmas e irrespondíveis indagações: “de onde vim?”, “para onde irei?” e “por que estou aqui?”… Certamente não haverá respostas, seja para os tolos, seja para os intelectuais, filósofos, cientistas…

Se existe um teorema que nunca, ninguém solucionará, é esta simples trilogia… no entanto, cá com meus botões, nada me agrada mais pensar, discutir ou contestar…

Seria por isso que estou aqui?

No entanto, nem São Francisco, o Velho Chico amante dos animais, está disposto a discutir comigo… e passo noites e dias, a procurar, como o filósofo com a lanterna na mão, as razões do existir. Esse tem sido o meu passatempo nesta vida…

DE CANOA E SAMBURÁ

Bambuí, bar do Beto, 11 de junho de 2009 – 18h30

Sul: 200 21´ – Oeste: 460 02´ – Altitude: 716 metros

Como são frágeis nossas convicções! Ontem, minha decisão “definitiva” era abortar a expedição… hoje, minha posição reavaliada é de que vale a pena prosseguir. O que separa opiniões tão antagônicas? Apenas o fato de que as adversidades que minavam minhas forças foram superadas.

Mas eu sabia que elas seriam superadas e, mesmo assim, perdera a motivação, e meu sentimento era de que havia chegado ao limite de minha resistência.

Imagino um juiz, em sua posição de César, a apontar o polegar para cima, inocentando o acusado, ou movendo-o para baixo e condenando-o à morte! não pode ser tão frágil nosso juízo de valores! Não podemos estar, a todo tempo, à mercê de uma decisão arbitrária, que se altera ao sabor dos sentimentos.

Enfim, prosseguirei.

Hoje superei a fase das corredeiras. Saí do Francisquinho, encontrei o Samburá e naveguei, finalmente no rio São Francisco! Cheguei ao município de Bambuí.

Amanhã e depois sigo em busca de Iguatama. Curioso como nomes nada representam. Nunca soube de Iguatama, do Samburá, do Francisquinho… hoje fazem parte de meu entendimento. Vi o São Francisco nascer e crescer, atirar-se da montanha, correr ladeira abaixo sobre pedras, voluptuosamente… vi-o encontrar-se com o Samburá e turvar-se com o volume dessas águas… conheci as transformações geológicas dessas rochas e a chegada do carste de Bambuí. Agora estou aqui, remando em águas calmas…

Mais do que isso, falei com minha mulher, a Mory, e minha filha Luciana! Não consegui falar com a Mônica, minha outra filha querida. Dei notícias minhas, soube de meu netinho e recuperei a autoestima Senti que era possível prosseguir.

Mais dois dias e chego a Iguatama. Mais dez dias e chego à represa de Três Marias. Estou, novamente, no caminho! Vejo, mais uma vez, meus objetivos à minha frente!

Hoje, contrariando meus propósitos, cheguei ao restaurante do Beto, conheci um grupo de pescadores amadores (dois médicos, dois dentistas, dois padres e um violeiro), comi uma refeição que não preparei, tomei cerveja e banho quente e estou deitado em uma cama!

Nada pode ser inflexível… é preciso tolerância conosco e com outras pessoas; expor-nos à curiosidade para que seja possível entender as diferenças. Como manifestar nossa ideologia se não somos capazes de compreender as diferenças? Até que ponto essas diferenças seriam irreconciliáveis, antagônicas?

Na verdade, toda divergência é irreconciliável enquanto se baseia em convicções cristalizadas pelas vivências individuais, enquanto fazemos dela nossa bandeira e identidade. Mas a mesma divergência se torna o caminho para a conciliação quando entramos na disputa ideológica com o propósito de nos transformar e aprender…

Nunca estamos dispostos a ceder quando se trata de admitir que vivemos contradições e nos equivocamos no entendimento. Mas se aceitarmos que mudar é evoluir, e que todos estamos sempre enganados até que se acrescente um novo entendimento, então essa divergência passa a ser o mote da transformação, e nos enriquecemos com ela.

Estou em um quarto simples, com luz elétrica, piso, porta, telhado, cama e colchão. Considerando os lugares em que acampei nos últimos 10 dias, isto é um luxo! Se fosse escolher uma pousada para férias com a família, seria inaceitável!

Para um mendigo, um paraíso; para um milionário, assemelhar-se-ia a uma estrebaria! Essa é a relatividade das coisas e dos valores que conservamos com tanto orgulho!

À minha volta, várias pessoas acampadas, ouvindo música, jogando poker[1], tomando cerveja, cantando… De certa maneira, quebrou-se o encanto da selva e reingressei na civilização. Rompi o tênue limite entre a vida humana e a vida animal.

Sinto como se traísse os meus ideais, meus propósitos… e, no entanto, nada mudou. Em meu projeto está a intenção explícita de me relacionar com o universo que gravita em função do rio São Francisco, e este é um pedaço desse universo.

Parece-me distante aquele ambiente selvagem que, ao despertar, fazia parte de meu cotidiano… o cheiro do mato, o canto dos pássaros, o risco sempre presente ao meu redor, as possibilidades incontroladas e imprevisíveis…

O encantamento desse mundo de insegurança não resiste ao contato com a civilização. Tão próximos, tão distantes… tão diferentes e, no entanto, deles somos herdeiros.

Quando passei sob a ponte do bar do Beto poderia ter seguido adiante. Ninguém saberia meu nome ou conheceria meus propósitos; no entanto, parei meu barco, subi pelo barranco, me envolvi com pessoas, aceitei sua hospitalidade, confiei-lhes meus sonhos, relatei a eles as minhas experiências.

Por que fiz isso? Porque não sou só um animal, não vivo na selva onde fui um intruso durante todos esses 10 dias, e porque desejava, intimamente, reencontrar o meu mundo!

Certa vez assisti a um documentário de um pesquisador que se inseriu em uma matilha de lobos para analisar e entender seu comportamento. Envolveu-se de tal forma com eles que os animais aceitaram-no como um igual e até o escolheram como o líder, o “alfa” do grupo por certo tempo. Porém, ele não cortou seus vínculos com o mundo humano; precisava dele para construir suas teorias e divulgar suas ideias Quando teve que se ausentar da matilha por um tempo, perdeu sua condição de líder e a confiança do grupo de lobos, ao voltar. Tornou-se apenas um “lobo” comum, no nível mais baixo de sua hierarquia. Assim é o reino animal.

Preciso compreender isso antes de continuar: não sou um ribeirinho, não sou um animal, não pertenço a esse mundo que pretendo conhecer e relatar… ou até mesmo transformar.

Sem esse entendimento, não estarei capacitado a compreender o que busco, nem relatar esse universo real e distante de meu próprio mundo às pessoas que me acompanham. Só assim poderei prosseguir: como um simples observador de um mundo estranho, para o qual tenho conceitos meus, e que verei sob meus olhos aculturados em outro universo. Nele não poderei interferir senão como elemento externo e sem me envolver completamente.


[1]    Poker ou Pocker – o mais famoso dentre os jogos de cartas, onde o “blefe” e o controle emocional são determinantes. Joga-se a dinheiro e grandes fortunas já foram perdidas nas mesas de carteado.

Novas paisagens, 12 de junho de 2009 – 06h30

Ontem, na confluência do São Francisco com o Samburá, se encerrou a primeira fase desta viagem e também da geografia do Velho Chico. Da nascente até a cachoeira da Casca D’anta poderíamos dizer que o São Francisco nascia e se formava como um rio de planalto, a cerca de 1200 metros de altitude e em vegetação típica de cerrado.

Do pé da Casca D’anta até o encontro com o Samburá, o “Francisquinho” permanece com um volume de água pequeno e estável, apesar dos muitos riachos que o alimentam.

Serpenteando pelos vales das encostas dos morros, é um rio acidentado, agitado e repleto de corredeiras e belíssimas cascatas, cercado de densa vegetação de mata nativa, e uma rica fauna, composta por capivaras, onças pintadas, suçuaranas, tucanos, garças, gaviões e uma infinidade de espécies de pássaros, além da grande quantidade e variedade de peixes que habitam suas águas límpidas, e de outros animais que nem pude perceber.

Daqui em diante o volume das águas duplicou, e corre lentamente até a represa de Três Marias. Sua água barrenta já não mostra os cascalhos ao fundo, nem os peixes saltando.

Ontem e parte da noite choveu fraco. Hoje tomarei meu café da manhã aqui no Beto, onde pernoitei, para prosseguir minha jornada pelo grande e Velho Chico.

Em busca de Iguatama, 12 de junho de 2009 – 19h00

Sul: 200 13´ – Oeste: 450 53´ – Altitude: 653 metros

Remei forte hoje, por sete horas seguidas, mas não consegui chegar a Iguatama. Nas curvas do rio formam-se redemoinhos que quase param a embarcação, quando não me obrigam a segurar o movimento com o remo para não rodopiar também.

Isso reduz muito a velocidade média, que já é baixa, pois essa região, ao contrário da anterior, tem muito pouca declividade. Da confluência do rio com a ponte onde passa a rodovia Piunhi – Bambuí, onde iniciei a remada hoje, até a divisa do município de Bambuí com Doresópolis, a Natureza é belíssima e encontra-se razoavelmente preservada.

É uma região cárstica, ou seja, possui estruturas geológicas propícias à existência de cavernas, que de fato existem. Durante horas remei admirando as fantásticas rochas que acompanham o rio. Algumas delas chegam a apresentar espeleotemas em sua parte externa, que comumente só acontecem no interior das cavernas. Nunca vira isso antes.

Espeleotemas são formações ornamentais das cavernas, sendo chamadas “estalactites” aquelas que descem do teto, e “estalagmites” as que surgem e “crescem” do solo, em decorrência do gotejamento e acumulação de calcário. É uma região belíssima e muito rica em cavernas.

Infelizmente, quando entramos no município de Doresópolis, além de se acabarem essas formações rochosas magníficas, também o homem deu um jeito de piorar bastante as coisas, desmatando as margens do rio e provocando o desabamento dos barrancos.

Primeiramente, as plantações substituíram as matas ciliares derrubadas. Desapareceu o canto dos pássaros, e os morros estão desnudados desde o topo até a margem do rio.

Devido a isso e à intensidade das chuvas este ano, as voçorocas[1] deixaram o solo exposto em quase toda extensão do rio no município. A grande quantidade de árvores caídas, centenas, com as raízes à mostra, algumas no meio do rio, é um cenário desolador…

Lamentavelmente, a devastação é grande demais para ser recuperada. Ainda assim, nas pouquíssimas manchas verdes que restaram, os pássaros reaparecem: gaviões, garças, periquitos, uma espécie de pato negro e muito esguio (biguá), diversidade incrível!

Hoje parei de remar às 15 horas para poder limpar minha canoa e as sacolas, que estavam cheias de lama; a canoa, com muita água no fundo, devido à chuva da noite passada e da parada no bar do Beto, cujo barranco estava muito enlameado.

Tomei uma sopa de fubá e me recolhi mais cedo. Agora venta bastante e deve chover novamente esta noite. Por isso, retirei o barco do rio e o deixei emborcado para mantê-lo limpo. Não quero chegar à primeira cidade da expedição com aparência de desmazelo.

Nessa região já existem mais pessoas morando próximas ao rio. Às vezes ouço vozes; outras, o barulho de máquinas agrícolas, cães latindo, ruído de veículos em alguma rodovia próxima… É curioso perceber o mundo apenas pelos sons! Com isso perco um pouco da privacidade e espontaneidade; afinal, acampar à beira de um rio implica em certa exposição para satisfazer às nossas necessidades de higiene.

Em Iguatama pretendo refazer minhas sacolas e, se possível, reduzir um pouco a carga, desfazendo-me do que foi inútil até agora. Também preciso recarregar todas as baterias, pois terei um longo trajeto, quase desabitado, até Três Marias… uns 400 quilômetros.

Por se tratar de uma represa, meu rendimento deverá cair bastante: as águas são bem mais lentas… hoje faço, em média, 10 km/h e na represa devo fazer menos de 7 km/h.

Terei também outra preocupação: não me perder nas inúmeras ramificações causadas pelo alagamento dos vales, quando da construção da hidrelétrica e sua represa.

Ontem, pela primeira vez, falei com Mory, Luciana e o Nícolas. Não pude falar com a Mônica, nem com minha mãe. No entanto, a vontade de estar com eles é tão grande como se não tivesse havido esse contato. Amanhã completo 15 dias no rio.

Às vezes passamos anos convivendo com amigos, filhos, esposa, parentes e, no entanto, não dizemos mais do que trivialidades uns aos outros. Não percebemos o privilégio de estarmos junto com aqueles a quem queremos bem! A simples proximidade física satisfaz as necessidades afetivas. Porém, estando afastados e solitários, desejamos intensamente esse convívio trivial, às vezes traduzido apenas em olhares, carinhos fortuitos, gentilezas, gestos, atitudes que passam despercebidas e que, no entanto, nos satisfazem! “Estamos aqui!… vejam!” Poucas palavras para tamanho sentimento!

Se tivéssemos esses períodos de reclusão voluntária, de reflexão perante a vida, nossa percepção de quão efêmera é a existência, talvez nos tornasse mais generosos ao manifestar esses sentimentos; quando dissemos “te amo!” pela última vez?

Esquecemos de dizer o quanto queremos bem a esses seres de nossas vidas. Deixamos de fazer um carinho, relembrar uma data especial e única apenas para nós… É tão fácil, tão simples e, no entanto, construímos muralhas em torno de nós… Ocultamos esses sentimentos e, a cada dia, fica mais difícil dizer simplesmente: “que bom estar aqui com você!”.

Em certa época de minha vida me interessei pelos conhecimentos esotéricos e acabei chegando ao Zen Budismo. Pertenci, por pouco tempo, a uma comunidade Zen.

Em um desses encontros fiquei uma semana, em retiro espiritual, em Campos do Jordão. Nossa rotina diária era meditação, trabalhos manuais, leituras e reflexões. Não existe religião mais solitária do que o Zen Budismo. O objetivo da meditação Zen é esvaziar a mente de todos os pensamentos para que se manifeste a Iluminação (“Satori”).

Os monges dedicam suas vidas a esse mister: a busca da compreensão absoluta! É como se, de repente, tudo se tornasse claro em nossas mentes… “Oh, my love, for the first time in my life, my eyes are wide open… Oh, my love, for the first time in my life, my eyes can see… !” Quem não se lembra dessa canção de John Lennon?

Não estou em busca do meu “Nirvana”, mas o isolamento nos torna introspectivos, vulneráveis a reflexões mais profundas, ao entendimento das razões primárias do existir, de termos vínculos nessa vida e buscarmos a felicidade.

Já para Budha, a felicidade não pode existir neste mundo, e só estamos aqui para nos livrarmos do ciclo de renascimento provocado pelo karma que trazemos de outras existências.

Esse seria, portanto, o objetivo último da Iluminação: atingir o estado de paz (o Nirvana, o mundo perfeito), e não precisar voltar, pela reencarnação. São infinitos os caminhos da Sabedoria, mas apenas um pode ser trilhado por cada um de nós!


[1]    As voçorocas são fendas no terreno, geralmente causadas pela retirada de sua cobertura vegetal. As plantas e suas raízes protegem o solo da erosão causada pela água das chuvas.

Doresópolis, Temas para análise, 13/06/2009 – 03h00

Esta é uma região muito prejudicada pela degradação ambiental. Chama a atenção a diferença de qualidade da sua vida selvagem. Os barrancos estão completamente derrubados, restando muito pouco das matas ciliares originais.

Penso em quais providências deveriam ser tomadas para a revitalização do São Francisco. Embora não seja especialista no assunto, tenho minhas próprias concepções. Não é difícil imaginar alternativas quando compreendemos o problema.

A primeira questão que me preocupa é fazer um inventário atualizado dos recursos hídricos e dos remanescentes de matas ciliares do Alto São Francisco e do uso atual do solo, verificando possibilidades de contaminação por dejetos de indústrias poluentes e agrotóxicos das propriedades rurais.

Tendo uma visão correta das reservas, o próximo passo seria proteger essas áreas remanescentes através da extensão dos limites do “Parna[1] Canastra” até as nascentes do rio Samburá. Poderia ser denominado “Parna Nascentes do São Francisco”.

Com base nos levantamentos aerofotogramétricos, seria desenvolvido um sistema georreferenciado para monitorar, através de sensoriamento remoto via satélite, a preservação das áreas protegidas. Esse modelo poderia ser replicado para todos os parques nacionais.

Minha visão sobre parques nacionais inclui o entendimento das bacias hidrográficas como áreas de preservação integrais, e não segmentadas, como é feito hoje. Assim, proponho a criação de uma Área de Preservação Ambiental (APA) que contemple toda bacia do São Francisco, seus afluentes, matas e fauna.

É importante compreender que o que sustenta os ecossistemas são seus recursos hídricos e não o contrário. As matas só surgiram e existem devido às águas.

Para assegurar a recuperação das áreas degradadas deveriam ser criados incentivos fiscais de compensação tributária para  empresários (agricultor, pecuarista, industrial) que investissem  recursos na preservação e manutenção da APA, RPPN[2] e RVS[3].

Também é importante que as populações tenham consciência de sua responsabilidade pela preservação do meio ambiente. Para isso, deveriam ser desenvolvidos programas de educação ambiental em todos os segmentos da sociedade e nas escolas de todos os graus.

Aos infratores, a Justiça deve estar preparada com instrumentos adequados à imposição de rigorosas sanções, desde multas expressivas e convincentes, até penalidades mais rigorosas, o que se faria através da revisão do Código Penal nos artigos que tratam de crimes ambientais, tornando mais rígidas e severas as penas impostas aos que causem, intencionalmente, danos ao meio ambiente nas áreas protegidas.

Em contraposição, àqueles que contribuem para a conservação da Natureza, pessoas físicas ou empresas, deveriam ser instituídos prêmios de incentivo e benefícios fiscais.

Também deveriam se tornar criminalmente imputáveis as ações políticas que favoreçam o descumprimento e o desrespeito às leis ambientais nas áreas de preservação. Sabemos que o tráfico de influência funciona de forma deletéria, principalmente em organismos responsáveis pela fiscalização e pela liberação de atividades nas áreas de  preservação.

Por fim, é necessário estimular a criação de RPPN – Reservas Privadas de Preservação Natural, através de compensações fiscais e outros mecanismos legais, de modo a comprometer empresas e grandes propriedades rurais com os esforços de recuperação e preservação da bacia do São Francisco.


[1]  PARNA – abreviatura de Parque Nacional – área de preservação permanente com acesso público.

[2]  RPPN – Reserva Privada de Preservação Natural

[3]  RVS – Refúgio da Vida Selvagem

Depoimento de Manoel Bibiano

Iguatama, MG – 14/06/2009 – 14h42

“Manoel Bibiano, fui prefeito de Iguatama por três mandatos e estou muito satisfeito de receber o João em nossa cidade, uma vez que essa proposta dele conhecer o rio São Francisco ‘por dentro’ é um diferencial em relação ao que os brasileiros pensam do próprio rio.

O rio São Francisco passa dentro de minha cidade e nós sacrificamos muito esse rio ao longo de nossa história, que é pequena em tempo, mas muito intensa em poluição; e nós temos trabalhado para combater essa poluição. Um dos trabalhos que fizemos foi a criação da Faculdade de Ecologia e Meio Ambiente. E essa proposta foi para ‘repensar’ o São Francisco desde a sua nascente.

Se nós preservarmos o rio aqui, com respeito às pessoas que moram no seu entorno e com relação à Natureza, lá na frente todos poderão ter a certeza de que a água do rio sempre  chegará até eles. Se não cuidarmos do São Francisco aqui e agora, se não respeitarmos o rio, ele vai secar. E nós, que conhecemos o nordeste de Minas, a Bahia, sabemos a diferença que fará a essas pessoas a perda desse rio.

Então, em respeito a você, João, pelo seu trabalho, nós vamos continuar aqui, lutando para que esse rio seja preservado. Mais que isso, quando você estiver lá na frente, pensando em desanimar, saiba que aqui, às margens do São Francisco, tem gente torcendo pelo seu sucesso, acreditando que o seu trabalho é importante para o Brasil, para a Natureza e para a Humanidade!”

Iguatama, Acampamento na lama, 15/06/2009 – 18h30

Sul: 200 10´ – Oeste: 450 43´ – Altitude: 638 metros

Tentei remar mais tempo hoje e acabei sendo obrigado a acampar em meio a uma árvore derrubada pela enchente e sobre um lamaçal ressecado e rachado, prestes a desabar. Isto porque em todos os locais que tentei desembarcar a lama chegou aos meus joelhos. Senti-me na situação de uma pobre vaca atolada na lama, que encontrei pouco antes de chegar a este local. Tentei tirá-la, mas não consegui. Pedi ajuda a dois pescadores que estavam na margem oposta, mas eles se recusaram a ajudar. Tive que abandoná-la.

Certamente, a pobrezinha iria morrer afogada ou de frio durante a noite. Na propriedade, aparentemente, não havia ninguém, pois não responderam aos meus chamados… era um animal de raça, creio que holandesa, e rastreada, pois possuía as etiquetas nas orelhas.

Bem, falemos de nossa estada em Iguatama.

Fui muito bem recebido nessa simpática cidade, graças ao apoio de um jornalista de Belo Horizonte, Closé Limongi, que foi pessoalmente à cidade me entrevistar e me acompanhar em uma visita oficial, pois ele conseguiu o apoio e a atenção das autoridades locais.

O jornalista é diretor de uma revista que se propõe a apresentar os roteiros turísticos do estado de Minas Gerais. No próximo número, de junho de 2009, sairá uma reportagem de capa sobre minha expedição e a visita a Iguatama, onde conheci duas realizações importantes: o Centro Oftalmológico, que atende a mais de 100 pacientes por dia, sendo 30 de cirurgia de catarata, e a Faculdade de Ecologia e Estudos do Meio Ambiente, mantida pela Fundação Educacional Vale do São Francisco, autarquia criada pela prefeitura de Iguatama e que se propõe a formar especialistas no meio ambiente que contribuam para conhecer, catalogar e estudar a flora e a fauna da região, colaborando com sua preservação.

Muita coisa aconteceu neste final de semana. Ao chegar à cidade constatei, surpreso, que não existe uma área de portagem. O acesso por barco significa ter que deixá-lo à beira do barranco e escalar um trecho escarpado de 12 metros de altura, cuja base é de lama, sem nenhum melhoramento que facilite a vida dos barqueiros para chegar à entrada da cidade.

Depois compreendi a razão disso: quando chega a época das chuvas, o rio São Francisco chega a subir mais de 10 metros, atingindo a ponte e invadindo as plantações. Essa ponte interliga Formiga a Bambuí e é o único acesso por rodovia à cidade de 7.000 habitantes.

Os pilares da ponte estão cercados de lama e cobertos de destroços e entulhos de árvores arrastadas pela enchente. Apenas um terço da largura do rio é navegável. Deixei o barco amarrado sob esta ponte com a maioria das sacolas. Levei apenas o essencial. Disseram-me que não me preocupasse, pois ninguém tocaria no barco e em meus pertences.

Consegui me hospedar em um pequeno hotel a 500 metros da ponte. Assim que me instalei, o Closé me ligou confirmando sua chegada para a manhã de domingo. À noite, um diretor da faculdade e sua esposa foram me visitar e dar as boas-vindas em nome da administração municipal. Fiquei sensibilizado com essa atenção.

Eu me deitei cedo, cansado e frustrado por não poder arrumar minhas coisas como pretendia. Seria impossível levar todas as sacolas até o hotel, tendo de escalar o barranco. Apenas coloquei as baterias para carregar e tomei um banho quente.

Logo pela manhã chegou Closé e saímos para fotografar uma enorme escultura de madeira de uma carranca, à entrada da cidade, do outro lado da ponte, na rodovia. Ao retornar ao hotel, uma comitiva de professores e diretores da faculdade nos esperava para a visita.

A Clínica Oftalmológica foi construída em mutirão pela própria população de Iguatama e atende a cidades de toda região. Os pacientes de Iguatama são atendidos de graça, mas os que chegam de outros municípios pagam um valor básico pela cirurgia de catarata. E a cidade ganha com o turismo de saúde.

A Faculdade ainda está em construção, embora já ministre cursos de Biologia e Ecologia. Existem várias estufas de criação de mudas, uma clínica veterinária para tratar de animais silvestres acidentados, um pequeno museu com espécies empalhadas da região – geralmente animais mortos em atropelamentos – e um acervo de mais de 5.000 sementes de plantas típicas da região (sementário), que está sendo catalogado pelos professores.

Hoje a faculdade possui cerca de 150 alunos matriculados e, assim como a clínica, não recebe ajuda ou verba oficial para sua manutenção e funcionamento. Quem nos apresentou a faculdade foi sua diretora.

Próximo a Iguatama existe uma lagoa de procriação de nome Inhuma[1], parcialmente alimentada pelas grandes cheias do rio, e com fantástica diversidade biológica, que é objeto de estudos e monitoramento pelos professores e alunos da faculdade.

Essas visitas e o entusiasmo demonstrado pelos alunos, professores e diretores da faculdade por seus projetos evidenciam que mesmo pequenos municípios com receitas pouco expressivas, podem realizar grandes obras e atender aos anseios da população. Basta acreditar, ter criatividade e agir com honestidade e transparência.

Iguatama foi criada em função do movimento de garimpo do ouro que existia nos tempos do Império. Era, então, conhecida como Porto Real pois havia uma balsa que transportava o ouro de um lado a outro do rio, onde se cobrava o Quinto (5a parte da produção, que era destinada à Coroa Portuguesa).

Em Iguatama também funciona uma indústria que explora o calcário extraído das rochas cársticas da região. É triste saber que parte expressiva das cavernas brasileiras nunca será conhecida, por serem destruídas pela mineração.

Esse é o lado perverso do “desenvolvimento” econômico, construído sobre os destroços de nosso patrimônio espeleológico. A revogação do decreto que protege as cavidades naturais brasileiras coloca em risco todas as cavernas brasileiras, mesmo aquelas que já são conhecidas e exploradas para fins científicos, turísticos ou esportivos.

Hoje pela manhã deixei Iguatama, levando comigo a gratidão por esse povo que me recebeu com tanta consideração e hospitalidade, valorizando meus esforços pela preservação de um de nossos mais expressivos recursos hídricos.

Remei por 8 horas seguidas, estimulado pelas energias recebidas de Iguatama. Acabei por me complicar na escolha de um local adequado para pernoite! Os barrancos nessa região, desde a confluência com o Samburá, são muito altos, íngremes e barrentos. Às vezes é impossível desembarcar, tanta é a lama que existe em suas margens.

Estou em um lugar precário e instável, pois qualquer chuva poderá fazer toda essa terra ceder, levando junto minha barraca, as sacolas, a canoa e eu. No entanto, é improvável que chova hoje e, de qualquer forma, já me acostumei a desafiar, mesmo involuntariamente, o perigo, acampando sempre em áreas de risco iminente.

Desde o início de minha expedição tenho sido um sobrevivente, superando dia após dia as dificuldades e contratempos que surgem pelo caminho. Ainda restam inúmeros obstáculos; nem consigo imaginá-los, pois o rio se transforma a cada dia.

Closé prometeu-me entrar em contato com amigos que poderiam me ajudar a superar as corredeiras na entrada do lago de Três Marias, sob a ponte da estrada que  liga Abaeté a Pompéu. Também fará contato com um clube náutico de Três Marias, para conseguir um local de pernoite e ajudar na portagem da barragem e da cachoeira Grande, uma corredeira localizada uns 10 km abaixo da represa. Disse, ainda, que tentará um contato com Dom Luiz Cappio, o polêmico bispo de Barra, na Bahia, que em 2008 fez uma greve de fome em protesto à transposição das águas.

Esta será uma longa noite: a barraca está toda molhada, a cama está em um plano inclinado, minha canoa está cheia de água barrenta e fétida, e as sacolas imundas! Não tive ânimo de preparar um jantar; preferi comer sementes com granola e tomar um refresco de limão. Este lugar insalubre está infestado de insetos! Felizmente, eles ficaram fora da barraca, esperando por um vacilo meu… Amanhã também será um dia difícil.

Não sei como farei para limpar a canoa. Preciso, pelo menos, retirar a água que a invadiu em uma corredeira causada por uma obra clandestina e estúpida de uma empresa que, sem licença do Ibama, desviou o curso do rio, reduzindo em 3 quilômetros o seu trajeto original, para escoar a produção de cana de açúcar daquela região. Tive que passar debaixo de uma ponte de madeira improvisada com pouco mais de um metro de altura das águas do rio, com inúmeros pilares em torno dos quais a água forma uma estranha corredeira.

A água entrou quando o barco se chocou contra um dos pilares, girando sobre si mesmo e quase afundando. Poderia ter sido pior. Como não sabia dessa cretinice, navegava sem amarrar a carga. Se a canoa virasse, poderia ter perdido muita coisa, inclusive a filmadora e a máquina fotográfica, com todas as imagens captadas até agora em minha viagem!

As dores nas costas continuam a me incomodar bastante. O braço direito, que eu mais utilizo, fica com o movimento prejudicado e a remada se torna ineficiente. É uma dor antiga, crônica, que se agravou com o forte esforço das remadas. Eu me esqueci de comprar um anti-inflamatório em Iguatama para aliviar seus efeitos.

Olhando o mapa, estimo chegar à represa em três dias. Se a primeira portagem for rápida, creio que até o final de junho estarei diante da hidrelétrica. Pelo mapa, se eu usá-lo com a bússola para navegação no lago, não terei problemas para encontrar o caminho.

Também estou pensando em mudar meus planos de parada: só pernoitarei nas grandes cidades, como Pirapora e Januária, além de cancelar a visita às cavernas de Peruaçu.

Encerrando a viagem em Piaçabuçu e deixando de fazer o trecho de mar até Aracaju, creio poder terminar a expedição no final de agosto, talvez dia 28, aniversário de meu pai.

Como no lago de Sobradinho a navegação é prejudicada pelas grandes ondas que lá ocorrem, terei que aceitar o transporte da canoa por um barco maior, uma balsa ou chata, o que encontrar. Também terei que fazer várias portagens na região entre Juazeiro e Paulo Afonso, o que poderá encurtar a duração da viagem e assegurar esse meu novo propósito.

São atitudes sensatas diante dos inúmeros problemas que venho enfrentando na expedição. Não esperava tantos contratempos, e não tinha informações corretas e suficientes.

Além disso, estou bastante incomodado com a falta da companhia de minha mulher, minha mãe e minhas filhas, e lamento não estar acompanhando o crescimento de meu netinho… são perdas expressivas para quem tem um vínculo tão forte com a família!

Ainda assim terei coletado material suficiente para meu livro, tanto pelas observações constantes do meio ambiente, como pelos depoimentos e fotografias já obtidas.

Esse trecho em que me encontro é monótono e cansativo, pois não há mudanças significativas no ambiente natural e não existem comunidades ribeirinhas a visitar. Com isso, a expedição acaba se reduzindo a algo próximo à aventura, e não ao entendimento das sociedades locais, ou a reflexões sobre o significado disso tudo em minha vida.

Não encontrei um meio eficaz de modificar meu posicionamento perante essa monotonia da vida no rio São Francisco. Sinto-me limitado e incapaz de reagir… Meus pensamentos acabam se reciclando indefinidamente, pela falta de discussão e antagonismo. Isso restringe muito os impactos esperados em minha transformação intelectual.

Concluo que a vida no rio ou em qualquer outro ambiente natural e selvagem, se não estimulada por outros meios, tende a reduzir gradativamente a produção intelectual.

Não é a solidão que me incomoda, mas a falta de ideias, de inspiração para a criação. Sou vítima de meus próprios pensamentos, que se enclausuraram em ideias preconcebidas no círculo vicioso do raciocínio embotado pela falta de diálogo. A dialética é essencial para a evolução intelectual, ainda que provocada apenas pela leitura. Para piorar esse quadro, minha veia poética se exauriu por completo. Perdi meu estilo literário e até mesmo o desejo de escrever.


[1]    Inhuma ou Anhuma – nome de pássaro de porte médio, como as seriemas, encontrado nas regiões de cerrado de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Lagoa da Prata,  Um encontro insólito, 16/06/2009 – 17h15

Sul: 190 54´ – Oeste: 450 34´ – Altitude: 626 metros

Finalmente encontrei um excelente local para acampamento, com “portinho” de pedras, lugar plano para a barraca, tranquilo. só que tive que parar de remar ao meio-dia! Foi necessário porque minha roupa estava toda suja, enlameada e malcheirosa; o tênis, a canoa, as sacolas… tudo sem condições de uso. Já não conseguia conviver com esta bagunça! E ontem nem jantei, nem tomei o café da manhã, por causa da lama e do péssimo lugar em que acampei; precisava desse tempo para descansar e me refazer dessa sequência de problemas.

Bem, de volta à normalidade, jantei às 16 horas e já preparei a feijoada que irei comer amanhã à noite, pois ela precisa ficar de molho em água morna por várias horas; depois, é só esquentar.

Agora há pouco, meu “vizinho” veio me visitar. Ele tem um rancho de pesca ao lado e convidou-me para ficar hospedado lá; esse povo de Minas é mesmo hospitaleiro e sabe nos cativar! Não aceitei o convite, pois já estou bem instalado por aqui e minha roupa está toda secando nos galhos. Então, convidou-me para tomar o café da manhã com ele.

É uma pessoa consciente. Seu filho participa de uma ONG, Associação Ambientalista do Alto São Francisco. Contou-me que felizmente deixaram de caçar animais selvagens, mas os peixes estão cada vez mais raros e menores. Em sua opinião o governo, através de seus órgãos de apoio ao meio ambiente, deveria fazer um trabalho de repovoamento do rio com as espécies mais nobres, como o surubim e o dourado.

Esta área, que compreende o sítio dele e vários outros ao redor, foi reflorestada pelos atuais proprietários, que plantaram mais de 100 mil mudas de árvores nativas, cujas sementes foram colhidas na própria mata ciliar da região.

Agora chove um pouco e minha roupa, certamente não irá secar… mas pelo menos está limpa e amanhã eu a coloco sobre as sacolas para secar enquanto remo, se houver sol.

O mapa rodoviário que me sobrou não está em escala que permita estimar distâncias. No entanto, suponho que ainda tenha uns 300 km até a barragem de Três Marias. Percorrendo 30 km por dia em média (o que é uma estimativa conservadora), mesmo parando um dia para portagem na entrada do lago, eu ainda chegaria lá este mês.

Minha expectativa é que a viagem se torne mais fácil depois da represa, pois a vazão do rio é regularizada pelo controle da barragem e há mais povoados e cidades a partir de lá.

Reduzindo minhas visitas a 20 cidades, e deixando de visitar o Parque Cavernas de Peruaçu, eu economizaria praticamente um mês e chegaria à foz em meados de agosto. Sim, estou ansioso por simplificar os meus planos. Em parte pela saudade, em parte por perceber que os impactos de minha passagem pelo rio tenham se tornado irrelevantes…

Se a greve de fome de Dom Cappio se tornou folclore e não surtiu nenhum efeito, o que eu poderia conseguir com minha passagem quase anônima pelos 2.800 km do rio? Agora entendo que não basta a determinação e a coragem de enfrentar o desafio. É preciso “vender” bem a ideia, ter boa presença na mídia, mesmo antes de demonstrar que é capaz de realizar o feito com sucesso.

A cada dia eu me espanto com o tamanho de meu empreendimento! Uma pequena canoa, uma “casca de noz”, vencendo as águas lentamente, uma remada a cada dois segundos durante horas sem fim, 30 a 40 km por dia, mais de 1 milhão de remadas ao término da expedição!

E a paisagem segue imutável durante horas… só o barulho do remo puxando as águas para trás da canoa; os mesmos pássaros, as mesmas árvores, o mesmo barranco, a mesma água barrenta fluindo sem cessar… haja determinação! Ninguém pode imaginar a dimensão dessa tarefa para um ser humano isolado do mundo civilizado! Não é querer valorizar minha expedição; apenas constato a minha realidade.

Todos os dias, levantar acampamento e remar sem parar durante 6 a 8 horas; procurar um local para o novo acampamento, geralmente úmido, íngreme e enlameado; retirar as sacolas do barco; montar a barraca; fazer o jantar e lavar a panela e as roupas; e, finalmente, dormir. Passar o dia inteiro observando o rio para evitar os troncos submersos, redemoinhos,  árvores caídas… os pensamentos vêm e se vão sem se completar, repetidos à exaustão. Estar sempre atento a alguma fonte de água menos enlameada para filtrar e tratar, completando minhas provisões, pois água nunca pode faltar!

À noite, cansado e com os músculos doloridos, o sono não vem. Só ouço o cricrilar dos insetos e o “marulhar” do rio… Reviro-me no chão em busca de uma posição mais confortável, mas ela não existe. A dor nas costas restringe minhas posições…

“Então, por que veio?”, alguém perguntaria…

Sim, por que estou aqui? Para que minha vida faça sentido, para que eu justifique minha presença por mais alguns anos… para que, em minha velhice, eu tenha histórias para contar aos meus netos… para que minhas filhas se orgulhem de mim…

Talvez a imagem que faço de mim seja maior do que sua real dimensão, e eu seja apenas mais um reles passante nesta vida sem sentido; como isso não me consola, busco realizar algo verdadeiramente relevante, que me diferencie, afinal, da gigantesca massa humana que povoa, anônima, nosso planeta.

Hoje, diante da imensa tarefa que me reservam os dias vindouros, talvez preferisse estar em casa, cuidando de meu netinho, brincando com meu cãozinho Potchó, cuidando de minha Mory e de minhas queridas filhas, Luciana e Mônica…

Mas não posso desistir, não pelos outros, mas por mim mesmo! Esta será minha segunda aposentadoria: a dos esportes radicais, esportes da Natureza, de aventura…

Depois, quando eu voltar, darei mais importância aos pequenos gestos, às palavras singelas, ditas apenas para agradar, às preces e às reflexões que farei em minhas caminhadas pelos parques, às infinitas lembranças dessas vivências…

Sem novas e aventureiras ambições serei comedido nas ações e nas palavras… deixarei de ser polêmico nos debates; aceitarei mais do que minhas compulsões permitem; serei menos egoísta e dedicarei a vida a cuidar das pessoas que amo…

Terei bastante tempo para isso!

Assim mesmo, estando na cidade, o tempo continuará a passar lentamente, ao menos para mim, pois farei apenas uma coisa de cada vez, como faço aqui. Talvez nisso resida o segredo de uma vida tranquila; não feliz, mas sossegada.

Não creio na felicidade como um estado de alma permanente ou mesmo duradouro. Vejo-a simplesmente como uma emoção efêmera, um sentimento que passa e nos faz sorrir por um momento… e logo depois constatamos que o mundo à nossa volta permanece o mesmo!

Depoimento de Roberto Rocha

Lagoa da Prata/MG – 17/06/2009 – 09h03

“Eu me chamo Roberto Rocha. Tenho 70 anos de idade e faz 50 anos que eu estou aqui, na beira do Velho Chico. Já pesquei como profissional, depois fui funcionário público e hoje estou aposentado. Mas estou aqui, lidando, repovoando a mata, fazendo coleta de sementes para repor a mata ciliar.

Nós inclusive temos [um registro no] Guinness Book que plantamos 116 mil mudas de árvore. Essa aqui é uma mata primária ainda. Tem várias espécies como a peroba e o jequitibá, tem outras espécies aqui, mas a luta que se deu é para não deixar as pessoas derrubá-las.

A razão da falta de peixes é que houve uma poluição muito intensa, que pela falta de consciência da empresa açucareira antigamente se jogava todo o vinhoto no rio, e que por isso tinha muito grande mortandade de peixes durante todo ano. E hoje, graças a Deus, já estão aproveitando o vinhoto e não estão jogando mais no rio.

Eu vejo assim, essa luta: que o senhor está passando aqui, vendo tudo, documentando, pegando depoimentos para depois publicar. E fico assim, muito feliz em conhecer o senhor; estava comentando ontem, com meus companheiros, que tem gente assim, com muita coragem, e que ainda luta para preservar o nosso Velho Chico.

Mas falta ainda plantar muita mata; pois essas matas por aqui não têm mais de 10 metros de largura; e os peixes estão desaparecendo. Eu já cheguei a pegar 70 surubins em dois meses, no passado. Naquela época, eles se ‘embocavam’ por todo lado.

Ainda existe algum surubim, mas o rio está assoreado; lugares onde o rio tinha até 12 metros de profundidade, hoje não chega a 6 metros. Na barra do Bambuí ainda se pegam surubins de até 60 kg. O problema é que tem pescadores com redes de até 100 metros, e o permitido é no máximo 5 metros.

Aqui foi criada a Associação Ambientalista Alto São Francisco, que tem trabalhado muito na região de Lagoa da Prata, Moema, Santo Antônio do Monte. Sabemos que as barrancas do rio estão muito arrebentadas, com centenas de árvores caídas devido à falta da mata ciliar. A mão do homem é que acabou mais com a Natureza.

Mesmo assim, as frutas das figueiras e das gameleiras caem e as árvores crescem tudo de novo. É um ‘tira-e-põe’ constante…

Há 40 anos tinha por aqui um fazendeiro que arrancou tudo; não deixou uma árvore de pé e jogou tudo no rio. Mas depois que ele se foi a Natureza se voltou contra ele e nasceu tudo de novo! Hoje está cheio de animais, lobo guará, capivaras… é só o homem não mexer que a Natureza se refaz. O senhor vá com Deus… Deus acompanhe o senhor… e lembre-se de mim!”

Moema, Progresso Lento, 17/06/2009 – 18:20 h

Sul: 190 46´ – Oeste: 450 28´ – Altitude: 618 metros

Apesar de ter cumprido a meta de chegar à BR262 às 14 horas, avancei muito pouco depois disso. Fiquei 45 minutos com as minhas filhas ao telefone e depois remei apenas 30 minutos mais. O motivo disso é a dificuldade de encontrar bons lugares para acampar. Ao ver um lugar satisfatório, acabo optando por parar por aí. Não é razoável!

Calculando a distância até o início do lago de Três Marias pela média atual, ainda demorarei uns três dias para chegar até lá. Deveria remar oito horas por dia.

Enquanto armava meu acampamento, um grupo de uns vinte quatis subiu na árvore logo atrás de mim. Inicialmente, pensei que fossem macacos, mas logo vi a cauda grossa, peluda e listrada. Eles faziam grande alvoroço mas, quando me viram, foram saindo devagarinho e me abandonaram. Lamentei muito, pois nem mesmo pude filmar esta cena… o interessante foi o comportamento do líder do bando: ao me ver, emitiu silvo estridente e permaneceu parado, olhos fixos em mim, até que o último quati abandonasse a árvore. Só depois, ele partiu!

Durante o dia, ainda pela manhã, ouvi o som de muitas asas batendo sobre mim. Eram aves migratórias, às dezenas: patos, garças brancas e azuis. Os patos voavam em formação em “V”, como de costume. Eram muitos grupos, uns após os outros, todos na mesma direção. As garças, porém, voavam em círculos, bem acima dos patos, como se apreciassem a paisagem, seguindo na mesma direção.

Fiquei tão impressionado que me esqueci de filmar. Quando peguei a filmadora já era o último grupo que passava. Só pude captar uma pequena parte daquele espetáculo!

Pela manhã encontrei o Sr. Roberto, aquele meu vizinho que viera me visitar na véspera. Ele é um pescador de 70 anos de idade, e concordou em me dar um depoimento sobre sua concepção dos problemas e dos acertos nessa região do rio, conforme mencionei. Segundo ele, as melhores espécies de peixes, principalmente o surubim e o dourado, estão desaparecendo. Primeiro, por causa do vinhoto da cana de açúcar, que era jogado no rio pelos agricultores, causando grande mortandade de peixes.

Depois veio o assoreamento do rio, causado pela destruição das matas ciliares, o desbarrancamento e a enxurrada das fortes chuvas de verão. A profundidade do rio, que era de quase 12 metros, hoje está reduzida a menos da metade. Os grandes peixes, que dependem dessa profundidade para sobreviver, aos poucos desaparecem. E o rio está cada vez mais pobre.

Ele destacou o trabalho da Associação Ambientalista do Alto São Francisco, que atua na região. Com seu apoio, já plantaram mais de 100 mil árvores, através de coleta de sementes nas matas remanescentes. Hoje são matas primárias, em formação, mas bem diversificadas.

Houve também muita caça predatória, principalmente de capivaras, onças e jacarés. Apesar disso ainda se encontram algumas espécies, como as capivaras, lobo guará, jacaré e até mesmo onças. Sr. Roberto é um exemplo de pescador que deveria ser destacado, pelo seu trabalho.

Minas Gerais vive um paradoxo: possui grande e diversificada riqueza em seu subsolo, desde minérios, pedras preciosas e semipreciosas, calcário, um solo muito fértil em vastas regiões, e esse gigante chamado São Francisco, fonte de vida e energia. No entanto, a maioria de suas estradas vicinais não é pavimentada. Percorrendo o rio São Francisco observam-se poucas e pequenas cidades ribeirinhas e, mesmo essas, pouco fazem do uso eficiente do rio. Existem muitos ranchos de pesca ao longo de suas margens, mas pouca presença humana, o que evidencia seu uso apenas para lazer.

Diante disso, volta aquele dilema: o progresso em detrimento da preservação ambiental. À medida que chegam as lavouras de cana de açúcar, soja e outras monoculturas, a Natureza é penalizada e destruída. O homem ainda não equacionou corretamente esse problema e o futuro parece comprometer definitivamente os recursos e a beleza cênica da Natureza. Parece que não há como fugir desse cenário desolador.

Se os países ricos já esgotaram suas florestas e liquidaram com a fauna, como imaginar que não faremos o mesmo? É apenas uma questão de tempo para que isso aconteça. E por que não o faríamos, condenando-nos ao subdesenvolvimento? Afinal, a sociedade capitalista e de consumo intensivo é um desafio aos ambientalistas: não é convincente o argumento da preservação como alternativa de qualidade de vida.

Apesar disso, e mesmo convicto de que essa tragédia virá um dia, e que também nós esgotaremos nossos recursos naturais em troca da vida urbana e do consumo, não posso deixar de manifestar meu protesto veemente contra a ambição desmesurada dos grandes produtores rurais e da indústria de transformação, que comandam esse processo.

É preciso encontrar urgentemente o equilíbrio entre a produção, o desenvolvimento, e a preservação da Natureza, sob pena de tornar esse planeta inviável para sustentar a vida!

Dores do Indaiá, Revisão de percurso, 18/06/2009 – 17h30

Sul: 190 32´ 36” – Oeste: 450 25´ 26” – Altitude: 618 metros

Em linha reta eu percorri cerca de 30 km em direção ao lago de Três Marias. No entanto, considerando as voltas que o rio dá, eu devo ter percorrido, efetivamente, uns 50 km!

Amanhã poderei alcançar a ponte da rodovia que liga Belo Horizonte a Abaeté, e depois de amanhã chegarei à corredeira logo depois da ponte da estrada de Abaeté a Pompéu, já na entrada da represa.

Aí reside meu dilema: remar toda represa e enfrentar as prováveis ondas ou transferir a canoa diretamente para Três Marias? Gostaria de remar no lago mas, cada vez que passa por mim um pequeno barco a motor, minha canoa balança desconfortavelmente por mais de 100 metros, até as águas se acalmarem novamente no rio.

Creio que seja devido ao excesso de carga que estou levando… embora a capacidade nominal da canoa seja de até 250 kg de peso, isso é irreal. Qualquer oscilação mais forte, em uma corredeira, é suficiente para que a canoa se encha de água em poucos segundos. Apesar de ser uma canoa construída para realizar longas expedições, creio que ela só seja eficiente com pouca carga, em volume e peso, e em águas tranquilas Em águas agitadas, devido ao seu fundo arredondado, ela se torna instável e facilmente se enche de água.

Meu rendimento nas remadas tem sido obtido à custa de muito esforço físico, que atribuo ao excesso de peso da embarcação. Hoje mudei a técnica de remada, fazendo um movimento com o corpo para a frente, buscando a água o mais à proa possível, e trazendo o remo com o corpo, até bem atrás, usando a musculatura das costas e do abdômen. Isso praticamente dobra a eficiência da remada e diminui o esforço no ombro e nos braços, o que me alivia as dores nas costas.

É um ritmo bastante forçado; alterno essa técnica à tradicional para descansar e retomar o fôlego. Mas o rendimento é muito maior; acredito que consiga uns 12 km/hora nesta região.

Quebrei um dente comendo castanhas com granola. Ficou um buraco no dente do maxilar superior direito, mas, felizmente, não sinto nenhuma dor. Mas ficou uma estranha sensação de vazio, uma perda, mutilação… nada posso fazer.

Cada vez mais me convenço da artificialidade da divisão geográfica da bacia do São Francisco. A tentativa de simplificação didática em quatro sub-regiões não se sustenta ao se analisar as características ecológicas. Na verdade, toda divisão, seja qual for o critério adotado, é uma simplificação didática, uma vez que a bacia hidrográfica é um continuum de rios e tributários, matas e fauna indivisíveis.

No entanto, as intervenções antrópicas criam hiatos que acabam por determinar o desaparecimento de certas espécies, a endemização de outras, a mudança de feição dos rios, como é o caso da construção de barragens, e até a inserção de espécies exógenas que passam a concorrer com espécies nativas, roubando-lhes o habitat e as presas.

“Como se atreve um leigo a falar de assuntos técnicos, afeitos às ciências ambientais?”

Atrevo-me na qualidade de ambientalista e observador atento, que convive diuturnamente com o rio há 20 dias, examinando e constatando cada detalhe, dormindo em suas margens, ouvindo e observando seus pássaros, conversando com ribeirinhos que passaram suas vidas no rio, enquanto que os doutos, muitas vezes, não conhecem o rio senão através de fotografias, cartas topográficas, viagens de turismo ou de coleta, ou mesmo de literatura, escrita por outros que também aqui não estiveram…

Só não sei das matas, pois os animais que lá se escondem não se mostram para nós… Às vezes, em minha barraca, sinto sua presença, ouço seus passos, percebo sua inquietação diante de um intruso. Mas basta abrir o zíper da barraca para que eles se escondam e tudo volta a se aquietar…

Hoje estou comendo o resto da feijoada de ontem. Feijoada vegetariana, acrescida de pedaços de salame, com arroz à grega, muito azeite e pimenta malagueta. O sabor não tem nada a ver com a feijoada tradicional: a carne é de soja, o feijão é azuki, faltam aquelas carnes gordurosas de porco, falta a caipirinha, a couve, o torresmo, a laranja…

Mas está deliciosa! Agradeço, mais uma vez à empresa de alimentos pela doação dessa comida tão bem preparada, saborosa e feita com carinho! Estou me mantendo saudável e disposto graças a esses alimentos… muito obrigado!

Como duas porções por vez, mas é por conta do grande esforço físico e do desgaste provocado por seis horas ininterruptas de remo por dia, além das horas de trabalho no acampamento, do transporte das sacolas e das portagens que fiz nas corredeiras.

Noite fria, 19 de junho de 2009 – 07h00

Amanheceu um dia gelado, com neblina densa e muita umidade. Aqui perto do rio, mesmo não chovendo, tudo amanhece molhado. E o calor emanado de meu corpo e da respiração acaba por se condensar na parte interna da cobertura da barraca, deixando tudo úmido e frio.

Com esse tempo não adianta acordar cedo, pois não quero remar com essa neblina. Não dá para enxergar nem a outra margem do rio! É preciso esperar que a neblina se dissipe, o que ocorre quando o sol aquece a terra, lá pelas 8 horas.

Como sempre, demorei bastante para dormir, tive um sono interrompido várias vezes, mas eu me sinto disposto e descansado. Acho que me falta um travesseiro…

Esta foi a primeira vez que me abasteci de água tirada diretamente do Velho Chico. Até hoje havia conseguido beber somente das águas cristalinas das cascatas de seus afluentes, exceto em Iguatama, onde peguei água da torneira e tratei. Ontem filtrei uns 9 litros. É uma água barrenta, e mesmo filtrada ela conserva a cor amarelada. Por via das dúvidas, coloquei umas 15 gotas de cloro e o gosto não será dos melhores.

Preciso aguardar o sol aparecer, pois minhas mãos estão geladas e não consigo sair da barraca para levantar acampamento. Tomei café da manhã aqui dentro mesmo!

Bom Despacho, encontro com pescadores, 19/06/2009 – 20h35

Sul: 190 28´ 16” – Oeste: 450 23´ 47” – Altitude: 613 metros

Cheguei ao município de Bom Despacho por volta das 12h30, e encontrei um grupo de pescadores. A seguir, passo a relatar esse encontro insólito e suas consequências

Remei apenas 2 horas desde que despertei, e por um bom motivo: logo que saí de meu acampamento (e saí tarde, às 10 horas), encontrei um grupo de pescadores que, na véspera, tinham me convidado a almoçar com eles.

Parei a canoa e disse-lhes meu plano, que era atravessar a represa de Três Marias depois de fazer uma portagem nas corredeiras próximas à ponte que liga Abaeté a Pompéu. Evandro, um deles, me disse que não há como fazer portagem naquele lugar e seria loucura percorrer o lago com essa canoa.

Segundo disseram, quando venta, as ondas chegam a mais de meio metro de altura e, certamente, minha canoa viraria… o lago tem mais de 100 km de extensão. Além disso, remar na represa é monótono, “só água e terra de má qualidade”.

Deram-me as coordenadas: passaria duas pontes de concreto e chegaria a uma ponte de ferro em ruínas, onde começam as corredeiras. Nós nos despedimos e segui remando.

Duas horas mais tarde passei pelo novo acampamento deles, bem depois da primeira ponte de concreto. Eles já tinham passado por mim e almoçavam. Ao me ver, convidaram-me novamente para o almoço e, desta vez, eu aceitei; precisava esclarecer melhor minhas dúvidas e tomar uma decisão.

Evandro é um construtor de barcos de pesca, de alumínio. Seu filho, Vandinho, estava junto, assim como os outros dois, cunhados dele: Pedro, policial militar, e Jésus, que hoje arrenda a fábrica de barcos de Evandro. Formam um grupo animado!

Todos os anos eles passam uma semana no rio, pescando e se divertindo. Pelo que constatei, são excelentes pescadores, pois estavam com duas geladeiras grandes, de isopor, repletas de peixes: um surubim de 8 kg, um dourado de 12 kg e muitas piranhas de 3 a 5 kg, além de outros peixes menores.

Almoçamos e conversamos bastante. Eles me sugeriram que não remasse no lago de Três Marias; além de um risco desnecessário, nada me acrescentaria à expedição.

Convidaram-me a passar o dia com eles e seguir remando pela manhã. Eles chegariam em seu rancho e me esperariam para o almoço. Lá eles conseguiriam um transporte para eu chegar até a cidade de Três Marias, onde fica a barragem e a hidrelétrica.

Apesar da boa vontade de Closé, pensei que talvez ele não conseguisse encontrar um meio de solucionar o problema de minha portagem. Por isso, aceitei o convite de Evandro e aqui estou. Amanhã irei para o rancho dele. Penso em ligar para Closé e verificar se ele conseguiu alguma coisa, antes de decidir sobre a sugestão do Evandro.

Ele também me deu o telefone de um pescador aposentado que mora próximo à ponte da BR-040, depois da barragem. Esse pescador seria importante para me ajudar a transpor as corredeiras que existem, quilômetros depois da barragem.

Parece que há um outro obstáculo bem pior, a cachoeira Criminosa; sim, é esse mesmo o nome da corredeira, que fica a uns dois dias de remo depois da barragem. Pelo nome já se imagina o tamanho da encrenca! Parece que não há alternativa, senão nova portagem. Disseram-me que, nas cheias, um canal se abre à navegação, pela margem direita. Talvez, uma opção.

Depois disso, segundo eles, dá para navegar até Pirapora, onde há uma grande corredeira que precisa ser transposta, bem na frente da cidade. E então, até Juazeiro, sem mais problemas.

Hoje à noite jantei piranha ensopada, com arroz e batatas. Tratamento de primeira! Uma delícia! Um dos melhores peixes que já comi em minha vida: carne branca, macia.

Aproveitei para gravar os depoimentos de Evandro, Pedro e Jésus. Muito bons! Jésus demonstrou ter consciência dos problemas da região e é, sem dúvida, uma pessoa lúcida.

Percebo que o povo de Minas Gerais, vinculado à vida do São Francisco, além de hospitaleiros e generosos, também são pessoas conscientes das questões ambientais e preocupados com a revitalização do rio. Parece que estou melhorando a qualidade de meus vídeos e encontrando um caminho para meu documentário, focando em personagens do rio e suas histórias.

Depoimentos dos Pescadores

Divisa de Dores de Indaiá e Bom Despacho – 19/06/2009 – 13h46

Pedro (policial militar)

“Cada dia que passa o rio sofre mais com a degradação provocada pelo homem. Hoje, em consequência disso, o rio está se acabando! O triste é saber que daqui a alguns anos nossos filhos e netos não terão mais esse prazer de conviver com o rio e usufruir de suas belezas, se alimentar de seus peixes…”

Evandro (comerciante)

“O homem destrói o rio através dos produtos químicos jogados nele. Hoje o rio não tem sustentabilidade para suportar tantos pescadores, e qualquer um consegue uma carteira de pescador profissional. Apesar disso, no rio ainda podemos desfrutar de muitos peixes, que logo vão se acabar…”

Jésus (construtor de barcos)

“O rio não suporta tantos pescadores, que deixam suas redes armadas durante vários dias, sem retirar os peixes que se enroscaram nelas. Menos de 20% dos pescadores ‘profissionais’ vivem apenas da pesca. A maioria é só diversão. Enquanto isso, só para falar na região de Lagoa da Prata, Bom Despacho, Moema, Martinho Campos e Dores de Indaiá, todas essas cidades jogam seus esgotos no rio, sem qualquer tratamento. Mas nas contas de água, 50% do valor é cobrado pelo tratamento do esgoto, que não existe. E os pescadores amadores é que são penalizados com multa e apreensão de seus pescados. O rio ainda tem muita vida, muitos peixes, aves e outros animais; e se for bem cuidado, ainda poderá nos trazer alegria e sustento por muitos anos.”

TRÊS MARIAS

Revendo objetivos e estratégias, 20 de junho de 2009 – 15h21

Martinho Campos, Sul: 190 20´ – Oeste: 450 19´ – Altitude: 618 metros

Decisão difícil… sensação de derrota e frustração… mas foi necessário parar…

Não segui adiante; por muitas razões decidi parar por aqui; não desisti, mas precisava reavaliar minha situação e compreender melhor o que estava acontecendo com minha expedição.

Acreditei – e não deveria – nas informações mais pessimistas de que não poderia superar as corredeiras na entrada do lago de Três Marias. Depois me disseram que havia, sim, uma passagem sem risco pelo lado esquerdo das corredeiras, e que as ondas do lago não eram, como me disseram, assustadoras…

Deveria ter prosseguido! As corredeiras que viriam depois também podiam ser superadas sem grandes problemas; desde o início de minha viagem este foi meu grande problema: falta de informação, informações incorretas, incompletas, distorcidas…

De qualquer modo, eu precisava parar, pois perdera a motivação e também os rumos da viagem, que se tornara uma corrida contra o tempo, uma competição maluca contra o relógio e o calendário, como se o tempo fosse rígido e dele eu não pudesse me libertar. Não era esse o meu propósito.

Três Marias, em um hotel à beira-rio 20/06/2009 – 22h00

Sul: 180 13´ – Oeste: 450 15´ – Altitude: 573 metros

Na segunda-feira, dia 22 de junho, retornarei a Belo Horizonte, deixando minha canoa no hotel onde me hospedara.

Eu a trouxera, de caminhão, para Três Marias, quebrando um compromisso que assumira de não fazer transposição de caminhos, seguir somente pelos meus próprios meios, e não desistir jamais de meus objetivos! O que aconteceu, então?

Não soube compreender nem explicar… faltava dinheiro, estava preocupado com minha família, sofrera uma pressão para desistir, e nenhum incentivo para prosseguir.

O fato é que falhei… não poderia ter sido influenciado tão facilmente! Não deveria ter mantido contato externo, pois não havia risco nem urgência! Expedição de aventura implica riscos, e eu estava preparado para enfrentá-los, mas desisti.

Sim, pois um hotel confortável é tudo o que eu não poderia ter em meu caminho! Voltar ao desconforto do rio, acampamentos e comida preparada em um fogareiro são coisas difíceis e exigem tenacidade, determinação, coragem, autoconfiança e crença inabalável nos objetivos, deles não nos afastando.

Na quinta-feira, dia 18 de junho, me encontrei com um grupo de pescadores que me convidou a almoçar. Aceitei, e eles me alertaram sobre o que estava por vir na entrada da represa de Três Marias. Segundo eles, experientes pescadores, na entrada do lago havia uma grande corredeira, muito forte e difícil de ser vencida.

Recomendaram-me que não fizesse esse trajeto, pois meu barco não suportaria. Mesmo com barco a motor eles disseram que era difícil entrar na represa!

Acabei pernoitando no acampamento deles e obtive mais informações e subsídios para a minha decisão. Eles haviam pescado muitas piranhas, um pintado (surubim) e um grande dourado. Convidaram-me a ir a seu rancho antes de prosseguir.

Na sexta-feira pela manhã saí cedo e cheguei ao rancho perto do meio-dia. Almocei com eles e decidi que não faria a entrada na represa. Segui remando até uma ponte próxima às corredeiras e contratei um pequeno caminhão para levar-me até Três Marias, onde cheguei às 21h00.

Passei a noite meditando sobre tudo o que acontecera desde o início da expedição. Minha maior preocupação tinha sido superar obstáculos! As questões ambientais foram deixadas de lado em função das inúmeras dificuldades encontradas. E, nos últimos dias, minhas atividades se resumiam em remar cada vez com mais vigor para cumprir um cronograma que nada tinha a ver com meus objetivos e propósitos nesta expedição.

Encontrara poucas pessoas, tomara poucos depoimentos, fotografara poucas cenas, e nenhuma fora do leito do rio, perdi algumas oportunidades de conhecer lagoas de reprodução que estavam a poucos metros das margens… e, para completar, estava consumindo meus parcos recursos financeiros e comprometendo seriamente a expedição.

Além disso, fui informado por um habitante de Três Marias que a uns 10 km da cidade havia uma perigosa corredeira, a Cachoeira Grande. Depois, um pouco adiante, havia outra, a Cachoeira Criminosa, uma enorme pedra que obstruía a passagem, sem ser percebida por quem desce o rio! Era emoção demais para quem buscava relacionamentos e informações sobre o meio ambiente, como eu!

Por tudo isso, decidi interromper minha viagem, reavaliar meus objetivos, buscar apoios financeiros e retomar a intenção de fazer essa expedição com propósitos preservacionistas. Portanto, essa é minha decisão: não farei mais corredeiras, não passarei por trechos perigosos, pois não estou fazendo rafting ou canoísmo como esporte, mas sim canoagem, como meio de locomoção para conhecer o rio São Francisco e as comunidades que vivem em seu entorno, que dependem de suas águas para sobreviver! Creio ser essa a melhor atitude, antes que todos os objetivos da expedição estejam comprometidos.

Reavaliação do Projeto

Um novo início se vislumbra, 21/06/2009

Este é o meu momento de reflexão para poder retomar o projeto conforme fora concebido: foco em questões ambientais, discussão acerca da transposição e seus impactos nas comunidades ribeirinhas, palestras de conscientização nas cidades, coleta de depoimentos da população…

Meus propósitos não mudaram; mas, com essa interrupção, pude reavaliar meus objetivos e retomar aspectos que já pretendia abandonar em função das dificuldades encontradas. Um dos lugares que já estava por desistir e agora retorna com toda intensidade é o Parque Nacional Cavernas de Peruaçu. As cavernas sempre exerceram grande fascínio sobre mim.

Ao passar pela região de Bambuí, pude observar as fantásticas estruturas geológicas do carste. Depois, devido aos atrasos no meu cronograma, já pensava em desistir, deixar de lado essa possibilidade de conhecer essa região onde, certamente, deverei permanecer por alguns dias.

Por outro lado, intenções de percorrer a qualquer custo regiões de alto risco, como a represa de Sobradinho, deixaram de ter interesse para mim. Aceitar uma “carona” em uma “chata” não significa me afastar de meus princípios, ou ferir regras que eu mesmo estabelecera para a expedição.

Talvez não passe por tantas cidades como pretendia, mas ficarei em cada uma das que visitar pelo tempo que for necessário para cumprir minha missão. Essa passa a ser minha principal regra. Pois de nada adianta cumprir prazos se não obtiver conhecimento ou não deixar minha mensagem.

Devo rever alguns locais já percorridos, como as corredeiras de Vargem Bonita, para poder registrar as imagens incríveis de um barco descendo o rio quase sem controle, desviando como pode das pedras e obstáculos de um rio jovem e indomado. Só que farei esses trechos utilizando o equipamento adequado: um caiaque em lugar de uma canoa canadense!

Quem sabe, até mesmo a ideia do Protocolo do São Francisco possa ser ressuscitada! Gostaria muito de poder trazer um documento de compromisso de políticos, empresários, estudantes e personalidades locais em defesa do São Francisco… ainda tenho esperança de contribuir, com esse documento, para a transformação das mentalidades nacionais…

Ainda que não obtenha os apoios e patrocínios pretendidos, voltarei ao rio e à minha expedição. Esse compromisso é inarredável e faz parte de meu projeto de vida, ao qual tenho me dedicado em período integral por tanto tempo. Há seis meses, quando surgiu essa ideia, talvez minhas convicções não fossem tão sólidas. No entanto, estar no rio, conhecer esse universo diferente e fantástico, transformaram meus propósitos em objetivos de vida e a eles dedicarei meu tempo.

Finalmente, repensar um projeto implica em mudanças… estou preparado para mudar meus conceitos, assim como mudei minha postura diante desse rio mágico! Sou outra pessoa depois dessa  convivência diuturna com o Velho Chico! Não poderia ser diferente!

Meu destino em ti… 12/07/2009

Não houve tempo de esperar que me aceitasses… entrei em tua intimidade como em um estupro! Violei tuas águas, tuas praias, tuas matas… invadi tuas beiras e me apossei dos espaços roubados de teus filhos, as aves, os peixes, os seres até então ocultos em teus recônditos segredos… nossos caminhos se entrelaçaram, não por tua vontade, mas pela minha, ansioso por desvendar os teus mistérios…

A princípio, nada encontrei que me detivesse a marcha; como um visitante indesejado, percorri teus vales e descobri teus súditos, vassalos teus, tributários de tua grandeza a doar suas vidas para te enriquecer e te encorajar ao grande salto, inevitável, no vazio…

Por instantes segui outros caminhos, como quem oculta as intenções, e vi o momento em que te projetavas sobre as rochas, como quem se atira ao desconhecido, destemido, inconsequente e audaz como qualquer adolescente. Busquei tua calma e em teu colo me deitei, levando-me contigo à revelia, para onde estivesses a ir, não me importava…

Percebi, então, que tu também não conhecias o teu destino, e me encantei por ti… e assim nos tornamos íntimos, cúmplices dos mesmos segredos, que desvendávamos a cada anoitecer… tu me aceitaste assim, em minha fragilidade, mais vulnerável até que as cristalinas águas de tua alma, teu corpo e razão do existir…

Daí, então, seguimos juntos, amantes apaixonados, um ao outro nos levando, sem um propósito qualquer, senão o de seguir adiante. À nossa volta, a presença de outros seres, assim tão íntimos e livres como o ar, as tuas águas, o som, as cores, os inebriantes aromas…

A cada dia, em cada despertar, a ansiedade enlouquecida de nossas contradições: um ser que nasce e morre sem cessar, criança, jovem e velho a um só tempo, e outro ser que morre e envelhece, no inexorável badalar das horas, a me levar daqui… e mesmo neste ser envelhecido, o jovem e a criança permanecem, ao menos nas lembranças; e isso torna a ambos companheiros, ainda que um só, e tão somente, irá permanecer ao fim do longo dia, quase eterno, da jornada…

Porém, os dias às noites sucedendo, de ti surrupiaram a inocência, das águas te roubaram a pureza cristalina, das margens desnudaram tuas vestes… e as aves, tuas amigas, te deixaram, assim como as outras criaturas, tão belas, tão ingênuas… e eu, desiludido, desencantado, a tudo assim presenciava, aturdido, impotente… roubaram-te de mim em pleno dia!

Das praias, em lama, as alvas areias se tornaram; das matas, somente um ralo mato é que restou; dos morros, às águas, o solo fértil se deixou arrastar, turvando as tuas águas, matando pouco a pouco nossos peixes, cobrindo de barro o leito fundo, a se deixar levar contigo a outras plagas.

Uma angústia, um nó entalado na garganta, tristeza inconsolável de mim se apoderou, ao presenciar as árvores, às centenas, arrancadas, ancoradas em teu leito devastado… assim, seguimos juntos e calados, dias e noites a prantear a maldade dos homens, como eu… roubaram-te a beleza, saquearam-te as riquezas… transformaram-te nessa estrada lamacenta, a fluir, incessantemente, em direção ao mar. Infeliz, como um amante atraiçoado, recusei continuar… e me afastei de ti, ferido mortalmente, cansado, desiludido e só.

Precisarei regressar um dia, e resgatar tua pureza, restaurar tuas vestes, trazer de volta a vida que tivestes… e então renasceremos juntos, e tu me levarás ao meu destino, que é também o teu… repousarei de novo em tuas margens, presenciando a iluminada Via Láctea, a derramar estrelas cintilantes em teu regaço, até o repositório infinito do Oceano… e encontrarei, em ti, a minha Paz!

 A Cachara[1], 17/07/2009

Minha mãe estava prenhe de mim quando meu pai morreu. Estava quase pra parir e ainda ia, todas as manhãs, bem cedinho, na barranca do rio, ver as “pindas”[2] que tinha deixado lá no fim da tarde… pegava sempre alguma piranha, às vezes um bom surubim, raramente um dourado… mas dava pra ela dar de comer pra meus seis irmãozinhos; o mais velho tinha nove anos, e ficava tomando conta dos outros enquanto ela estava no rio ou cuidava da horta no fundo do sítio.

Naquele dia que eu nasci, minha mãe estava na beira do rio, tirando uma cachara grandona que se enroscara na rede deixada na corredeira; ela lutava com o peixe, ainda vivo, e tentava arrastar a rede, presa nos entulhos e cheia de galhos quebrados; a única coisa que prestava era aquela cachara!

De repente, com a força que fazia pra puxar a rede, eu nasci! Pois é, não consegui me segurar lá dentro, e caí no barranco, rolei pra dentro do rio, levando a mãe comigo… ela ainda conseguiu se segurar nas raízes de uma árvore e me puxou, pelo cordão, me segurou pela cabeça, e me arrastou pra cima do barranco, como se eu fosse a cachara deixada na rede lá embaixo!

Não me lembro nada disso; foi ela que me contou depois, rindo da minha desgraça de nascer desse jeito desajeitado! Todo mundo me gozava, dizendo que eu nasci de uma cachara! Assim ficou o meu nome: Maria das Dores, a “Cachara”! Nunca me livrei do apelido e hoje sou apenas a Cachara…

Cresci quase sem cuidados, sujinha no meio daquela molecada danada de ruim comigo! Era como se eu fosse uma boneca de pano, levada pra todo lado, que minha mãe não tinha tempo de me cuidar mesmo: estava sempre lidando na horta, limpando seus peixes, fazendo comida, lavando roupa, varrendo a casa… e eu lá, pendurada no colo dos moleques, como um brinquedo velho!

Minha mãe morreu quando eu tinha oito anos. Quase não me lembro dela… só da trabalheira danada que ela tinha pra manter seus sete filhos: seis meninos e eu. Ela nem se dava conta da gente, atarefada de dia, cansada demais de noite pra ter disposição de olhar pra gente… coitada!…

Mesmo assim, sinto falta dela… depois que ela morreu, meus irmãos mais velhos cuidavam de tudo, meio desengonçados, pois ela nunca preparou a gente pra viver sem ela. Ninguém sabia pescar, ninguém sabia nadar, ninguém sabia cozinhar… só o que sabíamos era lavar as louças, as roupas, limpar o quintal e varrer a casa, porque isso minha mãe deixava pra gente cuidar.

Ela morreu afogada, quando um dourado puxou a rede com ela junto, pra dentro daquela lameira toda, que corria com as águas do rio… ela não sabia nadar. Meu pai também morreu no rio, só que de morte matada; um jagunço cismou que ele era o sujeito que tinha contado pra polícia sobre um crime que cometeram lá em Doresópolis. Ele ficou preso dez anos e depois voltou pra matar meu pai. Nunca me disseram se ele tinha mesmo entregado o assassino…

Crescemos juntos até que meu irmão mais velho resolveu ir embora. Ele disse que ia cuidar da vida, que “aquilo não era vida” pra um homem feito! “Aquilo” era a gente: cuidar da gente, pescar e fazer as vezes da mãe que nunca tive… mas isso ele também não fazia. Nunca mais voltou.

A gente aprendeu mesmo a se cuidar depois que ele se foi. Aprendi até a pescar e fiquei boa nisso. Peguei muito peixe naquele rio; era eu também que fazia a comida e lavava as roupas, porque “isso é trabalho de mulher”, eles me diziam, rindo da “Cachara”! Eu só não pescava cachara; quando elas se enroscavam na minha linha eu jogava de volta pro rio, que já bastavam as piadas que eu ouvia…

Meus irmãos também se foram por esse mundão de Deus; cada um, do seu jeito, saiu, assim, de repente, sem se despedir, que a gente não era mesmo de muitos agrados e chamegos. Fui ficando sozinha, ali no meu rancho, envelhecendo sem ninguém do meu lado; nunca soube o que era o amor, que pai não conheci, e minha mãe não encontrou mais ninguém depois que o pai se foi.

Hoje me olho nas águas do Velho Chico e vejo minha mãe, estampada no meu rosto. Sou igualzinha a ela, rosto fino, enrugado dos anos, pele seca e desbotada, olhos tristes e quase se fechando… nem me cuido direito, vivo com meus trapos velhos, perambulando pela plantação abandonada, ou conversando com meus peixes na barranca do rio; às vezes pego um deles e me desculpo antes de cozinhar, porque preciso viver… preciso viver? Não sei o que isso quer dizer…eu sou apenas a “Cachara”, preta velha e cansada, sem saber porque nasci…


[1]   Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) – Dentre os peixes da região do São Francisco, está o Pseudoplaystoma fasciatum, que pertence à família Pimelodidae. Esta espécie é também conhecida por sorubim, surubi ou ainda surubim (que em tupi-guarani significa de pele lisa, escorregadia), possui corpo alongado, roliço e revestido de couro com numerosas pintas inclusive nas nadadeiras, cabeça grande e achatada, coloração acinzentada no dorso, ventre esbranquiçado, faixas verticais alongadas e frequentemente unidas umas às outras. O cachara é piscívoro e realiza migrações de desova rio acima durante a seca ou início das chuvas.

[2]    Pinda – anzol utilizado sem a participação do pescador, suspenso por uma bóia, ou fixado no barranco pela vara.

Lições da Natureza, 29/07/2009

Quando olhei o rio pela primeira vez pareceu-me estranho e arredio, como se não quisesse minha presença ali. Eu compreendi suas razões, pois aquele não era o meu mundo. Estava ali de passagem, como tantos outros… uns poucos o trataram com respeito e admiração, mas a maioria só estivera ali para levar seus filhos: os peixes, as capivaras, as matas… e nada deixaram em troca!

Aceitei a recusa do rio com humildade e respeito e, a cada novo dia, ele me parecia mais tolerante, compreensivo. Seus filhos já me reconheciam e aceitavam a minha presença; suas águas contavam-me seus segredos; e, aos poucos, fui aprendendo sua linguagem e compreendendo seus mistérios.

Olhava as águas e elas me diziam se havia troncos submersos, se redemoinhos se formavam em seu leito, se uma nova corredeira estava por surgir à minha frente… os pássaros também me falavam sobre seus ninhos, que eles protegiam com determinação; mostravam-me o melhor caminho em uma corredeira; afastavam-me dos perigos.

Assim, fui me afeiçoando ao rio e à sua gente… ao entardecer, quando me preparava para o pernoite, olhava ao meu redor e sabia que não havia perigo em estar ali, cercado de personagens fantásticos em seus mundos individuais. Montava a minha barraca, apreciava os últimos raios de sol, ouvia as melodias de seus animais ocultos pela mata… e adormecia feliz…

Todas as manhãs os pássaros me despertavam antes mesmo do primeiro raio de sol. Ficava ali, deitado, apreciando as vozes de diferentes aves, a recitar seus poemas à vida, à eterna certeza do vir a ser, renovando minhas convicções…

Durante o dia remava tranquilo, horas a fio, pois estava cercado desses seres extraordinários, que se afeiçoaram a mim, como eu a eles. Nada dizíamos uns aos outros, mas estávamos lá, convivendo e compartilhando nossas existências…

Poderia ter ficado ali para sempre, não fora a presença de outros seres humanos, que me contaminaram de suas ideias equivocadas, alertando-me para os perigos… não que eles não existissem, mas eram esses os meus desafios, minha sentença de vida, superação e coragem. Fui envenenado por essas opiniões… e parei… agora estou aqui, desconsolado e só…

Desenvolvimento Sustentável – paradoxo possível? – 25/07/2009

O debate entre “desenvolvimentistas” e “ambientalistas” evidencia as enormes contradições dessas palavras. Existe o “Desenvolvimento Sustentável” ou seria apenas uma quimera, um jogo de marketing que oculta intenções não manifestadas de desviar a atenção dos incautos sobre a devastação incontrolada de nossos recursos naturais?

A primeira contradição a ser resolvida é: “os ambientalistas são contrários ao desenvolvimento social, econômico, científico e tecnológico da humanidade?” Certamente que não! No entanto, a evolução não pode se dar mediante a destruição do meio ambiente! Aliás, isso não é necessário. As áreas ditas “produtivas” hoje existentes são grandes o bastante para abastecer toda população do mundo, inclusive em crescimento moderado por muitos anos. Além disso, a evolução tecnológica e o aumento da produtividade assegurariam o ajuste das áreas produtivas ao aumento do consumo, desde que este se dê em níveis toleráveis.

Esta é a segunda questão. O consumismo da sociedade contemporânea não tem precedentes na História! Nunca se consumiu tanto! Nunca se produziu tanto lixo! Hoje é comum, em uma sociedade “desenvolvida”, uma família ter um veículo, um celular e um computador para cada pessoa, dois ou mais televisores e uma imensa lata de lixo! Uma residência de classe média nessas sociedades costuma ter dois ou mais banheiros, com chuveiros de alta potência de consumo de energia. Cada habitante dos grandes centros urbanos produz mais lixo do que consegue consumir de alimentos! Cada veículo transporta apenas um passageiro (o motorista), em percursos de 20 a 50 km por dia, consumindo energia renovável ou não!

A humanidade continua crescendo a taxas superiores a 2,5% ao ano, sendo que esses indicadores são maiores para as sociedades mais pobres e carentes. Ou seja, o mundo não conseguirá vencer a batalha da pobreza, mantidos esses níveis de crescimento. Pior do que isso: a produção não será suficiente, os empregos não serão suficientes, a água potável se tornará escassa até mesmo nos grandes centros desenvolvidos do mundo contemporâneo, daqui a poucos, muito poucos anos! A população do mundo precisa parar de crescer! Diante desse quadro, o que seria “Desenvolvimento Sustentável”?

Em primeiro lugar, nenhuma ação será suficientemente eficaz sem distribuição das riquezas e eliminação dos bolsões de pobreza. A miséria é a célula cancerosa que se espalhará por todo organismo social, matando-o. É imprescindível eliminar a pobreza! O problema é: qual o ser humano RICO que estaria disposto a abrir mão de parte de sua riqueza para mitigar a fome de seu semelhante em troca de nada, simplesmente por compaixão e caridade? Nenhum, certamente!

E se for para salvar sua própria vida?

Sim, salvar a vida, pois a miséria se espalhará pelo mundo na medida em que os espaços cultiváveis forem ocupados, deixando atrás de si terras devastadas. Hoje, o mundo se caracteriza pelo retorno das “plantations”, as enormes áreas de monocultura de soja, de cana de açúcar, de trigo, de eucalipto, de pinus… as imensas pastagens… e as áreas de cerrado se queimando, para se transformar em novas “plantations”, as florestas sendo queimadas, para se transformar em pastagens… um dia todas desaparecerão!

Mas a humanidade continuará a crescer, a consumir desesperadamente, e a produzir lixo, muito lixo! E as fontes de energia não renováveis se extinguirão; e as novas fontes de energias renováveis consumirão terras que produziam alimentos; e as fontes de água potável se tornarão insuficientes para matar a sede de prováveis 10 bilhões de habitantes; e um exército de sedentos e famintos percorrerá a Terra em busca de saciar suas necessidades, matando e roubando, se for preciso, transformando nosso planeta em um local desprezível, pior até do que as mais trágicas ficções do cinema que costumamos assistir entusiasticamente, até com certo “prazer” mórbido, como se não nos dissesse respeito…

E não mais existirão “ambientalistas”, que desaparecerão junto com a Natureza, consumidos pela ambição desmesurada dos seres humanos, que conquistaram o poder e determinaram a prevalência de seus “valores desenvolvimentistas” e imediatistas, em detrimento da preservação da própria espécie! Mas então não há saída? Claro que existe! E ela é óbvia, como todas as grandes verdades!

O primeiro passo é ter consciência dessas possibilidades catastróficas e não compactuar com elas. É apoiar causas ambientalistas, sem paixão, mas com responsabilidade! Hoje, a maioria das pessoas acredita que “o ambientalista é uma espécie de herói, a quem é dado o poder de salvar a humanidade, sem que cada um precise fazer a sua parte!” Isso é impossível, estúpido, injusto e irracional! Para que haja uma saída são necessários os esforços e o comprometimento dos políticos, dos empresários, dos educadores e do povo!

O que deve ser preservado? Essa é a primeira grande questão! As reservas ecológicas existentes, supondo que sejam preservadas, seriam suficientes para assegurar a preservação das espécies e garantir o futuro da Humanidade? Olhando para a Amazônia, foco de todas as ações atuais, o que ainda pode ser salvo? O Pará está condenado pelas madeireiras, mineradoras, pecuaristas e agroindústrias, assim como grande parte do Mato Grosso e Rondônia. O Amazonas ainda pode ser salvo, assim como Roraima, Acre e outros estados. Mas é preciso um estudo detalhado daquele ecossistema para entender o que não pode ser destruído sob pena de causar um efeito de sucessivas degradações até a extinção do meio ambiente.

A Natureza é um organismo extremamente frágil e sensível; às vezes, basta eliminar uma fonte de água para acabar com todo ecossistema; veja, por exemplo, o Cerrado. Sua rica e exótica vegetação depende das águas subterrâneas que, por sua vez, dependem do tipo de solo e dos canais nele esculpidos para se locomoverem. Basta cortar um desses caminhos, e o que vem depois será devastado! Portanto, os sistemas hídricos da Terra precisam ser profundamente estudados, compreendidos e considerados nos planos de ocupação humana.

Curiosa é a ação governamental na bacia do São Francisco! Sabendo do estado lastimável em que se encontra o rio devido às intervenções humanas, principalmente na região das nascentes, resolve investir 6,6 bilhões para tirar mais água e distribuir para outras bacias do Nordeste! Não satisfeito, e em resposta às pressões ambientalistas, cria um plano “emergencial” de “revitalização“, cujos primeiros investimentos foram para saneamento de esgotos nas localidades da Bahia, próximas às obras de transposição!

Oras, se não se cuidar do rio onde ele é gerado, de que adianta cuidar dos esgotos? As cabeceiras dos rios estão sendo destruídas pelas águas das chuvas devido à queda dos barrancos, uma vez que as matas ciliares foram arrancadas pelos agricultores! É lá que precisa haver investimento! É a terra arrancada dos barrancos e arrastada pela correnteza que causa o assoreamento! É o alargamento do rio que aumenta a evaporação e reduz o volume de águas do rio! É a morte das matas que causa o desaparecimento das espécies da rica fauna da região!

Não é meu propósito escrever um tratado sobre o assunto, mas alertar para o momento crucial que estamos vivendo: nunca a sociedade teve tamanho poder destrutivo, e nunca a população chegou aos níveis críticos em que se encontra. Nunca as fontes de água doce foram tão ameaçadas, seja pelo degelo dos glaciares, seja pela contaminação dos aquíferos e das águas de superfície, seja pelo uso dessas águas para consumo industrial, seja pelo consumo doméstico sem nenhum controle, seja pelo uso indiscriminado de agrotóxicos pela lavoura!

Enfim, existe o chamado “Desenvolvimento Sustentável” Ele é possível? Sim e não; depende do que pretendemos significar com essa expressão. Se nosso propósito é apenas de marketing, para vender “créditos de carbono”, o desenvolvimento sustentável é uma grande mentira que nos conduzirá mais rapidamente para o fim! No entanto, se houver sinceridade de propósitos, se houver determinação da comunidade internacional até para impor aos governos dos países uma atitude responsável perante os tesouros da Natureza e de sua preservação, então será possível alcançarmos juntos o desenvolvimento sustentável, desde que associado a uma política socializante e humanitária!

DE TRÊS MARIAS A ITACARAMBI

Buritizeiro, Retomada da expedição – 22/09/2009 – 18h30

Sul: 170 54´ – Oeste: 450 07´

Ainda não sei qual será o destino desta expedição… chove a cântaros! Mal deu para chegar aqui, armar a barraca, tomar um banho “de gato”, e logo a chuva chegou, precedida de uma ventania violenta. Eu estava em uma ilha, no meio do pasto!

Permaneci três dias em Três Marias… a secretaria de turismo me acolheu, pagou alimentação e hospedagem, graças à intervenção de um jornalista, meu “anjo da guarda” nesse trecho da viagem. Fiz uma saída simbólica da Prainha, que nos finais de semana fica cheia de turistas e moradores da redondeza. Fui a uma rádio para entrevista e dei um depoimento no jornal “O Sertanejo”, para o que tive todo apoio do Secretário e de seu assessor, responsável pela Prainha.

Hoje, o pescador Norberto, figura lendária dessa região, me conduziu até a “cachoeira” Grande. Na verdade, trata-se de uma corredeira que se avoluma graças à largura do rio (mais de 300 metros) e não pela periculosidade ou dificuldade que apresenta. Percebi que as corredeiras que enfrentei em junho, entre Vargem Bonita e Doresópolis, antes do encontro com o Samburá eram muito mais violentas, perigosas e difíceis! De qualquer modo, foi um privilégio conhecer e conversar com Norberto.

Ainda estou “frio” para a expedição! Foi um erro interromper a viagem em junho. Não consegui nenhum patrocínio, atrasei três meses a viagem e perdi a convicção. Tudo ficou mais difícil. Os apoios recebidos até agora não representam nada em termos financeiros para mim. Não preciso de hospedagens, nem da mídia local. E continuo um desconhecido para o País.

Não estou desprezando o esforço de tanta gente; apenas sou realista. A única mudança que houve e tem grande significado para mim é o apoio da Mory, minha mulher. Sua presença simbólica ao meu lado é a minha grande motivação. Mas e a mudança de estação? E as chuvas que chegaram fortes? Como farei? Estou preocupado com esse momento pois ainda estou em uma região de muita chuva, parte central de Minas Gerais.

Com relação ao meio ambiente a transformação foi radical! Primeiro, a represa, de águas azuis e límpidas, em contraposição às águas barrentas do trecho que percorri. Depois da represa, águas verdes e cristalinas…

Para minha surpresa, as margens ainda tem belas matas ciliares, apesar de muita destruição, que continua acontecendo, sem que os responsáveis sejam punidos. Finalmente, muita gente habita as margens do São Francisco: ranchos e sítios!

Ainda faltam quase 70 quilômetros para Pirapora. Se a chuva parar amanhã, chegarei dia 23 à tarde. Chove muito! Por enquanto, a barraca está aguentando e o vento parou de fustigar. Tempestade! A água já está entrando por baixo da barraca… vai ser terrível, esta noite! E nada posso fazer… amanhã, mesmo que a chuva pare, estarei com a barraca encharcada… Vou tentar dormir e fingir que tudo não passa de um pesadelo! Minha vida é assim… nada acontece facilmente… tudo tem que ser pela via mais difícil.

 A tempestade aumenta – 02h00

Depois de ouvir uma revoada de pássaros resolvi verificar o nível do rio… que surpresa! Minha canoa já estava sob as águas, que se aproximavam perigosamente da barraca. Os raios e trovões já haviam cessado e a chuva estava mais branda.

Tirei toda roupa, enfrentei a tempestade, retirei a canoa da água e comecei a me preparar para uma possível retirada de emergência. Guardei o que pude, fechei as sacolas e as arrumei dentro do barco; tirei tudo, inclusive o saco de dormir e o isolante térmico; só ficou a barraca para me proteger.

Foi um erro, pois a barraca estava úmida e a temperatura baixava rapidamente. Passei frio o resto da noite, observando o nível do rio. Para isso coloquei um pedaço de madeira, como marcador, na frente da barraca; se a água passasse daquele ponto, evacuação imediata!

Distância de Pirapora: 45 km – 23/09/2009 – 17h17

Sul: 170 41´ 47” – Oeste: 450 01´09” – Altitude: 482 metros

Acordei às 06h00… na verdade, quase não dormi depois das 02h00! Pela manhã a chuva continuava a cair fraca, mas toda barraca estava encharcada! Esperei cerca de uma hora mas, como não havia perspectiva de o sol se abrir, resolvi prosseguir a viagem. Desmontei a barraca e a coloquei no barco, sem nenhuma preocupação de arrumá-la! Não tinha jeito mesmo…

Tive que espantar o gado para ter um pouco de privacidade, pois eles simplesmente queriam revirar todo meu equipamento em busca de comida! Só não vieram antes porque estava chovendo… bastou abrandar um pouco a chuva para eles se aproximarem devagarinho… primeiro, do barco, depois das sacolas que ainda estavam fora. Aproveitaram minha ausência para atacar!

Dá para compreender a analogia que os hindus fazem entre o boi e um místico… esses animais são tranquilos e pachorrentos, caminham devagar e emitem aquele mugido inconfundível e grave… ruminam a comida como um macrobiótico, e não enfrentam seu inimigo, exceto quando este se aproxima de uma fêmea no cio ou com filhotes…

Fiquei apreciando aqueles animais enormes à minha volta, sem representar nenhum perigo… se fosse um animal selvagem, eu estaria morto. São belos e parecem sábios, embora sejam mesmo tolos, e caminham para o matadouro sem reagir, como Gandhi!

Devo ter saído lá pelas oito horas. Remei até o meio-dia, quando a chuva voltou a cair. Procurei um lugar para montar a barraca, mas a mata era bem fechada em ambas as margens. Parei em um rancho e perguntei se poderia montar a barraca no terreno ao lado da casa. O dono, Francisco como o rio, foi até a canoa, ajudou-me a tirar a bagagem e disse que eu ficaria hospedado em sua casa! Hospitalidade Mineira!

Francisco mora em Uberlândia, mas passa boa parte do ano em seu rancho. Estava com seu pai, Francisco como o filho; ele, com 56 anos, o pai com 72. Ofereceu-me um banho que aceitei de pronto! Banho quente, com direito a sabonete e toalha! Depois daquela chuva, era tudo o que eu desejava! Tomei o banho como quem bebe água em um deserto!

Depois, enquanto o pai preparava o almoço, saímos para conhecer o rancho, de 36 mil metros quadrados; na verdade, era uma pequena ilha do São Francisco, concessão da Marinha, que é responsável por todas as terras dentro e às margens do rio.

Francisco me disse que encontrara as terras completamente desmatadas… plantou árvores frutíferas para se alimentar e atrair pássaros; seu aroma se espalhava por todos os lados da ilha. Criava galinhas caipiras e d’Angola, com aquela aparência rajada, branca e preta, e seu pescoço preto e cabecinha minúscula. Andavam soltas pelo terreno à frente da casa, onde curiosamente ele jogava pontas de cigarros e embalagens de refrigerantes e cervejas. Dizia que de vez em quando retirava tudo e levava para a cidade, jogando tudo nas lixeiras… estranho hábito…

No interior da ilha existem duas ou três figueiras enormes, que ele considera seu maior tesouro! Realmente, são árvores magníficas, entrelaçadas no mato com seus troncos negros, contrastando com as folhas verdes e brilhantes.

Francisco é um bom homem. Construiu um chalé, que aluga para pescadores, aos quais ensina as “manhas” e mostra os melhores lugares para pesca no Velho Chico. Estava justamente esperando um grupo de pescadores quando eu cheguei.

Almoçamos depois de tomarmos umas doses de cachaça e provar um tira-gosto… coisa de mineiros! Tira-gosto, como disse o delegado lá de Iguatama, é para se comer depois de um gole da cachaça: para tirar o gosto! Arroz, feijão, jabá, torresmo, mandioca cozida e salada de tomates, além de um suco de tamarindo. Uma delícia!

Terminado o almoço, a chuva já havia parado; como ainda era bem cedo, resolvi prosseguir e ganhar distância. Precisava avançar mais para poder chegar a Pirapora ainda no dia 24 de setembro, dia do aniversário de minha filhota Luciana!

A tentação do conforto era grande, mas agradeci-lhes a hospitalidade e segui meu caminho por mais de uma hora, quando a chuva voltou a cair. Encontrei um local muito bonito, mas com muita lama. Sem escolha, pressionado pelo tempo e pela chuva, montei minha barraca ainda molhada, subindo pelo barranco e procurando um lugar no enorme gramado à minha volta. Deixei-a secar no vento, antes de ocupá-la.

Para minha sorte, a chuva parou e até apareceu uma réstia de sol… mas a noite seria longa, pois ainda era muito cedo para dormir, e não tenho fome nem disposição para preparar um jantar. Comi demais e bebi umas várias doses de cachaça no almoço!

Durante nossas conversas Francisco me dissera que há alguns anos (depois soube que foi em fevereiro de 2004) uma indústria metalúrgica de Três Marias fora responsável por um terrível desastre ecológico às margens do São Francisco. Essa indústria, próxima à ponte da BR-040, explora o manganês e joga seus dejetos (minério processado, produtos químicos, metais pesados, ácidos, etc) em um lago formado à beira do barranco, à margem do rio.

Durante a temporada de chuvas a barragem abriu as comportas e toneladas desses produtos foram lançadas ao rio, causando a maior mortandade de peixes e poluindo suas águas. Durante muitos meses os pescadores foram proibidos de pescar e ficaram sem trabalho! O incidente (crime ecológico) foi abafado pela imprensa e a empresa não pagou sua dívida social, nem corrigiu o problema; até hoje o lago está lá, ao lado do rio, diante dos olhos dos fiscais do Ibama, se porventura eles passassem por lá.

Os pescadores, sem condições de sobrevivência, penduraram as carcaças de grandes peixes, mortos pela poluição, nas árvores, ao longo do rio até Pirapora. Essas carcaças ficaram apodrecendo ao relento, como testemunhas do crime ambiental praticado. Infelizmente, esse não é o único crime ambiental praticado pelas empresas de mineração, que nunca tiveram grandes preocupações em preservar a Natureza. Prova disso são suas atividades mais “nobres”, sempre de alto impacto ambiental, sempre relacionadas à mineração e alto consumo de energia elétrica.

Mesmo lugar – 02h30

A chuva voltou! Mais branda que ontem, mas persistente… pelo tempo decorrido entre o relâmpago e o trovão[1], o olho da tempestade está a uns 5 km daqui. Por enquanto, não percebi nenhum aumento no nível das águas do rio.

Um péssimo sinal: minhas baterias estão todas com pouca energia! Creio que a umidade da primeira fase da expedição tenha danificado sua estrutura e reduzido seu tempo de vida pois, antes de retornar ao rio eu carreguei todas elas.


[1]    Velocidade do som: 340 metros por segundo; calcula-se a distância da tempestade multiplicando-se a velocidade do som pelo tempo decorrido entre o relâmpago e o trovão.

Reflexões…

O que nos torna expedicionários? A capacidade de automotivação? O fato de sermos destemidos? A superação de nossos limites diante das adversidades? O descaso pela frequente exposição aos riscos e perigos? Ou a convicção inabalável em nossos objetivos?

Apesar da importância de todas essas características somadas, somos humanos e temos necessidade, ainda, de reconhecimento de nossos feitos pela sociedade. Não nos arriscamos por essa fama, mas precisamos dela como alimento para nos sentirmos úteis e mesmo integrados, ainda que por um liame sutil, às pessoas a quem queremos bem… essa é uma constatação difícil de ser aceita, pois temos em nossas mentes a convicção de nossa independência desse mundo, uma sensação de autossuficiência, que não é verdadeira, mas nos preserva a vida.

Pois, rompido esse vínculo, já não haveria mais nenhum apego ao mundo material, e estaríamos sujeitos à perigosa emoção da aventura plena, sem limites, ao domínio da adrenalina sobre a razão…

Talvez, um dia, eu parta para uma expedição extrema, isolado de todos, a centenas de milhas de qualquer sinal de civilização, a experimentar essa sensação do imponderável, da liberdade plena! Não quero envelhecer… tenho medo de chegar à velhice desprovido de minhas capacidades, dependente da compaixão, um peso incômodo, um fardo inútil, uma vez que impotente para corresponder à minha parcela de contribuição ao mundo. Sou, enquanto posso ser útil, ainda que minha concepção de utilidade não seja a mesma desse mundo capitalista e consumista.

Mas, ainda assim, tenho consciência de meu valor, mesmo que seja para contrapor meus pensamentos a essa visão fútil do mundo, que só existe porque produz o excesso e consome demais, que nem ao menos tem consciência de seu peso insustentável para a Natureza.

Por isso, ainda sou útil e espero ser ouvido e compreendido, mesmo que por uma minoria quase irrelevante… se meu exemplo for um incômodo por refletir a verdade, então terá valido a pena, mesmo que eu seja esquecido quando minhas cinzas se espalharem pelos rios e se reintegrarem ao amálgama da Vida!

Pirapora, 24/09/2009

Remei forte, hoje, e percorri cerca de 50 km em cinco horas! Muitas contradições em meu caminho! Primeiro foi a “mata de cenário”: você olha o rio e vê o verde das matas por quilômetros… de imediato, a alegria de perceber aquela mata preservada.

Porém, ela não resiste a um olhar mais acurado: é tudo mentira! Da mata ciliar, o que restou foram somente os “cílios”! A mata não existe! Somente as árvores que se sustentam na encosta dos barrancos, só fachada para enganar os fiscais! Por trás, menos de 10 metros além do rio, é somente a lavoura ou o gado, regados a água tirada do rio por enormes bombas de sucção, muitas delas instaladas dentro do próprio leito!

E o IBAMA, o IEF, a Polícia Florestal? Não vê quem não quer!…

Outros mais descarados arrancaram tudo, até a beira do rio, e continuam desmatando, queimando, destruindo… é um belo e triste cenário… belo porque as árvores sombreiam o rio e dão a ele seu contorno verdejante; triste porque essa mata pobre não sustenta a vida selvagem… não se ouve o canto dos pássaros… tudo vazio…

Alguns chegam a gramar tudo, deixando algumas árvores bem podadas, qual esculturas, plantando paineiras ao redor da bela casa do Senhor Barão!

O calor estava insuportável e tomei uns três litros de água, que não me saciaram…

O rio tem muitas ilhas, centenas delas… algumas grandes, todas baixas… imagino que na temporada de chuvas a maior parte fica submersa com sua bela e diversificada vegetação, mesclada com lavouras de milho, abóbora, mandioca, tomate…

Quase todas as ilhas são habitadas; algumas são concessões da Marinha – comodatos; outras, apenas ocupadas por pescadores, feirantes, vizinhos que moram nas pequenas comunidades ou nas cidades ribeirinhas, e que usam o produto da colheita para consumo próprio, para alimentar o gado ou para escambo.

Nesse trecho, o rio deve ter uns 300 metros de largura, e as águas seguem tranquilas, suavemente levadas pela pequena declividade do terreno.

Creio ainda não ter contado a história da “Criminosa”, ou cachoeira do Ladeiro, como era chamada antes do terrível acidente.

Conta Norberto, o pescador, que um grupo de lenhadores, que cortava as árvores para alimentar as caldeiras dos vapores no início do século XX, agrupava sua carga de troncos sobre as águas do rio antes de conduzi-la pela correnteza até Pirapora.

Naquele dia fatídico os homens tinham bebido além da conta, mas resolveram prosseguir mesmo assim; um deles teve uma paralisia em decorrência de um acidente mas, mesmo assim, os companheiros o acomodaram em uma cadeira sobre a lenha.

O que aconteceu a seguir foi relatado pelo único sobrevivente, curiosamente aquele com paralisia, sentado meio inútil sobre a carga, seguindo à mercê da correnteza e de seus amigos ébrios.

A “cachoeira” do Ladeiro é uma corredeira provocada por enormes blocos de pedra espalhados sobre o leito do rio, provavelmente um desmoronamento de rochas. Quando o rio tem seu volume de águas reduzido, na época da seca, essas pedras ficam perigosamente à superfície sob as águas. Na época das cheias, elas apenas agitam o rio, sem perigo à navegação.

Pois esses lenhadores estavam justamente nessa época perigosa e, desavisados pela bebida, não perceberam o perigo… a “jangada” se esfacelou e os homens desapareceram na turbulência.

Quem teria sido o “criminoso”? A corredeira que sempre lá esteve no curso da história? Ou a “marvada pinga” que turva os espíritos, deixando os homens impotentes…

Assim, a “cachoeira” do Ladeiro passou a ser chamada de “A Criminosa”…

Quando me aproximei de Pirapora o rio se expandiu em todas as direções… tornou-se gigante, como a se preparar para as magníficas corredeiras! Um espetáculo majestoso, como um grande lago, cercado das matas “de cenário”, refletindo o verde e o azul celeste, as nuvens brancas desenhadas nas águas em figuras mutantes…

Em seguida, a ponte nova, sem atrativos, mas já deixando entrever a imponência da belíssima ponte férrea “Marechal Hermes”, construída sobre pilares de pedra, parecendo-se com as pontes de nossos sonhos infantis.

Mais de perto vê-se que ela está interditada para veículos e para o trem que lá nunca passou, e passam apenas pedestres, ciclistas e motos, fazendo um barulho constante, intermitente, como os vagões de um trem sobre os dormentes… de certo modo, esse ruído resgata a frustração da ponte que nunca viu um trem sobre sua bela estrutura.

Se fecharmos os olhos dá até para imaginar a locomotiva “Maria Fumaça” soltando seus rolos de vapor quente e apitando para avisar a cidade de sua chegada!

Parei antes da ponte velha pois sob o seu esqueleto decadente já se percebe o agitar das corredeiras. Fiquei mais de duas horas esperando o transporte da canoa. Eu havia ligado para um contato fornecido pelo meu amigo Closé. Chegou uma pequena caminhonete cheio de galões de água, onde mal couberam minhas sacolas…

Resolvi aceitar a oferta de um garoto para transportarmos juntos a canoa, ele me indicando o caminho; e nós dois, remando, enfrentamos as corredeiras com o barco vazio… pura adrenalina! As quedas d’água eram pequenas, mas o volume de água era o suficiente para estimular as manobras para desviarmos das pedras, a maioria submersa. Só em um pequeno trecho fomos obrigados a tirar a canoa da água, pois a queda era muito brusca e as pedras não permitiam manobras evasivas eficientes.

Foi sensacional! Chegamos ao vapor Benjamin Guimarães, um velho navio trazido da Amazônia, depois de fazer carreira no Mississipi no final do século XIX. Fiquei hospedado em um dos camarotes, bastante simples e pequeno, apenas com uma beliche, uma pequena estante e uma pia; o banheiro ficava na popa, ao fundo do bar.

Esse vapor, cujas caldeiras se alimentam de madeira (muita madeira!), junto com tantos outros, ajudaram a dizimar a mata ciliar no trecho compreendido entre Pirapora, MG e Juazeiro, BA, uma extensão de mais de 1.300 km. Eram cerca de trinta e cinco vapores que transportaram passageiros e carga durante quase meio século.

Hoje, o Benjamin Guimarães faz passeios turísticos entre Pirapora e Januária, passando pelas cidades desse trecho mineiro, e utiliza eucalipto para aquecer sua caldeira… melhor? Não sei… as “florestas” de eucalipto e de pinus são cultivadas onde antes havia matas nativas, de grande diversidade biológica, e hoje não tem habitantes, sejam os pássaros ou qualquer outro tipo de animal, que não consegue subsistir em matas homogêneas e pobres de alimentos.

Dragas à beira do rio para irrigar lavouras e dessedentar o gado

Benjamin Guimarães e os vapores do Velho Chico

O São Francisco já foi conhecido como o “Rio da Integração Nacional”. Isso porque, desde a década de 1920, cerca de 30 vapores e dezenas de barcas de porte médio faziam a rota de Pirapora, em Minas Gerais, a Juazeiro, na Bahia, transportando passageiros e cargas por uma extensão superior a 1.300 quilômetros.

Alguns desses vapores foram trazidos do Mississipi, Estados Unidos, onde navegavam desde o século XIX, e foram aposentados com o surgimento das embarcações movidas a óleo diesel. O vapor Benjamin Guimarães foi um deles; construído em 1913, passou primeiro pelo rio Amazonas e chegou a Pirapora em meados da década de 1920.

A história dos vapores está intimamente ligada à aristocracia social do Nordeste e ao desmatamento nessa região do São Francisco. À primeira, porque em seus camarotes viajavam os nobres de Barra, na Bahia, e de outras cidades da nobreza da época, em suas andanças pelas cidades do oeste baiano e mineiro. Ainda hoje Barra ostenta seus casarões suntuosos e o que resta de sua aristocracia e tradições burguesas.

Mas são os danos ao meio ambiente que marcaram a história desses vapores. Cada vapor consumindo um metro cúbico de madeira por hora, pode-se imaginar o custo ambiental de uma viagem de mil e trezentos quilômetros! Primeiro foram as matas ciliares, derrubadas sem piedade por lenhadores que vendiam a madeira na passagem dos vapores.

Se inicialmente havia algum critério na escolha dos melhores troncos, aqueles que produziam mais calor nas caldeiras, com o tempo essa madeira foi se escasseando e já se aceitava qualquer tipo de arbusto derrubado, desde que os barcos não parassem de circular, escoando a produção do Nordeste e do estado de Minas Gerais.

Depois, com a extinção da mata ciliar em quase todo trajeto dos vapores, passou-se a utilizar as madeiras mais nobres da caatinga e, finalmente, dos cerrados. O desastre foi tremendo e pode-se constatar ainda hoje a devastação causada por esse meio de transporte. É certo que não foi o único, pois muitas indústrias ainda hoje se alimentam do carvão produzido nos fornos clandestinos que se ocultam nessas paragens… mas o vapor teve seu papel preponderante para que, na década de 1980, os militares determinassem a extinção das viagens dessas embarcações tradicionais do rio São Francisco.

Restou o Benjamin Guimarães… tendo passado por vários proprietários, públicos e privados, e por duas reformas restauradoras, o vapor permanece na ativa, agora como barco de turismo, utilizando madeira de reflorestamento de eucalipto, e percorrendo o trecho que lhe coube, de Pirapora a Januária, ambas cidades mineiras.

Com a construção da represa de Sobradinho, no final da década de 1970, o trecho navegável para os vapores se resumiu a esse pequeno trajeto. As enormes ondas provocadas pelos ventos tornaram a navegação no lago de 350 km de extensão e até 60 km de largura, perigosas demais para essas embarcações; e o assoreamento fez o resto.

Atualmente, existem trechos do rio cuja profundidade máxima não passa dos três metros! Mesmo nos trechos navegáveis, percorridos pelo Benjamin Guimarães, sua passagem só é possível com a abertura das comportas de Três Marias e o aumento do volume de águas correspondente a uma lâmina de água de quase um metro!

Os vapores ficaram na memória dos saudosistas e na lembrança de seus comandantes… a nova era do agronegócio e das rodovias sepultou essas embarcações, e mesmo o Benjamin Guimarães tem seu papel questionado por ainda utilizar madeira, mesmo de reflorestamento, como combustível de suas caldeiras… afinal, sua operação ainda seria rentável, ou ela se sustenta nos subsídios públicos que viabilizariam os negócios turísticos de Pirapora?

Uma certeza permanece: a navegabilidade do Velho Chico é um propósito louvável e deveria estar incluída em um projeto de revitalização integrada, compreendendo ações de despoluição das águas, de contenção imediata dos desmatamentos e de recuperação das áreas degradadas. Sem isso, como se pensar em distribuição de suas águas?

 Almoçando com o Inimigo – 25/09/2009 – 14h40

Paguei para almoçar com agricultores e pecuaristas do estado campeão de desmatamento em nosso país: o Mato Groso, arqui-inimigo do meio ambiente, um dos maiores produtores de soja do mundo, incensado pelo entusiasmo da imprensa especializada.

Para produzir soja, criar gado, plantar cana de açúcar, milho e outras monoculturas, a agroindústria, incentivada pela omissão dos órgãos que deveriam fiscalizar o meio ambiente, como IBAMA, IEF, ICMBio, queima e destrói enormes extensões de cerrados, caatinga e florestas tropicais, sem nenhuma preocupação com o futuro de nosso povo.

É curiosa a mentalidade desses “empresários”: Eles desmatam, plantam soja, criam gado e se enriquecem até a terra não produzir mais nada, esgotada que foi pela exploração intensiva e predatória! Depois não querem “pagar a conta”! Não aceitam investir o “seu” dinheiro para recuperar a terra devastada! Simplesmente jogam a conta nas costas do governo e da sociedade que os enriqueceu, e partem para derrubar mais florestas! Disseram-me isso no maior descaramento e naturalidade!

E ainda me perguntaram, ironicamente: “quem paga a conta? A terra já não presta para nada! Nós produzimos alimento para o povo brasileiro e agora precisamos de mais terras para plantio! É necessário ampliar continuamente as fronteiras agrícolas desse país, enquanto a população não parar de crescer!” É muita arrogância ou imbecilidade!

E mais! Dizem na “cara dura” que o estado de Mato Grosso é o que mais respeita a legislação ambiental! É claro que sim! Deixam 20% da parte mais pobre da terra que possuem, a maioria dela grilada em anos passados, sem desmatar… Desmatar o que?

A ironia desses magnatas do agronegócio é exasperante! Enriquecem empobrecendo a terra! Pouco se importam com o destino de nosso mundo… acreditam – e tem razão – que a terra usurpada da Natureza garantirá a seus filhos a continuidade da luxúria! Sim, é verdade: os ricos herdarão a Terra, enquanto bilhões viverão na miséria, passarão fome e sede e perecerão à míngua!

E quando vier a catástrofe inevitável, a hecatombe ambiental, poucos sobreviverão… quem? Os ricos! Justamente quem provocou a tragédia e viveu como um nababo[1]! Revoltante? Claro que não! Se fosse assim, todos que me leem e que tem consciência disso estariam se mobilizando em defesa de seus herdeiros, filhos e netos…

Estou certo de que a maioria das pessoas pensa e sonha em fazer parte dessa minoria, enriquecer e garantir o seu futuro, em detrimento da Humanidade… Infelizmente, os seres humanos ainda são muito egoístas, pensam apenas em si mesmos, e esse comportamento elimina a possibilidade de vitória do bem sobre o mal e garante a continuidade de nossa sociedade de consumo irrestrito e irresponsável!

É uma pena… esse final não será belo, nem mesmo para os que sobreviverem. Pouco restará do que existe para ser apreciado e o mundo herdado será um gigantesco deserto, com poucos oásis onde se agruparão os “eleitos”… haverá uma vaga lembrança de nosso magnífico mundo em zoológicos e pequenas reservas naturais…

Desejo, sinceramente, que todos os omissos também façam parte desses “privilegiados” que herdarão a Terra… árida!… seca!… sem vida… sem o canto dos pássaros… quase sem água… fétida, miserável e povoada por bandidos e saqueadores! Nem todo ouro, nem toda riqueza que restar servirá para mitigar a fome, a sede e o ódio que reinarão nesse ambiente onde a decadência será inevitável!

Façam bom proveito da areia, do sol causticante, do mar sem vida e das mansões abandonadas! Vivam como Mad Max[2], pilotando suas máquinas potentes pelos desertos que semearam, atacando e fugindo dessa horda de inimigos que vocês mesmos criaram, e serão tantos, capazes de matar até por um pouco de água…

Nós, ambientalistas, seremos dizimados na primeira hora, vozes inconvenientes do verdadeiro holocausto que ainda está por vir. Não importa… se for assim, teremos perdido a guerra e nada do que tenhamos dito fará mais nenhum sentido…

O mais incrível é que se a humanidade conseguir evitar a tragédia e despertar a tempo,  ainda assim quem vencerá serão os mesmos ricos que hoje devastam a Natureza! E de algozes assimilarão o discurso da “sustentabilidade”… e cinicamente apregoarão tudo aquilo que hoje abominam. E, novamente, seremos nós, os ambientalistas, os culpados, responsáveis por apregoar o fim do mundo, vozes anacrônicas, Nostradamus contemporâneos… e a nós será reservado o lixo da história, o ostracismo e o desprezo.

Mesmo assim, perseveraremos até o fim, em nome de nossos descendentes.


[1]    Nababo – antigo governante árabe; hoje, a palavra é usada para designar uma pessoa muito rica e ostentadora

[2]    Mad Max – opus citatum pág. 68

Um modelo de desenvolvimento, 25/09/2009 – 14h40

Ao contrário do que se pensa e se fala, até com grande animosidade e – por que não? – ódio, a preservação ambiental e o desenvolvimento econômico não estão, necessariamente, em lados opostos da arena política. Mas é preciso compreender com clareza e sem paixão que, até hoje, o enriquecimento das empresas e dos empresários não trouxe melhoria da qualidade de vida e dignidade humana à população.

Como mencionamos o estado de Mato Grosso, é bom lembrar que os que se enriqueceram não são, via de regra, daquela região, não tendo, portanto, compromisso com a terra, seja quanto à sua memória histórica, seja quanto a relações sociais. A população nativa continua pobre e recebendo as migalhas caídas das mesas desses megaempresários do agronegócio.

Basta olhar as estatísticas do IBGE…

Aos mais velhos, como eu, vale recordar “os bons tempos do milagre brasileiro”, na década de 70. Naquela época os militares no poder falavam em primeiro “fazer crescer o bolo” para depois reparti-lo com o povo. O “bolo” foi, de fato, repartido entre aqueles que se apoderaram do país e de seus asseclas… o povo, mais uma vez, foi esquecido na miséria, na ignorância e à margem do caminho. Agora o governo distribui suas esmolas a milhões de brasileiros que continuam na miséria mas, graças ao “bolsa família”, ajudam o “outro Brasil” a crescer na onda do consumismo!

Então, qual seria esse “novo modelo de desenvolvimento”? Qual é o milagre?

Não há milagre. Para acabar com a miséria só há um caminho: estabelecer limites para a riqueza pessoal, taxando fortemente a renda acima de patamares éticos, e investir intensivamente na cultura, na educação e no saneamento básico. Acabar com os focos de pobreza extrema significa nada menos que distribuir a riqueza extrema.

Isso basta? Claro que não! Mas é o mais difícil, pois mexer com o dinheiro dos ricos é tarefa para um estadista ficar na História como um grande reformador!

E quando falamos de investir na educação e saneamento básico não nos referimos aos estados ricos do sul e do sudeste, que esses tem condições de fazê-lo sem o paternalismo da União. Queremos nos referir aos verdadeiramente pobres irmãos do nordeste, do norte e do centro-oeste, aqueles brasileiros esquecidos de todos, que vivem à míngua, cercados de riquezas naturais e em processo de destruição.

A educação pública tem melhorado muito nos últimos anos, mas nesses lugares remotos o desnível cultural não tem precedentes! É escandaloso, indecente, imoral!

A outra parte do “milagre” é construir uma sociedade Solidária, e isto vai muito além da vontade política. O primeiro passo é enxugar o Estado. De novo? Não, porque nunca foi feito. Isso passa por punir rigorosamente a corrupção, o desvio de verbas, o abuso do poder, eliminar a gigantesca rede de favorecimentos de um governo paralelo!

Fácil falar, difícil realizar…

É verdade, mas um novo país não se constrói sem dor. Os partidos políticos são a fonte de corrupção mais evidente, pois quando um está no poder forma-se um núcleo de partidos adesistas, só interessados nas nomeações para cargos de segundo e terceiro escalão, enquanto que outro grupo se organiza na oposição, cujo único propósito é impedir a governabilidade. Ou seja, na realidade, são apenas dois “partidos” políticos: o da situação e o da oposição. O resto é figuração.

O que os políticos chamam de “jogo democrático” tem tudo a ver com jogo, mas nada com a Democracia! Enquanto um bando se digladia na arena política, no seu mais sórdido significado, uma população inteira é massacrada pelo poder econômico!

A solução é acabar com os partidos políticos, criar conselhos comunitários não remunerados, de preferência com os mais sábios, mais idosos e mais idealistas, lideranças naturais que cada comunidade sabe quem são e o que fazem.

Esses, por sua vez, elegeriam seus representantes regionais, que também escolheriam líderes que os representassem, até chegar ao nível nacional. Essa pirâmide de poder seria mais estável e de confiança de seus liderados e ninguém teria assegurado seu poder, exceto por essa relação delegada que, a qualquer instante poderia ser revogada. O “Politburo”[1] dos estados socialistas é concebido e funciona desta maneira.

Então, por que não deu certo?

Porque a corrupção é o Vampiro de todas as sociedades e sangra até matar! Por isso, o inimigo mortal do povo é a corrupção, esse fantasma que ronda todas as sociedades e esfacela suas estruturas mais sólidas, porque age às escondidas, insinua-se como a prostituta, corrói como o ácido, vicia como a heroína, sangra como o vampiro e se fortalece com a omissão dos fracos e com o medo dos covardes…

Em todos os níveis as decisões seriam tomadas em colegiado e, dependendo da gravidade e impacto social, não havendo unanimidade nem consenso, referendadas nos níveis políticos imediatamente inferiores. Isso garantiria a existência de um Estado Democrático de pleno direito e representatividade, embora sem partidos políticos e sem órgãos consumidores de recursos e incompetentes como as Assembleias, Câmaras e Senado, bem como seus respectivos anexos, assessorias e correlatos.

Só nessas instituições, quantos milhares de empregos seriam eliminados? Empregos desnecessários, diga-se de passagem. Basta, para convencer, analisar a produção de um único mandato de senador, deputado ou vereador, em qualquer instância!…

Ao invés de ministérios e secretarias, grupos de projetos contratados para gerenciar o planejamento e a execução de obras e entregar o produto resultante a uma empresa responsável por sua operacionalização. Isso ocorreria em todas as instâncias do país. Empresas de planejamento urbano seriam criadas para desenvolver propostas de projetos para cada município, apenas se solicitados pelos conselhos comunitários.

Utopia? Sim, é verdade, uma grande Utopia. Mas o Estado, tal como existe hoje em qualquer lugar do mundo, funciona mal e custa caro; as discussões políticas são intermináveis porque realizadas sob o emblema dos partidos políticos, em uma arena onde apenas um lado pode sair vitorioso e o outro ficará aguardando uma oportunidade de revanche, não importa se os interesses da Nação sejam preteridos ou não.

Conselhos de sábios poderiam ser formados para fundamentar as decisões políticas, enriquecendo os resultados com seu saber, maturidade e conhecimento. As decisões seriam rápidas e efetivas, e como não haveria oposição sistemática, mas consenso, os resultados seriam os melhores concebidos pelos conselhos comunitários.

E a questão original, ambientalistas versus desenvolvimentistas, perderia o sentido pois ambos estariam do mesmo lado, lutando pelos mesmos interesses e ideais, e cada obra, cada ação seria analisada à exaustão antes de se decidir por qualquer dano ou agressão ao meio ambiente; e as ações mitigadoras já estariam tomadas a priori.

Novamente, uma grande utopia e, o melhor: factível! Como migrar desse mundo de agressão para este “Admirável Mundo Novo”?

Desfazendo cada estrutura desse Estado paternalista, criando os conselhos comunitários em seus níveis mais elementares e dando-lhes autoridade de veto às ações políticas em sua esfera de ação, criando um novo estilo de tomada de decisões, estimulando o desenvolvimento de consciência coletiva, remodelando métodos de ensino para que as desigualdades regionais sejam eliminadas no longo prazo…

Uma gigantesca revolução cultural, sem a violência chinesa, mas consensualizada em todas as áreas do conhecimento humano e entre todas as camadas sociais.

A gradativa eliminação das indústrias do mal seria imprescindível, e realizado através da taxação crescente de impostos sobre o consumo de bebidas, cigarros e quaisquer produtos supérfluos. Para isso a indústria deveria ter incentivos para a produção de bens de consumo essenciais, de forma a suprir as necessidades de todos os brasileiros. O desperdício e o consumismo são os pilares do modo de produção capitalista e por isso devem ser extirpados como um câncer da sociedade.

A erradicação das drogas através de ações combinadas entre todas as polícias e as Forças Armadas, assim como a punição exemplar de todos os traficantes e grandes consumidores, banindo-os do convívio social são medidas essenciais e urgentes.

Chame-se a isso Comunismo, Socialismo, Comunitarismo ou Anarquismo… não importa, pois o objetivo maior, quase messiânico, seria a salvação do planeta e, consequentemente, da humanidade e de toda vida natural existente na Terra.

Rirão os céticos e os detentores do poder e da riqueza. Mas sorrirão felizes os miseráveis, inebriados pela possibilidade de sua redenção e pelo advento da justiça. É inadmissível uma sociedade conviver com a luxúria e a pobreza sem fazer nada! Apenas com a eliminação do desperdício já seria possível resgatar bilhões de pessoas da miséria absoluta e lhes assegurar vida decente e honesta…


[1]    Politburo, contração do russo Politicheske Byuro (Gabinete de Política) designa um órgão executivo do Estado/Partido Comunista na antiga URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). A estrutura dos soviets consistia num sistema piramidal de conselhos. A base era formada pelos soviets de fábricas, nas cidades, ou de aldeias, no campo. Níveis sucessivos estabeleciam-se a partir de então. Nas cidades soviets de distrito e de província. O conjunto era coroado pelo Congresso de soviets de operários, soldados e camponeses, órgão supremo e soberano, que elegia um Comitê Executivo que, por sua vez, designava um Conselho dos Comissários do Povo, o governo efetivo do País. (Wikipédia)

O outro caminho…

Vamos aceitar o mundo como ele é: cruel, imperfeito, injusto, desonesto e consumista. Vamos prosseguir nessa disputa predatória e fratricida entre o bem e o mal, cada qual convicto de estar do lado certo. Vamos deixar que os recursos naturais sejam exauridos da face da Terra, acreditando que nosso tempo aqui se acabará primeiro, mesmo que nada reste de vida para nossos filhos e netos. Vamos eleger outros milagres: a descoberta de outro planeta, intacto, com as mesmas características de nossa Terra, para que a parcela rica e privilegiada da sociedade migre para lá, deixando-nos o mundo devastado; vamos acreditar em um deus que por sua suprema vontade restaure, em um piscar de olhos, tudo o que a humanidade destruiu…

Utopia é fugir da realidade; é a crença de que para todo mal existe um remédio e nada é ou será irreversível, não importa quanto tenhamos feito para destruir…

Ibiaí, 27/09/2009 – 18h30

Ontem tivemos nosso “cocktail” a bordo do Benjamin Guimarães; estavam presentes a Cristina, da Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo de Pirapora; Anselmo, o Secretário; Narciso, Presidente da EMUTUR; Juliana, a vice-prefeita; Antônio e Closé, jornalistas; Comandante Manoel e Capitão Pedro, do vapor Benjamin Guimarães; outros convidados.

Cristina falou em nome da EMUTUR e convidou, pela ordem, Juliana,  Closé e eu para falarmos a respeito do meio ambiente e da importância de minha expedição em defesa do rio São Francisco. Foi um sucesso!

Em meu discurso falei sobre a fragilidade da vida.

“Quando estive em Bonito, MS, há cerca de dez anos, eu e minha filha visitamos a gruta do Mimoso, uma pequena caverna alagada, e mergulhamos em seu primeiro salão, um enorme espaço vazio e inundado, cujos estalactites foram abatidos a tiro por vândalos; uma tristeza… essa pequena experiência me despertou o interesse por conhecer a vida submarina. Fiz muitos treinamentos e mergulhei em vários lugares mágicos de nossa costa e, passando por formações de corais e pela grande diversidade de vida marinha percebi como aquela vida era frágil e vulnerável às agressões humanas!… basta um aumento de 3 graus na temperatura média dos oceanos para que toda vida marinha desapareça da face da Terra.”

“Depois percorri trilhas em muitas montanhas e parques ecológicos nacionais. Observei que a vegetação das montanhas depende de fatores climáticos e de proteção ambiental permanente. Aves e mamíferos são extremamente vulneráveis e animais de maior porte precisam de muito espaço, áreas enormes para caçar e sobreviver. Qualquer intervenção humana pode dizimar toda uma espécie e fazê-la desaparecer para sempre da face da Terra. Anualmente, dezenas de espécies animais e vegetais deixam de existir e, com eles, uma parte da cadeia alimentar de outras espécies se torna cada vez mais vulnerável, até um dia desaparecer completamente.”

“Seguindo minha busca pelo entendimento da vida selvagem explorei muitas cavernas, e nelas havia vida, pequenos seres albinos, adaptados à escuridão eterna, e outros animais que buscavam no interior das grutas a proteção e o abrigo para sua sobrevivência. Soube que algumas dessas espécies são contadas em unidades, tão poucos são eles dentro de uma caverna. Basta um descuido, uma pegada humana em uma pequena lagoa de alguns centímetros no chão da gruta para que essa espécie desapareça. A vida é extremamente frágil no interior das cavernas…”

Por isso, quando se trata do meio ambiente, qualquer intervenção humana precisa ser cuidadosamente planejada para evitar danos trágicos à vida. É da Natureza que extraímos tudo o que temos hoje para nossa subsistência. Aprendemos a recriar espaços para a produção de alimentos que, sem o entendimento dos processos naturais, jamais teríamos nos tornado a espécie mais bem sucedida desse mundo!

Falei-lhes sobre minha visão de mundo e de minhas concepções ambientalistas. Enfatizei que aqueles que falham nas pequenas coisas, certamente falhará na essência de tudo. Porque, para o meio ambiente, um detalhe insignificante poderá ser fatal! Declarei, assim, meu compromisso inabalável com a preservação da Natureza.

Então, citei uma frase que considero emblemática e definitiva para os amantes da Natureza, e cujo autor desconheço:

“A Terra não é uma herança de nossos pais, mas um empréstimo de nossos filhos!”

Porque, enquanto aquilo que herdamos nos pertence e dele podemos fazer o uso que quisermos, por mais irracional que seja, o que nos é dado por empréstimo terá que ser devolvido nas mesmas condições em que o recebemos… esta é a lei.

Por fim, falei da importância da água, na evolução das sociedades, sempre em torno dos rios, e minha opção irrestrita pelo São Francisco, um ícone nacional dentre as bacias hidrográficas brasileiras pela sua importância histórica e cultural, pela diversidade biológica de suas matas e águas, pela grande população que vive em seu entorno e dele depende para sobrevivência, e pela sua dimensão geográfica.

Minha concepção é de que todas as bacias hidrográficas e sua vida selvagem e natural devem ser caracterizadas como Áreas de Preservação Ambiental, pois elas é que sustentam todos os ecossistemas, direta ou indiretamente; sem água não há vida.

Mencionei, ainda, a concepção retrógrada e predatória de que o país precisa expandir continuamente suas fronteiras agrícolas para assegurar alimentos para sua população e para o mundo. É uma grande estupidez, pois o conceito de “celeiro do mundo” é ultrapassado e perigoso; os rendimentos de comércio de produtos agrícolas são infinitamente inferiores aos produtos de alta tecnologia. Marx desenvolveu o conceito de “mais valia” onde os preços dos produtos crescem exponencialmente na medida em que é agregada mão-de-obra e insumos nos processos de industrialização.

Pior do que estimular o Brasil a ser um país agrícola e comprometer nosso desenvolvimento científico e tecnológico é conceder subsídios a um único setor. Nenhum outro segmento da economia nacional recebe tantos subsídios, seja através de renúncia fiscal, seja pelo oferecimento de crédito financeiro a taxas irrisórias, que nem mesmo a população mais empobrecida pode utilizar.

Foi uma noite agradável e tive a oportunidade de me expressar livremente, para uma plateia qualificada, ainda que de projeção apenas local. Acredito que meu trabalho em pequenos grupos poderá ser valioso para a conscientização da população ribeirinha. Grandes projetos de comunicação, embora atinjam grandes públicos, tem menor poder de persuasão que o trabalho direto, com participação da plateia

Sei que nunca será fácil, e que o poder econômico sempre prevalecerá ao bom-senso e à responsabilidade social, mas se nos omitirmos será muito pior, e o desastre poderá ser inevitável e muito mais rápido. Nossa esperança é a próxima geração, já que a nossa fracassou por completo na tentativa de reverter esse processo de destruição.

Hoje coloquei a canoa no rio às 08h00 e remei cerca de 50 km em pouco mais de 7 horas. Foi um bom desempenho. Estive em Barra do Guaicuí graças a uma carona providencial de uma draga que fazia trabalhos de retirada de areia na confluência dos rios das Velhas com o São Francisco. Disseram-me os operadores da barcaça que a areia se recompõe continuamente naquele local e eles retiram cerca de 150 toneladas em cada viagem de 2 horas, fazendo, em média, 6 viagens por dia: 1000 toneladas!

Não sei avaliar o impacto dessa atividade, uma vez que eles retiram sempre de um mesmo local e essa areia não é o resultado do assoreamento do rio, que ocorre em função da terra que é despejada no desmoronamento dos barrancos desnudados.

O mesmo dilema tenho com relação ao uso do vapor Benjamin Guimarães. Ele queima lenha de “reflorestamento” e já falamos sobre isso; mas também obriga Três Marias a abrir suas comportas a cada viagem a Januária, pois o rio não tem mais um canal suficientemente profundo, na época da seca para permitir a navegação.

No entanto, existe a possibilidade de se utilizar o vapor como meio de conscientização dos turistas que hoje fazem esse percurso. Atualmente, o que se diz aos turistas é apenas o lado belo e romântico, além de estatísticas irrelevantes. O fato é que os turistas querem apenas se divertir, beber, cantar, conversar e curtir a viagem… pouco se importam com a história dos vapores que devastaram as margens do rio…

Panis et circencis”, diria Nero, sob os aplausos da plateia do Coliseu. “E la nave va…”, diria Fellini… e eu sigo meu caminho…

Divisa de Ibiaí e Ponto Chic, 28/09/2009 – 19h00

Ontem visitei as ruínas da igreja de Barra do Guaicuí, à margem direita do rio das Velhas. O lugarejo é um subdistrito de outra cidade cujo nome não registrei. Uma das paredes, onde seria o altar, está coberta pelas raízes de uma imensa e majestosa gameleira. Seus galhos se sobressaem acima do que seria o teto da igreja. As paredes se mantêm de pé, mas não existe telhado, nem imagens, nem mesmo piso! Mesmo assim, é uma figura imponente, graças à gameleira, e por estar à margem do rio e sobre uma pequena colina, dominando a vista das águas que correm abaixo.

Apesar dos esforços desenvolvidos pelo projeto Manuelzão[1], o rio das Velhas ainda é um imenso esgoto a céu aberto, fétido e imundo! A confluência com o São Francisco faz deste a grande vítima dessa poluição, que traz os dejetos da grande Belo Horizonte, com uma população superior a três milhões de habitantes e muitas indústrias poluentes, e se propaga rio abaixo, por quilômetros, tornando impróprias para beber as suas águas, e contaminando os peixes que são capturados e comercializados mesmo assim.

Hoje me levantei muito cedo e consegui iniciar o remo às 06h30. Às 10h30 já estava chegando a Ibiaí. É uma visão estranha: metade do rio é tomada por uma praia de areia, onde construíram um quiosque. Muitas pessoas se divertem à margem… quando o rio sobe, na época das chuvas, o quiosque é levado pelas águas; todos os anos é construído um novo quiosque. A areia se estende, submersa e quase à superfície, até três quartos da largura do rio, tornando difícil a navegação neste local.

A cidade é pequena, muito quente e, fora a prainha, sem nenhum atrativo. Conversando com moradores, soube que não há empregos e a população não cresce, pois muitos jovens buscam outras cidades para trabalhar. Muitos dos que ficam se embriagam e abusam do rio, que já causou muitas vítimas por afogamento. Hoje mesmo, enquanto eu almoçava, um rapaz embriagado desapareceu nas águas barrentas e poluídas do São Francisco.

Logo ao entrar na cidade, encontrei uma senhora, sentada sob a sombra de uma grande árvore, no alto do barranco. Ela resmungava chorosa e bem baixinho… senti pena e lhe perguntei por que estava assim tão triste e inconsolada. Ela me fitou longamente e me disse que tinha perdido seu marido há muitos anos e teve que cuidar sozinha de seus dois filhos. Com o tempo, adolescentes, um se envolveu com drogas e bebidas, o outro se envolveu com ações criminosas; acabaram com tudo o que o marido lhe deixara, e hoje sua modesta pensão não dava sequer para ela se alimentar e viver.

Um sentimento de impotência me tomou, pois nada poderia fazer por aquela mulher sofrida e solitária. Deixei-a ir e prossegui minha busca das razões de tamanho sofrimento… o que leva seres humanos a tamanha decadência moral?

Seguindo meu caminho me deparei com outros locais onde o rio é tão raso que minha canoa chegava a raspar o fundo do casco na areia! Logo depois de uma segunda prainha fui alcançado pelo vapor Benjamin Guimarães, que seguia viagem para Januária, também um de meus destinos. Ao passarem, seu comandante soou o apito do barco, conforme havia me prometido. Aquele som longo me pareceu um lamento, a saudade, talvez, de uma época de glórias, luxúria e riqueza que não existem mais.

Não sei por que, mas fiquei muito feliz com aquela deferência… o barco pareceu-me vazio… poucas pessoas no convés além dos tripulantes.

Amanhã chegarei a São Romão ao final do dia, pois faltam menos de 50 km. Devo pernoitar na cidade e permanecer mais um dia por lá, por se tratar de uma cidade histórica, com mais de 400 anos! Devem existir muitas construções antigas, que espero ver preservadas. Vamos conferir…

Ontem tive uma baixa crítica em meus equipamentos: ao montar a barraca sobre um barranco de uns 2 metros de altura, uma das varetas que sustenta a cobertura escapou de minhas mãos e lançou-se para dentro do rio. Saltei imediatamente na água e mergulhei à procura do objeto, várias vezes, sem êxito… desapareceu… acabei montando a barraca com apenas uma haste, fixando-a em um galho de árvore.

Em Ibiaí encontrei apenas uma barraca de quatro lugares, mas tive que comprá-la. Quando a montei, para minha surpresa, era muito pouco maior que a minha… a barraca é bem alta e confortável, embora de qualidade inferior. Problema resolvido.

À tardinha, depois de ultrapassado pelo Benjamin Guimarães, procurei um local para acampar, mas estava difícil. A mata nas margens era bem densa, e um pescador me alertara sobre a presença de onças na região. Às cinco horas encontrei um lugar, mas era de um rancho. Perguntei a um senhor à beira do rio se poderia acampar ali, e ele me respondeu que sim, desde que pagasse dez reais! É claro que não aceitei! O que ele me oferecia além daquilo que a própria Natureza me dava de graça? Nada!

Para minha sorte, uns metros adiante encontrei um local excelente, apesar do barranco alto e de muitos insetos. Ficava sob uma árvore frondosa e tinha uma bela vista da curva do rio. Encostei a canoa sob um arbusto à beira-rio e subi o barranco. Tive que subir todos os sacolões, pois não queria deixar nada à margem e visível…

Juntei gravetos e galhos secos caídos no barranco e acendi uma fogueira para espantar os insetos. Aproveitei para queimar o lixo deixado por pescadores: muitos sacos plásticos, garrafas pet e outras sujeiras abandonadas sobre o barranco.

Minha canoa ficou protegida atrás do arbusto que se debruçava sobre o rio, escondendo-a completamente, e formando um portinho! Estava bem instalado!

Como ontem, usei a canoa como uma banheira confortável para tomar banho. Foi a maneira mais prática que encontrei quando as margens não me permitem entrar no rio, seja devido à lama, seja pelos insetos. E acabo por lavar o barco também!


[1]    Projeto “Manuelzão” http://www.manuelzao.ufmg.br/ – “Conhecer a realidade de um rio de seu melhor ângulo: o de dentro. Essa foi a proposta da Expedição Manuelzão desce o Rio das Velhas, realizada pelo Projeto Manuelzão em 2003. Três navegadores percorreram de caiaque todo o curso do rio, em seus 804 quilômetros, indo da nascente, na Cachoeira das Andorinhas, até a foz, no São Francisco, em Barra do Guaicuí.”

São Romão, 30/09/2009 – 20h00

Sul: 16º 22′ 12” – Oeste: 45º 04′ 06” – Altitude: 477 metros

Cheguei ontem a São Romão, às 16 horas. Esse trecho foi muito cansativo devido ao calor excessivo; a sensação térmica é acentuada pela evaporação das águas do rio. Imagino que estava próximo dos 50º C. Por duas vezes parei sob a sombra das árvores para retomar o fôlego! Bebi dois litros de água só durante o trajeto, e não foi suficiente para repor os líquidos perdidos pela transpiração.

Encontrei uma praia de areia semelhante àquela existente em Ibiaí: cobria metade do rio e deixava quase inavegável boa parte ao seu redor. Parei para me banhar, mas a água estava quente, por ser tão rasa; e o leito do rio era coberto de lama…

Fiquei em silêncio na maior parte do percurso: a mata inexistente, poucos pescadores e quase nenhum pássaro. Já próximo a São Romão, assim como nas proximidades de Ponto Chic, muitos clubes de pesca e também muitos ranchos.

Eu deixei de relatar um fato interessante: na véspera da chegada a Ibiaí acampei próximo a um pescador. Enquanto eu montava a barraca ele se aproximou e perguntou o que eu fazia no rio e quais os motivos de minha viagem. Ficou admirado de eu estar fazendo isso em defesa de um rio que eu nem mesmo conhecia, e disse que alguém precisava mesmo lutar para protegê-lo. Pareceu-me um homem simples e bom.

No dia seguinte, depois que levantei acampamento, remei até o local onde ele pernoitara, me despedi e segui viagem. Para minha surpresa, cerca de uma hora depois, ele me alcançou. Disse-me que morava com sua mulher em uma ilha antes de Ibiaí, e seguimos conversando, em seu linguajar simples, até que avistamos a ilha.

Ele se adiantou e desembarcou na ilha; percebi que havia muitas casas, todas bem simples, com pequenas plantações à sua volta. Segui viagem e, um pouco adiante ele volta a me alcançar e passa a seguir em marcha lenta ao meu lado, repetindo com frequência que tinha muita água para eu percorrer; parece que não se conformava com minha determinação. Como eu, na minha idade, abandonara tudo para seguir essa longa jornada? E dizia que, pelo menos nesse trecho, ele me fazia companhia! Fiquei muito sensibilizado com esse gesto!

Dei-lhe algumas castanhas; ele provou e guardou as restantes, dizendo que era para sua mulher… mais uma vez me senti tocado por esse gesto de sensibilidade de um homem que, por suas origens e profissão, deveria ser rude. Peguei o pequeno frasco que tinha em mãos e dei-lhe como retribuição. Distanciei-me dele e segui adiante.

Mais uma vez o encontrei, já próximo a Ibiaí, jogando sua tarrafa. Tirei umas fotos até conseguir obter o momento exato em que a rede se abria no ar. Pessoas simples e humildes nos ensinam lições de generosidade e desprendimento.

Hoje passei o dia fazendo algumas compras e fotografando a pequena cidade de São Romão. Pela manhã passei na prefeitura e conversei com a secretária de turismo, mas ela se mostrou pouco interessada em meu projeto; estava ocupada demais para me dar atenção. Passou-me para um assessor de agricultura, que em quase nada pode me ajudar. Soube, por ele, que o desastre ecológico provocado pela indústria de mineração em Três Marias aconteceu em fevereiro de 2004; a indústria acumulava há anos resíduos químicos na lagoa, próximo ao rio e, naquele ano, as chuvas foram fortes.

Quando a usina abriu suas comportas devido ao grande volume de águas do reservatório, o lago foi atingido e todo resíduo químico foi lançado ao rio, provocando a morte de milhões de peixes, que apareceram boiando por quilômetros rio abaixo, passando de São Romão! Os pescadores, revoltados, penduraram as carcaças de grandes peixes, surubins, dourados, piranhas… nas árvores das margens do rio.

Dizem alguns que a introdução do pacu-caraça, espécie estranha ao rio São Francisco, foi uma tentativa inútil daquela indústria de abafar o escândalo e repovoar o rio. Só que esse peixe é um predador, e acabou agravando o problema e levando quase à extinção várias espécies que já estava ameaçadas! O pacu-caraça, peixe de qualidade inferior ao dourado e ao surubim, continua proliferando nessa região, e impedindo até hoje, que as populações daqueles peixes se recuperem da catástrofe.

Abaixo da represa, desde então, já não se encontram grandes espécimes de dourados e surubins, como acontecia no passado. E a lagoa de rejeitos continua lá!

Comprei um guarda-sol e umas peças para que o Joaquim, da oficina mecânica, pudesse instalá-la em minha canoa, utilizando uma coroa de caminhão para servir de contrapeso sem precisar furar a fibra do barco. A ideia dele foi ótima!

Soube que ele dá manutenção nas barcaças que fazem a travessia do São Francisco, levando e trazendo mercadorias, automóveis, caminhões… do outro lado do rio passa uma rodovia federal que liga a cidade ao resto de Minas e a Belo Horizonte.

Fotografei duas igrejas do século XIX, além de um casarão reformado e várias casas antigas em péssimo estado de conservação. Embora afirmem que a cidade tem mais de 400 anos, não há nenhuma evidência que eu tenha percebido que confirme isso. A maioria das casas é velha, com telhados e paredes caindo aos pedaços. Às vezes dá para se ver o interior das casas, mesmo com as portas e janelas fechadas. Tem-se a impressão de que a população não dá valor à cidade, menos ainda os governantes!

Também fotografei dois carros de boi; na verdade, carroças puxadas a boi, pois a estrutura do veículo não é a de um carro de boi tradicional, e as rodas são pneus de borracha. Seja como for, é um veículo anacrônico nessa época de tecnologias emergentes.

Ainda conheci Ludmila, dona de uma padaria moderna, talvez a única da cidade. Ela é formada em Turismo, na cidade de Formiga, e fez MBA em Hospitalidade, na Inglaterra, onde morou durante oito anos. Para ela não deve ser fácil viver neste lugar… No entanto, o povo é gentil e hospitaleiro; uma senhora de BH, que conheci nas ruas de São Romão, se interessou bastante pelo meu projeto, e demonstrou ser muito culta e crítica com relação às políticas regionais.

São Francisco, 01/10/2009 – 18h40

Sul: 15º 58.77′ – Oeste: 45º 01.961′ – Altitude: 459 metros

Saí de São Romão às 07h30, com duas novidades: instalei o guarda-sol e comprei um galão térmico, além da barraca que já havia acrescentado às tralhas em Ibiaí. Tive água gelada durante todo percurso, ou melhor: “sombra e água fresca!”

Hoje avistei muitas tartarugas pequenas, mas elas saltam para a água logo que sentem a vibração dos movimentos da canoa sobre a superfície da água. Vi também uma família de bugios; seu pelo é negro e brilhante, animais bonitos e ariscos, com seu inconfundível ruído grave e gutural, que parece um mantra proferido por monges no interior dos templos budistas: “Ommmmmmmmmm!” Muitos pássaros de diversas espécies, inclusive o cardeal, com seu bico de lacre; mas o que me chamou a atenção desde cedo foi o comportamento das garças e biguás. Estavam agitados, grasnavam muito e, pela primeira vez, pude presenciar um bando deles bem de perto, em uma ilha, provavelmente no que seria uma “dança de acasalamento”!

Eu me mantive a uma distância “respeitosa”, tentando interferir ao mínimo nesse ritual; mas, ao final da tarde, o rio fazia uma grande curva à direita, onde havia uma praia de areia e dezenas desses pássaros e eu não me contive… dessa vez filmei a cena pois era inevitável passar bem perto deles! Fantástico! Eram, em sua maioria, biguás ou marrecas, e poucas garças.

Decidi acampar ali mesmo, pois eles saíram em revoada quando me aproximei. O lugar era belíssimo, estava ameaçando chuva, e parei de remar às 16 horas, quando montei meu acampamento e presenciei um dos mais belos pores-do-sol de minha vida! A profusão de cores provocada pelas densas nuvens de chuva, o cenário magnífico e a areia clara e fina, tudo contribuiu para meu deleite; para completar a cena, um carro de boi apareceu na ilha, puxado por dois touros belíssimos! Eles transportavam areia!

Tiravam areia dessa praia magnífica, mas de que adianta falar de preservação ambiental para pessoas que lutam pela própria sobrevivência? Aqui parece que o tempo parou há mais de 50 anos; o que víamos na nossa infância na pequenina cidade de Dracena, na divisa com o Mato Grosso do Sul, o que minha avó nos contava em suas histórias de infância, estavam presentes agora, à minha frente, em detalhes…

A cidade de São Romão, que acabo de deixar, é um exemplo da falta de oportunidades. As casas decadentes, que ninguém reforma ou conserta, grande parte em ruínas, com portas, janelas e paredes caindo, parte do telhado faltando, e famílias morando “dentro”! Os restaurantes estão vazios, a maioria fechados, e os poucos que se abrem tem quase nada a oferecer. É um processo entrópico!

Por que uma cidade como Iguatama, com seus pouco mais de 7.000 habitantes, é saudável e próspera, enquanto estas (São Romão, Ibiaí) com população bem maior estão decadentes? Por que estas não geram novos empregos, novos negócios? Existe uma boa padaria em São Romão, mas é apenas a exceção que confirma a lastimável situação do município!

Divisa de Pedra de Maria da Cruz e Januária, 03/10/2009 – 18h05

Sul: 15º 41’04” – Oeste: 44º 31’48” – Altitude: 460 metros

São Francisco é uma linda cidade do oeste mineiro! A que mais valorizou o rio até agora, pois sua igreja é vista à distância e, à chegada, há um excelente local para ancoragem de barcos. Todas as cidades ribeirinhas do São Francisco deveriam pensar em sua maior vocação, que é estar e ter nascido à margem do rio, de onde chegam seus alimentos e as pessoas que vivem e se movimentam por essa estrada de água!

Também tem um serviço de balsa, como em São Romão, para travessia de pessoas, veículos e cargas, além do transporte de passageiros em grandes canoas com motor central a diesel. Muitos desses barcos também transportam areia para São Francisco.

A cidade oferece um grande hotel, com diária econômica e excelente café da manhã, 70 quartos em várias categorias, e um belo restaurante, à beira-rio, onde comi a melhor moqueca de surubim da minha vida! Imperdíveis os dois!

Escolhi um quarto mais simples, no térreo, com banheiro e ventilador, cuja diária era de apenas R$15,00 (inclusive com o café da manhã), e que, para meus hábitos espartanos já era um grande luxo! No café, cinco tipos de sucos naturais, cinco tipos de pães e de bolos, cinco frutas diferentes, café, leite, chocolate, chás de vários tipos, mussarela e mortadela! Fartei-me todas as manhãs! Por que cinco? Não sei…

Só encontrei uma lan-house aberta mas consegui fazer o que era necessário: acessar e-mails, publicar um texto no blog, acessar minha conta bancária… as pessoas da cidade foram muito acolhedoras e gentis; sabem receber os turistas! A começar pelo recepcionista do hotel, que não apenas me tratou bem, como me ajudou a levar a canoa e todas as tralhas para o hotel… e não era fácil a altura do barranco! Na minha volta ao rio ele também me ajudou, e até conseguiu um carro para o transporte! Dessa vez levamos tudo em um só carreto, sob os olhares e as fotografias de um funcionário da Comissão Nacional de Energia Nuclear, um técnico que dá apoio aos pesquisadores que estavam lá para analisar a possível contaminação por flúor em poços artesianos.

A cidade demonstra uma forte vocação comercial, principalmente vestuário e calçados. Curiosamente, os comerciantes colocam grande parte de seu estoque nas calçadas, penduradas nos toldos ou amontoadas sobre caixotes! Existem muitas avenidas, quase todas bem arborizadas, com boa sinalização. O calor, assim como nas outras cidades ribeirinhas, é asfixiante! Mesmo bebendo muita água, é insuportável! Estranho é não haver quase sorveterias nessas cidades! Só existem dois estabelecimentos bancários: um público e um privado; nos Correios é possível movimentar também um terceiro.

Saí de São Francisco às 08h00, depois de dois dias na cidade. Remei com muita energia, pois o calor estava forte e queria sair logo de dentro do rio. Depois de algumas horas, lá pelo meio-dia, encontrei um canal estreito, à margem direita, formando uma ilha. Segui por ele sem saber onde iria dar, achando que se tratava apenas de uma pequena ilha. Para minha surpresa, a ilha se estendia por cerca de uma légua[1]!

Foi fantástico pois, sendo estreito, poucos conhecem esse canal e a Natureza, por consequência, está bem preservada, com uma razoável mata ciliar e muitos pássaros. Ao sair do outro lado percebi o quanto o rio está degradado nessa região; fora desse canal, a mata praticamente desapareceu por completo! Os ranchos se sucedem no caminho, com muita gente e muita sujeira atirada no rio sem respeito!

Também encontrei muitos pescadores usando enormes redes de arrasto sem o menor receio, pois não há nenhuma fiscalização! Nos quase oitocentos quilômetros que percorri até agora só encontrei um barco da polícia ambiental. Mais nada! De que adiantam leis que não são observadas nem controladas? Se não há punição para os infratores, a lei é dispensável… pior ainda, pois o estado policial é desmoralizado por quem comete crimes ambientais à revelia da lei, sabendo que não serão punidos.

Nosso país tem excesso de leis e falta absoluta de punições. E o pior é que as leis atuais são de má qualidade, ambíguas, contraditórias e sem regulamentação em muitos dos casos. É isso que assegura à bancada ruralista, truculenta e arrogante, a contínua expansão das fronteiras agrícolas do país, em detrimento do meio ambiente.

Melhor do que a prolixidade das leis seria a formação cultural de nosso povo. Um país onde a população é culta e consciente não precisa de tantas leis nem de tantas prisões. Não creio na Teoria do Bom Selvagem; sei que existem pessoas de má índole desde o berço; mas educação tira muitas pessoas das portas do crime e lhes concede oportunidades de desenvolvimento profissional e financeiro. Sem miséria, 90% dos problemas de criminalidade desaparecem. Sem miséria e com cultura, as famílias conseguem pensar em planejamento familiar e reduzir a marginalidade!


[1]    Uma légua equivale a, aproximadamente, seis quilômetros, e é a medida mais utilizada pelos pescadores e ribeirinhos.

Januária, 14 km depois… 04/10/2009 – 22h54

Não conheci Januária…

Saí cedo de meu acampamento – 06h45! No entanto, ventava muito e o rio estava agitado, formando “marolas” (ou seriam “riolas”?) e até pequenas e sucessivas ondas, dificultando a navegação. Meu ritmo era lento e cada remada exigia grande esforço para um pequeno deslocamento. Atravessei o rio para ver se a margem direita estaria melhor, mas nada adiantou. Segui remando, até porque não havia como parar: encostar a canoa no barranco, nessa situação, poderia causar um acidente.

De repente, no meio do rio dois garotos brincavam, e então percebi que estavam sobre um banco de areia que ocupava metade do leito do rio! Contornei com cuidado e parei perto eles, a canoa encalhada no fundo. Estavam curiosos por saber quem eu era, como chegara até ali e até onde remaria… chamavam-me “papai noel” devido a minha barba branca e longa. Conversamos um bocado; eram gêmeos e logo outros garotos também se aproximaram, diante do inusitado da cena… eram de Pedras de Maria da Cruz e costumavam brincar no rio nessa época do ano.

Conforme me explicaram, Maria da Cruz existiu de fato, e na pequena cidade que leva seu nome tem uma pedreira, o que talvez justificasse a origem do nome; mas não sabiam o que ligava a mulher às pedras… teria morrido lá? Teria sido suicídio? Hoje eu sei que Maria da Cruz foi uma fazendeira, e a cidade, agora com cerca de 10.000 habitantes, a homenageou quando foi emancipada, em 1992.

Segui adiante, pois pretendia chegar a Januária antes que o Benjamin Guimarães zarpasse de volta para a cidade de Pirapora. Nem sei porque queria vê-lo de novo. Decidi não parar em Pedras de Maria da Cruz, que fica na margem direita e acabara de atravessar para a outra margem logo depois do banco de areia. Aquele enorme assoreamento me assustou: em que situação deplorável se encontra o rio!

Havia uma ilha à margem esquerda e imaginei que atrás dela o rio poderia estar mais calmo; mas me enganei… a travessia me custou um esforço enorme, pois as ondas eram maiores e quase viraram minha embarcação! O vento aumentava, minha carga não estava amarrada, e eu não usava o colete! Uma grande imprudência, pensei. Poderia ter prejudicado toda expedição… tive que usar toda minha força para terminar a travessia. Atrás da ilha, realmente, o rio estava calmo; mas era um trecho muito curto para justificar tamanho esforço; logo voltei ao canal principal.

Passei por Pedras de Maria da Cruz pela margem oposta e logo percebi que perdera uma grande oportunidade de conhecê-la… uma igrejinha pintada de azul claro, com duas torres e o que parecia ser um moinho de vento por detrás ornamentavam a colina em que fora construída. Uma grande ponte de arquitetura moderna completavam o cenário! Parecia ser um local aprazível e que merecia ser visitado. Mas já era tarde. Tirei algumas fotos à distância, passando sob a ponte e ao lado de um grande barco de ferro de estranha cor verde claro. Segui adiante lamentando perder a oportunidade.

Logo em seguida a ventania passou e avistei Januária. O rio se alargara e havia uma grande ilha à margem direita. Por sorte, eu estava do outro lado. Se passasse por trás da ilha nem teria avistado a cidade, que se escondia em um feio barranco degradado. Um serviço de barcaças transportava veículos, cargas e pessoas de um lado a outro do rio. À beira do barranco, em um porto improvisado, lá estava o Benjamin Guimarães!

A tripulação me reconheceu, assim como Tina. Convidaram-me a subir a bordo, o que aceitei de imediato. Ofereceram-me um prato de comida e água, que também aceitei. Comi rapidamente, porque o vapor se preparava para um passeio com turistas de Januária, enquanto os passageiros de Pirapora faziam um passeio pela cidade.

Neste momento decidi não parar em Januária; não tinha nenhum contato na cidade, e deixar a canoa no barranco seria uma temeridade; havia uma multidão se acotovelando à margem do rio, todos querendo ver o Benjamin Guimarães! Disseram-me que também havia “visitantes ilustres” na cidade: deputados e senadores a passeio… ilustres?

A cidade não tem nenhum acesso urbanizado ao rio, e é mais uma construída de costas para aquele que lhes dá comida, transporte, empregos, água… é lamentável! Cumprimentei toda tripulação, agradeci o almoço, e parti. Logo em seguida o vapor também zarpava em direção a Pedras de Maria da Cruz…

Remei por mais 14 km e encontrei uma pequena praia onde havia um quiosque de pescador, muito comum nessa região; eles partem para pescar, mas garantem locais de parada de modo a se abrigar à noite e nas tempestades. É uma espécie de alojamento aberto onde guardam um pouco de comida, redes de pesca e de dormir, utensílios de cozinha e alguma roupa, e serve de abrigo provisório nos longos dias de pesca passados no rio. Esse está desabitado hoje.

Aproveitei para me refrescar no rio, pois o calor foi pior ainda com a ventania. A pele resseca mais rápido e o sol queima depressa, mesmo com bloqueador solar. Meus lábios pioraram bastante; estão rachados e ardem, mesmo tomando água sem parar. Nada que eu passe funciona, e até parece piorar! Temo que tenha sido a manteiga de cacau! Mesmo a saliva não causa qualquer alívio e acabo perdendo o apetite.

Até hoje, desde que retomei minha viagem, não preparei nenhuma refeição porque tenho comido quase todos os dias nas cidades por onde passei. Talvez a falta de alimentos sólidos também tenha agravado o problema nos lábios; talvez tenha sido o bico da garrafa térmica que se contaminou pelo uso frequente Pode ser ainda o sal das castanhas…

A caminho de Itacarambi, 05/10/2009 – 06h00

Não fiz anotações no último acampamento, pela manhã… acordei cedo e me surpreendi com a chegada do “dono da ilha”! Isso mesmo! O pescador, dono do quiosque, chegou de madrugada e percebeu que tinha um vizinho acampado ali. Não teve dúvidas, e escreveu na areia, bem próximo de minha barraca: “TEM DONO!”.

Ao acordar, ironizei: “bom dia! Estou abusando de sua hospitalidade?”. O homem ficou sem graça, esboçou um “sorriso amarelo” e, quase murmurando, disse: “não tem problema”… e completou “é que tem muita gente que vem roubar minhas abóboras!”

Tive pena dele, puxei conversa para acabar com o constrangimento, falei de minha viagem, e ele me disse que morava em uma cidade próxima com a família, onde tinha uma pequena lavoura e algumas cabeças de gado… não era tão pobre assim… cultivava abóboras nessa ilha para fazer reclamou que o fazendeiro ao lado soltava o gado para pastar em “sua” ilha. Na última temporada de seca perdera toda sua plantação de milho… já não adiantava mesmo, porque a terra, na ilha, já estava cansada e não produzia o suficiente para justificar o plantio…

“A terra ficou fraca e agora só dava abóbora mesmo…”. E, como de costume, ele construíra o quiosque de palha, mas ninguém mexia, não tinha problema! Aproveitei a confiança adquirida e tirei umas fotos dele, de cócoras, com seu barco de madeira refletido nas águas do rio, com uma suave luz da manhã completando a aquarela. Nós nos despedimos e ele foi embora, satisfeito. Pouco depois eu também partia.

Itacarambi, 06/10/2009 – 23h25

Cheguei na cidade às 16 horas de ontem. O dia foi extenuante devido ao sol intenso e ao vento, que tornavam cansativas e pouco producentes as remadas… progredia lentamente, parando a cada meia hora para beber água e recuperar o fôlego. Com a ventania, meu guarda-sol se tornara inútil, mais um estorvo para transportar na canoa.

O sol abrasador provoca forte evaporação das águas do rio, causando uma desagradável sensação de sufocamento. Meu corpo queimava em febre e me obrigava a passar protetor solar várias vezes por dia… o desconforto era desanimador!

Passei por um enorme banco de areia repleto de pássaros: garças, biguás, quero-queros e uma espécie semelhante a uma gaivota, muito territorialista e atrevida, que ficava fazendo voos rasantes sobre minha cabeça, tentando me afastar dali. Essas aves voavam em bando, sempre fazendo enorme estardalhaço com seus grasnidos agudos e desagradáveis. Gostaria de conhecer seus nomes e saber seus hábitos… Passei ao largo e segui viagem para não molestar os pássaros em seu habitat…

Pouco adiante avistei um barco com dois pescadores que, estranhamente, lançavam uma tarrafa meio fechada bem próximo a um enrosco. Para minha surpresa, ao recolherem a tarrafa, veio um belo surubim de uns 20 quilos, com um tronco escuro… cumprimentei-os de passagem, admirado de sua habilidade em pegar esse peixe em um lugar tão complicado… percebi que esses pescadores têm uma grande intimidade com o rio e sabem exatamente onde se encontram os peixes maiores…

Já avistava um grande morro arredondado há algum tempo, e sabia que tinha algo a ver com a cidade que eu buscava Ita (pedra) carambi (o que é isso?). Dizem que o nome significa “rio cheio de pedras” ou “rio da pedra redonda”… é estranho que não saibam a origem do nome desta cidade, que antes já se chamara Porto do Jacaré…  seja qual for seu significado, está associado a essa pedra solitária à margem do rio.

À chegada me deparei com um barranco barrento, com várias escadas de metal e corrimão, onde os barcos de pescadores atracavam, em um ir-e-vir constante à praia que se formara do outro lado do rio, levando e trazendo mercadorias e banhistas. Junto aos barcos, muitas crianças e adultos, brincando nas águas, deixando-se levar pela correnteza, despreocupadamente… pensei no perigo que a brincadeira representava.

Perguntei por uma pousada à beira do rio e me recomendaram uma logo abaixo, visível desde o rio, sobre o barranco alto. Logo a encontrei: uma casa de madeira, com janelas voltadas para o rio, um pequeno ancoradouro e uma enorme escada de cimento pela qual eu deveria levar minhas tralhas, em sucessivas subidas e decidas estafantes, principalmente para quem remou um bocado, como eu.

Amarrei o barco no cais e subi, com dificuldade, a escadaria, pois me sentia exausto do calor, esforço físico e a falta de alimentação adequada. No alto, um grande portão de ferro trancado com um cadeado, e nenhuma campainha. Bati no ferro e gritei… depois de alguns minutos, apareceu uma senhora e confirmou que havia vagas na pousada. Depois eu saberia que era o único hóspede, que lá moravam a proprietária, seu filho e sua mãe, uma simpática senhora com Alzheimer em avançado estado de degeneração.

Apesar do preço, aceitei ficar ali, até porque não saberia como tirar meu barco da água. Desci e subi várias vezes, pois não havia nenhum funcionário para me ajudar. Finalmente me instalei em um quarto cheio de pernilongos e uma janela que dava para um corredor escuro e sem ventilação. As janelas que davam para o rio eram do quarto do filho, cuja distração era conquistar as meninas da cidade!

À noite, depois de descansar e jantar em um restaurante próximo, recebi a visita da  secretária do Meio Ambiente, pessoa muito agradável e simpática, que ouviu pacientemente minha história e me convenceu a ficar por dois dias na cidade. Na verdade, eu pretendia, inicialmente, ficar uma semana, para conhecer o Parque Nacional “Cavernas de Peruaçu”; no entanto, o custo da pousada era proibitivo para minhas finanças já comprometidas desde o início dessa viagem…

Hoje fui à secretaria da Educação onde a secretária me agendou uma palestra para os professores e diretores das escolas da rede pública de ensino. Almocei na própria pousada, uma comida saborosa feita pela própria dona, uma senhora elegante. Antes fiz fotos de antigos casarões e figuras bizarras das praças temáticas que um prefeito anterior deixara para seus moradores. Não se pode dizer que as praças sejam bonitas; são de um gosto duvidoso, mas bem cuidadas e curiosas!

À tarde proferi minha palestra para cerca de 50 educadores que lotavam a sala de refeitório de uma das duas grandes escolas de primeiro grau do município. Falei bastante: quase duas horas, conseguindo prender a atenção de todos para as questões ambientais do rio São Francisco, para a imperativa necessidade de conscientização do povo e da nova geração que eles conduzem, e para uma diferente visão de desenvolvimento sustentável que não seja tão prejudicial à Natureza.

Mostrei alternativas e declarei o meu comprometimento com as causas ambientais e preservacionistas. Falei da escassez de água doce e potável, justamente onde ela é tão abundante, da fragilidade da vida selvagem e da ação predatória do homem. Não sei se minhas palavras agradaram mais do que agrediram conceitos ultrapassados e arraigados, pois as manifestações entusiásticas só se evidenciaram pelas palmas ao final, que bem podem ter sido de satisfação por eu ter encerrado minha longa preleção!

Seja como for, cumpri minha tarefa e segui para a secretaria de Turismo, instalada em uma belíssima e bem conservada casa de estilo colonial, construída na primeira década do século passado, primorosamente restaurada e decorada com obras de arte!

Fui bem recebido, relatei minha viagem, meus objetivos e a frustração por não poder conhecer o parque de Peruaçu, rico acervo natural com inscrições rupestres e importantes descobertas arqueológicas, como a múmia transferida para o Museu Nacional do Rio de Janeiro, e uma preguiça gigante, animal pré-histórico também encontrado em outras cavernas e regiões do país.

A secretária se comprometeu a tentar uma  visitação ao parque amanhã, ao menos para eu conversar com o espeleólogo do Instituto Chico Mendes. A Sociedade Brasileira de Espeleologia, da qual fui sócio por tantos anos, e a Redespeleo, de cujos eventos participei por tantos anos, ambas ignoraram meus apelos para ajudar no contato com a direção do parque que, por sua vez, também não me atendeu.

Rumo a Manga, 07/10/2009 – 18h25

Sul: 14º 59′ 44” – Oeste: 44º 00′ 06”

Saí de Itacarambi às 14 horas… não consegui viabilizar minha visita a Peruaçu, que eu tanto desejava conhecer. Apesar disso, considero a minha permanência em Itacarambi um sucesso. Conheci a cidade e seus moradores, fotografei casas coloniais e as bizarras praças temáticas, fiz palestra aos professores, inspetores e diretores das escolas públicas de ensino e me alimentei muito bem.

Mais uma vez não consegui postar nada em meu blog por ter ficado na dependência do uso do péssimo equipamento da pousada, que estava sempre indisponível.

De batráquios e evangélicos… 22h12

Em minha bolha infinitesimal do tempo percebo sons confusos dos cânticos evangélicos, recitando uma ladainha de trechos bíblicos incompreensíveis sob o coaxar incessante dos batráquios ao meu redor…

Às vezes, uma fração de silêncio me acalma… calam-se os sapos e o pastor, e assim percebo a lua deixando seu rastro prateado nas plácidas águas adormecidas do Velho Chico. Até escuto seu murmurar discreto, roçando as areias da praia…

Porém, esse momento pouco dura e o matraquear recomeça, metralhando meus ouvidos! Já não ouço as vozes da outra margem… recolheram-se os devotos às suas casas, deixando a tremeluzir as frágeis lamparinas de suas crenças…

Calor sufocante da noite insone me maltrata; onde está o vento que fustigava minha pequena embarcação, endurecendo as águas e tornando inúteis meus esforços ao puxar, vigoroso e compassado o remo enrijecido em meus braços?

Agora é calmaria, apenas…

Ouço pássaros, latidos… e o coaxar irritante em meus ouvidos! O que dizem esses gordos anfíbios? Não há lirismo em sua rouca melodia… apenas o repetir insistente e monossilábico de seu gutural batraquear sem nexo.

Às vezes se cansam e se calam… mas continuo a esperar o recomeço, qual um mantra infinito a ribombar em meus tímpanos! E o sono vem… e se vai no breve adormecer, interrompido pela nova saraivada de coaxares renitentes…

Célere segue a noite em seus preparativos de um novo amanhecer e um longo dia, enquanto o sol aquece outros lugares do planeta…

Os sons da noite se recompõem na distração do silêncio dos batráquios… e sinto a calma tão desejada da harmonia, só possível porque dormem os sapos e os homens… e me integro, afinal, neste momento fugaz de solidão e paz profunda…

Manga & Matias Cardoso, 08/10/2009 – 15h45

Sul: 14º 41′ 13” – Oeste: 43º 54′ 44” – Altitude: 440 metros

Passei por Matias Cardoso (-10.7 km) e Manga (-8.6 km) e nem me preocupei em parar… uma é pequena e sem atrativos, e não me pareceu ter qualquer interesse que justificasse a interrupção de minha viagem; outra está de costas para o rio, com um grande barranco de uns 10 metros ou mais, e não tenho nenhum contato ou ajuda.

Comprei umas linguiças, refrigerantes e água, em um boteco localizado na margem oposta do rio e segui adiante. Como várias outras cidades, Manga está à margem esquerda e a rodovia passa pela margem direita. Essas cidades dependem de balsas, barcaças de maior capacidade para escoar sua produção, receber mercadorias e viabilizar o transporte de passageiros para outras regiões.

Comi as linguiças e bebi um refrigerante, e segui adiante, na expectativa de avançar ainda uns 20 km; mas não foi possível e não evolui quase nada, pois ameaçava uma forte chuva; encontrei uma pequena praia de cascalhos em uma ilha, que me pareceu um excelente local para montar meu acampamento. Os barrancos da margem esquerda do rio estão completamente devastados nessa região. A mata ciliar não mais existe na maior parte do percurso e o que resta está sendo queimado e derrubado com motosserras! Parei o barco para documentar essa tragédia, mas só consegui poucas fotografias, bem de longe. Não sei onde estão nossas autoridades…

Este local me pareceu ótimo e só tenho vizinhos na outra margem. Deverá ser uma boa noite de sono e poderei sair mais cedo em direção  a Carinhanha, minha primeira cidade na Bahia; do outro lado do rio está Malhada. Adiantei bastante meu cronograma sem a visita a Peruaçu e agora sem a parada em Manga. Se tudo der certo nas portagens das represas, creio que poderei chegar a Piaçabuçu dia 5 de dezembro!

Mesmo local – 18:50 horas

Uma súbita mudança no tempo obrigou-me a transferir todo acampamento para um local mais seguro. A praia está acima da água apenas alguns centímetros e bastaria o rio subir meio metro para me deixar dentro d’água. Não foram apenas os relâmpagos, mas uma repentina calmaria e o esvoaçar das aves para longe que me alertaram

Decidi não desmontar nada; mudei primeiro a canoa, amarrando-a na proa e na popa a um arbusto de tronco forte e resistente. Ficará segura, mesmo que debaixo d’água. Trouxe toda carga para um local mais alto, a um metro e meio da água. E finalmente arrastei a barraca sem desmontá-la e a coloquei no alto de um pequeno morro de areia, meu novo local abrigado dos ventos e da inundação; assim espero. Depois de alguns ajustes e reforços na barraca, estava tudo arrumado em menos de uma hora.

É sempre uma imprudência montar uma barraca tão próxima do rio; em nosso treinamento na Chapada Diamantina aprendemos isso com a cautela excessiva de nossos monitores. Eles tinham razão, pois os rios sobem rapidamente quando chegam as tempestades, e levam tudo de arrasto, sem dar chances para os incautos.

Mesmo assim tenho abusado da sorte, apostando sempre nas estatísticas de chuvas na região. Ocorre que, com minha parada de três meses, essas expectativas ficaram no passado e eu deveria ser mais cauteloso. Está chegando a temporada das chuvas, o inverno dos nordestinos, e mesmo no semiárido os temporais podem ser violentos.

Às vezes, uma chuva não percebida nas cabeceiras do rio pode trazer uma elevação rápida do nível das águas, sem tempo de se tomar qualquer decisão. No entanto, é sempre mais agradável ter uma visão do rio correndo ao lado de nossa barraca, e assumirmos conscientemente o risco. Não recomendável!

Talvez nem chova esta noite, mas fiquei incomodado com esses pensamentos e com a sensação de que os pássaros tinham enviado um alerta e resolvi atender à intuição. Seja como for, valeu pela manobra de emergência e o treinamento de evacuação!

Com a calmaria voltaram os insetos. Lá fora, os grilos e os vaga-lumes fazem sua festa. Aqui dentro, mesmo com a barraca fechada, os mosquitos me atacam. Devem ter entrado pelos pequenos furos da tela, às dezenas, e me atordoam com seus ataques irracionais. O jeito é apagar a luz e deixar o silêncio embalar meus sonhos…

 Mesmo lugar e… uma tempestade! 09/10/2009 – 05h35

Que noite terrível! A chuva chegou forte e piorou bastante durante a madrugada! A água começou a entrar, infiltrando-se pelas paredes e pelo zíper da barraca. Em pouco tempo, uma poça d’água se acumulava no piso e metade da barraca estava alagada. Sob o piso, um enorme colchão de água! Eu olhava para fora, tentando controlar o nível do rio, mas não dava para ver nada; porém, nos limites de minha visão não havia água; assim, senti-me seguro, por enquanto.

Decidi sair e recobrir a barraca com a lona da outra barraca. Tirei minha roupa e saí, em meio ao temporal. Peguei a lona no barco, joguei-a sobre a barraca e a ajeitei como pude, amarrando as pontas em specs fincados na areia. Aproveitei para pegar duas sacolas: uma de roupa, para o caso de necessidade; outra de cozinha, onde havia panos secos para eu drenar a inundação dentro da barraca.

Voltei para dentro, me enxuguei, sequei o piso e me vesti novamente. Deu certo: já não havia mais nenhum ponto de infiltração e a situação estava controlada. Poderia descansar. Até que tentei, mas a quantidade de insetos dentro da barraca, zunindo em meus ouvidos e me azucrinando sem parar, me impediam de dormir.

Quando tudo parecia se acalmar ouvi o som de um motor de barco e duas pessoas conversando. Eram pescadores, pegos pela tempestade. Chegaram na “minha” ilha e subiram o barranco, deparando-se com minha barraca. Percebi o silêncio constrangedor e resolvi conversar com eles. Afinal, eles deviam estar cansados e aquele poderia ser o local que buscavam para um repouso. De fato, era isso mesmo!

Convidei-os a ficar em minha barraca, mas eles agradeceram e se ajeitaram ali por perto. Cobriram-se com uma lona ou algo assim e fizeram café; conversaram por algum tempo, falando sobre a vida, o medo de morrer afogado, a vergonha de voltar para casa sem ter o que oferecer à família… coisas assim. Fiquei triste; nada podia fazer.

Eles temiam se afogar no rio, pois não sabiam nadar mas, ao mesmo tempo, diziam que se Deus não quisesse assim, nada lhes aconteceria. Essa visão determinística e fatalista das pessoas humildes é que os faz conformados com todas as adversidades.

A chuva diminuiu e eles foram embora. Ainda tentariam pescar alguma coisa nessa noite para levar às suas famílias… discutir preservação ambiental? Nem pensar! Fiquei a imaginar a solidão e o medo dessa gente simples, sem perspectivas e sem ilusões, onde o desconhecido, o misterioso e as lendas se misturam com a realidade. É triste pensar que o Brasil que se vende na mídia passa muito longe do povo desse país imenso e repleto de desigualdades e conflitos sociais irreconciliáveis…

Será que tenho o direito de falar sobre preservação ambiental para quem não tem nem mesmo o mínimo para sobreviver? Parece-me arrogância levantar tais bandeiras antes de solucionar a questão da vida em um âmbito mais real, pragmático e imediato: o acesso às condições de vida com dignidade e à justiça social!

Choveu a noite toda e continuou chovendo pela manhã. Não sei ainda o que fazer. Pensei em seguir viagem, mas a próxima cidade, Carinhanha, está a cerca de 60 quilômetros de distância e provavelmente só chegaria por lá à noite. E a chuva ainda pode piorar, alagando a canoa; e então eu teria mais um problema para enfrentar. Preferi aguardar mais algum tempo para decidir o que fazer. A situação é bem desagradável…

Nesta noite, antes de tudo isso acontecer, consegui falar com minha família. Relatei a situação e Mory (minha mulher) me disse que a assistente social da prefeitura de Manga  aguardava minha chegada. Deu-me o telefone dela e arrisquei. Disse-lhe como estava minha situação e que, diante desses fatos, não conseguiria remar de volta rio acima. Pedi-lhe que enviasse uma canoa com motor, para que eu pudesse retornar. Afinal, eram apenas 8 km e, para um barqueiro, mesmo com um motor de rabeta, daria para me rebocar em menos de uma hora.

Ela pensou, consultou seus superiores e me telefonou dizendo que a prefeitura de Manga não poderia me acolher porque não tinham verba para pagar o barqueiro e o combustível… eu pensei comigo: e se eu estivesse em apuros… eles me resgatariam?

DE MALHADA A BARRA

Malhada, Bahia, 11/10/2009 – 06h59

Há cerca de 20 dias retomei minha jornada; ao todo, excluindo-se os três meses de interrupção, foram 41 dias de viagem pelo rio São Francisco, cerca de 1.200 km percorridos e 1.100 km efetivamente remados! Atravessei todo estado de Minas Gerais, de sul a norte, visitei 10 cidades e conheci muitas pessoas interessantes!

Os livros nos dão a ilusão do conhecimento. Através deles, parece-nos que tudo se resume a espaços, datas, nomes, números e eventos isolados. A realidade, no entanto, é outra! Há um inter-relacionamento dos fatos, dos ambientes, das pessoas, que a literatura não consegue captar. Tudo faz parte de um mesmo universo, ainda que as barreiras e rupturas aparentes não permitam nosso entendimento dessa integração.

A sistematização do conhecimento tem seu papel didático e de organização do saber para que nossas mentes limitadas consigam compreender esse mundo. Mas esse processo de síntese não pode reduzir tudo a fragmentos desconexos, que venham a mascarar a verdade, ocultando informações relevantes e imprescindíveis ao entendimento.

Falo do São Francisco. Existem descontinuidades naturais, como é o caso da passagem do rio pela Serra da Canastra e a ruptura provocada pela cachoeira Casca D’anta. Repentinamente o rio despenca de forma brusca e passa a correr pelos vales, alternando curvas, remansos e corredeiras, até encontrar o seu plano natural, a partir do qual terá uma declividade de apenas 26 centímetros por quilômetro!

Basta dividir a altura inicial do rio pela sua extensão:

680 m (em Doresópolis) / 2.700 km de extensão = 25 cm /  km

Se reduzirmos as alturas das cachoeiras de Paulo Afonso (90 metros) e das barragens das represas de Sobradinho (70 metros) e Xingó (120 metros), teríamos:

400 / 2.700 = 15cm / km (menos de um palmo por quilômetro!)

É como se o rio só caminhasse porque suas águas são empurradas pela água que vem atrás! Praticamente um rio de planície!… é por essa razão que, quando ventava muito, minha canoa andava para trás; e sem vento a canoa não se movia sem remar. Em compensação, nos trechos de corredeiras entre Vargem Bonita e Doresópolis, a declividade era de quatro metros por quilômetro! Estatísticas são terríveis!

Havia quedas de quase dois metros de altura e trechos de mais de dois quilômetros sem corredeiras, mesmo nesse trecho de serra. Mas para a matemática eu não teria nenhum problema em percorrer o rio São Francisco de canoa canadense! Um conhecido de um amigo meu disse: “O rio São Francisco não tem corredeiras! Muito menos águas brancas!”. É verdade! Mas diga a ele para percorrer todo rio de canoa canadense! Diga-lhe que faça tudo sozinho, sem ajuda externa, sem apoio! Eu fiz!

Existem também as intervenções humanas, violentas como as barragens, que represam milhões de toneladas de água, mudando as feições do rio e afetando profundamente sua fauna e as próprias características da água, seja no reservatório, seja depois dele, por quilômetros! É que a barragem e a represa funcionam como um gigantesco filtro, que decanta todos os resíduos e libera água “limpa”!

E existe ainda a presença humana, dependente do rio, segregada em comunidades, ou esparsa ao longo de suas margens, ora vivendo inocentemente em parceria com o rio, ora transgredindo as leis da preservação da Natureza e ameaçando sua vida.

Já passei por inúmeras regiões e pude constatar a maioria dos problemas descritos na literatura, debatidos publicamente, exibidos em documentários. Porém, nada é mais cruel do que a própria realidade, e só quem percorre o rio lentamente, como eu faço, pode compreender a sua verdadeira dimensão.

O rio São Francisco é um gigante. Ninguém poderia conceber a morte desse colosso, por maiores que sejam os maus tratos a que ele está submetido. No entanto, anda estou na área de formação desse rio, recebendo os últimos tributários perenes que agigantam suas águas. E, no meio de seu curso, onde deveria ter a força da juventude, imensas áreas de assoreamento chegam quase à superfície pela metade de sua largura, aumentando drasticamente o índice de evaporação e perda de águas.

De onde vem tanta areia? Algumas até se transformam em ilhas, outras não… é desse processo contínuo que eu falo: o homem destrói as matas; as águas fazem o resto, arrancando as terras dos barrancos e arrastando-as ao longo do rio. Essas terras se transformam em areia e se depositam no fundo, tornando o rio cada vez mais raso e mais largo. As águas, por consequência, se aquecem e evaporam com mais intensidade. Os peixes de águas profundas, o dourado e o surubim, desaparecem.

A poluição provocada pelos esgotos urbanos, resíduos industriais e agrotóxico complementam a destruição, matando os peixes, que são cada vez menores, seja pela pesca predatória, seja pela degeneração provocada por venenos, seja pelas dificuldades crescentes em se reproduzir (falta dos habitats naturais destruídos).

Pode um rio, gigante como o Velho Chico, morrer? Talvez secar completamente seja difícil e leve anos demais para nossa existência humana constatar. Mas existem outras formas de se morrer: perder a vitalidade, tornar-se imprestável para o consumo humano e para suas lavouras, deixar de abrigar a rica fauna que ainda insiste em subsistir em suas margens… formas talvez mais cruéis de se morrer…

Pois o rio São Francisco está morrendo à míngua! As matas descontínuas já não abrigam mais as grandes espécies de felinos, símios e tantos outros animais, como jacarés, lontras, raposas e grande parte da diversidade biológica de sua vegetação.

As matas de fachada, tristes cenários que ocultam a perversidade do pequeno e do grande produtor rural, apenas evidencia o descaso dos governantes, que não fazem cumprir as leis ambientais e não punem com o rigor devido esses criminosos!

Ainda não senti o peso do semiárido, das baixas pluviosidades das caatingas, e já percebo essas situações extremas. E o poder público, o que faz? Contra grandes problemas, pequenas soluções que se arrastam com a má vontade e a ignorância de quem não conhece a realidade do rio. Minha percepção é limitada ao curso do rio, às poucas comunidades que visitei, aos raros depoimentos que colhi. E, no entanto, já posso afirmar a extrema gravidade do quadro que encontrei.

O Progresso é inexorável, dizem os desenvolvimentistas, para quem tudo é permitido em nome da nova economia e do enriquecimento das elites. Mas seria essa a única via para o futuro da humanidade? Consumir todos os recursos naturais até exaurir o planeta, inviabilizando a vida na Terra? Existem outros caminhos, que passam por um conceito mais sólido de responsabilidade social, compromisso com o meio ambiente e com a eliminação das desigualdades sociais. Dizem que não existem castas em nosso país… seria verdade? E como explicar o inevitável destino reservado às populações menos favorecidas e mesmo na miséria absoluta? A eles, casta inferior e desprezada, só resta se conformar com o futuro, acreditar na vida eterna e convencer seus filhos a não se rebelarem contra as injustiças, o abuso do poder e a arrogância de suas elites abastadas.

Quilombo “Barra do Parateca”, 12/10/2009 – 23h51

Sul: 13º 56′ 09” – Oeste: 43º 37′ 44” – Altitude: 440 metros

Saí de Malhada às 07h00. Jojô (educomunicadora[1] da CPT[2]) e Wilson (seu marido) cuidaram de mim como a um parente próximo ou um grande amigo! Ontem almocei na casa deles e me serviram com todas as atenções… pessoas inesquecíveis!

À tarde estive no quilombo Tomé Nunes e falei com a comunidade. São pessoas muito especiais. Não poderia imaginar a vida em um quilombo; o sofrimento, o abandono, o descaso das autoridades, a violência dos fazendeiros tentando expulsá-los da terra onde nasceram seus avós e que lhe são de direito histórico e de justiça social.

Como se não bastasse sua origem humilde, descendentes de foragidos da escravidão, sem nenhum conforto, humilhados por aqueles que deveriam defendê-los. Nem mesmo a titularidade das terras que ocupam conseguiram do poder público, e vivem sob constante ameaça de despejo. Então, para que serve a certificação de quilombolas?

Nem à água tratada ou a qualquer benfeitoria urbana essa gente tem direito! Vivem por sua conta, lutando pelos direitos mínimos de dignidade de seres humanos que a Constituição Federal deveria lhes assegurar!

Contaram-me suas histórias e suas lendas,.. o Encanto! O que seria isso? Um mito? Um temor constante de ser levado pelo rio por criaturas misteriosas? A materialização do inexplicável? Talvez seja o conjunto de temores que levam nossos sentidos a transformar a fantasia em realidade… sim, o Encanto existe, ao menos na imaginação.

E a pescaria do peixe mais fantástico que jamais existiu? Reminiscências do passado, quando o rio era generoso e os homens menos perversos com a Natureza… conheci Maria Clara, uma velhinha negra e simpática, cheia de energia, cujas estórias nos prendem de perplexidade e emoção! Que mundo é esse que eu nem imaginara existir?

Maria Clara ainda era criança e seu pai costumava levá-la às pescarias… era filha única, situação incomum para as famílias de classe social mais humilde… naquele dia eles foram em um lugar habitual, mas havia um outro pescador lutando com um peixe desesperadamente. Ficaram observando o esforço daquele jovem robusto, que sequer os viu chegar, absorto que estava em não perder seu peixão! Puxava a linha até a vara se curvar a ponto de arrebentar; então soltava e deixava que o peixe corresse um pouco, para retesar novamente a linha. Ficou assim durante horas, e o peixe não demonstrava cansaço, ao contrário do pescador, que se impacientava cada vez mais.

De repente, um puxão mais forte e desajeitado e o peixe salta fora d’água, exibindo seu espetacular brilho prateado contra o sol vespertino; cai num estrondo imenso e a linha se arrebenta e o peixe foge! O jovem pescador se desespera, grita, vocifera, amaldiçoa a tudo e a todos pela perda de seu maior troféu jamais conquistado! Vai-se embora…

Maria Clara e seu pai desistem de pescar por ali; certamente, aquela luta espantara não apenas o enorme peixe, mas também assustara qualquer outro animal que por ali estivesse. Seguem rio acima, margeando o barranco, em silencioso respeito… logo adiante, seu pai decide que é a hora de parar; esgueiram a canoa para um pequeno remanso e ele amarra a proa da embarcação em um tronco, manobrando a canoa para deixar a popa o mais afastado que pode do barranco. Senta-se e prepara a isca…

Pelo anzol, Maria Clara imagina que o pai quer encontrar aquele peixe enorme. Ele ajeita com cuidado a isca, um mandi bem crescido, corta-lhe as barbatanas e lança a linha grossa para bem longe, rio abaixo, perto demais do barranco e de um enrosco que se formara com as últimas chuvas. Ele sabia o que estava fazendo.

Ficaram ali por um tempo que ninguém sabe contar; quando esperamos por alguma coisa, nossa percepção do tempo se torna aguçada, e o dia, as horas, os minutos e segundos se arrastam, como se quisessem que nada se modificasse ao seu redor.

De repente, um estrondo nas águas, e o peixão surge das espumas e se lança no espaço, bem à sua frente! Maria Clara não se conteve e gritou… um misto de encanto e pavor, medo e admiração por aquela vida magnífica que se contorcia na ponta do anzol de seu pai! Foram segundos eternos! Ficaram os dois, pai e filha saboreando esse instante de desarmonia do Universo, onde presa e predador se confundem, e ninguém sabe o desfecho da história… o peixe se soltou e foi embora, não antes de jogar-se novamente, livre, quase sobre a canoa, diante do espanto e terror deles…

Um silencioso respeito se seguiu àquela cena fantástica… ninguém ousava quebrar o Encanto, que durou uma eternidade de alguns segundos, até que fossem embora, felizes! Maria Clara percebeu que seu pai deixara a ponta do anzol um pouco aberta para permitir que o peixe se soltasse, mas nada falou. Ambos tiveram seu Encanto…

Hoje remei forte por 9 horas e percorri cerca de 60 quilômetros, chegando a Barra do Parateca, um quilombo extrativista. Os mesmos problemas de terras e de fazendeiros gananciosos e cruéis, que querem lhes tirar as terras com o apoio da Lei!

Seus líderes já foram presos e ameaçados de morte por capangas dos latifundiários; suas lavouras de lameiro (são vazanteiros) foram destruídas pelo gado, soltos propositadamente sobre as plantações… seus acampamentos colocados abaixo pelas mesmas motosserras dos fazendeiros que destroem as matas ciliares… e até mesmo juízes “seduzidos” pelo poder e dinheiro tentam expropriá-los de seus bens…

Fiz minha palestra em um templo evangélico adventista para cerca de 50 pessoas… falei do rio, de suas mortes possíveis, da escassez de águas no mundo, da poluição e da responsabilidade de cada um por esse nosso mundo. Falei do trágico planeta que o futuro nos reserva se continuarmos a maltratá-lo assim. Dialogamos bastante….

Fui recebido na comunidade pelo Elson, um líder nato com grande capacidade arregimentadora de opiniões. Eles possuem um sistema de alto-falantes, que serve para divulgar eventos, como o meu, e também notícias e alertas de invasões.

Lamentavelmente, no mesmo local onde cultivam suas hortaliças, um enorme barranco de uns 5 metros de altura e cerca de 70 metros de largura desde o rio, existe uma grande quantidade de lixo jogado pelos moradores. São garrafas pet, latinhas, lixo orgânico, papel, de tudo o que se possa imaginar. Em minha palestra fiz questão de chamar a atenção desses moradores para o descaso com o meio ambiente.

Estou hospedado na casa de dona Maria, mãe do pastor Alex, e parteira da comunidade. Diz ela que já realizou quase 200 partos e trouxe ao mundo 179 crianças, pela magia de suas mãos e pela sabedoria de sua vida dedicada às mulheres.

É uma casa ampla e confortável, com três quartos e um grande salão anexo, onde serve refeições caseiras. Deixou-me à vontade e até a acompanhei em uma oração para as crianças e em defesa do Meio Ambiente, que ela fez questão de incluir…

No quintal existe uma criação de galinhas caipiras e d’Angola, e de patos, que convivem curiosamente com os jegues, os porcos e as cabras. Algumas árvores frutíferas, um pouco de ervas plantadas em um pequeno viveiro protegido dos animais.


[1]    Educomunicadora – denominação dada pela Comissão Pastoral da Terra a seus voluntários que se dedicam a orientar os povos das comunidades sobre seus direitos constitucionais e sociais.

[2]    CPT – Comissão Pastoral da Terra, órgão da Igreja Católica, que se dedica a apoiar e orientar as comunidades e os movimentos sociais de luta pela posse da terra e pela reforma agrária.

Bom Jesus da Lapa, a 1.400 km da Foz – 15/10/2009 – 05h13

Sul: 13º 15′ 20” – Oeste: 43º 25′ 11” – Altitude: 441 metros

Cheguei na Lapa ontem às 15 horas. A aproximação da cidade pelo rio é impressionante! Um morro arredondado de rochas calcárias se sobressai no horizonte plano e monótono de caatinga. Quase nada é verde… apenas umas áreas de fazendas que preservaram algumas árvores e irrigaram um gramado enorme, onde o gado pasta pachorrento, à sombra de mangueiras e coqueiros isolados.

O rio parece se expandir e mostrar-se amplo e plácido, como uma imensa lagoa marrom, refletindo o azul celeste. Ao fundo, uma extensa ponte liga Bom Jesus ao oeste baiano. E o morro enorme, solitário, pontiagudo em suas manifestações cársticas, ocultando em seu ventre a caverna mística do Santuário da Lapa.

Parei em uma ilha, tomei um banho “de gato” e coloquei uma roupa menos encardida da longa permanência no rio. Liguei para Samuel, coordenador da Comissão Pastoral da Terra nessa região do São Francisco. Ele estava em Barra, na recepção ao presidente Lula que visitava as “obras da revitalização”, uma proposta para disfarçar o constrangimento de fazer a transposição sem antes recuperar a devastação do rio.

Falei com o Juliano, da CPT de Bom Jesus da Lapa e ele me disse que iria me buscar na beira do rio. Passei por baixo da ponte e procurei um local onde pudesse encostar minha canoa. Logo à frente havia um pequeno porto bem movimentado, com quiosques de palha e muitos barcos, pequenos e grandes, atracados. Fui para lá e encostei o barco.

Liguei também para o secretário de Agricultura de Bom Jesus da Lapa. Ele se prontificou a me ajudar a desembarcar. Eu precisava tirar a canoa e toda minha tralha da água, pois pretendia ficar lá por alguns dias. Tinha combinado com a Mônica, minha filha, de passarmos o final de semana juntos e ela chegaria na sexta-feira.

Será, com certeza, uma das mais fascinantes visitações que farei nesta viagem, tanto pelos aspectos místicos do lugar, como pela companhia de minha filha e a participação nas atividades da CPT na região. Eu tinha uma grande expectativa desse encontro.

Esse portinho é bastante problemático, pois fica a 1,5 km da cidade, tem um canal do rio que o isola das vias de trânsito, e ninguém conhece direito o caminho para chegar. Pelo menos as pessoas que iriam me ajudar a sair de lá… foi necessário contratar uma carroça para atravessar o canal, pois nem o secretário nem Juliano sabiam como sair.

Juliano chegou com a carroça e logo colocamos tudo dentro e atravessamos o canal. Do outro lado estava a caminhonete do secretário, toda limpinha, impecável, e ele constrangido em levar minha carga barrenta para alguma pensão ou hotel.

A carroça acabou levando tudo para o Centro de Treinamento de Líderes, vinculado à igreja católica e aos movimentos sociais apoiados pela CPT. Eu segui com o secretário para um pequeno e caro hotel, de sua propriedade, no centro de Bom Jesus da Lapa, onde fiquei. Combinei com Juliano que iria para a CPT assim que me instalasse no hotel.

Sinto-me cada vez mais próximo das ações missionárias da CPT e da ONG SOS São Francisco, principalmente pelo seu compromisso com as pequenas comunidades de quilombolas e indígenas ribeirinhas. Parece-me um bom caminho para compreender a realidade do rio e de seus habitantes, seus costumes e suas mazelas sociais.

Hoje me reunirei com Juliano e domingo com o Samuel, para definir minha participação efetiva nesses movimentos. Daqui para a frente, formalizado esse acordo, minha expedição passará para uma nova fase, comprometida com as causas da justiça social e da inclusão desse povo subjugado pelas elites do poder econômico.

Depois do último acampamento, esse trecho do rio, apesar de longo e  cansativo, foi excelente, tanto pelo rendimento do barco, como pelas magníficas paisagens, inúmeras ilhas e a infinidade de aves aquáticas, presentes em todo percurso.

Desde Malhada noto a presença, pela primeira vez em todo rio, de plantas aquáticas de bulbo, tipo aguapés, disseminadas em pequenas colônias nas margens e em trânsito rio abaixo. Provavelmente será uma mudança definitiva, dado o grau de proliferação desse tipo de vegetação nos rios. Estranho não haver delas antes…

Já tenho formatado, mentalmente, o esboço de meus discursos daqui para a frente, e que se aprimorará ao longo do caminho, e que versa, primordialmente, sobre o processo de conscientização da sociedade, o meio ambiente e a responsabilidade dos homens pela devastação que tem causado ao longo dos séculos.

Será um discurso único, que poderá conter a essência de meu trabalho e funcionar como fio condutor da narrativa de meu livro, dando-lhe a forma e a estrutura de que necessito para organizar todo material coletado e as ideias desenvolvidas.

Visita a Cocos, oeste baiano, 19 a 21/10/2009

MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens

Reunião promovida pela CPT para definir estratégias de enfrentamento dos “barrageiros”, empresas que desenvolvem projetos para a construção de 49 PCH’s (Pequenas Centrais Hidrelétricas) nos rios Carinhanha, Itaguari, Formoso e Corrente. O problema é que essa quantidade de barragens irá destruir praticamente toda mata bem conservada desses rios e inundar as terras férteis de dezenas de comunidades que vivem à sua margem, no interior do oeste baiano.

Essas empresas, além de não se identificarem para as comunidades, utilizam métodos desonestos para cooptar o apoio de algumas pessoas da população para fornecer-lhes informações acerca das propriedades que pretendem comprar. Fazem propostas, oferecendo valores muito acima dos praticados no mercado, provocando discórdia entre vizinhos e ameaçando colocar sob as águas a história desse povo.

Esses valores, apesar de inflacionados, não seriam suficientes para reassentar essas famílias em outros locais com as mesmas condições e facilidades que hoje possuem. Basta lembrar que na desocupação das margens da represa de Sobradinho foram removidas mais de 72.000 pessoas; muitas foram deslocadas para regiões próximas a Bom Jesus da Lapa, a dezenas de quilômetros de distância de sua morada original.

Nas reuniões discutirão as estratégias de enfrentamento e a argumentação para convencimento da população a não vender seus imóveis e jogar fora seu patrimônio. Essas empresas sabem da fragilidade dessa população inculta e de sua vulnerabilidade a argumentos de seus negociadores, e se aproveitam disso.

Lamentavelmente, o governo não cuida de proteger essas comunidades, que ficam à mercê de oportunistas, interessados apenas na implantação de grandes empresas de agronegócio, lavouras a serem irrigadas pelas águas dessas pequenas hidrelétricas e energia abastecida também por elas. Com isso, áreas significativas de Cerrado estão sendo destruídas para dar lugar às fazendas de monocultura de frutas e de soja.


Pronunciamento no encontro da CPT

22 de outubro de 2009, 09h00

Seminário de Avaliação da Comissão Pastoral da Terra

Sob a estátua de Francisco, nosso mestre, nosso irmão, um pequeno olho d´água, rebento da terra, recém nascido, busca a luz do sol e começa sua jornada nesse mundo de Deus. Mal sabe aquele filete de água, o seu destino; e, como criança, serpenteia pelos vales das colinas da Canastra, juntando a suas águas as de outros regatos pequeninos como ele. Caminha assim, nos altiplanos do cerrado, até formar volume e criar coragem para lançar-se à aventura de saltar da montanha e descer as encostas dos morros, em direção ao mar. É a Casca D’anta, uma das belas cachoeiras que ornamentam nosso país, com seus quase 200 metros de queda pelas rochas, até formar um lago de águas escuras e geladas.

Segui seu curso, caminhando na montanha; desci ao seu lado pelas rochas, e me coloquei em suas águas para descermos juntos daí em diante, unindo meu destino ao seu, entre corredeiras e remansos, cercados de mata virgem e animais silvestres, como gostava o Santo de estar. Suas águas cristalinas correm sobre um leito de pedras arredondadas, seixos roliços de tanto rolar pelos séculos, desde a montanha. Novos riachos depositam suas águas em cascatas prateadas, trazendo consigo a vida de outras matas, peixes, pássaros de toda espécie, num abençoado Jardim do Éden…

Por mais de dez dias, eu, Chiquinho (como o chamam os ribeirinhos) e os animais convivemos nessa terra prometida que os homens, aos poucos, vão devastando, plantando milho onde só havia floresta, criando gado, poluindo suas águas com seus esgotos e agrotóxicos, até que aquela pureza não exista mais.

Quando chega o Samburá, o São Francisco já é quase adulto, mais calmo, águas lamacentas e turvas, quase largo o bastante para não se deixar atravessar às braçadas de um nadador. Se antes as canoas dos pescadores não ousavam descer a montanha, agora surgem às dezenas, plantando caniços nas margens, arrastando redes que cercam os peixes, raspando o fundo do rio, sem chance de sobrevivência para muitos animais.

A algazarra dos pássaros diminui nas margens desnudadas de sua roupagem verde. E a avassaladora força das águas nas cheias leva os barrancos para o meio do rio, arrancando árvores, alargando as margens e tornando raso o leito do rio. Cada vez mais lavouras de monocultura de soja e cana de açúcar, e pastos de brachiaria empobrecem a paisagem, e inundam o rio com produtos químicos, matando seus peixes, que um dia foram grandes e tantos que não faltavam nas mesas dos homens.

Setenta léguas depois, o rio para, contido pela barragem das Três Marias! Um muro gigantesco contém seu ímpeto e o aprisiona no grande lago azul que se formou a montante. É uma falsa pureza esse azul… todo barro que corria junto às águas, agora se assenta no leito da represa, e os peixes de correnteza já não podem mais caçar. Em suas margens, a escassa vegetação já não abriga a vida. Apenas ranchos e clubes de pesca dos homens, que para ali se dirigem apenas para se divertir.

E, ao lado da barragem, o símbolo da ambição desmesurada dos homens se instalou, trazendo consigo a morte. Uma indústria de metais, que nas margens desse rio bendito deposita seus dejetos, produtos químicos e metais pesados, que nas cheias maiores escorrem para as águas, dizimando peixes aos milhares, e contaminando seu leito.

Depois disso, é muita tristeza, trazida pelas mãos dos homens; além dos resíduos industriais, esgotos urbanos e agrotóxicos! Um rio inteiro de esgotos da capital mineira é despejado no rio, depois de Pirapora: o rio das Velhas! Melhor seria chamá-lo o rio das Mortes!

Às vezes o rio é tão raso que quase dá para atravessá-lo a pé, caminhando… e, no entanto, muito de sua beleza resiste e permanece: os mais belos crepúsculos e ocasos, o sol tingindo o céu com todos os matizes de cores, um espetáculo emocionante!

Mas as queimadas e a motosserra não nos deixam esquecer a perversidade do homem, movido pela ganância de roubar do rio sua roupagem de vida. Para que? eu me pergunto… se aquilo que dele roubou para aumentar sua plantação o rio irá tomar de volta nas enchentes? Porém, o rio se alarga ainda mais, e agoniza lentamente, levando, nesse lamento, a vida que abrigava em seu manto sagrado…

É preciso fazer alguma coisa! O rio não pode morrer! Pois ele acolhe também um povo simples, honesto, generoso, o verdadeiro ribeirinho, que há séculos se instalou em suas margens e ali criou sua história de lutas e sofrimento, mas também de respeito pacífico pelo rio São Francisco…

É desse povo, quilombolas, indígenas, pescadores, pequenos agricultores, que sairá o grito de redenção:

Salvem o rio São Francisco!

Salve o nosso Velho Chico!

São Francisco Vivo: Terra, Água, Rio e Povo![2]


[2]    São Francisco Vivo: Terra, Água, Rio e Povo! – “grito de guerra” da ONG SOS São Francisco

BARRA (do rio Grande)

Comunidade Extrativista Quilombola de Piranhas, 26/10/2009 – 00h12

Sul: 12º 42′ 01” – Oeste: 43º 15′ 14” – Altitude: 418 metros

Caixa de texto:  Foto 97: Belíssimo canal protegido pela rica vegetação na entrada da comunidade de Piranhas

Saí de Bom Jesus da Lapa dia 23 de outubro, depois de oito dias de permanência! Segui rio abaixo e entrei no canal que liga o São Francisco à lagoa das Piranhas… belíssimo local, preservado e rico em vida natural, com cerca de dois quilômetros de mata fechada! Os pássaros são um espetáculo de diversidade e beleza!

A lagoa surge aos poucos, revelando sua extensão e tranquilidade.. remei lentamente, saboreando toda paisagem ao meu redor… um espelho d’água onde alguns poucos barcos se movimentavam, transportando a produção de lavradores, ou os peixes trazidos do rio. O silêncio só era quebrado pelo canto dos pássaros e pelo meu remo roçando a água com cuidado para não quebrar aquele encanto!

Fui seguindo a margem à procura da aldeia, sem perguntar a ninguém, acreditando apenas em minha intuição que, a cada dia se tornava mais aguçada e eficiente. Depois de algum tempo avistei algumas casas na encosta, e um pequeno porto. Parei ali, amarrei o barco sob um arbusto, retirei apenas meu equipamento eletrônico e subi em direção à vila. Procurava a casa de Miguel, líder comunitário e presidente da Associação dos Moradores da Comunidade de Piranhas.

Encontrei a casa, mas ele não estava; somente sua filha, Jaqueline, que me atendeu e me disse para procurar Dai, um pescador que conheci no CTL, em Bom Jesus da Lapa. Encontrei um pequeno restaurante instalado na frente da casa dele, muito simples, e falei com sua esposa, Rosa, que logo me convidou a sentar e preparou um almoço: arroz, feijão, macarrão, farinha de mandioca e abóbora, além de uma fritada de mandi[1]. Estava tudo muito saboroso! As crianças logo me cercaram e perguntaram sobre minha viagem, o que eu fazia lá e essas coisas que só mesmo uma criança pode perguntar.

No início daquela semana houve um atentado à comunidade; eles vivem cercados por uma grande fazenda e foram vítimas da truculência dos filhos do fazendeiro, que aprisionaram vários animais que atravessaram sua cerca. Dizem os moradores que os próprios fazendeiros mandaram derrubar a cerca para os animais atravessarem.

Esses animais ficaram presos sem alimentação e sem água, e os agressores exigiam o pagamento de dez reais por cada animal que fosse solto. Para piorar, eles espancaram os animais: uma fêmea que acabara de ter um filhote, e o macho, que foi castrado rudemente, com um canivete sem corte. O filhote, que também tinha sido aprisionado, acabou morrendo devido à falta de alimentos e de água.

Quando foi apresentada queixa na delegacia de Carinhanha, eles soltaram os animais, e isso coincidiu com minha chegada à comunidade. Depois de almoçar, fotografei e filmei o pobre animal castrado; disseram-me que o bichinho era tão manso que comia à mesa junto com a família de Dai. Agora estava ali, com um grave ferimento infectado, correndo o risco de morte, sem assistência veterinária, que não existe na aldeia.

Esses quilombolas, descendentes de escravos, vivem nesse local há mais de um século, sem a titularidade das terras que ocupam e cuidam, à margem da lagoa. Estranho é que, mesmo tendo provas de sua presença no local, não conseguem o registro de propriedade das terras. Até vestígios de ossos humanos com mais de cem anos existem em suas propriedades, além da anciã com mais de 100 anos, já falecida.

Visitei as mandalas, técnica de plantio irrigado por gotejamento, implantada sob orientação do SEBRAE. São dez mandalas[2], cada uma sob os cuidados de várias famílias. Em cada plantação existem muitas variedades de hortaliças, como tomate, alface, mandioca, batata, melancia, abóbora, coco e outros de escolha dos lavradores.

Na vila residem mais de setenta famílias, quase metade ainda em casas de taipa, que serão todas substituídas por casas de alvenaria através de financiamento do governo, em um programa nacional de erradicação dos focos de besouros transmissores da Doença de Chagas. Esse cenário é usual nas comunidades do oeste baiano.

Outro projeto desenvolvido em Piranhas é a criação e comercialização de tilápias, mantidas em viveiros dentro da lagoa. Hoje são vinte gaiolas e chegarão a sessenta, com uma produção anual estimada em sessenta toneladas de pescado. Esses peixes são transferidos para uma Central de Processamento composta de duas grandes salas de preparação, um frigorífico, uma doca de expedição, além das instalações de administração, com computadores e todo mobiliário. O projeto é financiado pelo governo e será pago com a receita proveniente da comercialização do pescado.

De todas as comunidades que visitei, a de Piranhas foi a que mais se desenvolveu através de treinamentos e implantação de tecnologias modernas de produção. No meu entendimento, casos bem sucedidos como este deveriam servir de modelo para que outras comunidades consigam superar a situação de pobreza e estagnação.

Pernoitei na casa de Miguel, depois de conhecer toda comunidade. Visitei uma pequena e antiga capela, as ruínas da sede da fazenda do século XIX, os restos de um pilão de uma antiga fábrica de farinha de mandioca, um curral de madeira, hoje abandonado, além dos cemitérios dos ricos (fazendeiros) e dos pobres (escravos)!

Lá estava o túmulo de uma senhora, filha e neta de escravos, que viveu 115 anos! Foi ela quem comprovou sua origem e assegurou à comunidade o título de quilombolas. Toda terra é muito bem cuidada e protegida por cercas. As crianças nos acompanharam por toda visita; é muito emocionante ver como essa gente simples trata de suas crianças, com todo respeito e atenção, e como essas crianças são educadas e atenciosas conosco.

Saí pela manhã do dia 24 de outubro, com a intenção de cumprimentar os acampados do Movimento 17 de abril. Durante minha estada em Bom Jesus da Lapa fizemos uma visita a esse acampamento, que é controlado pela CETA, Central Estadual de Trabalhadores Rurais Assentados e Acampados, dissidência do MST.

Nossa visita ao acampamento foi motivada por uma homenagem a um líder comunitário assassinado por capangas mandados por fazendeiros. Chamava-se Afonso e sua mulher, Marilene e suas filhas estavam presentes ao encontro, além dos membros da CPT.

Foi uma homenagem muito bonita; fizemos discursos, uma passeata pelo acampamento e foram lembradas as qualidades de liderança de Afonso que durante anos coordenou atividades nos acampamentos da CETA naquela região. Havia um cacto, um mandacaru plantado no meio do terreno, próximo às barracas de lona preta.

Esse cacto representava a tenacidade e determinação dos acampados em prosseguir em sua luta, a despeito das adversidades. Lá no 17 de abril existem cerca de 80 famílias; já foram 120 quando realizaram a invasão, há seis anos. Eles vivem sob a ameaça de um despejo provocado pelas ações de reintegração de posse.

Por tudo isso, retornei ao acampamento quando saí de Piranhas. Eles queriam se despedir de mim, e acabei passando o resto do dia por lá. Conversamos muito, jogamos dominó, assisti a uma partida de futebol, fizemos almoço, jantamos e pernoitei em um dos barracos de lona depois de muitas brincadeiras de memória.

Pela manhã do dia seguinte retomei minha viagem às 06h30, com o propósito de chegar à comunidade de Mangal / Barro Vermelho até o final do dia. Passei por trás de uma ilha que separa o acampamento da cidade de Sítio do Mato, na outra margem do rio. Na ilha ganhei duas melancias de um dos acampados, que as cultiva por lá.

No entanto, um incidente muito grave mudou meus planos e afetou todo resto de minha expedição. Ainda não sei a motivação dessa ameaça que sofri, e talvez nunca venha a saber, mas imagino que esteja relacionada com minhas atividades junto à CPT e meus discursos nas comunidades, sempre em defesa dos mais fracos e oprimidos[5].

Eu já tinha remado algumas horas, talvez (e hoje fica difícil mensurar o tempo, distante dos acontecimentos que irei narrar agora), quando, em um canal do rio, aproveitando a correnteza mais forte, parei de remar e resolvi comer uma das melancias que ganhei. O barco seguia lento e o lugar era muito bonito, com vegetação rica nas margens.

De repente percebo um barco vindo em minha direção; peguei o remo e endireitei a canoa para dar passagem ao outro barco; parece que ele não me via e acabou abalroando a minha canoa, que quase virou. Consegui controlar a situação e, quando me virei para o outro barco, ele manobrava e retornava em minha direção.

Parou ao meu lado; havia duas pessoas no barco e um deles estava de pé, tinha um bigode escuro, uma camiseta listrada de branco, vermelho e preto, e estava armado. O outro estava sentado junto à popa, manobrando o motor que não era de rabeta, e eu não gravei nenhum detalhe que pudesse identificá-lo. Acho que também estava armado.

O que estava de pé me ameaçou falando impropérios em voz alta, xingando-me de “comunista safado”, “alemão de merda” e outras expressões desse tipo, e dizendo que eu me afastasse desse “povinho” do rio, se quisesse sobreviver. Falou rápido, com um sotaque típico do oeste baiano, manobrou o barco novamente, e seguiu rio acima.

Eu fiquei parado, assustado e sem saber o que fazer. Parecia uma cena surreal, sentia como se estivesse em um filme antigo; parecia que sonhava; eu não conseguia pensar. Por alguns minutos (e novamente não sei quanto durou) eu deixei o barco deslizar pelo rio até retomar a consciência e me sentir seguro novamente. Olhei para o alto do rio e não vi mais o barco… a ameaça passara e fiquei pensando nos motivos da agressão verbal.

Sabia que eram pessoas mandadas, mas ignorava a razão. Devem ser meus discursos… pensei… mas os que me ouviram eram pessoas ligadas a esses movimentos de libertação do jugo dos poderosos; não deveriam me delatar… fiquei perplexo! Somente alguém de dentro desses movimentos poderia me denunciar.

Segui adiante, meio confuso, e me concentrei nas remadas; remava forte, como se fugisse do cenário de um crime, cujo protagonista era eu mesmo, e o antagonista era um inimigo do povo, talvez um fazendeiro poderoso, talvez um político reacionário…

Algum tempo depois passei perto de um casal de pescadores. Já estava mais calmo e perguntei onde ficava a comunidade de Mangal / Barro Vermelho. Mostraram-me um barranco bem adiante, de terra vermelha, e compreendi parte do nome do lugar. Agradeci e segui adiante. Mas não sabia o que fazer quando chegasse lá…

Continuei remando, como um autômato, esperando que os acontecimentos decidissem por mim, mas isso era impossível. Tinha que decidir se parava ou seguia adiante, aceitando as ameaças dos jagunços. O barranco vermelho se aproximava… um pouco antes, vi um casal de jovens andando a cavalo pelos campos; havia vários caminhos, trilhas na encosta do morro, e uma grande área que parecia um brejo ou uma plantação de arroz. Resolvi parar antes; tentar subir pela encosta e procurar ajuda.

Parei o barco e o escondi debaixo de um arbusto. Comecei a subir por uma das trilhas que levava até bem próximo de umas casas; cheguei no topo do morro e vi uma construção grande, um barracão onde havia um trator guardado, mas ninguém por perto. Parecia deserto.

Resolvi descer e prosseguir até o barranco de terra vermelha; achei que ninguém me molestaria na frente de pessoas mas, no meio do caminho, como assombração, apareceram os dois jagunços, um com o revólver na mão e o outro, aquele que me abordara antes, com uma carabina de cano serrado, ambos com chapéu. Estavam atrás de uma moita onde uma árvore maior ocultava seus corpos do resto da trilha.

Parei quando ele colocou a boca da arma em meu peito, com um tranco forte! Quase caí, mas me mantive de pé. Agora ele falava baixo, mas firme e muito irritado: “você está querendo morrer, velhote? Não tem medo do meu berro?” Eu parei, mas não tinha medo… eu me sentia como se tudo o que se passava fosse como em um filme; nada era real, nada existia… tive receio dessa reação; será que eles achariam que essa atitude era arrogância minha? Tentei parecer assustado, mas não convenci nem a mim.

Ele falava sem parar, me ameaçava e eu não conseguia me concentrar nas palavras. Lembrei-me das histórias que dois participantes do encontro de Cocos contavam; histórias de seus antepassados, de uma época em que tudo se resolvia à força, em emboscadas como essa. Contaram-me de assassinatos, crimes terríveis cometidos quase sem motivo algum…

Só ouvi o final, quando disseram que eu não entrasse em Mangal[6] se quisesse viver; diziam para eu nem olhar para o lado, para não falar, nem parar o barco. Eu teria que seguir adiante! Eu não poderia falar deles, nem coisa alguma que os identificasse. Falaram e foram embora. Deixaram-me ali, de novo, sem rumo e sem vontade…

Queria andar, mas não conseguia me mover; parecia que eu pesava uma tonelada. Olhei para meu barco, lá em baixo, sob o arbusto, e me pareceu intacto. Eles não iriam destruí-lo se quisessem que eu seguisse adiante, pensei. Segui até ele, entrei.

Soltei o barco e deixei que ele descesse lentamente, sem remar. Passei por umas mulheres lavando roupas… passei por pessoas paradas no barranco; elas falavam, gritavam, mas eu não ouvia nada. O mundo estava em silêncio, mas meus pensamentos gritavam como uma multidão, falando todos de uma só vez.

Não sabia o que fazer. Peguei meu GPS e olhei minha localização, mas não adiantou: não conseguia enxergar nada! Pensei em mandar um sinal do SPOT, mas tive receio de mostrá-lo às pessoas que olhavam incrédulas para mim, em meu barco, passando por eles como se os ignorasse. Na verdade, eu os via como bonecos sem vida, como eu… um zumbi descendo o rio sem destino, sem propósitos, sem vontade.

Definitivamente, eu não iria parar ali; quando o sangue voltou ao meu cérebro, comecei a remar forte, tentando me afastar rapidamente dali. De alguma forma, aquelas pessoas representavam tudo o que eu desejava esquecer, ignorar, fugir delas. Assaltava-me uma sensação de que eu traíra aquele povo, indo sem explicações.

Nada podia fazer… parei em uma praia e acampei sem saber como montara a barraca. Nem me lembro dessa praia… nada ficou em minha memória sobre esse período… não conseguia dormir. Lembrei-me do pobre jegue castrado e pensei que poderia ter sido eu. Descobri que não sei lidar com essa situação e que não estou preparado para morrer… não dessa maneira! Quero terminar minha viagem, meu trabalho!

Decidi evitar o encontro com novas comunidades, pelo menos nessa região! Depois de Sobradinho vou pensar em como prosseguir. Preciso contar tudo isso ao pessoal da CPT, lá de Bom Jesus da Lapa; preciso de alguém que me ajude a pensar!


[1]    Mandi – pequeno peixe consumido frito ou usado como isca para peixes maiores, como o dourado

[2]    Mandala (मण्डल) é a palavra sânscrita que significa círculo, uma representação geométrica, de simetria perfeita, da dinâmica relação entre o homem e o cosmo. As mandalas de plantações lembram essas figuras esotéricas.

[5]    Fracos e oprimidos – expressão muito comum nos Livros Sagrados, demonstrando a eterna disparidade de força e de poder entre os dominadores, seja qual for a cultura e a época, e os dominados, que a eles se submetem

[6]    Mangal / Barro Vermelho – nome de uma comunidade quilombola dessa região onde a terra dos barrancos é vermelha

Algum lugar próximo a Paratinga

Chove Torrencialmente! 26/10/2009 – 04h53

Toda vez que enfrento uma tempestade estou em uma área de risco! Isso devido à minha comodidade e imprudência. Quando parei de remar ontem queria mesmo é descansar e me refazer do susto causado pela ameaça sofrida em Mangal.

Mas o prenúncio da tempestade iminente estava no horizonte: rio abaixo, na altura de Paratinga, onde as nuvens e os relâmpagos anunciavam presença. Mesmo assim montei minha barraca a poucos metros do rio, em terreno quase plano, uma praia de areia, em uma ilha, que aqui chamam de “coroa” (e pronunciam “croa”).

A chuva chegou às 03h00, com força máxima e permaneceu intensa por mais de uma hora. O problema, no entanto, não é aqui, pois essa água engrossará o rio mais abaixo. O meu risco vem da montante do rio. Pode nem estar chovendo aqui e o rio trazer uma inundação!

Ainda estou muito tenso com essa possibilidade, pois não existe um “plano B” desta vez, a não ser jogar tudo dentro da canoa e sair puxando praia acima até que não haja mais praia; e então só restaria mesmo navegar, sob risco ainda maior, pois as águas trazem consigo todo tipo de entulho, inclusive troncos e árvores.

Amanhece mesmo assim. A luz do dia penetra nas frestas da barraca, coberta completamente com a lona da outra barraca avariada. Pelo menos, até agora, estou seco e aquecido. Ouço o barulho de um motor de barco passando, mas não sei como está o rio, pois não tenho nenhuma visibilidade do exterior da barraca.

Quem sairia de barco com esse tempo? E se o rio estiver subindo e o pescador acampado ao meu lado tiver abandonado o seu barraco? E se forem os capangas que vieram me observar para saber se não estou descumprindo a ordem de não parar em comunidades? Será que por aqui tem alguma comunidade?

As surpresas são muitas nessas viagens de aventura, pois vejo que nada conheço deste rio, de seu clima e ciclos sazonais, de seu povo, seus costumes… sou um novato e inexperiente!

Tenho mesmo que me apressar rio abaixo, tentando chegar o mais rápido possível a Barra e, depois, a Xique-Xique. Preciso sair logo dessa região onde a influência do lago de Sobradinho sobre o clima e o comportamento do rio gera muitos imprevistos.

Na verdade, quero mesmo encurtar meu tempo no rio, buscando apenas a essência de cada lugar, e deixando a vivência para outros projetos, não o meu. Já me arrisquei demais, me comprometi demais com problemas que não me dizem respeito.

Provavelmente, quando terminar minha expedição, essas pessoas com as quais convivi por esse tempo que, para mim, foi muito e, para eles, apenas uma passagem irrelevante, essas pessoas terão se esquecido de mim e nada significarei para elas… até mesmo minhas mensagens serão esquecidas e todos voltarão à sua rotina.

Ainda sem destino…

Saí daquela praia e remei forte, correndo contra o tempo, pois sabia que as chuvas não tinham se acabado. Falei com o Juliano, que estava em Paratinga, e contei-lhe em essência o que tinha acontecido; ele me disse que as pessoas que estavam no barranco, em Mangal, ficaram sem entender meu comportamento.

Ele participara de um encontro e resolveu me esperar para conversarmos com mais calma. Precisávamos entender o que houve e tentar descobrir as causas da ameaça, para ir atrás dos prováveis suspeitos de cometer esse tipo de violência.

Mas o tempo novamente não me deixou chegar a Paratinga; fui alcançado pela tempestade e parei em outra praia, armei a barraca bem longe do rio, desta vez, e permaneci por lá enquanto a chuva caía intensamente sobre o rio. Desta vez fiquei tranquilo porque tive tempo para escolher o local e fixar bem a barraca.

Não sei que horas são, pois meus celulares ficaram sem bateria de tanto falar com o Juliano, e não sei onde deixei o relógio; deve estar na canoa, mas com esse tempo prefiro ficar sem saber as horas. Não pude fazer o jantar e, pelo terceiro dia, só comi castanhas e tomei leite com chocolate. Água ainda tenho.

Paratinga, tema recorrente, 29/10/2009 – 06h28

Cheguei a Paratinga no dia 27 de outubro. Juliano e Gutinho me esperavam no porto. É um lugar meio estranho, com um grande edifício reformado acima de uma longa escadaria que vai até a margem do rio. Nas proximidades existe muita areia e é difícil navegar em linha reta. Errei o caminho e fiquei preso em um banco de areia, mas consegui me desvencilhar e corrigir o erro.

Estavam os dois ansiosos desde o dia anterior, pois não dei mais notícia e meus celulares estavam desligados. Nessas situações a imaginação constrói estórias, geralmente com desfechos trágicos, muito distantes da realidade. O fato é que não fui mais importunado.

Conseguiram uma carroça que levou a canoa e minhas tralhas para uma pensão simples no centro da cidade. Para mim estava ótimo, e poderia descansar e comer bastante, tomar um banho de chuveiro e sabonete, e conversar com pessoas amigas; é disso que preciso.

Assim que me acomodei, ligamos para Bom Jesus da Lapa e conversei com o Samuel e a Marilene. Eles decidiram vir até Paratinga e os esperamos para o almoço. Conversamos muito, vieram muitas alternativas de motivações e de suspeitos, mas não chegamos a nenhuma conclusão. Decidi não entrar em outras comunidades e seguir direto para Barra; só passaria por Passagem, na frente de Ibotirama, para acompanhamento e controle de meus amigos.

Combinamos que eu enviaria dois sinais de Spot por dia; um ao meio-dia e outro à noite. Incluiria o Samuel na lista de receptores do sinal para que pudesse me monitorar.

Almoçamos na pensão e eles voltaram todos para Lapa. Gutinho ficou responsável por me acompanhar na cidade e me dar todo apoio de que necessitasse. Visitei sua família, que me recebeu com todo carinho. Sua mãe disse que faria orações diárias para que eu chegasse bem ao final de minha jornada. Senti-me protegido e feliz.

Estou aprisionado pelo tempo. Choveu todos esses dias e, esta noite foi um temporal que desabou sobre Paratinga. Era tanta água que eu tive que mudar a cama de lugar várias vezes. A pensão ocupa uma casa antiga, com mais de cem anos, sem forro e um telhado todo esburacado. Durante o dia dá para ver o céu pelas frestas das telhas… acordei cedo, ou melhor, quase não dormi.

Estou preocupado com minha situação, pois não pretendia ficar tanto tempo em Paratinga. O tempo passa lentamente e leva consigo minha disposição para dar prosseguimento à viagem. Preciso ir embora!

As informações sobre a travessia de Sobradinho são contraditórias: uns dizem que é possível navegar bem próximo à margem direita em todo percurso; outros dizem que mesmo o trecho entre Barra e Xique-Xique é difícil; existe um lugar chamada Mocambo do Vento (ou algo parecido) onde é muito difícil passar.

E assim fico por aqui, gastando o que não tenho, sem nada para fazer, com um futuro incerto pois a temporada de chuvas está para começar e prosseguirá até fevereiro.

Hoje apareceu uma aranha caranguejeira[1] na sala da pensão; acordei com a algazarra do pessoal tentando matá-la. Acabaram colocando fogo na pobre coitada; tinha o tamanho de minha mão e veio se abrigar da chuva. Disseram-me que é comum esse tipo de “caranguejo peludo”, que entra nas casas na época das chuvas.

Segundo comentam, existem muitos jacarés, de até três metros de comprimento, nas margens do rio e em toda extensão do lago de Sobradinho. Eu não vi nenhum, assim como onças e outros bichos exóticos, como o Nêgo D’água, um misto de gente e de surubim!

Contam que é um ser baixinho e forte, com as costelas nas costas e a coluna vertebral no peito, o corpo coberto de escamas, e cuja diversão seria apavorar os pescadores, virando suas canoas para atormentá-los. Curioso é que muita gente acredita nessas lendas como se fossem reais! Um hóspede da pensão chegou a me dizer que se a avó dele contou, é porque era verdade! Interessante é que todos falam dessas lendas com um certo medo, como se, embora inverossímil, devessem ser tratadas com o devido respeito. Afinal, foram seus antepassados que lhes contaram, e eles nunca mentiriam!

Fiquei por aqui, mas não pude visitar as grutas onde existem pinturas rupestres, além de outra manifestação artística ancestral, espécie de figuras em baixo-relevo, esculpidas nas rochas. O local é bem distante e só pode ser atingido a pé, a cavalo, de motocicleta ou em veículo traçado 4×4. Com esse tempo instável não há possibilidade de chegar até lá.

Assim, não visitei Peruaçu, nem Pains, nem Bambuí nem as grutas de Paratinga. Terei que retornar um dia só para conhecer esses lugares fantásticos, plenos de sinais de nossos antepassados, desconhecidos da maioria dos brasileiros.

Há um consenso entre os ribeirinhos que o mangue, o calumbi e o capim d’água seriam as espécies nativas mais indicadas para contenção dos barrancos e para iniciar um projeto de reflorestamento das matas ciliares.

Digo isso porque tive tempo de sobra para conversar com os moradores de Paratinga acerca das condições do rio. Comentei que existem quilômetros de barrancos completamente despojados de sua veste de matas, ruindo dia e noite sobre o rio, e provocando seu assoreamento.


[1]    A tarântula ou caranguejeira é uma aranha da família Theraphosidae que se caracteriza por ter patas longas com duas garras na ponta, e corpo revestido de pelos. (Wikipédia)

A 13 km de Ibotirama, 29/10/2009 – 17h12

Sul: 12º 14′ 55” – Oeste: 43º 16′ 01” – Altitude: 441 metros

Remei cerca de 50 km até as 15 horas, mas não deu para chegar a Ibotirama; fui pego pela tempestade e quase não deu tempo de me proteger. O temporal se avistava no horizonte e vinha rápido; era uma “parede” escura que chegava até o rio, os trovões e relâmpagos se sucedendo; dava para calcular a distância pelo tempo decorrido entre o faiscar dos relâmpagos e o estrondo dos trovões.

À distância percebi uma areia branca em uma ilha grande, bem no meio do rio. Remei rápido e intensamente! Quando cheguei à ilha, mal dava tempo de montar a barraca, e tinha que ser no alto de uma pequena elevação, longe da margem, para fugir do rio que, certamente, subiria mais um pouco, como vem ocorrendo todos os dias. É o prenúncio da temporada de chuvas.

Carreguei a canoa e as tralhas por uns 150 metros. Acho que nunca eu havia montado acampamento tão depressa. E foi bem a tempo! Um vendaval parecia querer levar tudo pelos ares, mas eu havia reforçado os specs em todos os cantos da barraca e amarrado as sacolas nas laterais, segurando o pano, o que foi providencial.

Ainda tive tempo de tirar umas fotos, já sob chuva fraca e um vento muito forte, só para documentar o cenário!

Meu atraso em Bom Jesus da Lapa foi crítico para o projeto. Mesmo tendo a margem de tempo devida ao cancelamento da visita ao parque de Peruaçu, todo cronograma fora afetado. Além disso, tantas visitas a comunidades não eram previstas e isso também agravou minha situação. Agora preciso agilizar minhas paradas para chegar a Xique-Xique antes de quinta-feira, sob o risco de ficar uma semana à espera de uma embarcação.

Na verdade, todo projeto foi comprometido com a parada de três meses em Três Marias. Com isso perdi a melhor época para navegação pelo São Francisco e todo planejamento foi prejudicado pela mudança de época. Agora estou no início da temporada de chuvas, que se estende até fevereiro ou março, e vou conviver diariamente com essa situação. Paciência…

São 17h30 e a chuva está mais branda, mas não vou me arriscar a enfrentar o rio à noite. Amanhã, se amanhecer com bom tempo, sigo em direção a Morpará. Não conseguirei chegar lá em um dia, pois são quase 100 km, e terei que parar em Boa Vista do Pixaim, uma comunidade quilombola. Resolvi voltar a visitar as comunidades… não faz sentido ceder às ameaças, comprometendo os objetivos da expedição. Além disso, se eles tivessem a intenção de me matar, já teriam feito isso em qualquer uma das duas oportunidades que tiveram. Queriam apenas me intimidar, e naquela região!

Dia 31 de outubro devo chegar a Morpará, indo para Barra no dia seguinte, onde pretendo me encontrar com Frei Luiz Cappio. Meu cronograma não está tão comprometido como eu pensava… é só o tempo colaborar e me dar algumas horas a mais por dia, para remar.

Boa Vista do Pixaim, 30/10/2009 – 18h57

Sul: 12º 02′ 02” – Oeste: 43º 20′ 17” – Altitude: 425 metros

Interessante observar as altitudes à medida que evoluo pelo rio. Aparentemente, o rio sobe e desce e as medidas foram tomadas pelo meu GPS com um grau de incerteza de +/- 3 metros. Deveria só descer! Como o rio sobe? Ainda que esteja errada a medição, minha tese é que o rio se movimenta mais pela pressão da água que vem de trás do que pela declividade do terreno; sendo assim, até pode haver algum trecho em que haja discretas elevações do terreno, causando ondas também discretas, contra o sentido natural de descida do rio.

Eu me levantei cedo, mas a neblina cobria o rio e minhas tralhas estavam enlameadas, assim como o barco. Saí às 07h40 e às nove já estava em Ibotirama, só que na margem esquerda, onde fica um pequeno povoado de nome “Passagem”. Parei o barco e liguei para a Associação dos Pescadores. Jailson, um dos diretores, foi me buscar na beira do rio. Deixei o barco na margem e fomos para a sede da Associação. Conversamos bastante e conheci também o presidente, que não me deu nenhuma atenção e ficou o tempo todo em sua sala, ao telefone, como qualquer político (ele é vereador).

Parti às dez horas com destino a Boa Vista do Pixaim. O rio estava agitado com o vento, causando “maretas”, as marolas do rio, e minhas remadas eram exaustivas e rendiam quase nada; além das maretas, o vento também segurava o barco. Eu tinha que ir bem rente à margem, quase me enroscando na vegetação, para poder progredir um pouco. O céu mostrava seu arsenal de nuvens e meu receio era encontrar a tempestade sem estar protegido.

A minha previsão era chegar entre três e quatro da tarde, mas eu não sabia a distância exata, pois o GPS dá a distância em linha reta, desconsiderando as curvas do rio. Aqui, os ribeirinhos calculam as distâncias em léguas (1 légua = 6 km), o que aumenta a incerteza das medições.

Eu teria que permanecer na margem esquerda do rio, embora nas ilhas houvesse excelentes locais de pernoite. Mas era cedo e a chuva ainda iria demorar para se formar. Cheguei em um pequeno porto, isolado do rio por uma vegetação ainda incipientes, ilhotas em formação e aguapés à margem do rio. O vento me impelia sobre os aguapés quando, de repente, um peixe saltou para dentro de minha canoa! Não sabia se cuidava do peixe, para jogá-lo de volta ao rio, ou se manobrava a canoa para não encalhar nos aguapés; por fim, consegui fazer ambos.

O vento estava insuportável e eu não sabia o que fazer; percebi adiante um pequeno grupo de pescadores em um canal, no meio dos aguapés e manobrei a canoa em sua direção. Perguntei a eles sobre o caminho para Boa Vista do Pixaim e me disseram que eu já estava quase lá, que deveria voltar para o rio, contornar a margem e parar.

Fiz o que me disseram e voltei para a ventania e as ondas; mas o que vi logo depois foi um enorme pasto, as terras ressequidas do pisoteamento constante do gado, e algumas casas muito distantes da margem. Desci do barco e andei um pouco acima no barranco, mas não poderia ser por esse caminho. O jeito foi continuar…

Voltei ao barco mais uma vez e comecei a descer o rio quando uma enorme chata passou por mim, subindo o rio lentamente. Devia ter uns 200 metros de extensão e era empurrada por um pequeno rebocador com um motor poderoso! Como essa balsa não atolava no rio? Parei para fotografar e o fiz com muita dificuldade, pois o vento me arremessava em direção ao barranco sempre que parava de remar; mas não podia deixar de registrar isso!

Segui meu curso e, logo após, um lugar que parecia uma miragem, de tão bonito! Era uma praia em formato de uma enseada, com vegetação rasteira isolando essa água quase azul de tão cristalina, duas crianças tentando tirar um barco de madeira encalhado e um pescador. Entrei por uma passagem tão estreita quanto a largura do barco, e entrei na lagoa azul; desci do barco pela terceira vez e perguntei a ele como faria para chegar à aldeia. O rapaz me disse que logo adiante já seria Boa Vista do Pixaim.

Senti muita vontade de ficar por ali, acampar e curtir aquela praia belíssima, tomar uns banhos… mas precisava prosseguir. Logo depois dessa praia havia uma sucessão de pequenos portos no barranco alto que se seguia. Parei em cada um deles onde havia barcos ancorados, subi o barranco, mas só o que via era um imenso terreno semialagado, às vezes com gado e uma trilha quase abandonada que se perdia no matagal.

O barranco já estava terminando quando decidi procurar alguém. Deixei a canoa, com um certo receio, e caminhei pela trilha longa e sinuosa. Depois de algum tempo encontrei dos rapazes, que me olhavam desconfiados. Perguntei-lhes sobre a comunidade e mencionei o nome do líder local. Meio ressabiados, me disseram para seguir adiante que eu encontraria o povoado. E assim foi.

Segui a trilha até a aldeia e, finalmente, encontrei Ivonaldo! Apresentei-me e fui bem recebido; logo ele providenciou um carro para buscar meu barco e as tralhas. Aléssio levou-me até outro porto, mais abaixo, onde havia até uma rampa de terra, bem mais acessível.

Deixei-o lá e fui beirando o barranco, acompanhado de várias crianças, procurar o porto onde deixara o barco. Levei-o pelo rio e o colocamos na Veraneio.

Desta vez deu tudo certo e fui alojado em uma casinha vazia ao lado da residência de Aléssio. O banheiro ficava no terreno ao fundo e era compartilhado com a família dele. Enquanto eu me lavava, Aléssio convocou a comunidade para uma palestra. Chegaram umas 50 pessoas, mesmo com a possibilidade de chuva.

Falei bastante sobre os problemas do rio, enfatizando o papel dos pescadores e lavradores na preservação da Natureza; discorri sobre a poluição, o desmatamento, as barragens, tomando o cuidado para explicar tudo em linguagem simples e objetiva, sem ofendê-los, pois sabia que eles também contribuíam para a devastação do rio.

À frente do barracão onde falávamos, um pequeno riacho de esgoto desfilava entre as casas; parecia uma praça, mas havia porcos, galinhas e cabras soltas entre crianças e adultos; ao fundo, um lixão preenchia as margens de uma lagoa de água de chuva, bem diante das casas… famílias enormes, com seis a doze filhos eram comuns!

Sempre tive consciência das dificuldades de minha missão quase impossível de conscientizar pessoas para quem os problemas imediatos de sobrevivência eram avassaladores e bloqueavam seu entendimento de questões subjetivas, como a preservação ambiental.

Não sei se agradei, mas disse o que pensava, critiquei empresários, fazendeiros e políticos, mas não consegui aplausos. Entraram mudos, saíram calados! Papel ingrato o de um ambientalista messiânico!

Introduzi a questão do defeso[1], da piracema, que paralisa a pesca de novembro a fevereiro, todos os anos, para que a população dos peixes possa se recuperar, e os pescadores, vivendo do seguro desemprego, possam se preparar para nova temporada de pesca.

Até parece uma boa solução, mas além de não ser rigorosamente cumprida, eles alegam que várias espécies desovam antes, em setembro, e ficam de “resguardo” desde agosto. Resguardo é a época em que as ovas se formam dentro das fêmeas; capturá-las nesse estado é tão daninho e pernicioso quanto no período da desova.

Os pescadores de Pixaim querem desenvolver os viveiros de tilápias na sua lagoa, como o fazem os pescadores de Piranhas. É uma solução de produtividade, mas que descaracteriza a produção local, além do enorme risco, quase incontrolável, de contaminar os rios com mais uma espécie exógena, como ocorreu com o tucunaré.

Infelizmente, não há solução satisfatória e sem contraindicações para tantas intervenções humanas! Primeiro, a agressão maior, da construção dos reservatórios e barragens; depois, o desmatamento sem controle, chegando à extinção da mata ciliar em grande parte das margens do rio e de seus afluentes; e, finalmente, a contaminação das águas pelos esgotos domésticos, resíduos industriais e agrotóxicos!

Sem uma política voltada primordialmente para o meio ambiente e não para o agronegócio, não há solução satisfatória, e o desfecho final já pode ser escrito. O que as gerações futuras farão de um mundo devastado e em extinção não se pode conceber. Afinal, caminhamos a passos largos para o ponto sem retorno na destruição da maioria de nossos ecossistemas.

Mentir para nós mesmos dizendo que o desmatamento está controlado, e que hoje se desmata menos do que no passado, é afirmar que somos idiotas, e que apenas estamos adiando o prazo do “juízo final”! Precisamos admitir publicamente que uma poderosa minoria, uma “elite” ou tropa de choque ruralista decidiu, por todos nós, que o desenvolvimento do agronegócio é a “redenção da fome” e de todos os males na face da Terra! Quem acredita nisso?


[1]    Defeso – ação do governo que determina a paralisação das atividades pesqueiras profissionais com tarrafa e redes, para que a população de peixes possa se recuperar. Coincide com o período da piracema, a subida de rio dos peixes migratórios, para desova. Para compensá-los, o governo lhes paga cinco meses de um salário-desemprego.

Imobilizado pelo clima, 31/10/2009 – 07h21

Choveu forte nessa madrugada! Por mais de duas horas a fúria da tempestade atingiu Boa Vista do Pixaim, alagando os baixios. Amanheceu sob intenso nevoeiro, que se prolongava no horizonte e se mantinha estacionário sobre as serras das cercanias.

Aléssio alertou-me sobre os riscos de prosseguir viagem sob essas nuvens carregadas, pois a precipitação das águas pode ser iminente, e eu ser pego em locais de difícil proteção. O perigo está nas ventanias seguidas de chuva intensa, comuns nessa época do ano. Segundo ele, essas condições podem permanecer por muitos dias, dificultando a navegação.

Estou constrangido, pois esse povo é pobre, vive em condições precárias e estou consumindo recursos que podem faltar à sua família. Se tiver que permanecer aqui por mais alguns dias pretendo contribuir para as despesas, sem ofender a hospitalidade e a generosidade de Aléssio. O interessante é que aquilo que para nós, vivendo em grandes centros urbanos, são situações difíceis de se lidar, para essas pessoas humildes se resolve facilmente.

Estou em uma pequena casa, vizinha à de Aléssio, para onde ele puxou um fio e instalou uma lâmpada. A casa possui dois sofás na sala e um colchão colocado no quarto, além de armários na cozinha e no quarto. O banheiro fica no quintal e é compartilhado pelas duas casas. Como de hábito, a água é fria no chuveiro.

Dentro da casa não tem água. Como em todas as comunidades, a água é retirada do rio, sem tratamento, e guardada em caixas; neste caso eles consomem água filtrada para beber, apenas. Muitas comunidades usam a água do rio sem filtrar ou ferver.

Quase todas as casas só possuem reboco e pintura nas fachadas. E ainda existem muitas casas de taipa[1] onde a incidência do barbeiro transmissor da doença de Chagas é notória e consta das estatísticas.

A comunidade obteve a certificação de reconhecimento de quilombola e sua área foi demarcada por cercas que a isolam em todo perímetro, exceto os acessos à estrada e ao rio. Originalmente, havia dois núcleos habitados: o atual e outro às margens da lagoa. Com a certificação, os quilombolas foram obrigados a optar por um deles.

Hoje residem mais de 300 famílias e é comum, como em todo sertão baiano, famílias numerosas, com seis a até doze filhos! A atividade econômica predominante é a pesca, e um comércio incipiente de pequenas vendas e bares. Não há lavoura, e muitas áreas baixas são permanentemente alagadas, e tornaram-se depósitos de lixo. Quase todas as ruas são irregulares e de terra; não há um traçado urbano e as casas não obedecem a nenhuma orientação lógica de alinhamento ao meio-fio. Isso dificulta o trânsito de veículos, quase inexistentes, dentro da comunidade.

Há apenas uma escola de ensino fundamental, pois o ensino médio foi desativado, possivelmente por falta de professores e de alunos. Os jovens não são estimulados a estudar, pois não há empregos, seja nas comunidades, seja nas cidades de toda região, para onde afluem pessoas em busca de oportunidades.

Só existe policiamento nas cidades, e quando são chamados nas comunidades, demoram para chegar e não investigam. Existe uma polícia truculenta que atua no interior do oeste baiano, e é conhecida como “polícia do cerrado” ou “polícia da caatinga”. Atuam geralmente à noite, espancam e matam sem respeitar qualquer lei.

As prefeituras, quase sempre muito pobres e vivendo apenas de recursos do Fundo de Participação dos Municípios e dos salários de aposentados e pensionistas, não investem nesses povoados,  nas estradas de acesso a eles, quase sempre muito precárias.

Assim, as promessas do “programa de aceleração do crescimento” se evidenciam apenas nas placas de obras nas cidades. Essas obras foram agrupadas sem nenhum critério de planejamento integrado, com pretensões eleitoreiras. Não há tratamento de esgotos, que estão sendo apenas canalizados para o rio sob a denominação de “esgotamento sanitário”. Muitas dessas obras já existiam e estavam paradas e hoje as placas demonstram que seus prazos estão vencidos, enquanto que o material comprado apodrece ao lado das obras.

Não há projetos ou obras de contenção de barrancos degradados; não há investimento em viveiros de mudas ou de pássaros para recuperação das matas e de seu repovoamento. A única evidência de peixamentos são os viveiros de tilápias nos engradados…

As lagoas de reprodução natural, via de regra não são protegidas nem fiscalizadas. Aliás, não existem fiscais do Ibama ou de qualquer outro órgão federal responsável pela conservação do meio ambiente; nos 1.500 km já percorridos desde Vargem Bonita, só encontrei um barco de fiscalização, pouco interessado em quais e como os peixes foram capturados por pescadores.

Próximo da comunidade de Juá, 31/10/2009 – 17h57

Sul: 11º 42′ 06” – Oeste: 43º 22′ 33” – Altitude: 410 metros

Consegui sair de Boa Vista do Pixaim às 08h30, quando o céu se abriu um pouco. Aléssio me ajudou com o barco e as tralhas, levando-me de volta ao ponto de desembarque. Levarei gratas lembranças dessa família simples, solidária e admirável! Fico me perguntando como essas pessoas são generosas tendo tão pouco para oferecer sob o ponto de vista material… no entanto, nem se importam que somos estranhos, que estamos incomodando, invadindo sua privacidade, consumindo seus poucos recursos!

Não tinha expectativa de chegar a Morpará, a princípio, porque estava saindo tarde e seriam cerca de 55 quilômetros de remo, com o tempo instável e risco de novas tempestades. No entanto, ao longo do dia, o sol se abriu e fiquei entusiasmado. Ao meio-dia eu já esperava atingir Morpará às 17 horas, e remei com um bom ritmo. Porém, aqui o tempo muda em poucas horas e às três da tarde eu já procurava abrigo, pois o céu se fechou à minha frente, enquanto raios e trovoadas sinalizavam a chegada do temporal.

Encontrei um excelente local, abrigado do vento, em uma praia limpa e protegida, com várias opções de acampamento, a 20 quilômetros de Morpará. Optei por um lugar conservador, mais de dois metros acima do nível do rio, por excesso de precaução.

Apesar de parecer iminente, a chuva só chegou às 17 horas e pude aproveitar a praia, tomar um banho completo e arrumar a barraca de forma segura. Ventou muito e choveu pouco. Em menos de uma hora só restou uma chuva fina… porém, pela noite passada, pode chover forte durante a madrugada.

Amanhã começa o período oficial do defeso e da piracema, com as ressalvas feitas anteriormente. E os pescadores passam a viver apenas do seguro desemprego, do programa “bolsa família” e das pensões dos aposentados, além do cultivo de lavoura e criação de animais em suas propriedades. Alguns também trabalham no comércio, tendo pequenas “vendas” em suas casas.

Em lugar do seguro desemprego, que é conceitualmente paternalista e até humilhante para os trabalhadores, o governo deveria pensar em ações mais efetivas, como o treinamento técnico dessas pessoas para atividades de pesca e também na lavoura e até na qualificação educacional. Muitos pescadores são analfabetos e poderiam utilizar esse período de quatro meses para se preparar e a seus filhos para uma vida melhor.

Também poderiam orientar a população a cuidar melhor de sua terra, não jogando lixo no rio, não despejando esgoto pelas ruas, fazendo campanhas de planejamento familiar e fornecendo os meios para que isso se concretize. Enfim, são muitas as ações que poderiam, efetivamente, mudar o perfil de miséria desse povo.

Se o “bolsa família” e o seguro desemprego ajudaram a dar condições mínimas de subsistência, não mudaram mentalidades. E somente ações de longo prazo poderiam trazer essa população de volta para a realidade contemporânea, saindo do século XIX.

Muitas atividades em mutirão poderiam transformar a paisagem de abandono em que se encontra grande parte de nosso povo. Equipes, como aquelas do antigo e esquecido “Projeto Rondon”, com especialistas multidisciplinares, poderiam percorrer essas comunidades ensinando noções básicas de higiene, prevenção de moléstias, controle da natalidade, preservação ambiental, etc.

O custo social da pobreza é muito maior que qualquer investimento para sua erradicação. Existem técnicas de construção de baixo custo que poderiam ser ensinadas aos líderes comunitários e replicadas a toda população. Uma delas é a Permacultura, que compreende uma série de tecnologias acessíveis e baratas para a construção de moradias, tratamento de dejetos, construção de reservatórios de águas pluviais, plantio, irrigação e fertilização sem produtos químicos, proteção do solo…

Existem organizações não governamentais que replicam esse conhecimento e poderiam ser encarregadas de estabelecer novos núcleos de Permacultura em todas as regiões pobres do país. Com certeza, o custo desses projetos seria bem menor que o da malfadada transposição das águas do São Francisco, e com impactos ambientais positivos, uma vez que são ecológicos!

A criação de animais é um capítulo à parte nesses povoados: patos, galinhas, cães, gatos, porcos, cabras, galinhas d’Angola vivem soltos pelas ruas, fuçando no lixo, bebendo água dos esgotos urbanos e convivendo com as crianças e adultos.

As noções de higiene são precaríssimas! Além da água do rio não ser tratada, muitas casas despejam água servida e esgotos no quintal e nas ruas, contribuindo para aumentar a sujeira e o desmazelo. Sujeira atrai sujeira, e quem não cuida também não se importa em viver nesse ambiente fétido e contaminado.

A tradição de lavar roupas e utensílios domésticos no rio continua uma prática e um folclore regionais. Muitas casas nem possuem água encanada e o banheiro fica em uma fossa atrás das casas.

Assim como as paredes são de barro ou não têm reboco, o piso é de barro ou de cimento, acumulando sujeira e dificultando a limpeza. A presença de todo tipo de insetos, e até sapos e rãs dentro das casas também é muito comum nas cidades e aldeias.

Não existe o hábito de consumo de vegetais crus; apenas a alimentação comum de todo sertão: arroz, feijão, macarrão, abóbora, farinha de mandioca e uma “mistura”[2]. Em todo percurso que fiz, sempre recebi com gratidão os pratos de alimentos que me ofereceram, e não tenho nenhuma restrição em comer alimentos simples, pois eles são feitos com boa vontade e oferecidos com carinho para todo e qualquer visitante que acolhem em suas casas. Minhas considerações são feitas em função da necessidade de melhorar as condições de nutrição dessas famílias e reduzir a mortalidade infantil e as doenças.

Todos acordam muito cedo, antes mesmo do sol aparecer, aos seus primeiros sinais de luminosidade e com o despertar dos animais. Muitas casas, mesmo as de pau-a-pique, usam antenas parabólicas e têm acesso a dezenas de canais de televisão. Essa é uma contradição e uma ofensa a essas populações pobres, pois os programas “globais” costumar valorizar a riqueza excessiva como um bem maior da humanidade e um mérito extremo a ser conquistado pelos afortunados pelo destino! Uma crueldade!

Nenhuma cidade ou povoado possui vida cultural expressiva: não há cinemas ou teatros, as bibliotecas são precárias, muito pouco diversificadas e vivem “às moscas”, a música é de má qualidade, de um gosto duvidoso e sempre valorizando o sexo e a esperteza.

Enfim, uma sociedade que não estimula o desenvolvimento e a emancipação de seu  povo, mantendo todos os habitantes à margem das conquistas tecnológicas, culturais e profissionais. Uma segregação social implícita!


[1]  A técnica da construção de casas de taipa (ou taipa de mão), também conhecida como pau-a-pique, barro armado, taipa de sopapo ou taipa de sebe, consiste em armar uma estrutura de ripas de madeira ou bambu com uma mistura de barro. É uma técnica simples de construção, muitas vezes tratada com preconceito pela aparência rústica e pelo problema de hospedagem do besouro que transmite a doença de chagas. Foi trazida pelos portugueses e é muito utilizada no meio rural, no sertão central, no oeste baiano e em todo interior nordestino.

[2]  O povo ribeirinho chama de mistura as carnes de boi, de porco, de galinha e até mesmo os peixes.

Comunidade Quilombola de Torrinha, 01/11/2009 – 18h10

Sul: 11º 25′ 47” – Oeste: 43º 14′ 45” – Altitude: 402 metros

A chuva foi fraca e terminou cedo. Acabei dormindo bastante e acordei às 05h30. O local foi excelente, sem nada para atrapalhar o meu descanso. Enfim, uma ótima escolha! Interessante observar que nessa longa jornada tive muita sorte na escolha dos locais de acampamento, e isso aconteceu naturalmente, sem procurar muito, sem fazer exigências ou esperar demais de cada local… apenas intuição e confiança!

Coloquei meu barco na água às 07h00 e não havia sinais de chuva no horizonte. Às dez horas já chegava a Morpará, uma cidadezinha simpática incrustada no sopé de um morro arredondado, e com um belo porto gramado à sua frente! Finalmente uma cidade voltada para o rio! Gosto muito disso!

Apesar da vontade de conhecê-la, meu objetivo é o de chegar a Barra amanhã; por isso, e por economia, segui minha viagem. Uns dez quilômetros adiante, uma montanha de rocha exposta e um velho casarão chamaram minha atenção e me induziram a atravessar o rio. Parecia um hotel fazenda e imaginei fazer uma boa refeição naquele lugar; afinal, estava sem comer há dois dias!

Quando me aproximei da margem do rio reparei a chegada de uma comitiva de pessoas e, à sua frente, Juarez, o presidente da associação dos moradores. Eu estava em Torrinha, uma comunidade quilombola que fazia parte de meu roteiro original.

Desci do barco, cumprimentei a todos e fui levado para um restaurante à beira-rio. Era uma casa grande, toda avarandada, onde me prepararam uma refeição, enquanto conversávamos e tomávamos uma cerveja bem gelada, que desceu deliciosa pela minha garganta! Juarez me disse que me esperavam desde o dia 29 de outubro! E ficaram se revezando na margem do rio para me recepcionar! Disse também que havia uma grande expectativa na comunidade pela minha vinda. Queriam que eu pernoitasse em Torrinha mas, apesar da acolhida, não posso comprometer meus planos; preciso chegar em Barra e seguir para Xique-Xique.

Mesmo assim, confirmei minha palestra e uma visita à comunidade antes de partir. Saímos logo após o almoço e visitamos dois casarões do século XIX que eram ocupados pelos senhores da fazenda, na época com trabalhadores escravos, certamente antepassados  dos moradores atuais de Torrinha.

Juarez me explicou que a comunidade já foi reconhecida como quilombola, mas ainda não receberam os títulos das terras; por isso, o atual proprietário da fazenda não permite que eles cultivem a terra. Esse é um procedimento que encontrei em todas as terras ainda não regularizadas, mas não compreendo como pode existir uma situação paradoxal como essa, sem a intervenção da lei.

Os casarões estão em situação precária; o primeiro está em ruínas, as madeiras apodrecendo e as paredes se desfazendo; mesmo assim conserva sua imponência e beleza arquitetônica. O segundo, embora bem conservado e com um mobiliário rico, está completamente descaracterizado por uma reforma que modificou grande parte de sua estrutura interna, incluindo uma decoração de gosto duvidoso e peças antigas de valor inestimável.

Fiz várias fotos internas e externas dos casarões e depois seguimos pelas ruas do vilarejo. Muitas casas ainda são de pau-a-pique, algumas já em estado de deterioração e com muitos vãos no barro das paredes, o que pode favorecer a presença de barbeiros transmissores da Doença de Chagas. Juarez fez questão de mostrar cada detalhe da vida na comunidade, sempre convidando moradores a posar para as fotos de modo natural.

Voltamos para o restaurante onde uma plateia atenta de mais de 50 pessoas me aguardava. Eu me apresentei a todos e fiz minha preleção, insistindo muito na responsabilidade ambiental de cada um, relatando as evidências dos maus tratos a que o rio tem sido submetido. Cada palavra que eu disse foi absorvida atentamente por cada morador! É uma satisfação falar para gente assim, simples e compreensiva com um estranho, complacente com alguém que lhes traz boas-novas mas também muitos agravos decorrentes do estado em que se encontra a Natureza.

Fui cumprimentado por todos os moradores, que me desejaram uma boa viagem, e manifestaram grande expectativa pelos resultados de meus esforços em defesa do meio ambiente e das populações ribeirinhas. Por um momento, eu seria o seu porta-voz  nos grandes centros onde as decisões deveriam ser tomadas.

Barra, 06/11/2009 – 05h30

Cheguei a Barra no dia 2 de novembro. O rio se alarga muito à entrada da barra devido ao encontro com seu último afluente perene, o rio Grande. O visual é magnífico, Barra à frente, bem acima do nível do rio, com suas belas construções clássicas de casarões do século XIX, tendo à esquerda o prédio avermelhado do Mercado Municipal e ao centro as torres da Igreja Matriz.

O vento forte e constante dificultou bastante a navegação, e por diversas vezes tive problemas com as “maretas” e com grandes embarcações que passaram por mim sem se preocupar com as ondas, empurrando-me para cima dos barrancos e das ilhotas.

Encostei o barco diante de uma das escadarias que levam à rua da orla, uns dez metros acima na época em que aportei. À minha direita avistei um hotel a poucos metros dali. Não havia ninguém à minha espera e teria que me virar sozinho, como na maioria das vezes. Alguns garotos que brincavam na água se ofereceram para me ajudar e logo aceitei. Eram cinco meninos.

Levamos tudo para o hotel em duas viagens, a segunda só para transportar a canoa. Gratifiquei os garotos em dinheiro, mas havia uma menininha, a quem dei algumas sacolas de macarrão e suco. A recepcionista do hotel, Conceição, me disse que a mãe da menina se prostituiu depois de ser abandonada pelo companheiro. São histórias tristes e muito comuns em regiões pobres.

Eu me instalei, tomei banho, arrumei minhas coisas, lavei algumas roupas e saí à procura de um restaurante, para almoçar. Encontrei o São Francisco, uma casa grande de “self-service”, mas que mantinha o padrão de oferecer arroz, feijão, macarrão, farinha de mandioca, abóbora, carne e uma salada, o que eu mais precisava.

Do restaurante, caminhei pela área central da cidade, em um reconhecimento dos edifícios históricos, que eu depois fotografaria, como a igreja de Bom Jesus, o Mercado, a Prefeitura e o Palácio Episcopal, que fica defronte a uma bela praça com árvores antigas e de troncos retorcidos, além de um coreto!

Por uma feliz casualidade, saía do palácio uma senhora, a quem me apresentei; era a dra. Eloá, dentista que servia ao bispo Dom Cappio desde que ele se instalara em Barra, há muitos anos. Dra. Eloá convidou-me a acompanhá-la; tomamos um sorvete e fomos à casa de uma freira, a Irmã Maria Isabel, diretora do colégio católico; havia um grupo de pessoas, missionários e religiosos, assistindo a uma missa, ministrada por frei Benjamin.

Ao término da missa fui apresentado aos presentes, e seguiu-se um jantar, para o qual também fui convidado, onde conversamos descontraidamente, eu tendo a oportunidade de relatar a viagem. Fiquei impressionado com a receptividade e o carinho com que fui recebido, um estranho que ninguém conhecia nem ouviram falar.

À saída, dra. Eloá convidou-me a me transferir do hotel para as instalações do palácio, falando em nome de Frei Luiz. Disse-me que eu era bem-vindo e frei Luiz gostaria muito de ouvir minhas histórias. Aceitei prontamente a oferta e disse-lhe que me mudaria pela manhã, já que a diária estava paga e precisaria arrumar um transporte, uma carroça… voltei ao hotel em seguida.

Pela manhã, por recomendação de dra. Eloá e indicação da CPT de Bom Jesus da Lapa, procurei o sr. José Bonifácio, espécie de administrador da Casa Paroquial. Ele estava tomando seu café da manhã e mandou-me esperá-lo no palácio. Aguardei por quase duas horas; finalmente, ele apareceu na porta da Casa Paroquial, não me cumprimentou, perguntou o que eu queria; expliquei-lhe minha expedição, a indicação da CPT e de dra. Eloá, e aguardei sua resposta. Depois de alguns constrangidos minutos de silêncio, ele me disse que poderia trazer minha bagagem e a canoa.

Voltei ao hotel, passando antes pela praça do Mercado, onde contratei uma carroça. Depois de acertar minhas contas no hotel, acomodamos tudo na carroça e desfilamos pelo centro da cidade, passando defronte à igreja e atraindo a curiosidade da população. Ao chegar ao palácio, ficamos mais de uma hora esperando que o sr. José Bonifácio terminasse uma ligação telefônica para autorizar a abertura do portão. Por fim, o carroceiro desistiu, e deixou-me com toda bagagem no meio da rua.

Depois de mais esse constrangimento, consegui me instalar em um amplo cômodo com banheiro privativo, dos dormitórios reservados para os encontros das comissões pastorais da igreja. Nos dias 3 e 4 de novembro seria realizada a Assembleia Geral da CPT em Barra, e eu poderia compartilhar meus relatos com um grande número de pessoas vindas de toda região, além de reencontrar Samuel e Djanete, bons amigos de Bom Jesus…

Saí a passeio e fotografei a maioria dos lugares que selecionara na véspera! Era uma cidade bonita, limpa, de pessoas educadas e cultas, um padrão diferente do que estava acostumado a encontrar nas cidades anteriores que visitara. Sempre fui muito bem recebido, em todos os lugares por que passei, mas Barra tem um diferencial de formação histórica que a torna diferente.

Durante muitos anos, Barra foi um centro regional, ponto de convergência de pessoas ilustres da Corte de Portugal, e espécie de entreposto comercial por onde passavam as grandes embarcações que faziam o percurso de Pirapora a Juazeiro, nos bons tempos dos vapores, com seu luxo e beleza. A cidade perdeu sua riqueza, mas não perdeu a pose e a arrogância.

Fui convidado a participar da Assembleia Geral da CPT, onde seria feita uma avaliação das ações realizadas em 2009, algumas das quais eu fiz parte enquanto permaneci na Lapa, e por isso aceitei de imediato, mesmo sabendo que, com isso, minha viagem se atrasaria mais uma semana. Mas eu não poderia ir embora sem conhecer Frei Luiz Cappio, que estava em viagem há dias.

Frei Luiz é admirado e respeitado por toda comunidade religiosa desde Barra até Bom Jesus, pelas suas posições polêmicas em defesa do povo ribeirinho, oprimido e sofrido, injustiçado e perseguido pelas poderosas “elites” de fazendeiros latifundiários. Está há trinta anos nessa região; durante anos não tinha paróquia e fazia suas peregrinações pelos lugares mais perigosos de Xique-Xique, Pilão Arcado, Barra, onde havia muito banditismo.

Foi ameaçado e perseguido, mas acabou sendo nomeado Bispo da Diocese de Barra, onde se encontra há doze anos. Nesse período fez uma grande peregrinação desde a nascente até a foz do rio São Francisco, que durou um ano, tendo se iniciado no dia 3 de outubro de 1992, utilizando todo tipo de transporte, inclusive a pé. Foi sua primeira grande manifestação em defesa do rio!

Depois, em 2005, voltou a protestar, dessa vez em virtude das obras de transposição do rio São Francisco, divulgada intensamente pelo governo federal. Dom Cappio, não conseguindo convencer as autoridades a avaliar outras propostas, entrou em greve de fome na cidade de Cabrobó, onde ficou durante doze dias.

Apesar de não conseguir o seu intento, de paralisar as obras, frei Luiz acatou as recomendações de seus devotos e suspendeu a greve de fome, com o compromisso do governo de atender a suas reivindicações. Mais uma vez não foi atendido e, em 2007, voltou a se retirar para uma capela, desta vez em Sobradinho, para um jejum que durou 22 dias e o levou a um hospital. E novamente não conseguiu demover as autoridades federais, que prosseguem com as obras da transposição, que custarão mais de seis bilhões de reais aos cofres públicos, sem considerar a urgência de um projeto de revitalização do rio São Francisco. Esse é Dom Luiz!

Pela manhã do dia 4 de novembro fotografei todos os edifícios que me interessavam, inclusive o interior da Capela do Palácio, onde existem várias obras de arte sacra de inspiração barroca.

Voltei ao hotel onde deixara algumas roupas para lavar e, para minha surpresa, lá estavam, à minha espera, os garotos que me ajudaram a sair do rio. Eles disseram que queriam me ajudar a transportar de volta ao rio a minha bagagem e não sabiam que eu tinha me transferido para o Palácio Episcopal.

Fui até a igreja matriz para fotografar o seu interior, com um séquito de meninos, chamando a atenção de todos pelas ruas. Ao sair da igreja, convidei os garotos para tomar um sorvete, pois estava muito quente; um rapaz de moto parou na rua e chamou um dos garotos; percebi que ele chamava a atenção do menino, mas não dava para ouvir o que eles falavam. Ao voltar à mesa, perguntei a ele, mas não quis me dizer a razão da “bronca”.

Voltei ao palácio, parando em uma “lan house” para atualizar meu blog e assim terminou o meu dia. Eu tomava café da manhã e almoçava com os padres e com a Irmã Irene, uma senhora de uns oitenta anos, muito simpática e amável, que me tratava como a um filho. Foram dias inesquecíveis, não fosse um contratempo muito desagradável, um mal-entendido que comprometeu, em mim, a imagem dessa cidade e desse povo de forma definitiva.

Depois de participar de todas as atividades na reunião da CPT, à noite o Samuel e a Djanete me chamaram à parte e me disseram que eu estava sendo investigado pelo Conselho Tutelar e pela Polícia Militar por envolvimento em ações de aliciamento de menores e suspeita de pedofilia! Fiquei estupefato! Logo eu???

Protestei veementemente e lhes perguntei se acreditavam naquela barbaridade. Relatei tudo o que de fato aconteceu, a ajuda das crianças, o dinheiro, o sorvete e só… era tudo o que eu sabia. Eles me recomendaram cautela, perguntaram se eu tinha alguma suspeita de quem fizera esta denúncia, e sugeriram que eu procurasse o Conselho Tutelar e a Polícia para esclarecimentos.

Pela manhã, depois de passar toda noite sem dormir e revoltado com as denúncias, sem acreditar que isso estava acontecendo comigo, relatei o ocorrido à dra. Eloá, que já sabia do fato, assim como todos os padres e funcionários do palácio. Senti-me traído!

Fui primeiro ao Conselho Tutelar, acompanhado de dra. Eloá, e fiz uma veemente declaração de protesto a essa infâmia, uma ofensa a minha dignidade pessoal e um atentado moral à minha pessoa. Falei de meu projeto e de minhas qualificações como ambientalista, minhas certificações como mergulhador e montanhista, as referências do secretário do Meio Ambiente de Ribeirão Preto, de minha história sem máculas e nenhum passado que me envolvesse em qualquer ação dessa natureza.

Depois de ser informado que não havia nenhuma denúncia contra mim no Conselho Tutelar, comecei a suspeitar das origens dessa denúncia, e me dirigi à Polícia Militar, sempre acompanhado de dra. Eloá, como testemunha do que eu estava dizendo.

Depois de esperar por um bom tempo, fui atendido pela policial Yara, que registrou cada detalhe de minha história, outro depoimento enfático de protesto àquela agressão moral contra mim. Assinei o documento, mas ainda não informei a ela as minhas suspeitas. Queira completar o quadro e voltei ao palácio.

Depois soube que quem fez a denúncia foi uma pessoa de nome Mauro, o motoqueiro que passou pela sorveteria e admoestou rudemente uma das crianças, ao invés de me procurar e pedir esclarecimentos. Aqui, as pessoas “se emprenham pelo ouvido”, como dizia um ex-diretor do supermercado onde trabalhei em Recife. É um triste hábito das pessoas que não têm o que fazer senão bisbilhotar a vida de outros, sem mesmo os conhecer…

Procurei Samuel e Djanete e lhes informei a respeito de minhas ações e de minhas suspeitas: contei-lhes como fui recebido pelo sr. José Bonifácio, como fui tratado por ele até mesmo sem me conhecer, e como fui recebido por um dos padres; eles imediatamente chamaram José Bonifácio e me pediram para repetir tudo o que dissera. Reafirmei minhas ações e suspeitas, sob o silêncio constrangedor desse personagem.

Foi quando me disseram, Samuel, Djanete e José Bonifácio, que havia mais um personagem que eu não conhecia: o policial que fizera a denúncia, e que todos eles sabiam quem era e não me informaram! Soube que seu nome era Chagas e levei essa informação à delegacia, complementando o meu depoimento.

Horas depois esse policial apareceu no Palácio para se explicar, se desculpar pelo “mal-entendido” (sic!) e que, em nenhum momento eu era “suspeito” de nada. Fora apenas cautela, uma vez que ele era um dos responsáveis por combater a prostituição infantil e a pedofilia nesta cidade.

Esclarecidos todos os pontos, ficou em mim esse sentimento de ter sido traído por aqueles que me acolheram e afirmavam sua amizade e respeito… tudo mentira? Fui iludido por todos? Sentia-me aliviado, embora a indignação não pudesse ser contida, pela gravidade das acusações e pela forma como foram conduzidas. Lembrei-me de meus primeiros contatos com a CPT e com sua ONG em Salvador, “SOS São Francisco”; diversos e-mails sem resposta, mensagens evasivas, atitudes cautelosas, e nenhum comprometimento.

Por outro lado, eu sempre me ofereci de “peito aberto” a servir de arauto à sua causa, sem preconceitos, sem exigências, sem requisitos… percebi, em um momento, o quanto fui ingênuo em acreditar nessas pessoas que me davam apoio, condicionado a me avaliar cada gesto, cada palavra, cada ato. Ficou em mim o gosto amargo da traição, do oportunismo, da desconfiança que jamais seria superada e que, pouco depois, determinaria o fim de um acordo que nunca existiu. Senti-me expropriado, e desisti de confiar em alguém.

No dia 5 de novembro Frei Luiz Cappio retornou de sua viagem e fez o encerramento do encontro da CPT. Fui recebido pelo Bispo de Barra às 15 horas daquele mesmo dia; relatei minha expedição, meus propósitos preservacionistas, minha atuação junto à CPT de Bom Jesus da Lapa e o lamentável incidente de Barra, assim como minhas suspeitas… ele ficou estupefato!

Disse-lhe que isso maculava minhas convicções a respeito da lealdade daqueles que me trataram bem no passado, mas não apagaria minha crença nas lutas pelas injustiças sociais, em que me envolvi tão completamente, de corpo e alma, até ser vítima de outro atentado, anterior à minha chegada em Barra, e talvez de maior gravidade, pois colocara em risco minha integridade física.

Porém, o atentado à minha integridade moral foi o que mais me impactou, e selou minha dissociação definitiva desse movimento coordenado pela Comissão Pastoral da Terra de Barra e de Bom Jesus da Lapa.

Falei a Dom Luiz sobre minhas visitas às comunidades ribeirinhas, a quem dediquei boa parte de meus esforços e de meu tempo, levando a eles minha mensagem preservacionista, mas também meu compromisso em defender seus direitos e lutar por eles.

Frei Luiz é uma pessoa carismática, de uma expressividade intensa e uma paz interior cativante, e me ouviu pacientemente. Surpreendeu-se com os dois lastimáveis eventos dos quais fui protagonista e vítima, manifestando sua solidariedade.

Ficarei em Barra até domingo, quando pretendo seguir para Xique-Xique, de onde irei percorrer o lago de Sobradinho, provavelmente de carona em barcos de pescadores, passando por Pilão Arcado, Remanso e Sobradinho, e transpondo a barragem em direção a Petrolina e Juazeiro, onde começa o submédio São Francisco, e será a penúltima etapa de minha viagem. O ponto de mutação será em Paulo Afonso.

Hoje frei Luiz Cappio deu sua bênção a minha mãe, a meu pedido, e por telefone, e também a mim e minha canoa, desejando-me sucesso no restante de minha jornada pelo rio São Francisco.

Vivo uma contradição ideológica entre minha posição agnóstica e meu descrédito religioso, e a convicção do importante papel que essa igreja progressista e libertária tem no resgate desse povo. Não posso afirmar minha fé, que não a tenho, mas também não posso renegar essa parceria que existiu, pois acreditei, por algum tempo, nos mesmos ideais que eles defendem e buscam. Seguirei o meu caminho com a certeza de minha coerência nos princípios e valores éticos que nos movem, uma quase aliança não concretizada, mas que deu seus frutos e que vivi intensamente.

Este é o meu momento, espelho de minha alma controvertida e vibrante, embora transpareça em meu semblante a paz que busco nas memórias de meu pai e nas lembranças de minha infância, desde cedo atormentada pelas questões metafísicas que ainda hoje me perseguem e atormentam. A busca da verdade e da razão primordial das coisas e da vida nunca será concretizada. No entanto, é essa a motivação maior de nossas vidas!


Depoimento de Dom Frei Luiz Cappio

Diocese de Barra – 08/11/2009 – 09h02

“Eu estou aqui na companhia do amigo João Carlos, este peregrino do São Francisco, esse navegador das águas barrentas do Velho Chico, que iniciou sua jornada onde o rio nasce e pretende ir até o mar, onde o rio morre e se joga no mar, o céu dos rios. E fico muito feliz de encontrar pessoas que se interessam pelo São Francisco, e que demonstram o seu amor, o seu carinho ao Velho Chico, que hoje necessita tanto de cuidados.

Por que essa valorização do rio São Francisco? Porque ele é um grande dom de Deus; um grande dom de Deus para a vida de milhões de pessoas, que comem o peixe que ele produz e bebem de suas águas, e que comem também os mantimentos que as terras molhadas de suas margens possibilitam.

Então, eu fico assim muito feliz quando pessoas se dedicam a lutar pela vida do Velho Chico, porque na vida do Velho Chico está a vida de toda a população ribeirinha. Eu costumo dizer que ele é o nosso pai e a nossa mãe, e que merece nossos cuidados.

E  o rio está assim, num processo muito acelerado de morte; e quando nós temos alguém na nossa família  que está doente, nós fazemos tudo para que sua saúde seja recuperada. O Velho Chico é nosso parente, é nosso pai, é nossa mãe, é nosso irmão, que conduz a vida desse povo todo; então, nós precisamos cuidar de sua vida, de zelar pela sua vida.

O povo diz assim: ‘Ah… o Velho Chico está na UTI!’

Eu não digo que ele está na UTI, não. Ficaria muito feliz se ele estivesse na UTI. Porque quem está na UTI merece assim todos os cuidados; todo mundo está em cima dele, os médicos, as enfermeiras, aqueles aparelhos todos, para resgatar a vida de quem está morrendo! É… o Velho Chico precisaria estar numa UTI… mas ele não está. Você sabe onde ele está?

Ele está na fila do SUS! E não sabe se vai ser atendido, ou quando é que vai ser atendido… isso é muito triste… aquele que gera vida está morrendo aos poucos. Nós precisamos reverter essa história. Reverter! E gerar vida para quem gera a Vida!

Então, eu quero cumprimentar o amigo João Carlos, que está enfrentando essa jornada. Nós já tivemos a oportunidade de fazer a mesma jornada por ocasião de nossa peregrinação, e sei o quanto ela é bela, mas o quanto ela também é exigente.

Nós desejamos ao João Carlos que seja feliz no seu empreendimento, e que seja mais um a somar com todos aqueles que querem lutar pela vida do Velho Chico.

Muito Obrigado!”

DE BARRA A PILÃO ARCADO

Ainda em Barra

Não tenho anotações desse percurso. Portanto, farei o registro de minhas memórias, sem preciosismos de datas, horas, locais…

Saí de Barra com destino a Xique-Xique. Depois dos lamentáveis incidentes, dra. Eloá convidou-me para acompanhá-la em um mutirão de saúde que realizaria em uma comunidade próxima à cidade; eu logo aceitei, pois seria uma oportunidade de conhecer um pequeno trecho do rio Grande, justamente onde ele se expande com as chuvas, alagando terras e plantações.

Não me lembro o nome dessa pequena vila, mas eram poucas casas, bem simples, mas de alvenaria, no meio da caatinga, e próximas a várias propriedades da igreja. Nota-se que os padres sabem onde investir seu dinheiro, pois são chácaras bem cuidadas e com todas as melhorias e benfeitorias…

Enquanto ela dava atendimento, junto com seus auxiliares (era um projeto do Lions Club), aproveitei a oferta de um companheiro e fomos visitar o rio Grande. Dava para ver claramente o crescimento das águas em direção às terras alagadas. Chegamos a uma “fábrica” de tijolos de confecção artesanal, onde um caminhão e algumas pessoas tentavam salvar a produção. Os tijolos já estavam dentro d’água, assim como as instalações montadas para fazê-los. Eles nos explicaram que quando o rio baixa, reconstroem tudo e retomam as atividades. Os tijolos são confeccionados com a própria lama que o rio traz nas enchentes!

Fantástica essa parceria entre o rio e os ribeirinhos! Agricultura de lameiro e fábrica de tijolos de lama, além das paredes das casas de pau-a-pique, todas “cimentadas” com o barro do rio! Nós não saberíamos aproveitar melhor, e sem nenhum prejuízo para a Natureza, esses processos de cheias e vazantes! Sabedoria…

Remei o dia todo, cerca de 60 quilômetros, guiado pelo GPS, e preocupado com o “famoso” mocambo dos ventos! Nada parecido! O rio fluía normalmente e meu desempenho era ótimo! Cheguei a uma região em que o GPS indicava que deveria haver uma passagem por um canal, na margem direita, que me levaria a Xique-Xique. Mas eu já passava dessa entrada “virtual” e nada via de real… passaram-se quilômetros e eu só via o rio alargar-se em várias direções, com muita vegetação fluvial (aguapés) e nada do canal! Depois de algum tempo comecei a ver barcos tipo “gaiola” entrando à direita bem à frente! Remei mais uns trinta minutos até encontrar o canal, que fazia um cotovelo com o rio; pensei que remaria contra a correnteza, mas isso não aconteceu.

Ao contrário do rio principal, o canal estava tranquilo e cristalino, refletindo a densa vegetação em suas margens. Finalmente, eu via Xique-Xique à minha frente no GPS, minha proa apontada em sua direção! O lugar era belíssimo, e a tarde chegava suavemente, tingindo o céu de dourado, em contraste com o manto negro que gradualmente cobria as árvores em silhuetas!

Parei para fotografar várias vezes. Anoitecia mas, apesar de não ter nenhum contato naquela cidade, não queria perder essas cenas magníficas! Remava lentamente, cruzando cada vez mais embarcações que, aparentemente, retornavam às suas origens, vazias, e tocando sons em um volume exagerado, com músicas de gosto duvidoso, letras eróticas ou debochadas, com expressões grosseiras, sempre se referindo às relações de homens e mulheres. Parece que não há mesmo censura no Brasil; nem para o mau gosto.

XIQUE-XIQUE

O sol, finalmente, se recolheu e deixou-me a escuridão. Remei sem rumo, seguindo apenas a indicação do GPS, até chegar a Xique-Xique. Um muro extenso, no alto de um barranco, isolava a cidade do rio. Alguns barcos atracados no barranco, nenhum porto, ninguém para me dar informações, e um barulho insistente de uma bomba de sucção levava a água do rio para a cidade.

Liguei para Juliano, em Bom Jesus, mas ele disse que não conhecia ninguém para me ajudar. Os contatos deles cessaram antes de Barra; somente dois contatos em Juazeiro, que não responderam às minhas chamadas. Agora estava por minha conta.

Com a escuridão vieram os mosquitos, em nuvens vorazes, querendo enterrar seu ferrão em qualquer parte de meu corpo, até mesmo sobre a pasta de protetor solar que eu passara. Nem mesmo repelente funcionava, pois eles mergulhavam na minha pele, sugando meu sangue misturado com a pasta cremosa.

Tive que sair dali, pois além dos mosquitos, uma população estranha passava por perto. Eu já imaginava ser assaltado por bandidos, jogado no rio para apodrecer ao lado de minha canoa. Voltei contra a correnteza, pois havia uma bifurcação do canal poucos metros acima. Contornei a curva do rio e me deparei com uma grande edificação térrea, toda iluminada, sobre um barranco alto, e vários barcos parados, ancorados, entalados e vazios. A princípio, pensei que se tratasse de um hotel… até pressentia o conforto de me hospedar, ter banho de chuveiro, descansar…

Parei a canoa e subi o barranco. Um velho defecava à beira de uma trilha e um rapaz me abordou, dizendo que eu devia sair dali o quanto antes, pois era um lugar muito perigoso. Disse-me que contornasse mais uma vez o canal, seguindo em frente, e chegaria no porto. Eu estava no prédio da central de abastecimento de Xique-Xique.

Foi assim mesmo: logo que fiz a curva, uma incontável fila de barcos se amontoava, um ao lado do outro, sem espaço entre eles onde coubesse minha pequena canoa. Muita luz, uma praia suja e pessoas andando, conversando, curtindo suas músicas, bebendo, dormindo, comendo… era uma grande feira, com gado em um curral improvisado, mercadorias dentro e fora dos barcos…

Fui seguindo com a canoa até encontrar um pequeno vão entre dois barcos. Parei ao lado de um deles, que me pareceu confiável. Havia um velho, uma moça e um rapaz, preparando-se para dormir. O barco não tinha piso e seu fundo arredondado não se dava para o conforto de uma cama. Todos se ajeitavam em redes, penduradas nas colunas do barco, e assim era com todas as gaiolas que lá estavam ao longo da praia. Eu não tinha uma visão clara do local, pois apesar das luzes, tudo era muito difuso.

Falei com o velho e pedi que ele me concedesse dormir em seu barco. Expliquei-lhe como chegara até ali e que não tinha ninguém que pudesse me ajudar ou me hospedar. Ele prontamente aceitou e disse para eu me ajeitar como desse. Peguei meu saco de dormir, minha sacola com os equipamentos eletrônicos e me instalei sobre a tampa do motor, de forma a poder ver a canoa.

Não dormi, pois os mosquitos não me permitiram. Pela manhã saí para procurar alguma embarcação que fosse para Pilão Arcado. Logo identifiquei duas ou três, mas nenhuma sairia naquele dia, uma terça-feira. Geralmente, os barcos vão na quinta-feira ou na sexta-feira, para poder participar da feira da cidade e voltar no domingo ou na segunda-feira. Levavam todo tipo de mercadoria: roupas, alimentos, frutas, sacos de arroz e de açúcar, vasos de cerâmica, galões de cachaça, cabras, porcos, galinhas, gado…

Encontrei um barqueiro que me fora indicado pela Margarida, do CPP – Conselho Pastoral dos Pescadores de Juazeiro; era o Zé Café e seu barco se chamava “Princesa do Café”; estava ancorado a poucos metros de onde eu me encontrava. Conversei com ele e acertei o preço do transporte: setenta reais, com direito a dormir no barco até a data da partida (quinta-feira).

Trouxe o barco, e seus tripulantes me ajudaram a colocar tudo dentro da “gaiola”. Minha canoa foi colocada na capota! Eu teria dois dias para conhecer a cidade, fotografar o que pudesse, acessar meus e-mails, postar alguma coisa no blog e comer bem!

E foi o que fiz nesses dias, que demoraram a passar; a cidade é pequena e tem poucos atrativos além da praia. O interessante é ver essas pessoas negociando tudo; o barqueiro, na verdade, é o comerciante e seu barco, uma mercearia onde tudo pode ser guardado, comprado, vendido, consumido. Tudo é negociável.

Logo que me instalei senti a necessidade de uma rede; fui à cidade e comprei uma na feira, a poucos metros do porto. Tomei sucos, sorvetes, comi em um restaurante por quilo com grande variedade de verduras e legumes, pela primeira vez em minha viagem! Era caro para meu bolso, mas eu precisava disso!

No final do dia apareceu um rapaz de uns trinta anos, ginga de malandro, boa fala, com uma garrafa de cachaça e uma pequena mala preta. Falou com o Zé Café, que lhe concedeu a viagem de graça. Mas ele não se contentou; durante todos os dias consumiu a cachaça dos galões que cobriam o piso do barco, e de graça!

Puxou conversa comigo e me disse que era de Pilão Arcado, mas estava há alguns anos em São Paulo, para onde fora com os pais, fugindo de um sujeito que o esfaqueara por causa de uma mulher; ele conquistou a mulher do outro e foi descoberto! Daí, fugiu…

Em São Paulo acabou se envolvendo em receptação de roubos e foi preso e condenado a dois anos de reclusão. Passou o diabo na cadeia e, quando foi solto, o pai o mandou de volta para sua terra natal, onde vive sua avó, com quem pretendia ficar. Disse que ela estava bem idosa e, quando morresse deixaria sua casa para ele.

Perguntei-lhe sobre o amante traído e ele me disse que, na verdade, voltava para se vingar, que fora humilhado e não poderia viver com essa mancha… isso significava matar o outro! Perguntei-lhe se não achava isso uma tolice; afinal, matando o sujeito, ele passaria o resto de sua vida na prisão. Sabia disso, mas nada poderia fazer para evitar… sua honra não tinha preço!

Desisti de argumentar com ele. Sabia o que fazia e não era um garoto. Saía todas as noites à caça de mulheres, nos bares e prostíbulos dessa cidade estranha. Durante o dia parecia uma cidade pacata, bonita, com uma bela praça, escolas bem cuidadas, edifícios antigos, um bom restaurante, esse folclórico ir-e-vir de barcos repletos de gente, mercadorias, música brega, e a feira da praia!

À noite diziam que tomasse cuidado, pois havia bandidos por toda parte, prostitutas, travestis, cafetões… eu não vi nada disso, pois não me aventurei a sair do barco. Lá eu ficava em minha rede, apreciando a movimentação intensa dos barcos e das pessoas.

Saímos de Xique-Xique na quinta-feira ao meio-dia; o barco estava cheio de bebidas, sacos de açúcar e muitas pessoas penduradas em suas redes. A viagem seguia monótona, o ruído do motor zumbindo em nossas cabeças, a quilha cortando a água e fazendo um rastro de espuma marrom, e o murmurar do povo.

Cada um cuidava de sua vida; uns conversavam, outros dormiam, uma mulher fazia crochê, eu apreciava a paisagem e, às vezes filmava ou fotografava alguma cena interessante. Nada de ondas gigantes, nenhum risco diferente dos que eu passara até agora! Poderia percorrer todo lago sem problemas, pensei… será?

Tanta gente me alertou para os perigos do Grande Lago de Sobradinho, suas ondas de dois metros de altura, suas paredes de pedra sem condições de abrigo, os bandidos e assaltantes… acho que os ribeirinhos têm uma imaginação fértil; por isso, as lendas do Nêgo d’água, a mula sem cabeça soltando fogo pelo pescoço, o crocodilo gigante, as sereias com seu canto alucinante e tantas estórias assustadoras e inverossímeis! E eu acreditei…

 Passagem

Chegamos à noite em Passagem, uma vila a beira-rio onde chegam as embarcações; de lá, só mesmo de caminhão, de carro ou a pé. Não consegui ver a cúpula da igreja submersa, nem nada que eu pudesse trazer de lembrança desse lugar estranho. Só vi a noite escura, as pessoas esperando perto da fábrica de gelo, nada mais. Passei a noite no barco e acordei cedo com o movimento das pessoas que chegavam para descarregar e transportar…Fui até uma loja de artigos de pesca, que também era uma lanchonete, e consegui retirar a canoa e minhas tralhas e colocá-las na entrada da loja. Assim, fiquei com mais liberdade de procurar um meio de seguir adiante ou ir para a cidade de Pilão Arcado. Fui a uma padaria e fiz um pequeno café da manhã.Por mais que tentasse, ninguém sabia de algum barco que pudesse me levar por todo lago, até Sobradinho. Com muita sorte, conseguiria ir até Remanso, me disseram… as horas se passavam, curiosos se amontoavam em torno da canoa, mas nada de um transporte. Lá pelas dez da manhã eu desisti e contratei uma caminhonete que me levou para Pilão Arcado.

Pilão Arcado

Passamos pelas ruas procurando um caminhão que fazia entregas e pudesse me levar para Remanso. Ninguém se interessava; eram poucos veículos, a cidade não tinha movimento, exceto nos dias de feira, nos fins de semana. O rapaz da caminhonete desistiu e me deixou em um ponto de transporte de VANs, que também não quiseram me levar. Fiquei lá, sozinho.

TRAVESSIA DE SOBRADINHO

Já pelo início da tarde eu quase desistia de conseguir transporte e pensava em voltar para o rio no dia seguinte; dormiria em uma pousada, voltaria para Passagem e enfrentaria esse desafio. Mas apareceu uma enorme carreta que descarregara sacos de cimento e aceitou me levar até Petrolina, passando por Remanso. Pensei que, chegando a Remanso, poderia encontrar outro transporte pelo lago, mas o motorista, preocupado, me demoveu dessa ideia

O lago era mesmo assustador para todos que por lá circulavam! Cada vez mais a ideia de percorrer o lago se tornava uma obsessão em minha cabeça. A carreta seguia devagar… um outro passageiro foi aceito de graça, seguido de duas moças… eu já me sentia enganado por ter pago R$150,00 pelo transporte! Só eu pagava; os outros iam de graça! Mas tive calma e relaxei.

A viagem transcorria sem problemas. Paramos em um posto onde tomamos banho e almoçamos. Em Remanso ficaram os outros passageiros e seguimos eu e o motorista, conversando e apreciando uma outra face das caatingas, verdejantes, viçosas! O que provocava essa mudança? Constatei depois que a construção dessa represa causou outros impactos curiosos na Natureza.Esse era um deles: a pressão de tamanho volume de águas sobre o fundo do lago causou infiltrações no lençol freático e essa água surgia por toda parte, criando um sistema de irrigação raro e permanente. Com isso, a caatinga daqui não seria mais a mesma!Passamos por Casa Nova já ao anoitecer e não deu para ter uma ideia da cidade. Eu já estava cansado de andar na boleia do caminhão e não conseguia manter uma conversa interessante com o motorista… era muito tempo viajando! E não era de barco!

Ele ainda me ajudou a encontrar um hotel em condições e preço razoáveis. Fiquei bem hospedado e o café da manhã era ótimo!

No dia seguinte visitei o Museu do Sertão, muito bem instalado e com um belo acervo, que tive a oportunidade de fotografar. Fiquei impressionado com a cidade de Petrolina. Há cerca de vinte anos, quando morava em Recife, conheci Petrolina e Juazeiro, de passagem para Senhor do Bonfim e Campo Formoso. Eram duas cidades muito parecidas, semelhantes em tudo com aquelas que conheci durante minha viagem: sem muitos atrativos e conforto.

Agora fiquei surpreso com Petrolina: ela se transformara em uma pequena metrópole, com todos os recursos e facilidades de uma cidade moderna, mas preservando suas tradições e valores! Conheci e fotografei a igreja matriz, com seus belíssimos vitrais e torres em estilo europeu; disseram-me que sua arquitetura era francesa, e foi obra de seu primeiro bispo, de grande projeção política, Dom Antônio Maria Malan, homem visionário e emérito.

Naquele dia, Avelar convidou-me a velejar no rio São Francisco. Eu já tivera essa experiência em Recife, em um pequeno barco. Veleiros sempre foram meu sonho de consumo. Durante muito tempo, minha ideia era comprar uma escuna e viver nela, tirar meu sustento dela e realizar meus projetos com ela! Infelizmente, não me empenhei o suficiente para concretizá-lo… Aprendi, na Ordem Rosacruz, que para que um projeto se realize, precisamos construir antes uma imagem mental dele e de cada etapa necessária à sua efetiva realização. Mas nunca pratiquei essa verdade. Abandonei a Ordem antes de me tornar um Mestre.

Fomos no veleiro de um amigo dele, Paulo. Qual não foi a minha surpresa quando descobri que trabalhamos juntos, em uma pequena empresa de Recife, há vinte anos! Eu mal o reconheci; sou péssimo para fisionomias… Passamos um dia fenomenal e aprendi algumas noções de navegação a vela, muito rudimentares. O vento foi nosso algoz durante todo dia… paramos perto de uma ilha e pude nadar no Velho Chico em uma água cristalina, verde esmeralda, de uma beleza incrível! Conhecemos outras pessoas, e Avelar me fez uma surpresa inacreditável: pedi-lhe que gravasse um depoimento e ele me declamou uma poesia, de improviso, que me levou às lágrimas! Avelar é uma pessoa muito especial… o tempo me dirá!