Meta-linguagem


Metáfora das metáforas:
A essência poética
É uma vivência hermética!

Busca, o Poeta, ocultar, em suas palavras,
O sentido da sua própria expressão.

Em cada figura, uma armadilha
Ao leitor desatento:
"Não me lerás assim, tão facilmente!
Decifra-me e, ainda assim, te enganarei!"

Não há segredo mais guardado
Que a Alma do Poeta!
Ele não tem compromissos…
Nem Razão!

Busca, na rima, na contradição,
Distrair, do leitor, a atenção.
E, nos melindres de sua paixão,
Despistar sua própria emoção.

Sofre, com as Palavras!
Não somente com a Alma…
Devora-lhe o temor
De ser, um dia, desvendado
Pela interpretação, desmascarado,
Exposto à crítica,
Ao mais vulgar entendimento,
Qual um texto banal…

Assim, fugindo à lógica,
Persegue, em tortuosos labirintos,
Encontrar sua própria, absurda
E única Verdade!

Anúncios
por João Carlos Figueiredo Postado em Poesia

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s