Gruta do Mimoso

Pareces-te em escombros, à chegada,
Tuas pedras rudes a cortar a caminhada…
Chego-me a ti, afinal,
Como a um confessionário…
E em teu ventre deposito meu destino
À tua perene escuridão…

Aos poucos, a visão se descortina
Ao lago frio… cinzento… silencioso… vazio.
Espelho de nós mesmos…
Apenas sombras… paisagem submersa… como a Alma.

Nas profundezas,
Tua garganta negra… a nos devorar.
Por que a ti me reclamas ?
Um dia, ainda irei te possuir…

Ou serás tu a condenar-me à solidão ?
A vagar por teus salões, eternamente,
Perdido em labirintos dos meus sonhos…
A procurar, em vão, uma saída…

Pois, em ti, a vida se consumará, por fim.
E encontrarei a Paz…

Anúncios
por João Carlos Figueiredo Postado em Poesia

Aguardo sua resposta...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s