Inquietude

Vivo por contestar.

E por que não ser assim?

Aos acomodados, a cotidiana vida!

Nos extremos encontro a seiva que me alimenta e provoca. Nas nuances e sutilezas busco as diferenças da monotonia das recorrências que me sufocam a alma.

Vivo por divergir.

Por que calar-me?

Aceitar a opinião corrente das mesmices e do tédio asfixiante é reconhecer-se morto… Eternamente… Tento observar sempre o lado oculto das objetivas (subjetivas?), captando o que fugiu de minha retina… Sorrateiramente…

Fujo das maiorias massificantes, espécie mórbida de velório das multidões saciadas do medíocre prazer da estabilidade e do sossego.

Salto os capítulos da novela desta vida, onde os cenários já montados dispersam a consciência e a atenção dos transeuntes seres dessa terra.

Persigo a ansiedade irrequieta e instável do efêmero instante em que a ave pousa, o galho cede, a cobra salta de um só bote, e o mundo estremece de pavor diante do desconhecido e do incerto, da impossível paz que não se sustenta no improvável acerto de contas do Ser com seu passado tão comprometido…

Anseio pelo delirante êxtase do vir a ser que não se consuma no presente, pois, só assim, é possível Viver!

Anúncios
por João Carlos Figueiredo Postado em Poesia

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s