Dogma e Ignorância

Na época da ditadura militar, o Arcebispo de Olinda e Recife era Dom Hélder Câmara, que eu tive o privilégio e a honra de conhecer. Dom Hélder foi um homem corajoso, que defendeu os mais fracos e oprimidos, perseguidos pela violência militar, como deveria se esperar de quem professa a doutrina cristã… Ele nunca se omitiu, nem mesmo quando ameaçado pelos fuzis do autoritarismo, que tantas vítimas deixaram em nossas lembranças.

Mas, infelizmente, não é de tão admirável figura que eu tenho de falar, e sim de seu sucessor, cujo nome nem me preocupo em mencionar… e de um fato lamentável, que me leva a escrever: uma criança de 9 anos, violentada pelo padrasto, grávida de gêmeos, com sua frágil vida em alto risco! O que um pequenino corpo, ainda nem preparado para a gestação, suportaria se essa gravidez covardemente imposta fosse levada adiante?

Pois, com responsabilidade e coragem, os médicos interromperam essa gestação e, pasmem, o dito arcebispo excomungou médicos, famiiares e a própria vítima, e ainda afirmou que o aborto seria um “pecado” mais grave do que o estupro!!! Como assim??? Quem, qual filósofo poderia defender tese tão absurda?

É impossível conceber qualquer argumento que suporte essa teoria, cujo único fundamento se sustenta nos dogmas estabelecidos pela igreja católica. Nenhuma religião pode se intrometer dessa forma na vida dos seres humanos! Quem lhes concedeu tal poder? Que deus poderia justificar tamanha ignomínia? Estamos no século XXI, o emblemático ano 2.000 foi superado sem que o mundo se acabasse, mas a ignorância eclesiástica prevalece nas doutrinas medievais da igreja!

Até mesmo pela atrocidade do ato, o arcebispo deveria ter se calado: pois essa criança foi vítima da monstruosidade de seu padrasto, assim como sua irmã, durante pelo menos três anos! Ou seja, desde os seis anos de idade essa criança foi violentada por esse monstro! E ninguém a defendeu nem denunciou o facínora!

Deveríamos, sim, ter pena de morte ou punição mais cruel para crimes hediondos como o que ocorreu! Um monstro como este nunca poderia ser colocado em convívio com outros seres humanos, se é que se pode admitir que essa aberração seja um “ser humano”! Mas não, ele ainda será julgado, e poderá ser considerado inimputável e levado para uma prisão especial, e ainda voltar à liberdade em poucos anos… e quem resgatará a inocência dessa criança? O Arcebispo de Olinda e Recife?

Dom Hélder Câmara, os homens de bem, dignos, honestos, decentes, que acreditam na vida e na justiça, lhe pedem perdão!…

mepope pope padrespedofilia heil

Seriam esses, pecados menores do que o aborto e o estupro???

por João Carlos Figueiredo Postado em Ensaio

Razões do Existir

Quando nos deparamos com um mistério, um obstáculo intransponível à nossa lógica e entendimento, nossa insaciável necessidade pela compreensão nos compele a recorrer às divindades e ao sobrenatural, justificando o lapso de conhecimento que nos constrange e sufoca.

Mesmo diante da grandiosidade do Universo, da beleza incomensurável da Natureza e dos sentimentos altruístas que nos acometem eventualmente, buscamos no esotérico, no místico, no religioso, no eterno, a explicação das razões do existir.

No entanto, nossa pequenez não nos permite constatar a contradição que nos acomete e nos cega: ao mesmo tempo em que nos surpreendemos e nos extasiamos com a percepção sensorial do Belo, através de nossos olhos, ouvidos e pele, com nossas mãos, ferramentas e invenções o destruímos, contaminamos com nossos dejetos, corrompemos com nossos atos, condenamos com nossas omissões e covardias…

A existência de cada indivíduo, que mal ultrapassa um século, nos impõe os limites do tempo e do espaço… infinito é incompreensível! A existência do homo sapiens, que não chega a 10.000 séculos, nos credita a convicção de nossa superioridade diante da Vida… A existência do Universo, a partir do Big Bang, que supomos não ultrapassar os 40 milhões de séculos, nos leva à indagação: mas, e antes disso, o que existiria?

E a resposta confortável está na Bíblia: "no Princípio era o Verbo, e o Verbo era Deus!"… e por uma palavra de Deus, o Universo se formou, e o dia se separou da noite, e a terra se separou das águas, e os seres vivos se separaram da matéria…

E tudo se resolve em nossas mentes… e, ainda que o Ser Humano venha a desaparecer da face da Terra, seja por uma fatalidade dos transtornos climáticos, seja por sua ação maléfica e daninha sobre a Natureza e sobre si mesmo, ainda assim, em outros planetas, haverá Vida, que se perpetuará pela transformação e evolução natural, gerando ou não seres conscientes de si mesmos, sendo bela por si mesma, ainda que não percebida por ninguém, ainda que não tocada, não vista, não declamada em versos…

E, no entanto, na pequenez de nós mesmos, estaremos a acreditar que a Beleza existe apenas porque nossos sentidos a tornam assim… e que o Universo foi criado apenas para que nós, reles seres humanos, vermes cósmicos imperceptíveis, consumíssemos seus recursos, impunemente, ao nosso bel-prazer! E que, por isso, somos eternos!

Minha missão, consciente de minha insignificância no concerto do Universo, será a de tão-somente declarar minha gratidão por existir, de dedicar a vida que me resta a lutar pela preservação da Natureza, por ser capaz de perceber tanta beleza e poder compartilhar, em palavras e atos, meus sentimentos com vocês…

Janelão9315

por João Carlos Figueiredo Postado em Ensaio