Repúdio

A dor se fora com os anos…
Assim como as lembranças…

Morto – como um rato !
Pouco a pouco, dilacerado…
Humilhado, como a uma meretriz !

Nu,
Caquético, em sua privações…
As unhas, todas elas arrancadas,
Uma a uma… como pétalas !
Tantas marcas de tal espancamento,
Em seu franzino espectro…
A dor que ninguém viu.

Quem mais se ocuparia em recordar ?

Na cova rasa,
Vala comum dos Ideais,
O saco plástico,
Ainda a lhe cobrir o rosto exangüe,
Esbugalhados olhos cegos
A delatar inútil desespero.

Sobre seu corpo esfacelado,
Farrapos da bandeira comunista,
Final alegoria dos carrascos !

Segue o Tempo…
Passa a Vida…
E o Augusto General
Cruza novamente o Oceano…
E à Casa torna,
Altivo… indiferente…
Sem remorsos…
Sem receios…
Sem constrangimentos…

Anúncios
por João Carlos Figueiredo Postado em Poesia

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s