Pierrot

Ontem, quando nasci, eu já tinha 30 anos. Negou-se-me, assim, a minha juventude. Percebeu-me a vida quando minhas filhas me encontravam nesta transitória passagem “pelos campos do Senhor”.Despertado dos sonhos, acreditei não ter, ainda, existido; confesso, pois, que não vivi.

Nessa dicotomia, corpo e alma defasados no passado, aqui me deparava com essa terra de mudanças, onde o “tudo” ao “nada” precede, e a morte em vida se acaba.

Pois é assim que, nascido prematuro e louco, a consciência recobro justo quando a vida se me nega as infinitas possibilidades que aos demais oferece, generosamente.

E nesse paradoxo do tempo em que me encontro, tua beleza a mim se interpõe, ao mesmo tempo recusando o que se me oferece, apenas por ter estado aqui por mais tempo (muito mais) do que deveria ter ocorrido.

“Uma rainha”, pensei, “jamais uma princesa”. Não pela incontestável beleza, bem o sei, mas por já estares pronta, completa, perfeita em tua exuberância arrebatadora.

Ali estavas, diante de mim, vida manifestada em sua plenitude impecável, deliciosos momentos de inexplicável sedução.

E, ao recobrar a consciência – não a razão, ou juízo – nada mais sou que eu mesmo, prematuro ser anoitecido e inconformado pela vida que a mim se negava.

Quase perfeita, a noite se acaba, restando a madrugada fria, insone, infinita, repleta de lembranças do que não houve e nunca será…

Anúncios
por João Carlos Figueiredo Postado em Ensaio

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s