A Vida fala por si

Difícil é envelhecer. Dizem que começamos a envelhecer no dia em que nascemos, mas isso não é verdade. Nosso corpo começa a mostrar sinais de envelhecimento quando os olhos já não mais conseguem se fixar nas palavras de um livro, quando as idéias se confundem no embaralhamento dos sentidos, quando a mente manifesta a intenção de agir, mas o corpo não reage no momento esperado. Envelhecemos quando a paciência deixa de ser uma de nossas virtudes, quando o corpo declara a dor que se instala, cruelmente em cada articulação. Envelhecemos quando, finalmente, admitimos esta realidade.

Não é verdade o eufemismo da terceira idade, da “melhor idade”! Só os tolos acreditam nisso. A velhice é a idade da solidão, da melancolia, da insegurança e do sofrimento. Mesmo a alegria, quando chega, é contida, temerosa de seu inevitável fim. Manifesta-se cautelosamente, incrédula, quase triste…A velhice é a espera da morte, sem eufemismos, crua e cruel. É a certeza de que o nosso tempo passa a ser contado em ordem decrescente, o quanto ainda temos para sofrer e suportar as dores do envelhecimento. E a única esperança é que ela venha rápido e dure pouco. O medo de ficar em uma cama, entregue aos cuidados de um estranho, um estorvo para os filhos, uma presença indesejada, esse é o sentimento que acalenta nossos pesadelos.

Já não é assim para aqueles que acreditam em Deus. Os crentes ainda esperam pela “providência divina”, pelo “paraíso”, pela “ressurreição”; mas nós, ateus, sabemos que a morte é, simplesmente, o fim de uma vida. E nada haverá depois da vida. Essa é a razão das religiões terem tantos adeptos: quem, afinal, consegue encarar o vazio após a morte? O NADA? A ausência absoluta de tudo o que fomos em vida? Como, enfim, viver, se sabemos que nada temos e nada levaremos no desenlace de nosso cordão umbilical com esse inferno terreno?

Pior do que morrer, seja lá como for, é o sentimento claro, a percepção inequívoca de nosso envelhecimento, a perda de nossas capacidades adquiridas ao longo do caminho, o isolamento dos jovens, que já não mais nos compreendem, a consciência de que tudo aquilo porque lutamos foi, simplesmente, inútil… para que “Causas Altruístas” se mesmo o mundo, tal qual o conhecemos, perecerá um dia? Por que acreditar que a Natureza é bela, se nossa percepção do mundo é limitada por sentidos frágeis? Seria, o que vemos, a verdadeira natureza das coisas, ou apenas a ilusão de nossos olhos e de nossas mentes? Seria, o que sentimos, Amor, ou tão-somente um apego primário a outro ser, temerosos de nossa própria solidão?

Sim, a Vida é efêmera… mas pior ainda é temer que mesmo esse curto existir foi fundamentado em percepções equivocadas, ilusões de nossa mente! Resta-nos, apenas, admitir a insignificância do ser, e deixar que a areia escorra, lentamente, levando-nos com ela para o infinito inexistente…

por João Carlos Figueiredo Postado em Ensaio