Pensando o futuro da Nação

Homo Neandertalis – gabinete do novo mandatário de Passárgada

Havia uma sociedade onde as pessoas eram livres para pensar e agir, edificada ao longo de muitos anos de discussões e conflitos sociais, decorrentes de preconceitos e ignorância. Essa sociedade fora submetida a 21 anos de violências, torturas e assassinatos praticados por uma casta de militares, para os quais, a masculinidade sobrepujava as noções de igualdade de direitos, justiça social e diversidade de costumes, culturas e raças. O terror predominara por três ciclos de sete anos, arrastando consigo multidões de mártires e vítimas da prepotência e arrogância dos quartéis. Esse período profícuo das Artes, da Cultura e das manifestações de Cidadania deram origem a uma sociedade dinâmica, na qual as ideologias podiam se expressar livremente, razão pela qual uma nova Constituição selou um pacto democrático que se tornou o “livro sagrado” desse povo.

Passadas três décadas, vários governos e mandatários exerceram o poder livremente, embora graves distorções aparecessem e desvirtuassem as liberdades conquistadas. As oligarquias, que sempre dominaram esse país desde o Período Colonial, se aproveitaram da ingenuidade do povo para seu próprio enriquecimento e da classe política que se formara com base nesses valores sociais inquebrantáveis. Essas novas oligarquias, não baseadas na riqueza da Nação mas sim dos mandatários, subverteu o poder e arrastou o povo para um período de miséria, de fome e de desemprego, esgarçando o frágil tecido da Democracia incipiente que se formara. A corrupção alimentou o monstro das ditaduras, que despertara de seu sono profundo, abrindo espaço para um novo período de fascismo e perda de liberdades.

Paradoxalmente, o mesmo povo que se insurgiu contra as ditaduras passou a enaltecê-las alimentando o monstro do terror, das torturas e da violência. Enquanto nossa “Pátria mãe tão distraída” não percebia que era subtraída de suas maiores riquezas, que concentravam o poder e o dinheiro nas mãos de poucos, o povo padecia da miséria, da fome e da violência. Esse clima propício às ditaduras despertou o “monstro da lagoa”, um ser desprezível, mesquinho e preconceituoso que aniquilaria todas as conquistas sociais em nome de um falso liberalismo fascista disfarçado de salvador da pátria!

O desmanche da Democracia é, contudo, irreversível… suas consequências são imprevisíveis e poderão aniquilar todas as conquistas sociais dessa sociedade maniqueísta que se forma nas sombras e nos pântanos do mal, do ódio e do preconceito. O resultado desse retrocesso social será a aniquilação da sociedade, que passará a ser dominada por forças malignas e obscuras, que se agigantam nas trevas e prosperam na podridão. Com o passar dos anos esses seres nefastos se tornarão a referência para as novas gerações, incapazes de construir seu próprio destino. Por isso, seu modelo de ser humano será o estereótipo medíocre de seres malformados.

Se um antigo governante criou o mote “Cinquenta anos em cinco”, essa nova horda de Neandertais recriou seu lema: “Quatrocentos anos em quatro”, para demonstrar que é muito mais fácil destruir do que edificar. A alienação intelectual não é apenas a consequência das ações pérfidas dos Neandertais, mas também o resultado da mediocridade dessa sociedade tecnológica, onde os efeitos de dependência são muito mais poderosos e perenes do que as drogas alucinógenas, afetando diretamente a essência de cada ser humano, transformando-o em um zumbi, um morto-vivo, um fantasma…

É importante destacar que não existem antídotos para os Neandertais, pois a regressão intelectual também afeta as sinapses cerebrais, desconectando-as e transformando o cérebro em um amontoado de neurônios vazios e desprovidos da capacidade de criar e armazenar o conhecimento. É como uma praga bíblica que se propaga em qualquer meio, do vácuo ao vento, das rochas às águas, das esfinges aos monumentos, das antas aos rinocerontes… Passados cerca de vinte anos, toda a sociedade será meramente um aglomerado amorfo de seres desprovidos de inteligência, e a humanidade regredirá aos primórdios da Civilização, um milhão de anos atrás…

por João Carlos Figueiredo Postado em Crônica

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s